História Sexta-Feira 13 - The new Camp Crystal Lake (INTERATIVA) - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Sexta-Feira 13
Personagens Personagens Originais
Tags Acampamento, Adolescentes, Amizade, Amor, Choro, Conselheiros, Cuidado, Desespero, Fuga, Horro, Interativa, Jason, Luta, Monitores, Morte, Mortes, Paixão, Personagem, Proteção, Revelaçoes, Sangue, Terror, Tristeza
Visualizações 27
Palavras 3.506
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Luta, Mistério, Romance e Novela, Saga, Slash, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Seria uma pena se vários personagens tivessem morrido nesse capítulo... Ops... Deixei escapar kkk
Vamos comer um AMBORGUE (erros propositais) com o Rafael e o Robert ? CLARO PQ NAUM ?
Esse capítulo foi mais... Vamos juntar os personagens e matar mais alguns.

Capítulo 6 - It's Friday the 13th... Let's eat a burguer!


Fanfic / Fanfiction Sexta-Feira 13 - The new Camp Crystal Lake (INTERATIVA) - Capítulo 6 - It's Friday the 13th... Let's eat a burguer!

Mesmo dia

Cabana dos Monroe - 23:42


– Não! Fica longe! - Gritou Jenny tentando afastar Jason apontando a bengala para ele. O homem não parecia nem um pouco assustado apenas parecia esperar por algum movimento da loira que estava encurralada no corredor, de repente, num segundo de distração de Jenny o homem a atacou… 


(...)


Mesmo dia

Lado de fora (Cabana dos Monroe) - 23:42


– E-eu não vou… - Disse Melinne parecendo assustada. As duas estavam seguras próximas ao carro, tinham que dar um jeito de salvar a outra que estava dentro da casa.


– Nós duas temos que ir! - Gritou Airynn que olhava a construção azul. Melinne não respondeu e então se levantou, as duas trocaram olhares e voltaram para a construção azulada. A melhor ideia por enquanto era ficar juntas, assim tudo se resolveria melhor, sem contar que duas mentes pensam melhor que uma.


(...)


Mesmo dia

Cabana dos Monroe - 23:42 


O homem a atacou, correu em sua direção com seu machado em mãos, Jenny com medo pensava no que fazer, queria aproveitar o momento exato para correr, foi quando Jason levantou seu machado para dar um ataque que a garota se abaixou, desviando e fazendo a arma bater na parede e ficar presa, nesse momento a loira assustada correu para as escadas…

[Estamina cai para 4, Compostura cai para 2]

…Quando começou a descer de maneira veloz pôde ver Airynn e Melinne dentro da residência.


– Jenny! - Airynn disse num alívio em encontrar a outra loira viva. 


– Nós temos que sair daqui, eu o atrapalhei um pouco, mas isso não vai durar por muito tempo. - Disse Jenny, as outras duas garotas concordaram e começaram a correr para fora, dessa vez sairiam pela porta frontal que estava completamente destruída. Jenny e Melinne passaram sem qualquer dificuldade, porém Airynn tropeçou no que parecia ser a mão de Teddy, ao cair no chão seu sapato virou fazendo seu pé torcer, e seu joelho bater num caco de vidro, soltou um gemido de dor.


– Ah… Porra! - Gritou a loira caída, imediatamente as duas outras voltaram para ajudá-la.


– Vamos! Temos que ir! - Falou Melinne levantando a garota e a apoiando, Jenny fez o mesmo.


– Aguenta… Vamos para o acampamento. - Jenny falou enquanto tentava ficar de pé, não era muito forte e Airynn não tinha o peso de um bebê. As três começaram a andar, torciam para que o homem da máscara de hóquei não surgisse novamente.


(...)


Mesmo dia

Cabana dos monitores - 23:50


Quando já era próximo de meia-noite Robert acordou de repente ao escutar um som vindo do lado de fora, após se levantar percebeu que todos estavam em suas camas, menos Rafael, se espreguiçou e depois caminhou para o corredor saindo do quarto, ao chegar na sala e olhar pela janela viu que ainda estava chovendo, colocou uma das capas de chuva e saiu para o externo. Foi quando escutou o motor de um carro e depois Rafael parou na sua frente com o Puma amarelo.


