História Severo Snape e a Lufana - Capítulo 42


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Alvo Dumbledore, Frei Gorducho, Lílian Evans, Lucius Malfoy, Minerva Mcgonagall, Personagens Originais, Remo Lupin, Severo Snape, Sirius Black, Tiago Potter
Tags Sev, Severo, Severo Snape
Visualizações 190
Palavras 1.440
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Literatura Feminina, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shounen, Yaoi (Gay)
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Mais um capítulo meus amores.

Esse capítulo foi o que eu mais gostei de escrever, é o capítulo que mais tocou meu coração até agora, acho que se tornou meu capítulo favorito.

Por favor desconsiderem qualquer erro. 🙏🏻😅

Mil beijos a todos. 🙏🏻🥰😘

Capítulo 42 - Capítulo 42- Fumaças Dançantes


Fanfic / Fanfiction Severo Snape e a Lufana - Capítulo 42 - Capítulo 42- Fumaças Dançantes

Rua da Fiação, Cockeworth, Casa da família Snape, Inglaterra.

 

Severo acordou com o baque da porta no andar de baixo anunciando que Tobias acabara de sair para trabalhar. 

Ele se levantou e foi até o banheiro, depois desceu as escadas em direção a cozinha. 

Eileen estava parada de frente para a pia com uma expressão vazia no rosto observando a luz da manhã que entrava pela janela.

-Bom dia.- Severo disse baixinho, incerto se deveria ou não falar com ela.

-Bom dia Severo.-Ela se virou para ele ainda sem expressão, para qualquer um isso seria algo terrível, mas para ele era algo novo. 

Ela geralmente não falava com ele, assim como ele não costumava falar com ela. 

-Você vai ... você sabe...-Ele colocou a cabeça para fora da cozinha espiando o corredor para ter certeza que Tobias não estava ali.

-Trabalhar hoje ?- Ele praticamente sussurrou com medo que de alguma forma Tobias ouvisse aquelas palavras. 

-Não.- A resposta foi fria e direta, ele abaixou a cabeça percebendo que o assunto entre eles se encerraria ali.

Eileen então colocou uma xícara com café quente em cima da mesa para ele, ele arqueou uma sobrancelha surpreso.

Ela voltou a se encostar na pia de costas para ele encarando a luz da manhã que entrava pela janela. 

Severo permaneceu em pé na porta da cozinha por um tempo vendo a fumaça do café quente dançar sobre a xícara e teve uma ideia.

Ele subiu para seu quarto e quando voltou para a cozinha Eileen estava parada na mesma posição.

-V-você quer comer comigo ...mãe ?- Ele se forçou a falar, se ele não falasse nada eles passariam o restante da vida naquela mesma posição e em silêncio. 

Eileen enrijeceu ao ouvi-lo chamado-a de mãe  mas não disse nada, permaneceu na mesma posição.

Ela parecia indiferente mas seus ouvidos estavam atentos e ela sabia que ele não havia tocado no café que ela lhe oferecera. 

-Tem pão no armário, eu farei compras na segunda feira quando Tob...Seu pai me der o dinheiro para a compra do mês. -Ela sussurrou fria, no fundo ela estava se justificando por só ter aquele pão velho para o filho comer. 

-Não, eu estou perguntando se você quer comer bolo de frutas comigo. -Severo disse se aproximando da mãe, Eileen pareceu acordar de seu isolamento psíquico.

-Minha amiga me enviou ... Ela que fez...-Ele disse incerto se deveria compartilhar esse segredo com sua mãe.

Eileen se virou com uma sobrancelha arqueada, ela usava uma calça de moletom velho que era enorme para ela e uma camiseta masculina que chegava quase a seus joelhos, seus cabelos negros estavam soltos e escorridos emoldurando o rosto fino e magro de sua mãe, Severo se surpreendeu.

Embora estive com olheiras e muito magra ele notou o quanto ela era bonita.

-Sua amiga enviou isso para você ... Esconda bem e tome cuidado. -Ela mal olhou para o bolo de frutas que Elisa havia enviado para ele  e ia saindo da cozinha.

-Por favor, eu só ...-Ele parou pensando em algo pra dizer, não queria que ela fosse embora.

-Eu só...Queria repartir isso com você.- Ele estava se esforçando para tentar conversar com ela, seria muito mais fácil se trancar em seu quarto e fingir que estava sozinho em casa, mas estava cansado de secretamente sentir saudades da própria mãe que embora estivesse tão perto fisicamente estava tão distante emocionalmente. 

Eileen pareceu pensar por um momento e se sentou em uma das cadeiras velhas da cozinha sem dizer nada.

Involuntariamente Severo sorriu, ele não percebeu que havia sorrido, o sorriso dele  não passou despercebido por Eileen que o observava sem deixar transparecer seus verdadeiros sentimentos. 

Severo pegou outra xícara e serviu café para Eileen, depois se sentou na outra cadeira ficando de frente para ela. 

Eles ficaram de frente um para o outro sem se encarar, os únicos movimentos na cozinha eram das fumaças que dançavam harmoniosamente sob as xícaras de café fresco. 

-E-ela que fez...A minha amiga.- Ele disse nervoso, suas mãos começaram a suar e ele pensou que talvez não tivesse sido uma boa ideia tentar forçar uma conversa com ela.

