História She Bad - Capítulo 20


Escrita por:

Postado
Categorias Aaron Carpenter, Cameron Dallas, Carter Reynolds, Hayes Grier, Jack & Jack, Justin Bieber, Magcon, Matthew Espinosa, Nash Grier, Nate Maloley, Sam "Wilk" Wilkinson, Taylor Caniff
Personagens Aaron Carpenter, Cameron Dallas, Carter Reynolds, Chris Miles, Hayes Grier, Jack Gilinsky, Jack Johnson, Justin Bieber, Matthew Espinosa, Nash Grier, Nate Maloley, Personagens Originais, Sammy Wilkinson, Taylor Caniff
Tags Cameron Dallas, Festa, Intercâmbio, Los Angeles, Matthew Espinosa
Visualizações 718
Palavras 4.422
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Festa, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Demorei mas voltei!
Esse capítulo é um pouco mais explicativo para vocês entenderem um pouco melhor ela e fala sobre a amizade dela com o Pedro (alguma sugestão para shipp de amizade deles??? hahahah deixa nos comentários se tiver)
Eu mesma revisei esse capítulo então me desculpa se tiver algum erro!!!!
Ps: os próximos capítulos vão ser post de instagram mas tudo vai ficar mais claro no próximo capítulo de POV

Capítulo 20 - Breakfast


Fanfic / Fanfiction She Bad - Capítulo 20 - Breakfast

Los Angeles - Califórnia 

9 de julho de 2017

Point of view – Anna

Acordo ao lado de Matt, mal lembro como vim parar aqui, acho que Sammy me ajudou porque ele dorme na cama ao lado de Jack J. Vamos nos atentar ao fato de que eu beijei o Justin Bieber ontem. Puta merda. 

Começou com um desafio no banheiro, não sei quanto tempo aquilo durou, pareceram dois minutos, bateram na porta mas não lembro nem de ter saído de lá. Minha lembrança seguinte é sentada na quadra com ele conversando e por mais improvável que pareça eu me lembro disso. 

A próxima é mais nítida. Eu beijei o Matt. De novo. Mesmo depois de ele ter se trancado com uma garota loira qualquer, isso porque disse no começo da noite que queria aproveitar comigo. Eu vi quando ele não hesitou um segundo em sair andando com aquela loira oxigenada.

No entanto por algum motivo quando cheguei ela não se encontrava aqui e no fundo por alguma razão estranha, eu sabia que quando entrasse aqui, ela não estaria. Pode-se chamar de pressentimento, eu acho.

Não sei quanto tempo passei beijando ele, eu não tenho noção alguma de tempo, ainda mais com álcool no meu sistema, mas sei que quando fomos dormir o dia estava quase claro.

O Matt é aquele cara que te respeita e sempre vai fazer isso, não restam muitos caras assim por ai, eu admiro isso nele, mas as vezes é demais sabe? 

Sim meu gosto para homens é podre, se tiverem 100 caras e 99 forem certos eu escolheria o errado, mesmo sem saber, eu tenho o dom.

É que eu quero um meio termo, de 8 ou 80 já basta eu, na primeira vez que beijei o Matt ele parou para me perguntar se eu tinha certeza, mesmo ele querendo fazer aquilo tanto quanto eu e quando me beijou manteve as mãos nas minhas costas, minhas costas. Que garoto em sã consciência com a minha bunda ali a disposição faz isso? Porque sério já olhou bem pra minha bunda? De todos os caras que eu já beijei na vida, nenhum fez isso, tipo nenhum mesmo, todos aproveitaram a oportunidade. Com exceção do Cameron, mas aquilo não conta.

E não que eu despreze tal respeito, mas é bom quando o cara tem atitude, como o Cameron no ‘’acidente’’, ele simplesmente fez o que teve vontade sem perguntas e naquele momento eu correspondi por ter o mesmo sentimento. Eu me identifiquei com o Cameron naquele dia por ser exatamente assim, porque eu não penso, eu só faço. Não vou dizer que isso só me trouxe coisas boas na vida, na verdade me ocasionou vários problemas, sempre há consequências, mas isso para mim é viver plenamente, porque é divertido.

Eu realmente acredito no Hedonismo* e coloco ele em prática, vivemos sim todos pelo prazer, as pessoas só não sabem disso. Mas sigo firme e forme de que um dia vou conseguir domínio sobre mim mesma e praticar o Epicurismo*.

