História Sex Education (Imagine Jungkook -BTS) - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Min Yoongi (Suga)
Tags Imaginehot, Jungkook, Vocêxjungkook
Visualizações 1.756
Palavras 2.290
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 10 - Dez.


Fanfic / Fanfiction Sex Education (Imagine Jungkook -BTS) - Capítulo 10 - Dez.

Sex Education

Cap. 10

13.12. 2018

Coreia do Sul, Busan;

 

 

— (S/N), acorda! — Fui acordada pelos berros da minha amiga, além de sentir meu corpo sendo chacoalhado para os lados. Podia jurar que o meu cérebro estava balançando no meu crânio.

 

— O que... — estava tão atordoada que não conseguia nem levantar da cama, ou completar um raciocínio, sem falar da dor intensa que eu sentia pelo corpo todo. — O que você está fazendo aqui? — Indaguei, ainda lutando para abrir os olhos.

 

— Você não atendia as minhas chamadas e eu estava começando a me preocupar com a senhorita, mas parece que a idiota aqui se preocupou à toa. — Ela andava de um lado para o outro, parecia furiosa comigo e eu nem sabia o porquê, olhando para o lado, apertei os olhos ao ver Yoongi dormindo do meu lado. Não lembrava em qual momento havia adormecido ao seu lado. — E não vim sozinha, Jungkook, SEU NAMORADO, estava comigo, mas ao ver a mulher dele só com essa blusa do Yoongi, dormindo abraçadinha com ele, o coitado foi embora.— Fiquei em pânico ao descobrir que Jungkook esteve ali, que me viu dormindo com meu melhor amigo, com certeza ele estava me achando uma puta traidora. — Acho que se eu fosse ele, teria feito um barraco dos diabos, depois, daria um soco em você, Yoon, um soco 'pra deitar você no chão. — Ela berrou isso nos ouvidos do nosso melhor amigo, fazendo o dorminhoco acordar assustado.

 

— Engraçadinha. — Yoongi protestou, se revirando na cama, até cair de cara no chão. — Puta que pariu, você quer me matar do coração ou o que, sua doida?

 

— Falo sério, porque eu acho uma puta sacanagem com o coitado do Jungkook. — Ela bradou com mais ênfase, jogando um travesseiro na cabeça do maior, se sentando ao meu lado na cama. — Ele estava desperado te procurando, (S/N) e você estava dormindo com esse daí.— Apontou para Yoongi, jogando uma almofada em sua cabeça. — Agora sai, vai dar uma volta e não precisa ter pressa para voltar. — Apontou em direção a porta do quarto. — Vamos, Yoon, saí.

 

— Mas o flat é meu. — Ele protestou indignado, se levantando do chão com dificuldade.

 

— Vai mesmo querer discutir comigo, querinho? — Praticamente fuzilou o coitado com um olhar mortífero, apontando outra vez em direção à saída do quarto e resmungando algo inaudível, Yoongi nos deixou ali sozinhas. — Agora me conta o que aconteceu, porque eu não quero acreditar que a minha melhor amiga é uma filha da puta traidora. — Ouvir aquilo dela doeu, me deixou pior do que já estava emocionalmente.

 

— Olha. — Tirei a blusa de Yoongi e mostrei todos os hematomas do meu corpo; primeiro os do busto que se estendiam até o abdômen, depois os dos ombros e pulsos. — Isso foi o motivo pelo qual, eu praticamente desmaiei em cima da cama do meu melhor amigo. — Murmurei com a voz embargada, limpando a única lágrima que ousou a descer desenfreada pelo meu rosto. — Não sou uma filha da puta traidora, não estava dormindo após uma foda com meu melhor amigo, mas por estar tão cansada que não conseguia manter os meus olhos abertos.

 

— Caralho, você está toda machucada, o que aconteceu com você, (S/N)? — Iinterrogou-me horrorizada com o que viu, passeando os olhos pelo meu corpo todo.

 

— O pai do Jungkook. — Contei, voltando a me sentar na borda da cama, dando espaço para que ela se sentasse ao meu lado, então eu me virei de lado e deitei a cabeça entre suas pernas. — Estou assim, pois o progenitor do meu namorado ordenou que um covarde me deixasse assim, toda machucada.

 

— Não consigo acreditar que... Ele te agrediu? — Ela parecia não acreditar na própria pergunta, sem deixar de passear os dedos pelo meu cabelo, afagando-os.

 

— Não, mas mandou alguém fazer isso por ele e deixou bem claro que não me quer com o filho dele. — As palavras amargavam na minha pergunta, mais pareciam cacos de vidros descendo goela abaixo. — Se ele quis me dar um susto, conseguiu, fiquei com tanto medo que nem tive coragem de voltar para casa do Jungkook, não tinha coragem nem de falar quando cheguei aqui.

 

— Não pode baixar a cabeça pra esse velha safado. — Balbuciou indignada com a situação em que havia me metido. — Ele não pode fazer isso com a namorada do filho. Que merda ele tem na cabeça 'pra tomar uma atitude tão extrema?

