História Shape of you - Capítulo 33


Escrita por:

Postado
Categorias Amor Doce, Originais
Personagens Armin, Castiel, Iris, Kentin, Lysandre, Melody, Nathaniel, Personagens Originais, Priya, Rosalya, Viktor Chavalier, Violette
Tags Photograph
Visualizações 14
Palavras 2.565
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oiii pessoal tudo bom? Bem ultimamente eu tenho demorado muito para postar capítulos mas é que é final de ano e tem bastante feriado e provas esse mês então eu tô lotada de trabalhos então eu não vejo a hora das férias chegarem. Então aqui está o capítulo novo o próximos chega logo dessa vez.
Boa leitura.
Bjs da Tiela💋

Capítulo 33 - Ritmos diferenciados Parte. I


Fanfic / Fanfiction Shape of you - Capítulo 33 - Ritmos diferenciados Parte. I

Povs Bartolomeu

- MAS QUE PORRA É ESSA?? - Perguntou Amanda olhando o jogo desesperada enquanto na tela da TV estava escrito cruelmente "Game Over" enquanto no fundo meio embaçado estava o personagem dela morto a bala por outro jogador

- Parece que você morreu - Disse o óbvio aproveitando o momento vegetal dela pra roubar o controle e iniciar a minha vez

- LADRÃO! Aquele jogador é um patife, um covarde não teve nem coragem nem de me encarar de me enfrentar cara a cara - Praticamente gritava Amanda enquanto eu jogava a minha vez tranquilamente movendo o meu personagem para longe do tiroteio em uma determinada área daquele jogo e mirava bem na cabeça de um jogador distraído

- Para de reclamar, Amanda, você perdeu admite - Disse atirando na cabeça do jogador vendo como o jogo fazia questão de mostra os detalhes, ou seja como o jogo fazia questão de mostrar os miolos do jogador estourando

- Se fosse você eu aposto que você não iria gostar também - Disse Amanda de braços cruzados e um bico nos lábios o que eu particularmente achei incrivelmente fofo

- Não iria, mas também não ficaria fazendo birra - Disse dando de ombros e voltando a estourar miolos de jogadores desprevenidos

- Chato - Disse Amanda enquanto o meu personagem caia morto no chão e por mais estranho que pareça o mesmo jogador que matou a Amanda havia me matado agora - Ele tá perseguindo a gente

- Armin3200 - Disse olhando para o nome do jogador Armin eu já tinha ouvido falar nesse nome

- A gente vai caçar ele? - Perguntou Amanda referindo-se aquilo que eu mais gostava em jogos de tiros

- Vingança - Disse mostrando o punho direito e ela bateu nele com o seu esquerdo

- Vingança

♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡

Povs Kaique

Eu estava andando pelas ruas de Paris, seria completamente divertido se eu não tivesse que ir na puta que pariu comprar pão. Na verdade não era só pão, também era mortadela, presunto, croissant, leite, pó de café, coador e ovos. Ou minha mãe tá esbanjando dinheiro assim pra ter aqueles cafés da manhã de novela ou ela tá fazendo isso de propósito só pra ter o prazer de me ver irritado. Na moral a padaria fica nos quintos dos infernos e a lojinha onde eu compro o pó de café, os ovos e o coador segue no caminho da merda dando direito na casa do Satanás. Tudo isso pra dizer que fica muito, mais muito, mais MUUUUUITO longe da minha confortável e agradável cama. A vontade de rir é grande mas a de chorar é maior, cara mano eu sou um merda (Desculpe eu sempre quis dizer isso). Continuando com a minha grande e maravilhosa narração.