Bom voltando ao ponto ontem foi diferente, foi ele quem me beijou, ele colocou a mão na minha bunda e não queria me deixar dormir. Será que foi o álcool? Porque se foi, ele nunca mais vai ficar sóbrio quando estiver comigo.

Pela primeira vez me sinto feliz em dividir a cama com alguém, porque eu odeio isso, gosto de espaço. E me permito vivenciar esse sentimento um pouco, porque é bom estar aqui.

Sua expressão se encontra tão calma, passo minha mão em seu rosto tirando uma mexa de cabelo que cobria seu rosto, me arrependo de ter feito porque ele abre os olhos, eles brilham para mim:

– Bom dia princesa – sua voz sai baixa. Eu gosto quando ele me chama assim, sempre fui fã dos apelidos únicos, do tipo que você sabe que só aquela pessoa te chama assim.

– Bom dia – respondo e nos olhamos por um tempo até que um grito animado atrapalha:

– BOM DIA LINDOS – me viro e Sammy se encontra de pé caminhando em nossa direção com um celular na mão, me escondo de baixo do cobertor quando entendo – Não se esconde suas fãs vão ficar decepcionadas! Sim tem gente que gosta de você por incrível que pareça – mostro o dedo do meio para ele – Viu, você é muito grossa!

Sinto o corpo do Matt saindo do meu lado e quando espio um pouquinho os dois estão lado a lado enquanto Sammy filma e Matt apenas olha pela tela rindo. Meu olhar foi repreensivo e ele levanta as mãos em rendição. Ele ameaça por um segundo voltar a gravar e eu apenas falo sério:

– Vai se fuder Samuel

– Depende – ele para de rir por um instante – Isso é uma proposta? – e cai na gargalhada novamente e faço o mesmo, que horas são? É de manhã e ele já está flertando comigo. Vejo Matt dar um leve soco em seu braço mas também ri.

Jogo um travesseiro em Sammy e acaba virando uma guerra, obviamente foi gravado no snap dele, mas eu não ligo.

– Mas que porra? – o grito vem de um loirinho de olhos azuis recém acordado com os cabelos bagunçados. Nesse momento parece que Sammy, Matt e eu pensamos igual porque todos nos jogamos em cima do Jack.

Ainda bem que ele sobreviveu porque eu estou morrendo de fome e quem sempre faz o café aqui é ele.
 

Point of view – Cameron Dallas

Uma porta se abre e vejo saindo do quarto, Jack J, Sammy, Matt e Anna. Eles dormiram no mesmo quarto? Matt está ao lado de Anna e eles estão rindo. Será que ele não se lembra da noite anterior? Porque ele estava puto da vida com o fato de ela ter beijado o Justin. Aliás ela dormiu mesmo aqui? Achei que tinha ido embora com ele.

Apenas sigo para a cozinha, fico feliz ao entrar e ver que a mesa e as cadeiras sobreviveram a festa de ontem, me sento ao lado de Pedro, na sequência está Anna, Matt, Sammy, Skate, Jack G, Taylor, Chris e Jack J junto a Aaron em frente ao fogão preparando alguma coisa que espero ser muito gostosa. Fui o último a levantar.

– Que horas são? – pergunto. Anna pega seu celular e seus olhos se arregalam, quando Matt vira o rosto para ver a tela ela bloqueia e abaixa o celular.

– São 14:44 – responde ela, eu ia agradecer mas um toque alto de telefone invade o ambiente. Pedro atende e começa a falar coisas que não entendo, mas Anna sim, ela sinaliza que não com a cabeça e quando desliga fala:

– Você não pode fazer isso pra sempre Anna

– Quer me ver tentar? – como ela consegue esbanjar maldade no sorriso a essa hora da “manhã”.

– Não, mesmo achando divertido ver você errar não acho nada divertido quando fica irritada depois que perde

– Garoto esperto

Finalmente Taylor faz a pergunta que eu e todos na mesa queríamos fazer:

– Mas que porra vocês estão falando?

– Ela acha que pode evitar James pra sempre – Pedro fala como se todo mundo soubesse quem é James.

– Mas quem.. – Taylor começa mas Matt responde antes de ele perguntar.

– James é o irmão dela

– Você tem um irmão? – pergunto e não sou o único, Sammy falou ao mesmo tempo que eu.

