1. Spirit Fanfics >
  2. Shadow (G!p) - Michaeng >
  3. Inicio de uma batalha

História Shadow (G!p) - Michaeng - Capítulo 40


Escrita por:


Capítulo 40 - Inicio de uma batalha


Eu e Chaeyoung voltamos as pressas para a Coreia, pegamos o primeiro vôo para o país. Não estava sendo fácil digerir a notícia de que Sehun havia tomado a presidência da gravadora para si, simplesmente era algo inadmissível. 

Passei as horas no vôo pensando em como agir ao chegar lá, eu sequer conseguia responder as perguntas de Chae, que coitadinha, estava muito preocupada e aflita. 

Assim que chegamos no aeroporto eu pedi um táxi para mim e outro para ela. 

- Espera, aonde você vai? – Chaeyoung perguntou. 

- Vou até a gravadora. Eu preciso ver a situação com os meus próprios olhos. – Falei nervosa. 

- Quer que vá junta? Eu poss-

- Não Chae, não quero te envolver nesses problemas.

- Mas estamos juntas, seus problemas são meus também. – Chaeyoung se aproximou de mim e segurou minha mão.  

- Obrigada Chae, mas eu realmente ficarei bem se fizer isso sozinha. – Sorri para ela, depois lhe dei as costas. Eu tinha que enfrentar os meus problemas sem meter Chaeyoung nisso. 

- Mina, espera. – Chaeyoung pediu e quando me virei ela me abraçou pelo pescoço, ficando na ponta dos pés. – Eu te amo, tá bom? 

- Eu também te amo. – Aquilo era reconfortante, me fez ter confiança para encarar o que estava prestes a vim. 

Peguei o táxi e fui direto para a gravadora. Demorei 30 minutos para chegar lá, mas enfim cheguei e antes de sair do táxi olhei para o prédio com o coração acelerado. Eu não poderia perder a gravadora, era a minha gravada, eu que a fundei. 

Sai do táxi e andei rápido, passando pela portaria e indo até minha sala, onde encontrei Sehun e alguns homens, certamente sua corja. 

- O que estão fazendo na minha sala? – Perguntei. 

- Essa sala não é mais sua, Mina. Ela agora pertence a Sehun. – Um dos homens falou. 

- Como assim “pertence a Sehun”? – Cerrei os punhos. 

- Pode deixar que eu explico. – Sehun se aproximou de mim. – Mina, eu andei averiguado o histórico da empresa e você escondeu muita coisa suja da Chaeyoung. Sonegação de impostos, roubos quase milionários dos cofres da empresa, formação de quadrilha, esquema de prostituição, violação do direito do trabalhador, além das vulgaridades que você e Chaeyoung faziam nessa empresa. 

- Do que está falando? 

- Tem vídeo seu e da Chaeyoung transando em uma das salas do prédios, fora as fotos pelada dela que eram tiradas aqui dentro. Se você está com ela então significa que é cúmplice e pela lei da empresa eu tomei a presidência até uma audiência ser marcada e a decisão for tomada por parte da justiça, mas veja bem Mina, diante de tantas provas você não tem muitas chances. Enquanto a audiência não é marcada eu ficarei na presidência e você pode voltar para a casa. É isso. Pode até olhar o documento autenticado se quiser, é uma cópia, é sua. 

Tomei o documento de sua mão e dei uma breve olhada, era legítimo. O documento dava direito a presidência temporária para Sehun. Foi um acordo fechado com 90% dos funcionários, que eram em sua maioria homens e machistas. 

- Você armou isso com o Jackson não foi? Desde o início você queria a minha parte na gravadora. – Eu queria avançar nesse macho prepotente, de tamanha raiva que eu estava sentindo. – Aposto que o meu acidente tem dedo seu, mas é óbvio que tinha. Você queria se livrar de mim, mas como não conseguiu apelou para meios baixos. Saiba que tudo do que você acusou Chaeyoung não se concretizou de fato. Ela nunca cometeu nenhum desses crimes, se ela pagar na justiça vai ser apenas por sonegar impostos, mas a conhecendo bem eu sei que ela irá pagar, agora o resto está tudo provado que ela não fez, então prepare-se pois quem vai atacar sou eu. – Virei as costas, mas voltei atrás e o encarei. – Sobre o vídeo e a foto eu sugiro que apague, pois vou processa-lo por isso. E quando eu voltar vou demitir todos que fizeram parte dessa palhaçada. 

- Mina, não piora sua situação. Seria diferente se você estivesse comigo e não com aquela garota, ela não presta de nenhuma forma. 

Eu queria da um tapa na cara do Sehun, essa era a minha vontade, mas não iria dar o gostinho da vitória para ele. Eu iria ganhar dele de forma limpa. 