Eu estava andando por aí pra comprar as coisas que minha mãe havia pedido, no caminho da minha casa até a padaria tem um parque que é até agradável para dar um passeio ou fazer um piquenique com a família. Simplificando era um ambiente gostoso de se ficar com a família, com os amigos ou até com uma namorada nos finais de semanas. Andei mais um pouco até ver Vinicius desenhando como de costume, eu sempre gostei dele como se ele fosse o meu irmão mais novo já que o meu irmão mais novo biológico é o capeta na forma de uma criança de sete anos. Vinicius era diferente parecia até um anjo na forma de um adulto de dezenove anos, era legal ficar conversando com ele. Olhei que ele tinha levantado o olhar dele para alguma coisa e segui o olhar dele até ver Shizuka sentada em um banco com uma barriga de sete meses, ela vestia um vestido branco de alça, os cabelos rosados estavam voando por causa do vento e os olhos fechados apreciando a carícia do vento.

Era bom vê-la em paz depois de tantas confusões em sua vida.

Esqueci de contar pra vocês né? O Vinicius é caidinho pela Shizuka desde quando ele chegou na universidade, eu nunca soube muito bem sobre a história mas pelo que eu sei no primeiro dia de aula dele, uns babacas cercaram ele pra fazer trote e então ela o defendeu, eles tiveram uma breve conversa onde eles se apresentaram e ele agradeceu a ela.

- Você deveria conversar com ela, guri - Disse sentando ao lado dele me divertindo com o susto que ele levou

- Não chega assim não, Kaique, quase morri do coração - Disse Vinicius baixo mas me olhando meio nervoso o que me fez rir

- Vai falar com ela e mostra o desenho, ela vai adorar - Disse olhando o desenho, parecia uma fotografia dela de tão idêntico que estava

- Não sei não - Disse Vinicius inseguro

- Vai lá, eu vou ficar aqui olhando para ver se vai ficar tudo bem, se acontecer alguma coisa eu vou até vocês e te ajudo - Disse sorrindo

- Sério? - Perguntou Vinicius meio esperançoso

- Sérissimo, agora vai, eu tô de olho - Disse alargando o sorriso e vendo Vinicius sorrir timidamente e ir até a Shizuka

Fiquei alguns minutos observando os dois e quando eu percebi que ele estava indo bem fui comprar aquelas malditas coisas no quintos dos infernos pra minha mãe, quando passei no parque de novo eles ainda estava conversando animadamente. Sorri e voltei para casa. Assim que eu entrei no meu quarto meu celular vibrou.

Vinicius:
"Obrigado pela força"

Sorri.

Eu:
"Amigo é pra essas coisas"

♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡

        Povs Adriana

Aniversário de casamento, esse tipo de comemoração deveria ser uma coisa feliz onde você está mais um ano ao lado da pessoa que você ama e que você pode despachar os seus filhos com a primeira pessoa que se oferecer. Bem, era assim que sempre foi os aniversários de casamento dos meus pais e que eu sempre achei que fosse. Mas nem tudo na vida é como nós pensamos e é aí que entra o porque de eu estar falando sobre isso.

Hoje é aniversário de casamento dos meus pais, mas como a maioria dos aniversários o meu pai esqueceu de organizar tudo. Geralmente é minha mãe quem decide o restaurante, o presente dele, a pessoa que ficaria comigo e com a Adriana (agora isso não é mais preciso), até mesmo ela decide o próprio presente e o motel onde eles vão... bem... eu acho que essa parte eu não deveria ter citado. Mas dando continuidade à história.

Meu pai como todo bom marido esqueceu o aniversário de casamento e parece que a minha mãe ficou bem irritada com isso dessa vez, eles tiveram uma discussão feia e agora quase nem se falam. Meu pai quer fazer uma surpresa para a minha querida mãe, então pediu a minha ajuda e a da Adriana. Mas a minha querida irmã resolveu ir jogar com o Bart ao invés de me ajudar com essa porcaria.

As tarefas foram separadas, Amanda iria ajudar o papai a arrumar a casa enquanto eu pegava os preparativos que faltava e as flores favoritas da minha mãe. Meu pai estava pensando em fazer um jantar romântico dentro de casa e eu e a Amanda teríamos que deixar a casa livre. Ou seja, Amanda arrumou rapidamente a casa pra ir dormir na casa do Bart e jogar vídeo-game até altas horas da noite e eu estava pensando ainda para onde ir. Talvez eu de uma passada na casa do Kaique ou do Vinicius, vai saber. Em falar no Vinicius acabei de vê-lo com a Shizuka, ele havia dito antes que estava gostando muito dela e bom saber que ele está conseguindo aos poucos conquistar a pessoa que ele gosta.