– Ei, Nerd. - Falou Rafael que estava dirigindo o carro.


– Nerd ? Eu acho que aceito esse apelido… - Respondeu Robert com o novo apelido que tinha ganhado. – Onde vai ? Está tarde… 


– Eu vou até o posto de gasolina na estrada, quer ir ? - Rafael convidou o outro, que sem piscar duas vezes aceitou, Robert correu até o outro lado do carro, abriu a porta e entrou, Rafael então partiu com o veículo amarelo.


– Posso fazer uma pergunta ? - Questionou Robert que parecia prestar atenção na trilha mas pensava alto.


 – Você acabou de fazer uma… - Respondeu o jovem de cabelos negros que dirigia tentando prestar o máximo de atenção na trilha, não estavam muito longe de onde tinham partido e o carro não estava em sua velocidade máxima mas, mesmo assim era melhor prevenir. – Mas pode perguntar que eu deixo.


– Porque você está indo para um posto de gasolina na estrada essa hora ? - Perguntou Robert que passou a olhar para Rafael. Era uma ótima pergunta.


– Bom… O carro está quase sem gasolina e eu estou com fome… - Começou Rafael que tinha acabado de passar pela cabana onde Paul deveria estar dormindo, aproveitou para acelerar. – Eu fui olhar no refeitório e… Bom, não tinha nada para comer que não tenha que cozinhar e eu estou com preguiça, então… Vou comprar alguma coisa.


(...)


Mesmo dia

Trilha Principal - 23:59


Melinne, Airynn e Jenny já tinham andado bastante, estavam cortando caminho por uma floresta próxima a trilha principal, aquilo pouparia tempo de chegar ao acampamento que estava ficando próximo, assim poderiam avisar todos os outros e ficar mais seguras.


– Estamos quase lá… Não podemos desistir agora… - Falou Airynn que nesse ponto já conseguia andar, ainda doía bastante, porém menos que antes, já podia colocar os pés no chão e andar, mas ainda estava lenta em comparação com a jovem morena e a outra loira.


– Estão escutando isso ? - Perguntou Melinne, era o som de um carro ao fundo, as três começaram a achar que era a polícia que finalmente tinha chegado, mas ao ver o veículo amarelo acelerando viram que estavam erradas. Melinne forçou sua vista para ver quem estava dentro do carro. – Quem são eles ?


– Rafael ? - Jenny reconheceu o primeiro garoto, era Rafael que dirigia o automóvel. A loira então se preparou para gritar e começar a correr. – RAFA… - Quando foi calada por Airynn, a loira gótica colocou sua mão na boca da outra para abafar o som, depois a puxou para o chão, Melinne também estava abaixada. – O que foi ? - Perguntou a Jenny agachada sem entender a situação.


– Olhe… - Disse Airynn de maneira baixa, depois apontou para o outro lado da trilha, Jenny se assustou ao ver. Jason estava escondido entre algumas plantas, parecia olhar diretamente para o carro amarelo que avançava em alta velocidade pela trilha. Depois ele parou de observar os dois jovens, sabia que eles estavam saindo, mas depois se preocuparia com eles, de repente as três garotas abaixadas tomaram um susto quando Jason olhou para elas, e se assustaram ainda mais ao perceberem que, ele sabia que estavam ali. As três ainda abaixadas voltaram para mata mais densa.


– Temos que chegar rápido no acampamento, me sigam, eu acho que sei um atalho. - Disse Jenny assumindo o caminho se levantando mas andando de maneira sorrateira. A jovem de cabelos castanhos e a outra loira concordaram e andaram atrás de Jenny, prestando sempre atenção no redor.


(...)


00:00


Era exatos 00:00, Jason estava pronto para matar ainda mais, outro massacre em nome de sua mãe e de seu passado, era em raiva, numa fúria eterna, por qual motivo voltariam ? Já não tinha botado todos para correr ? Já não tinha se vingado ? Jason não entendia o motivo da volta e da reconstrução do Acampamento Camp Crystal Lake, mas ele estava mesmo irritado.


