1. Spirit Fanfics >
  2. Shadow (G!p) - Michaeng >
  3. Consequências

História Shadow (G!p) - Michaeng - Capítulo 14


Escrita por:


Capítulo 14 - Consequências


Acordei com um som de carro vindo lá de fora, acho que era a Mina. Ainda estava a noite de repente começou a chover. Meu pescoço estava doendo pois eu havia dormido de mau jeito no sofá. 

Corri para abrir a porta e receber Mina. Fui até a sacada do prédio e um carro que não era da Mina estava parado de baixo de uma lona para não pegar chuva e eu vi Mina com uma garota, pensei que fosse amiga dela, até que vi as duas se beijando. Aquilo me deixou incrédula a princípio e depois não consegui digerir, mas era real Mina estava mesmo beijando outra garota na minha frente. O que eu poderia fazer? Minha cabeça borbulhava e eu não tinha reação alguma para definir aquilo. 

Entrei no apartamento de Mina e me sentei no sofá pensando em como conversaria com ela sobre isso e lutando ao máximo para não chorar. 

Alguns minutos Mina entrou no apartamento com um sorriso no rosto de como se nada tivesse acontecido. 

ー Oi Chaeyoung, voltei. ー Mina desfez o sorriso ao ver minha seriedade. ー Aconteceu algo? 

ー Quem era aquela garota que você estava beijando? ー Perguntei calmamente. 

Mina recuou um pouco e me encarou séria. 

ー Você viu? 

Sorri amargamente. 

ー Não tinha como não ver, foi bem aqui em frente. ー Dei nos ombros.

ー A culpa é sua, Chaeyoung! ー Mina avançou contra mim de repente, chorando. ー Você abusou de mim, me agrediu e me traiu, me induzindo a fazer o mesmo, mesmo eu te amando. Eu te amo muito, mas não poderia deixar as coisas que você fez barato. 

ー Eu pensei que iríamos passar esses dias bem, Mina. ー Eu já estava chorando, mesmo lutando muito internamente. ー Eu achei que confiaria em mim, eu iria te contar o que se passa comigo. Pensei que iríamos ter um filho. 

ー Você tinha que ter estragado tudo, Chaeyoung. ー Mina me empurrou e se sentou no sofá com as mãos escondendo o rosto ー Eu me sinto mal por ter feito isso com você, como pode ser tão manipuladora assim? 

ー Me desculpa, Mina. Eu não queria que se sentisse assim. ー Fui até ela, me abaixei e segurei no seu joelho. Eu entendia toda a raiva de Mina, eu acompanhei a vida horrível que ela levou ao lado da Chaeyoung, eu realmenta sentia muito. ー Desculpa não conseguir reparar esse erro, ok? Eu pensei que daria para mudar, mas eu simplesmente me enganei. Jimin tinha razão, minha missão não é reparar a vida de ninguém. 

ー Do que você tá falando? ー Mina me encarou com o rosto todo molhado de suas lágrimas. 

ー Não importa mais. ー Me levantei. ー Eu realmente sinto muito pelo o que aconteceu, você agiu da forma que achou correto e eu não estou com raiva de você. Eu vou voltar pra minha casa.

Mina não me impediu e eu sabia que ela não iria fazer isso, ela era bem orgulhosa. Eu também não queria ficar lá, não tinha porque. Eu não queria discutir com ela, brigar e fazer ela me dizer coisas terríveis. 

Andei sem hesitação, mesmo na chuva. Eu não sabia dirigir e mesmo se soubesse não tinha carro por perto, além disso não estava com dinheiro para pedir um Uber. 

Minha casa era longe então andei muito até chegar lá. 

Cheguei em casa toda ensopada e lembrei que não tinha nada na casa, quase tudo meu tinha sido roubado, até mesmo os meus sentimentos. 

ー Essa vida é injusta. ー Me deitei no sofá e chorei, sentindo uma dor profunda. Por que Chaeyoung e Mina eram tão complicadas? Eu poderia estar tão bem com a Mina. 