Entrei na floricultura ainda com a cabeça meio distante. Eu também ando gostando de alguém, eu não falei nada pra ninguém ainda mas talvez eles já tenham percebido.

- Adriana, posso ajudar você? - Perguntou uma voz familiar, era a voz da pessoa que eu estava gostando

Virei para olhar pra ela e ela me deu um sorriso. Victoria. Sim meus queridos eu sou lebisca, acho que todo mundo já percebeu isso.

- O-oi Vicky, eu queria levar algumas tulipas vermelhas - Disse sorrindo meio sem graça ela me olhava tão atenta mas logo sorrio

- Algum aniversário de casamento? - Perguntou Victoria indo atrás das flores

- Dos meus pais, são as flores favoritas da minha mãe - Disse dando um leve sorriso ao ver os olhos dela brilharem e me olharem com um sorriso sincero no rosto

- Sua mãe tem muito bom gosto, essas flores são perfeitas para aniversários de casamento - Disse Victoria ela estava tão encantadora falando sobre flores que eu tenho certeza que meus olhos brilhavam tanto quanto os dela

- Tulipas vermelhas são flores ornamentais que podem significar amor verdadeiro, oamor perfeito, o amor irresistível, o amor eterno - Continuou Victoria ela sorria enquanto ia ao balcão ver o preço - Tulipas são muitas vezes oferecidas como presente no décimo primeiro aniversário de casamento porque ela representam a renovação para marcar a entrada na segunda década de união, quantos anos de casados seus pais estão completando?

- onze - Sorrimos juntas após percebermos o que isso significava

- Seus pais são um casal de sorte então - Disse Victoria me entragando as tulipas e eu o dinheiro

- Pena que eu tenha que arrumar algum lugar pra dormir hoje por causa desse aniversário de casamento - Disse sorrindo era incrível como ela conseguia me fazer sorrir

- Pode dormir na minha casa hoje, meus pais estão viajando então eu tô sozinha cuidando da floricultura e da casa, seria bom ter a sua companhia - Disse Victoria sorrindo

- Tudo bem, posso vir que horas? - Perguntei era obvio que eu não iria perder a oportunidade de ficar perto dela

- Venha as cinco - Disse Victoria

- Então até as cinco - Disse na porta da loja já

- Até

E sai.

Talvez aniversários de casamento não sejam tão ruins assim.

♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡

       Povs Pedro

Mas que semana parada.

Nada de interessante se passou durante todos esses dias e as poucas coisas interessantes eram logo publicadas pela maldita Erika Smooth.  E para completar antes das férias de verão a professora passou um trabalho em dupla. Tudo bem é só um inocente trabalho em dupla. Seria bom, se a minha dupla não fosse a pior pessoa do universo e essa pessoa é a melhor pessoa do mundo: ERIKA MALDITA SMOOTH.

E ela estava na minha frente agora me olhando com aquela cara de tédio e segurando a alça da bolsa enquanto me espera dar passagem para ela entrar. E foi o que eu, infelizmente, tive que fazer.

- Sua casa é bem simplizinha - Disse Erika sentando no meu sofá como se aquela fosse a casa dela

Folgada.

- E você é bem folgada - Disse andando até meu quarto e ela foi atrás de mim

Ficamos em silêncio até chegarmos no meu quarto. Ela ficou avaliando tudo e antes que ela abrisse a boca pra falar do meu quarto eu sentei na escrivaninha e peguei meu notebook.

- Vamos terminar isso logo eu detesto a sua companhia - Disse já procurando sobre o tema que nós iríamos "reportar"

O trabalho é bem simples, pegar um tema qualquer na Internet e fazer uma reportagem com ele.