Sexta-Feira, dia 13 de Julho, 1983

Cabana dos Monroe - 00:07


Paul, Josh e Matt se assustaram ao ver a situação da construção, estava num estado péssimo, ao chegaram na varanda viram a janela frontal quebrada, ao entrarem viram o corpo de Teddy sobre o tapete, dessa vez seu olho esquerdo estava vermelho, tinha um caco de vidro preso nele, parecia um olho de peixe, sem emoção, mole e grudento. Talvez o impacto tenha destruído mais o corpo, era o que achavam.


– TEDDY! PORRA! - Gritou Josh que na hora se abaixou para ter um último contato.


– Cadê as garotas ? - Perguntou Paul sem nenhum sinal das três jovens.


– Não sei quem são, mas o assassino deve ter passado por aqui. - Começou Matt que analisava o cenário de destruição, além do corpo caído a sala também estava destruída. – Olhem, os móveis estão destruídos. - Disse apontando para a televisão e depois para o sofá.


– Bela observação. - Disse Paul.


– Eu vou olhar lá em cima. - Josh se levantou e correu até as escadas, após subir Matt se abaixou próximo ao corpo, começou a olhar nos bolsos se encontrava algo útil.


– O que você está fazendo ? - Perguntou Paul que tinha acabado de perceber que o telefone não funcionava.


– Estou vendo se tem alguma coisa útil por aqui… - Matt continuou a olhar pelos bolsos até retirar um canivete do bolso traseiro da calça jeans do morto. – Sério ? Ele tinha um canivete ? Com isso poderia desarmar facilmente uma armadilha. - O moreno de olhos azuis deu uma explicação rápida a Paul que parecia ainda não entender.


– Pessoal… Elas não estão aqui. - Disse Josh que apressadamente descia as escadas procurando pelas garotas. Paul se dirigiu até a porta e Matt continuava a observar o corpo de Teddy.


– Talvez elas tenham ido para o acampamento, temos que chegar lá… - Dizia Paul antes de ser interrompido por Josh que parecia incomodado ao ver Matt mexendo no corpo de seu amigo.


– Tire as suas mãos do Teddy. - Disse Josh em desaprovação ao que o moreno de olhos azuis fazia revirando o ruivo que tinha morrido. Matt revirou os olhos mas concordou em se afastar do corpo, aproveitando colocou o canivete no bolso esquerdo de seu macacão. – Não toque nele, me entendeu ? - Josh estava nervoso com a situação, ainda não acreditava que Teddy estava morto e que Melinne e Airynn também corriam perigo, apesar de ser bastante brincalhão e um pouco invasivo ligava para as pessoas.


– Não temos tempo para discussão, temos que ir. - Disse Paul que interrompia aquilo de uma vez por todas. Paul estava começando a ficar muito irritado e aflito, até que sentou uma forte dor de cabeça e tontura, Matt foi o único a perceber, Josh parecia estar ocupado olhando para Teddy morto.


– Paul… Está tudo bem ? Você parece… - Perguntou Matt que colocou sua mão no ombro de Paul que não parecia estar bem, fazia uma expressão de dor e sua mão continuava próxima à cabeça.


– E-eu estou, vamos indo. - Respondeu, nessa hora Josh passou pela porta, seguido de Matt e Paul que ainda parecia estranho.


Mesmo dia

Cabana de administração - 00:17


O trio de garotas tinham chegado finalmente a cabana de Paul, estavam agradecidas de não serem atacadas pelo homem que as perseguia furiosamente. Jenny foi até a porta e a forçou para poder entrar, sem força aquilo não adiantou nada, depois andou até a janela lateral, que com um pouco de esforço conseguiu abrí-la.


– Vamos já podemos entrar. - Disse Jenny passando pela janela com agilidade e calma. Logo depois foi Melline e por último Airynn. Após entrarem já se sentiam mais seguras, ficariam ali por alguns minutos até chegar à casa dos monitores.