Eileen o olhou, os olhos negros dela pareciam estar lendo sua mente.

-Tem certeza disso ? Ela mandou isso para você ...-Ela disse por fim o encarando, Severo estava encolhido sob o olhar enigmático de sua mãe, Eileen apenas observava o quanto o filho havia crescido.

-S-sim, ela ficará feliz se você também comer.- Ele disse pegando a maior fatiado bolo e entregou para ela.

Eles comeram em silêncio por um longo tempo, Eileen não tirou os olhos dele nenhum segundo, severo se perguntou o que ela estaria pensando naquele momento.

-Está gostoso.- Ela disse após um longo tempo em silêncio.

-Não está ?!- Os olhos dele brilharam por ela finalmente falar alguma coisa.

-Elisa tem um dom para cozinhar, dizem que os lufanos são bons cozinheiros.- Ele disse empolgado, as sobrancelhas de Eileen tremeram, a muito tempo ela não via o filho sorrir e muito menos demonstrar empolgação em uma conversa com ela.

-A nascida trouxa é lufana ? -Eileen perguntou aproveitando do momento incomum com o filho. 

-Sim, como você sabe que ela é nascida trouxa ?- Ele perguntou surpreso.

-Eu notei que os pais dela não ultrapassam a barreira, assim como os pais da outra garota ruiva.-Ela respondeu indiferente colocando outro pedaço de bolo na boca, Severo se surpreendeu ainda mais por ela saber sobre Lily.

-Entendo... -Ele disse desviando o olhar, pegou sua xícara e bebericou seu café enquanto pensava em algo mais para conversar com com sua mãe.

-Seu cabelo ...-Ele disse sem jeito, Eileen o olhou esperando que ele terminasse o que estava falando.

-O-o seu cabelo ... Está muito bonito.- Ele disse sentindo o rosto esquentar, mas o quê ele estava dizendo ? Ela provavelmente se irritaria ou o acharia um tolo.

Para sua surpresa Eileen sorriu. 

Ele quase caiu da cadeira, ela estava sorrindo, estava genuinamente sorrindo para ele.

-Você acha ? -Ela perguntou sorrindo, Severo não ousou piscar, queria guardar aquele lindo sorriso eternamente em suas lembranças. 

-Eu ia corta-lo essa tarde...-Ela disse passando os dedos pelos longos cabelos negros que escorriam até abaixo de sua cintura. 

-Eu acho que combina com você do jeito que está... Muitas meninas brigariam para ter o cabelo igual ao seu.-Ele disse sentindo o coração se aquecer ao ver as pálidas maçãs do rosto de sua mãe ganharem um tom rosado.

-E-Elisa disse isso sobre o meu cabelo...Bom temos os cabelos iguais...- Ele justificou constrangido com o olhar penetrante de sua mãe, os olhos negros dela ficaram mais brilhantes.

-Elisa ?-Eileen perguntou passando a mão pelo cabelo involuntariamente. 

-A de cabelos castanhos.- Ele respondeu um tanto sem graça.

Eileen apenas assentiu com a cabeça.

-Por falar nela... Semana que vem é o aniversário dela, ela me convidou para passar alguns dias com ela. Eu vou na sexta, talvez eu fique uns três ou quatro dias fora ...-Ele achou melhor avisa-lá do que simplesmente fugir sem dizer nada.

O Sorriso de Eileen sumiu e suas sobrancelhas tremeram um pouco.

-Tudo bem.- Ela disse sem expressão. 

-Eu te levo até a estação na sexta.-Ela disse se levantando da cadeira e indo colocar a xícara na pia.

-Obrigado, mas como você... Ah deixa!- Ele queria perguntar como ela sabia que ele iria encontrar Elisa na estação, mas achou melhor não irritá-la.

-Mãe...-Ele chamou inseguro.

Eileen enrijeceu.

-Sim ?-Ela arqueou uma sobrancelha o olhando.

-Você poderia me ajudar com uma pesquisa ?-Ele perguntou desviando o olhar, se existia alguém que poderia lhe esclarecer qualquer dúvida a respeito de poções, esse alguém era sua mãe, tudo o que ele sabia fora ela que lhe ensinara. 

-Que tipo de pesquisa ? -Ela perguntou enquanto enrolava os cabelos em um coque.

-O que você sabe sobre lobisomens ?-Ele perguntou começando a se empolgar. 

Eileen arqueou ainda mais a sobrancelha, coisa que Severo fazia igualzinho a sua mãe. 

-Sei algumas coisas...- Ela respondeu, os dois pares de olhos negros brilharam intensamente sobre o assunto complexo e interessante que eles começaram.

 

Severo e Eileen passaram o restante do dia estudando a biologia e os genes da licantropia, Severo admirou ainda mais sua mãe, ela poderia muito bem ser uma professora, era inteligente e explicava tudo o que sabia com calma e precisão.

Severo a muito tempo não se sentia tão feliz e realizado de estar com sua mãe, o cheiro de café ficaria registrado em sua mente junto com todos aqueles momentos para sempre. 

 


Notas Finais


Chorando aqui. 😭

Espero que tenham gostado desse momento mãe e filho.

Ps: Amanhã tem capítulo. 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...