 

— Seria mais simples enfrentar isso tudo se eu... — desci as mãos para minha barriga, enlaçando os braços ao redor. — Eu... — não conseguia contar a descoberta, sentia medo até de pensar sobre o assunto e em como a minha vida estava prestes a mudar após aquilo.

 

— Você o quê, (S/N)? — A outra interrogou, descendo seu olhar para me encarar.

 

— Estou grávida. — Contei de uma vez, desviando o olhar para longe da minha amiga, que parecia não acreditar no que acabara de ouvir, eu mesma custava a acreditar na minha nova realidade. — Não me olha assim, por favor, tudo que não preciso é da minha melhor amiga me olhando dessa forma.

 

— Você é burra ou o que, (S/N)?— Ela sabia como ninguém como me fazer sentir mais idiota do que já me sentia. — Desculpa, só que... — seu destempero era justificado, se fosse o oposto, não duvido nada que eu estivesse a repreendendo, talvez com mais frieza. — Cara, você estava tomando o anticoncecional que a ginecologista receitou. — Sim, estava, mas se tratando de mim e da minha facilidade para esquecer de tomar medicamentos nos horários corretos, mais cedo ou mais tarde, a gravidez acabaria acontecendo.

 

— Não sei o que aconteceu, acho que eu tomei na hora errada, ou esqueci de tomar, você sabe como eu sou distraída. — Quanto mais eu falava, mas incrédula e irritada a minha amiga ficava. — Não queria que isso acontecesse, mas agora não posso fingir que não aconteceu, não vou ignorar que tem uma vida crescendo dentro de mim. — Voltei a acariciar a minha barriga, desviando o olhar para observar sua reação.

 

— Está grávida de quanto tempo? — Já menos horrorizada, ela questionou.

 

— Três semanas... Eu acho. — Respondi, indo em busca das minhas roupas, que, graças a eficiência de Yoongi, já haviam secado, após uma lavagem rápida; estavam imundas quando cheguei no flat do meu amigo, até mesmo manchadas de sangue. — Eu tenho certeza que Jungkook não vai gostar nem um pouco dessa novidade, você olha pra ele e já percebe que ele não sente a menor vontade de ter um filho, tampouco comigo, só namoramos acerca de um mês. — Quanto mais eu pensava no assunto, pior eu me sentia, um medo avassalador me dominando completamente sem que eu conseguisse evitar.

 

— Não vai contar pra ele? — A pergunta veio carregada de advertência; neguei com a cabeça. — Amiga, querendo ou não, essa criança também é dele. — Fez questão de me lembrar algo que eu vinha tentando ignorar com afinco.

 

— O pai do Jungkook já me acha uma oportunista, imagina se ele descobre que eu, alguém que ele odeia, está esperando um neto dele. — Com certeza ele tentaria algo mais eficaz do que uma surra. — Não duvido nada que ele tente se livrar de mim e dessa criança, sem a menor consideração.

 

— Ainda acho que o Jungkook tem todo o direito de saber que vai ser pai. — Continuou insistindo para que eu mudasse a minha decisão e contasse ao meu namorado sobre a paternidade.

 

— Essa criança é só minha, não preciso do Jungkook 'pra cuidar dela. — Protestei irritada.

 

— Precisou dele pra fazer. — Retrucou ainda mais irritada do que eu estava. — Não aja como uma adolescente inconsequente. — Aposto que nem mesmo a minha mãe falaria comigo daquela forma rude.

 

— Não está me ajudando. — Protestei indignada, terminando de vestir a blusa. — Sem sermões. — De repente a dor corporal estava se intensificando, acredito que era o efeito do analgésico estava passando.

 

— Não vou falar o que quer ouvir, você sabe que eu não sou assim, e, é por isso que sou sua melhor amiga. — Jamais esperei isso, mas concordar com as minhas decisões já seria incrível. — Qual seu plano? — Interrogou-me, terminando de abotoar os últimos botões da camisa. — Vai embora e deixar tudo para trás, sem pensar naqueles que sofrerão com sua ausência? — Não era um plano incrível? Eu achava que era.

 

— Falta pouco para o último semestre acabar e eu já tenho meu TCC quase pronto, depois eu volto para a minha cidade dos meus pais e fico por lá até a poeira baixar. — Externei o que tinha em mente, deixando a outra em minha frete, incrédula.

 

— Não ama o Jungkook? — Ela sabia o quanto aquela pergunta me perturbaria, quase derrubava todas as minhas certezas em relação ao que fazer em relação à gravidez.

 

— Claro que amo, mas... — minha mente havia dado um nó, só conseguia pensar que magoaria a pessoa que eu mais amava e isso estava me arruinando psicologicamente. — Não consigo esquecer como eu me senti no momento em que estava sendo agredida, eu podia ter perdido o meu filho. — A imagem daquele homem me batendo sem parar. Nem sei o que teria acontecido comigo se Yoongi não tivesse chegado para me ajudar. — O pai do Jungkook é louco e não vou pagar para ver até onde sua loucura pode chegar, só para me manter longe do filho dele. — Disso eu já não tinha dúvidas, só não sabia o porquê do ódio gratuito, se ele nem sabia quem eu era de verdade.