Meus olhos doíam de tanto chorar e acabei ficando exausta e dormi. No dia seguinte eu não tive coragem de me levantar, era como se meu corpo estivesse pesado, me impedindo de andar. Eu não conseguia explicar o que estava acontecendo, eu estava sozinha de novo naquela casa grande e vazia, eu só queria Mina perto de mim, eu queria ela ao meu lado. Ela estava lá, longe de mim. Se eu fechasse os olhos talvez eu pudesse vê-la. Abri meus olhos, mas Mina não estava, tudo aconteceu tão rápido que eu não sabia o que fazer, fiquei deitada encarando o vazio e a solidão. Minhas roupas ainda estavam molhadas, mas aquilo não me incomodava, não fazia diferença, já que toda a merda aconteceu. Talvez eu ainda não estivesse preparada para aquilo. 

Permaneci deitada o dia todo e isso se repetiu pela semana, só me levantava para algo extremamente necessário, no caso minhas necessidades de ir ao banheiro. Era como se no lugar do meu coração tivesse um buraco e toda vida que eu lembrava disso começava a chorar. 

Um dia, que eu nem sabia mais qual era fui até o banheiro e me olhei no espelho, minha aparência estava horrível. Meu cabelo estava duro, meus olhos inchados, meu corpo doía e eu sentia muito frio. 

Peguei um edredom e voltei para o sofá, eu nem sabia mais quantos dias havia ficado deitada, sem comer, sem viver... 

Dormi, mas acordei com a campainha da minha casa tocando. Não me levantei, não tinha coragem de fazer isso, além disso eu não queria ver ninguém. 

Ouvi a porta abrindo e observei as imagens embasadas de Sana e Momo. Elas falavam coisas que eu pouco entendia.

ー Você acha que ela está bem? ー Momo perguntou. 

ー Deveríamos levá-la ao hospital, acho que está doente. ー Sana falou. 

ー Vão embora, eu quero ficar sozinha. ー Joguei o edredom por cima da minha cabeça, cobrindo a única parte do meu corpo que estava descoberta. 

ー Vem Chaeyoung, você não tá bem. ー Momo tirou minha coberta e eu queria brigar com ela, mas eu realmente estava fraca. 

Me levantei, mas desabei no chão. Eu não entendia mas pela primeira vez tive convulsão. Meu corpo ficou duro e saia um líquido branco da minha boca. Por dentro eu estava me tremendo e doía, eu simplesmente não conseguia ter controle sobre o meu corpo, mesmo estando preso a ele. Depois apaguei. 

Acordei novamente, dessa vez não me sentindo tão fraca, eu estava no hospital pude perceber. Sana estava dormindo do lado da minha cama em uma cadeira. 

Tentei me levantar, mas acabei acordando-a. 

ー O que está fazendo? ー Ela perguntou. 

ー Eu quero ir embora. ー Falei. 

ー Calma lá, você só vai sair daqui quando receber autorização do médico e quando sair vai direto para o meu apartamento. 

ー Como você está andando? Como entrou na minha casa ontem? ー Perguntei confusa. 

ー Eu tirei os gessos das pernas, estou melhor e todo mundo sabe onde você esconde a chave da sua casa, não é segredo e eu estive na sua casa há três dias. 

ー O que aconteceu? 

ー Você estava com hiportemia e acabou tendo convulsões por isso. Você passou três dias dormindo. ー Sana me encarou séria. 

ー Desculpa por isso, eu não estava emocionalmente bem. ー suspirei ー Eu sou uma estrada de mão única, Sana. 

ー Do que você está falando, Chaeyoung? 

ー Eu só tenho uma direção para ir e meu lugar não é aqui. Eu preciso seguir meu caminho, aceitar o que eu sou. 

