História Shape of you - Capítulo 31


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce, Originais
Personagens Armin, Castiel, Iris, Kentin, Lysandre, Melody, Nathaniel, Personagens Originais, Priya, Rosalya, Viktor Chavalier, Violette
Tags Photograph
Visualizações 19
Palavras 1.077
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi gente desculpe a demora, bem eu vou explicar algumas coisas agora sobre a minha demora e sobre a história que eu postei. A história já estava pronta e como eu estava sem inspiração e sem nada pra fazer eu postei então eu não esqueci e nem sequer pensei em abandonar essa fic. E sobre a minha demora como falado antes eu estava sem inspiração e eu fiquei cheia de trabalho da escola pra fazer então não deu pra atualizar antes. Agora eu consegui um cronograma para postar os capítulos, todas segundas, terças, quintas e sextas a partir de hoje. Então gente amanhã tem capítulo novo e isso está afirmado. Obrigada por terem paciência comigo. Boa leitura.

Bjs da Tiela💋

Capítulo 31 - Londres Parte V: Parte final


Fanfic / Fanfiction Shape of you - Capítulo 31 - Londres Parte V: Parte final

De todas as coisas que eu podia imaginar ao longo dos meus vinte anos de idade, namorar Sarah Western a bad girl de Sweet Amoris seria a última coisa. Somente uma mente muito fértil pra me imaginar namorando pela segunda vez e somente uma mente loucamente fértil para imaginar que a minha segunda namorada seria alguém como a Sarah. Bem, digamos que esse mente loucamente "fértil" conseguiu uma proeza e sem tamanho.

Fazia duas semanas desde o dia em que eu pedi a Sarah em namoro, minha mãe quando soube só faltava dar pulos de alegria e soltar gritinhos agudos pedindo para contar todos os detalhes do pedido, porque ele não fez isso? Porque minhas (meus) caras (caros) a minha mãe não é a minha melhor amiga adolescente histérica e louca, ela já é adulta e acima de tudo minha mãe. Ela nos felicitou e sorriu gentilmente, depois me expulsou do quarto e pediu para a Sarah contar todos os detalhes. Foi a cena mais cômica do mundo uma mulher adulta fazendo mil e uma perguntas íntimas para uma garota de dezenove anos que ainda nem terminou a faculdade de fotografia, Sarah contou tudo de um jeito indiferente e despreocupado apesar de ter ficado constrangida com as várias perguntas indiscretas da minha mãe. Eu escutei toda a conversa e pude ver que eu realmente tinha feito uma boa escolha, pelo menos dessa vez eu fiz algo certo na minha vida.

Mesmo eu ainda não estando muito acostumado com o pensamento de ser comprometido agora.

Enfim, nesse exato momento eu estava voltando para casa depois de eu ter ido para a farmácia comprar um remédio de cólica pra Sarah. A garota tava quase me agredindo para eu andar logo e trazer esse remédio. Eu estava de carro então chegaria rápido em casa, na volta eu passei em frente à um beco próximo a uma creche e vi um grupo de meninos juntos. Depois de espiar mais um pouco eu vi um menino que aparentava ter dois anos de idade ruivo e de olhos azuis sendo espancando por garotos que aparentavam ter cinco anos de idade. Sai do carro imediatamente e fui em direção ao beco para acabar com aquela palhaçada. Onde já se viu? Um monte de garotos três anos mais velhos batendo em um menino que ainda nem sabe se trocar sozinho.

- Ei seus moleques larguem ele agora! - Disse e o grupo de meninos saíram correndo na hora com o rabinho entre as pernas, covardes - Você está bem?

Agachei e ajudei o menino se levantar ele estava todo machucado, dava dó no coração ver uma criança assim.

- Sim - Disse o menino de forma inocente e infantil

- Você sabe porque te machucaram? - Perguntei com a expressão preocupada

- Não - O menino se limitou a dizer, pelo visto não falava muito mas duvido que ele pudesse dizer algo muito coerente só com dois anos

- Qual o seu nome? - Perguntei curioso  não é sempre que eu ajudo uma criança de dois anos a se livrar de um bando de covardes

- Arthur - Respondeu ele com um sorriso mínimo

- Eu sou o Vicente, e acho que é melhor nós cuidarmos desses machucados e depois eu te levo pra sua casa tá bom? - Perguntei sorrindo da forma mais meiga o possível, eu havia gostado desse garoto

Ele me olhou um pouco desconfiado e depois sorriu de orelha a orelha, ele pegou a minha mão e fomos para a farmácia. Eu comprei um kit de primeiros socorros e cuidei dos machucados dele, ele não falava muito mais pelo pouco que falava dava para perceber que ele era muito inteligente. Por causa desses detalhes me veio a teoria de que aqueles garotos estavam implicando com o Arthur por ele ser bastante inteligente. Ele sabia perfeitamente onde era a sua casa e me conduziu o caminho todo até lá, é difícil encontrar crianças com essa inteligência hoje em dias os pais desse moleque devem estar bastante orgulhosos. O jeito que ele falava e a forma como me olhava me fazia lembrar da Sarah e graças a isso eu lembrei do trauma dele, ou melhor eu lembrei do filho dela. Tinha o mesmo nome que o Arthur e a mesma descrição. Seria triste se a Sarah estivesse aqui e lembrasse disso.

Detesto ver a Sarah triste e isso eu tenho que admitir.

Deixei Arthur na porta da casa dele, na verdade aquele lugar era uma enorme mansão e vi uma mulher sair da mansão e ficar esperando o menino na porta, ela tinha cabelos curtos e negros, olhos verdes, pele tão clara que parecia que ela nunca havia saído de casa. Ela era bela e parecia alguns anos mais velha que eu, mas algo nela me deixava incomodado. Algo nela me dava um péssimo pressentimento, por causa disso eu quase fui embora pra longe com o menino mas me contive após ele dizer que era a tia dele. Eu sorri gentilmente para ele e o deixei ir, ela sorriu de forma carinhosa como agradecimento e partiu até aquela mulher. Ela me olhou frívola e eu devolvi o olhar para ela, eu posso estar julgando ela sem ao menos conhecê-la mas ainda sim algo nela era ruim e sombrio. Mas sorte que mesmo de longe eu percebi que ela não agia assim com o menino o que me deixou um pouco aliviado, somente um pouco e isso era devido a dois motivos.

Primeiro: A sensação ruim ainda não havia passado.

Segundo: Ela podia estar muito bem fingindo.

Cheguei em casa e só foi aí que eu percebi que escurecia. Assim que eu abri a porta da mansão gritos de dor foram ouvidos em todos os cantos daquele lugar, sorte que meu pai não estava em casa. E foi aí que eu lembrei: Sarah estava morrendo de cólica; Tinha quase me jogado da escada pra ir atrás do remédio; Gritou que se eu demora-se ela iria tirar a minha pele com uma pinça, e nem me perguntem como; E o pior de tudo é que isso foi de manhã e agora é fim de tarde.

Agora, eu vou dizer a minhas últimas palavras, na verdade eu vou lhes dar um conselho...

- Vi... cen... te... - Disse Sarah de forma assustadoramente assassina, ela estava no pé da escada me olhando com um sorriso psicopata e com uma pinça na mão

...Nunca irritem Sarah Western.










Continua...


Notas Finais


Eu tentei deixar esse capítulo um pouco cômico mas eu não sei se deu muito certo, mas de qualquer maneira espero que vocês tenham gostado.
Bjs da Tiela💋


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...