 

— Dessa vez eu prometo não intervir na sua decisão, por mais que não esteja de acordo com ela. — Dependendo das últimas atitudes da minha amiga, não conseguia confiar cem por cento em sua lealdade à mim. — Só insisto que seria melhor contar toda verdade ao Jungkook. — Me aconselhou uma última vez, para só depois me dar um abraço forte, um abraço que eu realmente precisava.

 

 

Mesmo com Yoongi e minha amiga insistindo para que eu não fosse para o apartamento de Jungkook, decidi ir embora. Como já era bem tarde da noite, deduzi que provavelmente ele estaria dormindo, mas bastou abrir a porta do apartamento e fiquei completamente pálida ao vê-lo sentando no escuro, no sofá da sala, segurando uma taça de vinho entre os dedos.

 

— Que susto. — Levei minha mão ao peito, ficando estagnada em frente à porta. — Achei que já estava dormindo.

 

— Estou sentado aqui há um bom tempo, tentando entender onde foi que eu errei com você.— Mesmo receosa, me aproximei de onde ele estava, relutando ao desejo esmagador de contar tudo, incluindo a paternidade, mas não conseguia parar de pensar que eu estaria colocando a vida de um inocente em risco. — Com a Nayeon eu até entendo o motivo da traição, eu era ausente, sempre lhe impondo castigos sexuais e isso a frustrou, mas com você... Eu tentei fazer tudo certo, controlando o ciúmes que sentia do seu melhor amigo, sendo atencioso com os seus assuntos, com seus temores, mas em algum momento eu errei e eu preciso que me conte. — Se esticando para o lado, ele acendeu as luzes do cômodo, vindo até mim.

 

— Você não errou, só que... — levei as mãos para o meu rosto, recuando um pouco, pois temia que a proximidade me deixasse vulnerável à ele. — Só não sinto mais a paixão que eu senti quando começamos a nos relacionar. — Inventei a primeira desculpa esfarrapada que me veio à mente, estranhando o fato de olhar fixamente para as minhas mãos.

 

— Ficou com ele? — Neguei com a cabeça, recuando à cada passo que eu dava na minha direção. — Transou com ele? — Voltei a negar, irritada com a insinuação, nem tanto descabida devido aos últimos fatos.

 

— Não, eu juro que não aconteceu, só que eu... — lembrei do momento em que caí no chão e de como aquele homem me olhou ao ver ali, se divertindo com a minha dor e desespero. — É difícil explicar, você não entenderia. — Ninguém entenderia, não quando eu mesmo não conseguia me entender e sei que estava optando pelo caminho mais fácil, mas não podia arriscar, não tinha esse direito.

 

— Doeu ver vocês dois deitados naquela cama, uma dor que eu não desejo pra ninguém. — Me assustei quando ele jogou a taça no chão, só restando cacos. — Não sou o suficiente para você?

 

— Eu só...

 

— O que aconteceu com seus pulsos? — Abruptamente, ele segurou os pulsos, depois fixou a atenção na minha face. — Seu rosto... — Sentir seus dedos tocando o machucado um pouco abaixo do supercílio fez meus poros transpirarem. — Que porra aconteceu com seu corpo, (S/N)? — Jungkook abriu os primeiros botões da camisa e constatou que haviam vários hematomas espalhados por minha pele.

 

— Nada. — Afastei suas mãos de mim. — Estou cansada, depois conversamos.

 

— Não mente pra mim, eu não sou idiota. — Pareceu se irritar com a minha resposta. — Fala quem te deixou assim.

 

— Me deixa em paz. — Tentei caminhar em direção à escada, mas Jungkook atravessou na minha frente.

 

— Não deixo, me conta o que porra aconteceu com você 'pra estar toda machucada. — Continuava passeando os olhos por meu corpo, mas ao tentar me tocar, desviei o corpo da trajetória da sua mão. — Foi o Yoongi? — Cresci os olhos em sua direção, ao ouvir a insinuação descabida. — Juro que se ele tocou em você, eu mato aquele filho da puta, sem pensar duas vezes. — Bradou descontrolado, mas agora eu não consegui fugir dele, do seu abraço, caloroso. — Amor, me conta. — Sussurrou baixinho ao pé do ouvido, beijando o topo da minha.

 

— Não quero mais ficar com você. — O fato de não conseguir lhe afastá-lo de mim, ia na contramão do que eu acabava de falar.

 

— Foda-se se não me quer, se não sente mais nada, só me conta o que 'caralhos fizeram pra você está toda machucada.— Não podia contar, no entanto, não sabia o que fazer, estava completamente desnorteada. —Confia em mim e me conta o que aconteceu.


Notas Finais


Leiam: https://www.spiritfanfiction.com/historia/prazer-sem-compromisso-imagine-jungkook--bts-17828229


Passei correndo aqui pra atualizar e quem julgou a SN, julgou muito mal, agora vamos aguardar qual vai ser a decisão da nossa prota (Você).

Gostaram?? Eu espero que sim.
Quero agradecer por todos os faboritos, comentários também, amo vcs💕

Quem leu até aqui, comenta: #SNINJUSTIÇADA

AMO VCS!!!
XxGehxx


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...