ー Chaeyoung, ー Sana se aproximou de mim ー eu acho que posso deduzir o que está acontecendo com você, mas a coisa que posso te dizer é que em tempos assim você tem que aprender a viver de novo, se entregar e aprende a amar de novo. Foi algo com a Mina não é? Não precisa nem responder, ela esteve aqui, ela te viu dormindo, ela chorou. Eu não sei o que realmente aconteceu, mas vocês duas sempre foram complicadas. É por isso que te digo que em tempos assim você aprende, você não desiste. Você não é uma estrada de mão única, na verdade você tem várias mãos e deve ir por todos os lados até se encontrar. Não se entregue, está bem? Eu vou avisar o médico que acordou. 

Fiquei pensando no que Sana disse, eu queria aprender, mas eu tinha que botar tudo em ordem. Eu estava aqui, mas não estava vivendo. 

Depois de dois dias presa no hospital Sana e Dahyun vieram me buscar, eu estava livre.

ー Por que vieram vocês duas? Estão juntas por um acaso? ー Perguntei olhando de uma para outra. 

ー Claro que não! Eu não ficaria com a idiota da Sana,  eu só vim pois a Momo está muito ocupada na gravadora, além disso fiquei preocupada com você. Tá tudo bem?  ー Dahyun acariciou meu rosto. 

ー Eu tô melhor. Vamos para a gravadora? ー Perguntei. 

ー Vamos para casa, isso sim. Tem que ficar de repouso. ー Sana brigou. 

ー Não, eu estou melhor. Juro que fico de repouso quando chegar em casa hoje a noite. ー Falei. 

ー Você é muito teimosa. ー Sana suspirou. 

Fomos direto para a gravadora e quando cheguei lá fui direto para a minha sala. Sana e Dahyun me acompanharam. Fiquei olhando para o sofá onde eu e Mina fizemos amor, pensar nela ainda doía em mim. 

ー Tem certeza que quer ficar aqui? ー Dahyun perguntou. 

ー Sim. ー Falei. 

Quando Sana e Dahyun estavam saindo Jackson apareceu. Tomei um susto com ele na minha sala, nós nem nos falávamos. 

ー Tá melhor, Chaeyoung? ー Jackson me encarou.

ー Tô... ー Respondi confusa. 

ー Será que podemos conversar? ー Ele olhou para Sana e Dahyun. ー A sós?

Fiz que sim. Talvez fosse algo sobre a Mina. 

As meninas saíram e eu fiquei sozinha na sala com Jackson. Ele andava de um lado para o outro com as mãos no bolso. Ele era alto. Fiquei olhando para ele, eu estava sentada no sofá e apreensiva. 

ー O que foi Jackson? ー Quebrei o silêncio. 

ー Chaeyoung eu descobri que você rouba a gravadora. ー Ele se virou para mim.

ー Quê? Nunca! ー Só podia ser uma brincadeira e de mau gosto. 

ー Chaeyoung, eu fiquei esses dois anos estudando as ações da empresa os royalties, cheques e fundos. Você praticamente desviou mais de meio milhão durante esse dois anos, você cometeu um crime dentro da própria gravadora. Eu tenho provas.

ー Ma-Mas... Não era bem o que eu...

ー Vai se fazer de desentendida agora? Chaeyoung você literalmente não tem para onde fugir. É sínica, uma pilantra, um ser da pior espécie e sabe o que é pior? Eu descobri que você se envolveu com praticamente todas as garotas menores de idade daqui da gravadora. A Yuna me mandou essa foto. ー Jackson tirou o celular do bolso e me mostrou a foto onde Yuna me beijava no apartamento de Mina. Eu congelei, tudo estava contra mim, eu não sabia o que fazer. ー Me perguto o que estava fazendo na casa da Mina? Enfim, sabe o melhor de tudo? Isso dá cadeia, mas eu vou te dá uma solução. 

ー Qual? ー Perguntei com a voz falhando. Jackson me dava muito medo. 

ー Saia da gravadora, renuncie e venda suas ações. Você não é bem vinda aqui, só irá derrubar a empresa. Se sair eu não te denunciarei. 

Aquilo foi um choque para mim. Eu não havia feito nada daquilo, mas estava sofrendo as consequências. Não era justo. 





Notas Finais


Relevem os erros


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...