História Shadowhunters- O Ressurgir do desconhecido - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Shadowhunters
Personagens Alexander "Alec" Lightwood, Clary Fairchild (Clary Fray), Isabelle Lightwood, Jace Herondale (Jace Wayland), Magnus Bane, Personagens Originais
Tags Shadowhunters
Visualizações 12
Palavras 1.030
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Luta, Sobrenatural

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Deu trabalho para escrever, espero que gostem <3

Capítulo 2 - Uma desconhecida familiar


Alec, irritado, com o arco e flecha em suas mãos responde:

-Você não é daqui, nunca vi você no Instituto.

-Tem razão, não sou. -Responde sabendo as perguntas que estariam por vir.

-Então... É de qual Intit...-Pergunta Izzy sendo interrompida por Emma.

-Nenhum, não sou cachorrinho da Clave como vocês, não preciso acatar ordens inconvenientes.

-O que está fazendo no Brooklyn? -Pergunta Jace franzindo a testa em raiva e aparentemente confuso.

-Quantas perguntas, não é mesmo? -Responde rindo em quanto guarda sua espada.

-Responde logo, não temos tempo pra joguinhos. -Diz Alec impaciente.

-Hum, é verdade, deve ocupar muito do seu tempo ser diretor de um Instituto. -diz enquanto anda devagar a volta deles em círculos, em seus saltos pretos e inúmeras armas em sua cintura. -A atividade demoníaca daqui aumentou em vinte e sete porcento nos últimos meses, acredito, devido aos instrumentos mortais estarem aqui.

-Como sabe essas coisas sobre nós? E sobre os instrument... -Diz Clary sendo interrompida por um gesto de Emma dando a entender "cale-se".

Por um momento todos ficam quietos,  Emma usa sua audição apurada, aparentemente querendo encontrar alguma coisa, escuta sons de demônios se aproximando e logo diz:

-É melhor irem embora, agora, esqueçam que estiveram aqui.

-Não vou obedecer a uma estranha que tem no máximo dezoito anos e que chega a cidade do nada querendo se achar a...

Jace para de falar quando ouve um som estranho vindo de trás deles, era um demônio que iria atacar Clary então rapidamente Emma grita:

-ABAIXA

Clary se joga no chão sem reflexo e Emma atira um punhal no demônio, e logo puxa o punhal de volta para ela com magia, logo Jace ajuda Clary a se levantar.

-Como estava dizendo, é melhor irem logo. -Comenta Emma com naturalidade.

-Como é possível? -Izzy pergunta espantada

-Demônios aparecerem do nada, é muito comum na verdade. -Responde com ironia sabendo exatamente ao que se referia.

-Você entendeu muito bem o que quis dizer.

Emma ri se divertindo com as caras de espanto dos outros.

-Está se referindo ao fato de eu ser uma shadowhunter e conseguir fazer isso? -olhando nos olhos de Izzy, move com magia um carro atrás dela. -É um mistério, um que vocês vão ter que esquecer se não quiserem morrer tentando desvendar. -Diz com um lindo e  frio sorriso em seu rosto.

Logo em seguida aparecem cerca de trinta e sete demônios a volta deles, espalhados

-Vão agora, ou fiquem para a brincadeira, mas já aviso, os jogos podem ser mortais... Para vocês -Diz com sarcasmo, como quem nunca se cansa de se exibir, não se importa com a vida alheia, e sim de diverte com o risco delas.

Enquanto os outros sacam suas armas Emma sobe em um dos prédios e com seu arco e flecha, começa a fazer a coisa que mais a diverte, matar. Alec faz o mesmo em cima de outro prédio, enquanto Clary Jace e Izzy matam-os logo abaixo deles.

Todos continuam por mais algum tempo. Até que um demônio aparentemente de outra espécie e muito maior que os outros aparece atrás de Clary e Izzy, se aproximando cada vez mais, até que estava pronto para matá-las em um único movimento. Emma escuta-o e como reflexo cria escudo de magia atrás delas. Todos percebem a presença do outro demônio e do que estava acontecendo, tentando manter o foco continuam matando, mas Clary continua no mesmo lugar, imóvel, sem reação.

A garota continua com o escudo que logo começa a enfraquecer, então o demônio alcança sua garganta, rasgando-a com suas garras. Ela solta um grito estridente, e junto com ela fazendo todos os demônios que ainda restavam caírem e matando-os.

Jace corre até Clary desesperado achando que ela havia se machucado.

-Clary! O que houve? Você tá bem? Eu não vi muito bem o que aconteceu. -Diz envolvendo Clary em seus braços.

-Eu tô bem... Não fui eu... Ah meu Deus... -Responde com uma voz de choro, ofegante.

Alec desce do prédio enquanto Jace se aproxima para ver o que tinha acontecido.

-Vamos embora logo -Jace fala a todos -Temos que voltar.

Izzy com preocupação pela garota e ao mesmo tempo espantada tentando ainda raciocinar sobre o que houve, diz:

-Claro que não! Não podemos deixar ela aqui!

-A gente nem conhece ela, vambora logo!

-Jace ela salvou minha vida!

-O Sebastian também salvou, se lembra?

-Jace, é uma criança, e ela tá morrendo, se deixarmos ela aqui, ela morre. -Alec se intromete mostrando estar do lado de Izzy.

-Ela não é criança, não tem menos que dezesseis anos, sabia o que estava fazendo.

-Gente! Chega! Enquanto vocês tão discutido, ela tá morrendo, a gente vai ajudar ela e pronto! -Clary fala aos três -Alec, será que o Magnus pode ajudar?

-Acho que pode, já ajudou um amigo assim.


-Ótimo, vamos levar ela pra lá


-Tudo, o que acontecer por causa dela, a culpa e a responsabilidade vai ser de vocês, -Jace fala com os braços cruzados. -não quero ter nada a ver com isso.


Clary insiste e ele acaba carregando-a até a casa do Magnus.

.

.

.

-Magnus!! -Alec grita enquanto bate na porta.


Surge um sorriso no rosto de Magnus ao ouvir sua voz, então, abre a porta com magia e sem olhar para Alec  coloca uma taça de vinho em sua mão.


-Estava esperando por você…


-Não foi por isso que vim aqui -Alec coloca a taça em cima


-O que quer então, sabe que te dou qualquer coisa… -Magnus fala maliciosamente mas logo para de falar quando se vira e vê Emma nos braços de Jace.


--Ah… O que houve? E quem é ela? -Continua falando e faz um gesto para que entrem.


Eles entram.


Jace ao mesmo tempo que com raiva de ter que levá-la lá, estava estranhamente admirado pela garota, a observava, seus traços, como se fosse uma pessoa em outro corpo.


-Ela foi atacada por um demônio enquanto nos ajudava… E segundo ela, Emma. -Izzy explica enquanto entra na casa.


-Coloca ela no sofá… Espera, vocês não tem uma runa pra isso?


-Temos, e já tentamos ativar a dela, ativou mas não adiantou nada.


Depois que Jace a coloca no sofá, Magnus se senta ao lado dela para analisar melhor, sentia como se já a conhecesse, ou pelo menos, a tivesse visto. Desconfiado pergunta:


-Ela disse o sobrenome?


-Disse, Graham -Alec responde enquanto anda de um lado ao outro impaciente -Por que? Faz diferença?


-Graham?!


-Sim, o que você não tá me contando Magnus?


Incrédulo fala baixo


-Não pode ser


Notas Finais


Desculpaa por demorar tanto, estou sem tempo.
Comentem se gostaram
Perdão por qlqr erro de português
Bjos do Herondale <333


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...