Sai da gravadora com Jihyo ao meu lado, eu a encontrei lá dentro. Com ela pude desabafar e chorar. Jihyo me levou para o seu apartamento, onde começamos a beber. 

- Mina, vai com calma. Você não pode exagerar, está grávida. – Jihyo advertiu. 

- Eu não ligo, estou puta! – Virei uma garrafa de vinho pelo gargalo. 

- Tá, mas você vai prejudicar seu filho por isso? – Jihyo tentou tirar a garrafa de mim, mas me esquivei.  

- Só uma vez não vai me fazer mal. Ninguém vai conseguir me tirar da tristeza que estou sentindo. Aquele filho da puta, arrombado do caralho me pega, eu vou ter o prazer de tirar tudo dele e no final vou cuspir em sua cara. 

- Tudo bem Mina, mas tenha decência. Eu não sei como agir, já que está grávida. Só prometo que vou cuidar de você. – Jihyo me encarava confusa. 

- Eu te amo amiga, você é a única pessoa que eu posso confiar. – Corri até Jihyo e a abracei. – Eu quero mais bebida, vamos no docs? 

- Ai Mina, tudo bem. – Jihyo estava hesitante, mas no final concordou em ir comigo até o docs. 

Fomos de carro então no caminho eu já havia acabado com duas garrafas de vinho e estava querendo a terceira. 

Chegando no docs fui direto até o balcão compra bebidas, onde quem me atendeu foi aquela ex-namoradinha da Chaeyoung. 

- Tinha que ser você, é? Não tem outro funcionário nessa espelunca?

- Eu sou a funcionária nesse horário. – Somi falou calmamente. – Em que posso ajuda-la? 

- Você está demitida. – Apontei o dedo para sua cara. 

- Tudo bem e o quê mais? – Somi sorria. 

- Tá rindo, não é? Mas você não pode ser um terço do que eu sou. Bem que você queria ser eu, não é? Bem que você queria tá grávida da Chaeyoung como eu estou. – Agora foi minha vez de sorrir ao ver o sorriso dela se desmanchar. 

- Bem, vão querer alguma coisa? - Somi perguntou parecendo bem surpresa. 

- Desculpa Somi, ela está bêbada e passando por problemas. – Jihyo me segurou e me puxou para fora do docs. 

- Me deixa, Jihyo, eu tenho que falar que ela nunca vai ter a Chaeyoung, pois só quem senta nela sou eu. – Dei um último sorriso de lado para Somi antes de Jihyo me tirar dali. 

- Qual é o seu problema, garota? Que inferno! A coitada da menina não merecia aquilo. Foi muito baixo da sua parte. – Jihyo me puxava – Droga Mina, você parece uma criança. 

Tropecei e quase fui ao chão, quando Jihyo me segurou e me botou no carro. Tudo girava e eu estava com uma raiva muito grande de tudo. Menos do meu filho. 

- A vida é uma merda, Jihyo. Que bom que tenho meu bebê. – Falei olhando para o outro lado, quando Jihyo deu partida no carro. 

- Você vai superar isso. 

- Ei, pra quem você tá ligando? – Perguntei quando a vi com o celular na orelha. 

- Tô ligando pra Chaeyoung. – Jihyo falou brevemente com Chaeyoung e foi me deixar em casa. 

Assim que chegamos, tarde da noite, Chae já me esperava na portaria. 

- Obrigada por ter ficado com ela e desculpa o incômodo. -Chaeyoung falou me tirando delicadamente do carro. 

- Nada, só cuida dela. Tchau. – Jihyo se despediu e foi embora, me deixando com Chae que estava em um silêncio estranho. 

- Não vai brigar comigo? – Eu a encarei com um sorriso brincalhão. 

- Não. Vamos subir. – Chaeyoung me segurou e me levou para dentro do elevador. Lá ela não falava nada e me dava as costas. Ela estava de braços cruzados e parecia bem furiosa. 

Quando chegamos no meu apartamento me joguei no sofá, eu só queria dormir. 

- Vem Mina, eu vou te dá um banho. 

- Não quer conversar? – Me sentei no sofá e a encarei. 

- Não acho que é uma boa ideia fazer isso agora, entende?

- Só porque eu estou bêbada? Estou bêbada sim, mas consciente. – Fechei a cara. 

- Tá bom. – Ela só disse isso. Fiquei com raiva. 

- Eu preciso que fale alguma coisa ou eu vou ficar com muita raiva de você. 

- E eu vou falar o quê? Eu fiquei o dia te esperando e preocupada. Você não me deu um telefonema e sequer me procurou para falar o que houve. Olha o seu estado, e o nosso bebê? Eu quero vocês dois bem, mas assim não dá. 