- Qual tema vai ser? - Perguntei olhando ela sentar do meu lado

- Amor - Respondeu Erika rapidamente olhando para a tela do computador

- Amor? - Perguntei confuso, o que nós iríamos escrever com esse tema?

- O que as pessoas são capazes de fazer por amor? Ou melhor iremos falar sobre amor patológico - Disse Erika dando uma leve pausa - Amor patológico é como um amor doentio onde a pessoa chegar a ficar obcecada pelo seu companheiro ou companheira e faz qualquer coisa por ele, sente-se vazia quando ele não estar por perto dentre outros sintomas que podem se agravar dependendo do quão instável é a relação

- Por que você quer falar sobre esse tema? - Perguntei meu senso jornalísticos já estava ativo e eu já não iria conseguir parar de fazer perguntas

- Por que as pessoas se interessam pelo amor, é um assunto que mexe com elas de muitos sentidos - Disse Erika sorrindo e já começando a escrever

- Você sabe muito sobre o amor, por acaso você é apaixonada por alguém? - Perguntei e ela parou de escrever por alguns segundos até ela voltar a escrever e dar um sorriso

- Está me interrogando, Pedro? - Perguntou Erika ainda sorrindo

- Só estou curioso - Disse ainda olhando para ela

- Então guarde a sua curiosidade e me ajude a terminar o trabalho - Disse Erika parando de sorrir e finalmente me olhando

Nossos olhares ficaram presos um no outro por alguns segundos até nos começarmos a fazer o trabalho.

Erika apaixonada? Seria divertido saber que era o "felizardo" que conseguia amansar o coração dessa garota.

♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡

    Povs Kennedy

Ser bonita. Ser atraente.

As pessoas geralmente acham que ser bonita ou atraente baseia-se em aparência física mas eu sempre acreditei que a beleza se encontrava internamente e não externamente.

Talvez eu esteja enganada, todos os garotos que eu gostei um dia nunca gostaram de mim por causa da minha aparência e pra ser sincera eu nunca me dei bem com o meu corpo. Nunca me achei bonita o suficiente, eu sou insegura e não tenho autoestima. Me apaixonei diversas vezes mas sempre quebrei a cara e a última vez foi com o Vicente. Ele nunca me deu uma chance mas eu não precisava disso pra saber que nunca iria dar certo.

Hoje eu já não sou tão apaixonada por ele como antigamente, hoje eu só gosto dele como um amigo e não vou negar que ele é bonito. Se eu fosse um garoto, eu queria ser como o Vicente mas como eu sou uma garota eu queria ser mais forte e segura de mim mesma.

Mas o mundo não é uma máquina de realização de desejos.

- Keeny, oi - Disse Ivan sentando-se do meu lado

Eu estava na biblioteca lendo o meu fiel livro do Harry Potter. Suspirei e depois olhei para ele com um sorriso.

- Olá Ivan - Disse sorrindo

- Você está pensativa, você me contaria se eu perguntasse o que você tanto pensa? - Perguntou Ivan de um jeito brincalhão mas sério

- Você... você me acha bonita? - Perguntei olhando para o livro

- Por que está me perguntando isso? É claro que você é bonita - Disse Ivan sorrindo

- Como mulher, Ivan, você acha que eu sou bonita como as outras mulheres? - Perguntei olhando para ele e fechando meu amado livro

- Não - Eu sabia que ele diria isso - Você não é bonita como as outras mulheres, você é bonita como Kennedy você não precisa ser igual a elas para ser bonita ou atraente cada um tem a sua beleza própria e ninguém pode mudar isso, Kenny você  é linda do jeito que você é não se preocupe com o que os outros pensam ou deixam de pensar sobre você, não precisa ser bonita pra eles você precisa ser bonita só pra você

Fiquei meio surpresa depois que ele me falou esse pequeno sorriso e logo após eu sorri.

- Obrigada










              Continua...


Notas Finais


Espero que tenham gostado.
Bjs da Tiela💋


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...