– O que é isso aqui ? - Perguntou Melinne que parecia prestar bastante atenção no lugar, parou ao olhar para um grande mapa pendurado na parede, seu título estava meio apagado e algumas regiões marcadas com um X vermelho indicando perigo.


– Aqui é a casa do Paul, ele é tipo… O nosso líder, o monitor-chefe ou algo do tipo. - Disse Jenny que procurava por alguma coisa que prestasse, Airynn empurrava uma mesa em direção à porta. 


– Haha, que lindinho… - Falou a jovem de cabelo castanho após acender as luzes do terrário, lá se encontrava Rasputia, que era fêmea na realidade, o belo animal se mexia num galho dentro do cubo de vidro, parecia ter se incomodado um pouco ao ter as luzes acendidas, apesar de não se assustar e agir quase que normalmente. Jenny se dirigiu aos aposentos de Paul, a porta para os fundos estava destrancada, ao entrar via-se um belo quarto (melhor que o dos monitores), uma cama decorada e mais bela e com certeza fofa, um armário só para ele e uma estante com alguns frascos estranhos.


– Ei, olhem isso. - Disse Jenny chamando as outras que entraram no cômodo de Paul, a loira parecia concentrada em um armário de remédios, ao abrí-lo pegou um dos fracos, era um nome muito complicado para a jovem de inteligência limitada, mas parecia ser para depressão e depois pegou outro que parecia ser para nervos.


– Uou, sempre achei o Paul estranho. - Disse Airynn olhando para o tanto de frascos de remédios, alguns vazios.


– Você só conhece ele faz uma hora, palhaça. - Respondeu Jenny colocando os frascos de volta. – Ok… Eu acho que já podemos continuar andando, a cabana dos monitores fica aqui perto.


(...)


Mesmo dia

Algum lugar na estrada - 00:26


Rafael e Robert tinham finalmente chegado ao posto de gasolina que ficava na estrada, não era muito longe de Camp Crystal Lake, porém, era uma distância boa. De aparência clássica e velha era essa a definição do lugar, o posto de gasolina era realmente velho, porém num estado ainda bom, logo ao lado tinha uma lanchonete que parecia estar em melhores condições. Rafael foi o primeiro a descer do carro, logo atrás de Robert, Rafael então se dirigiu até a lanchonete.


– Eu vou lá pedir alguma coisa, pode colocar a gasolina por enquanto. - Falou o jovem que ia começar a andar em direção a lanchonete de beira de estrada, antes de ir o jovem de cabelos negros tirou algumas notas altas de sua carteira e entregou para Robert. – Toma, isso aqui é para a gasolina. Vou pegar uma porção de batatas pra você, ok ?


– Tanto faz. - Disse o moreno colocando o dinheiro no bolso e se dirigindo ao posto de gasolina. Rafael, ao entrar na lanchonete percebeu que estava vazia, a não ser por uma jovem loira com uma criança, talvez fossem irmãos ? Pensou Rafael, mas aquilo não era de sua importância, se dirigiu até a bancada do estabelecimento onde foi atendido por uma mulher ruiva de uniforme e cabelo em um coque para o alto.


– Ah… Merda… - Do lado de fora, na região do posto Robert parecia estar com dificuldades, a bomba de gasolina que tinha uma aparência antiga e acabada sem contar que ela não funcionava, por algum motivo parecia que ela estava com algum defeito, deu algumas batidas no objeto mas nada mudou, foi quando decidiu entrar na loja de conveniência do lugar… 

Enquanto o lado de fora estava vazio um homem observava os dois jovens do outro lado da estrada, sim, era ele, Jason Voorhees, caminhou até o carro e continuou a observar os dois, Robert da janela da loja do posto e Rafael sentado no balcão próximo à janela.

Após alguns minutos, Rafael já tinha recebido seu pedido, uma porção de batatas-fritas, com um hambúrguer duplo e refrigerante grande, enquanto aproveitava o momento a garçonete aumentou o volume da televisão, chamando a atenção de todos para o aparelho. Era uma reportagem que não parecia ser tão interessante, mas Rafael começou a prestar atenção.