- Quer terminar comigo e voltar com a Somi? Sabia que eu perdi a presidência da empresa de verdade? E agora estou prestes a te perder. 

- Você não vai me perder. – Chaeyoung suavizou a expressão. 

- Então não briga comigo. – Fiz bico.

- Não estou brigando, eu só quero que me conte o motivo de ter perdido a presidência da gravadora. 

- Isso não vem ao caso. – Eu não queria contar que foi por causa dela. Chaeyoung se sentiria mal. 

- Confia em mim, eu preciso saber o que aconteceu com você. – Chaeyoung se aproximou. 

- Então quer dizer que você precisa saber de tudo sobre mim e eu não posso saber sobre você? E a tal decisão que você tem que tomar, porque não me contou? 

- Por que vai muito além de você e fora que eu não quero te preocupar. 

- Então eu estou tomando a mesma decisão. Eu não vou te contar para não lhe preocupar, pronto. Mesmo que tenha a ver com você, espera, não com você necessariamente mas com a Chaeyoung antiga. 

- Então você perdeu a presidência da gravadora por causa das merdas da Chaeyoung, não foi isso?

- É, mas não fica triste, eu vou da um jeito. – Me levantei e tentei beija-la, mas ela virava o rosto. 

- Como vai resolver se eu sou a fonte do problema? Quem tem que resolver isso sou eu. 

- Não se envolve nisso, Chaeyoung, puta merda. – Dei um tapa fraco no seu rosto. – Eu vou contratar o melhor advogado pra isso. 

- Não dá Mina, eu sei de tudo o que a Chaeyoung fez e sinceramente não foi pouca coisa. Você não pode ficar comigo sabendo que pode perder tudo. Não, eu não vou arriscar te ver botando o futuro do nosso filho a perder. 

- O que você quer dizer com isso? – Eu a empurrei com todas as minhas forças. Mesmo bêbada eu sabia o que ela queria dizer, mas perguntei para ouvir de sua boca. 

- Amanhã a gente conversa. Vai tomar um banho e dormir. Você tá precisando. 

- Não, não estou nada. – Me agarrei a ela e segurei a gola de sua camisa. – Fala, se não, não te deixarei em paz. 

- Eu estou terminando com você. Eu não quero que fique comigo sabendo que vou ser presa ou algo do tipo. Eu vou entregar a Chaeyoung, no caso me entregar para a polícia. 

- NÃO! VOCÊ NÃO VAI FAZER ISSO. – Continuei segurando sua camisa e encostei o topo da minha cabeça no seu peito. – Eu não quero que me deixe, isso não vai fazer bem para mim e para o bebê. Eu te amo, idiota. 

- Mas você tem que colocar o bem estar do nosso filho acima de nós. Eu estou dispostas a fazer isso, pois eu os amo demais. Se eu errei então eu vou pagar por tudo. – Chaeyoung segurou meus braços, depois os acariciou. 

- Não pode... – Deixei que Chaeyoung me levasse para a cama naquela noite. Nos deitamos e dormimos abraçadas. Eu não queria solta-la, se eu fizesse isso ela iria embora. 

Na manhã seguinte Chaeyoung arrumava sua mala e eu estava sentada na cama observando. Eu estava chorando discretamente. Não era justo o que ela estava fazendo. 

- Você vai pra onde? – Perguntei. 

- Vou voltar pra minha casa. – Ela estava terminando de arrumar suas coisas. 

- Eu não quero que vá. – Falei quase baixinho. 

- Eu tô fazendo isso para que possa processar o Sehun e tomar de volta o que é seu. Eu não vou arruinar a vida de mais ninguém. 

- Mas a culpa não foi sua, Chae. 

- Não tem como provar o contrário, eu sou a Chaeyoung agora. É melhor assim, Mina. Se as coisas se resolverem quem sabe a gente volta. – Chae se sentou na cama e segurou minhas mãos – Eu tô fazendo isso para o seu bem e o bem do bebê, mas eu não queria. Eu não queria me separar de você. Eu acredito no seu potencial, você é uma mulher forte e incrível, vai conseguir sair essa e da a volta por cima, mas pra isso eu tenho que me afastar. Eu te amo demais, te amo tanto que dói ter que partir. Amo você e o bebê. 

Chaeyoung beijou minha testa, se afastou de mim, pegou sua bolsa e saiu do meu apartamento. Aquilo tudo me deixou mal e eu chorei novamente. Eu não queria aquilo. Eu queria Chaeyoung comigo, cuidando de mim e do nosso filho, mas agora eu percebia que eu teria que lutar por ela, por mim e pelo nosso filho. Agora era a minha hora de fazer de tudo para ter minha família unida. 

 


Notas Finais


Relevem os erros. Pretendo fechar essa fanfic logo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...