– E agora temos uma notícia de um acidente envolvendo um ônibus escolar… - Começou o repórter que falava de maneira séria sem perder sua postura. – Foi numa estrada próxima ao Acampamento Camp Crystal Lake, de acordo com as autoridades foi um acidente criminoso, já que os freios do ônibus estavam cortados. Esse veículo era de uma turma do segundo ano do ensino médio que fazia um pequeno passeio nos arredores do acampamento… - Nesse momento todos no estabelecimento ficaram estranhos, a garçonete se dirigiu à grande janela e baixou a persiana, Rafael continuava a comer calmamente, não entendia o alvoroço todo por um simples acidente. O repórter, após um intervalo de 5 segundos continuou, dessa vez com uma voz mais firme e surpresa. – Acabou de chegar outra notícia, foram encontrados corpos de alguns adolescentes no meio da mata, repito, foram encontrados corpos no meio da mata, a polícia acaba de declarar toque de recolher para todos da região, a polícia recomenda que tranquem suas portas e janelas, um assassino pode estar à solta.


– Iremos fechar… - Disse a garçonete que largou um pano sobre a bancada, depois correu até a cozinha rapidamente. Rafael continuou a não entender, mas percebeu que já tinha que ir, a jovem loira com a criança também saiu, depois disso, o jovem de cabelos negros pegou o que tinha sobrado das batatas, colocou algumas notas de dinheiro sobre o balcão e depois saiu, a lanchonete agora estava vazia. 

Já do lado de fora, Robert ainda colocava gasolina no carro, infelizmente a bomba não funcionava, por isso pagou por dois galões de gasolina, não era bom em colocar aquilo, já que era um pouco difícil e não era tão inteligente assim.


– Nerd, temos que ir. - Falou Rafael, o jovem colocou a porção de batatas-fritas fritas sobre o capô do carro, Robert após finalmente conseguir a colocar a gasolina pegou a porção e entrou no carro, seguindo de Rafael que se sentou no banco do motorista. – Acabaram de colocar toque de recolher, disseram que tem um assassino. - Disse Rafael enquanto girava a chave, ele parecia calmo, porém o outro ficou nervoso ao ouvir aquilo, como se estivesse sentindo algo, uma sensação de… Medo. 


– Um assassino ? Você não acha que… - Disse Robert, após Rafael ligar o carro pisou bastante no acelerador fazendo o carro arrancar.


– Não… Eu não sei… - Respondia Rafael, referindo-se ao dia que tinha caído no buraco, parecia prestar mais atenção na conversa do que na própria estrada.


(...)


Mesmo dia

Cabana dos monitores - 00:30


Lily, Gary e Marcos tinham acordado quase que ao mesmo tempo, alguém batia furiosamente na porta, os três se levantaram, e ainda com suas roupas de dormir se dirigiram ao corredor, Lily achava que era Jenny, já Gary e Marco pensavam ser Robert e Rafael, que tinham sumido.


– Vocês também acordaram ? - Perguntou Lily sonolenta, estava com seu cabelo solto caído nos ombros, uma camisola preta até pouco abaixo do joelho. Marco e Gary pareciam sonolentos também.


– É claro, tem alguém matando a porta! - Exclamou Marco coçando os olhos, seu cabelo estava bagunçado, usava uma blusa fazendo referência a Star Wars : Return of the Jedi, calça de malha e pantufas. Os três foram até a sala, foi quando o som vindo da porta tinha parado, alguém do lado de fora tinha desistido de bater.


– Deixa que eu abro. - Falou Gary, que usava uma blusa lisa preta com uma calça longa. Se aproximou da porta, ao abrir foi surpreendido por Jenny, Melline e Airynn que basicamente se jogaram para dentro quase derrubando o jovem.


– Jenny ?! O que é isso ? - Perguntou Lily ao ver as três assustadas, uma delas tinha um machucado no joelho. 


– Um… Assassino… - Disse Airynn ofegante, se sentiu no sofá cansada, Melinne a acompanhou.


– O que essa garota está falando ? - Perguntou Marco que estava ficando assustado. 


– T-tem um assassino, ele… Ele MATOU um amigo dela faz pouco tempo. - Disse Jenny que olhava pela janela o lado de fora, ainda caía uma forte chuva acompanhada de ventania, o lado de fora estava vazio, ele não estava ali. Vendo a situação Gary fechou a porta e baixou a barra de madeira para travá-la.


– Se for verdade… Temos que falar com o Paul, não ? - Perguntou Gary se sentando no sofá, Marco também se sentou ao lado de Melline.


– O Paul está com Josh, um amigo meu. - Explicou Melline. Lily então foi até o interruptor acender as luzes, elas piscaram e depois acenderam, porém Gary às apagou.


– Má ideia. - Respondeu o jovem, realmente não era a melhor ideia, chamaria mais ainda a atenção do que quer que fosse que estivesse lá fora, era melhor não arriscar.


(...)


Mesmo dia

Trilha principal - 00:40


Após passarem pela entrada do acampamento, Rafael começou a diminuir a velocidade do carro, a trilha estava mais escorregadia e um Puma não era o melhor carro para andar na terra, que naquela situação já tinha virado lama, após passarem pela ponte a trilha só piorou, a lama estava mais forte, o carro passou com alguma dificuldade, mas numa parte ele parou.


– Merda… - Reclamou Rafael que via seu carro ficar atolado na lama, tentou acelerar mas não adiantou, engatou a ré e tentou mais uma vez acelerar, nada de acontecer… – Acho que vou ter que sair.


– Não acho a melhor ideia quando se tem um assassino por aí. - Disse Robert tentando assustar o amigo, para ele a ideia de um assassino chegava a ser clichê e engraçada, era meio que impossível pensar que Jason os observava e que ele estava VIVO! 


– Engraçadinho. - Respondeu Rafael que pensava no que fazer, se recostou no banco. Poderia sair e empurrar o carro, encontrar um caminho alternativo ou enfrentar a lama na frente.

O que fazer ? (Apenas para o Zorox).


(A)- Sair e empurrar o carro


(B)- Seguir viagem por um caminho alternativo


(C)-Passar com o carro pela lama


– Se quiser ajuda… Se quiser eu posso… - Começou Robert. O jovem poderia sair do carro e empurrá-lo também, ou poderia apenas esperar que Rafael fizesse alguma coisa.

O que fazer ? (Apenas para o NerdBugado).


(A)- Sair e empurrar o carro


(B)- Ficar dentro do carro


(C)- Sair do carro e seguir viagem a pé 


Continua…

Madrugada de Sexta-Feira 13, o que poderia dar errado ? Tudo, mas não se preocupe, o destino apenas está nas suas mãos, já pensou em ter a vida de alguém sob seu controle ?


Notas Finais


Ok, pessoal. Foi bem simples, mas foi mais para... Conectar as coisas e tal.
Curiosidades :

Perceberam que a turma que foi morta no acidente de ônibus era a turma do Matt ? Rsrs...
E que a imagem do capítulo faz referência a esse acidente ? Rsrs...
Sem contar que aqueles que sobraram (que sobreviveram ao acidente) morreram todos, ou quase todos... (Hello, Matt)
Nossa, esse povo que vive perto do acampamento é um povo muito medroso, meo DEOS.
Outra coisa... MEO DEOS, Jenny, Airynn e Melinne chegando de paraquedas na cabana dos monitores. UOU!

Agora uma coisa importante :

Para o Robert E o Rafael sobreviverem é necessário uma combinação certa de respostas, ou seja, não adianta um escolher uma resposta se o outro escolher uma resposta errada. São quatro finais possíveis para essa cena : ou o Robert morre, ou o Rafael morre, os dois morrem ou nenhum morrem, boa sorte.

Outra coisa importante :

A partir de agora que a madrugada de Sexta-Feira chegou de três questões duas matam seu personagem e uma deixa ele viver, ou seja... VAI FICAR MAIS DIFICIL, obrigado pela compreensão.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...