– Porque todo mundo fica tão surpreso quando descobre isso? – ela fala – É tão comum ter irmão

– É só que você nunca falou nada – respondo

– Você nunca perguntou – seus olhos estão em mim – E além do mais, vocês me conhecem faz o que? Uma semana, tem muita coisa que vocês não sabem

Isso é verdade. Mas ela invadiu minha vida de um jeito que parecem meses que está aqui. Sei que todos se sentem assim em relação a ela.

– Eu estou louco para descobrir – fala Sammy – Que tal começar contando seus podres?

– Jamais Samuel

– Acho que sou especialista nessa área – fala Pedro.

– Vou adorar ver quem sabe mais podres entre a gente – fala ironicamente, ele abre a boca para responder mas fecha e diz a Sammy:

– Foi mal cara

– Afinal.. – fala Gilinsky – Porque você tá evitando seu irmão? – seu rosto entra em um tom mais sério.

– É que.. – nunca achei que chegaria o dia em que ela não tem uma resposta.

– Ele questionou ela sobre as nossas fãs nas redes sociais – Matt responde por ela – Ele quer explicações..

– Que eu ainda não dei – ela interrompe e assume a fala, todo mundo presta atenção nela – Eu e James somos melhores amigos, mesmo sendo o oposto um do outro, mas desde que eu vim pra cá eu quase não falo com ele, só falamos coisas básicas sobre a cidade, nem sequer falei que fiz amigos mas agora sabe que sim, porque afinal ele me segue no instagram, enfim só preciso colocar o papo em dia, eu evitei porque achei que faria isso pessoalmente, o que não vai rolar agora então.. – Pedro termina a frase no lugar dela

– Então é hora de você aceitar porque eu não aguento mais evitar ele

– Desculpa – ela diz em um tom não muito alto. Não acho que essa palavra é usada com frequência por ela.

– Então, quando ele vêm para LA? – pergunta Gilinsky aliviando e ela sorri em agradecimento.

– Eu adoraria saber – responde.

– Bom se você falasse com ele, talvez pudesse ter uma noção.. – Pedro fala.

– O que você sabe que eu não sei? – ela virou o corpo inteiro para ele

– Nada – responde e a vejo fazendo sua análise de sempre, quando nota o que ela está fazendo tenta desviar o rosto mas é segurado pelo queixo.

– É mentira! Como você não avisa uma coisa dessas? Ele tem uma passagem comprada antes mesmo de eu vir pra cá e até hoje nunca me contou a data, por que ele contou pra você? – sua voz soa irritada

– Eu não po.. – a mão dela se eleva na altura do rosto dele

– Para, se você disser eu vou ficar puta com você tanto quanto eu estou com ele nesse momento – ela se levanta na mesa já com o celular na mão e sai da cozinha rumo a sala, Matt faz menção de ir atrás mas Pedro diz a ele:

– Não. Ela vai ligar pra ele, deixa ela resolver isso logo

– Ligar irritada assim não vai resolver muitos problemas

– Você não pode dar conselhos sobre falar quando está irritado – fala Skate pela primeira vez essa manhã, vejo todos tentando conter uma risada e Matt lança um olhar mortal a ele, sua cara se fechou completamente.

– Acredite eles vão resolver, do jeito deles – diz Pedro, não sei se ele entendeu a piada do Skate sobre o outro dia – Não leve a mal é só que já vi isso acontecer muitas vezes, eles são irmãos no final se não der certo ela deixa a história morrer, coisa que só faz quando se trata dele. Aliás – continua – Bom te ver fora da tela do celular Matt, não que eu precisasse disso para saber quem você é

Por mais irritado que Matt tenha ficado por ter alguém que sabe tanto sobre ela, enquanto todos sabemos tão pouco, o olhar dele mudou de raiva para curiosidade quando Pedro disse isso.

– O que isso quer dizer?

– Nada. Só que a descrição dela condiz com a realidade. Sobre todos vocês na verdade – acrescenta, vejo um olhar dele para mim, isso quer dizer que ela falou de mim?

Conversamos um pouco ontem, já que dormimos no mesmo quarto junto com Skate e Taylor, não foi sobre ela, na verdade ela nem foi assunto em momento algum, o que eu menos queria ontem era falar dela. Foi uma conversa de garotos, bebida, maconha, garotas, música e coisas da vida.  

– O que ela disse? – Matt pergunta.

– Olha cara, eu ainda tenho muito amor pela minha vida

– O que você pode falar para a gente sobre ela? – os olhos do Sammy estão brilhando de curiosidade.

– O que você quer saber? Pode perguntar – ele diz.

– E o que ela contou sobre a gente? – Gilinsky pergunta.

– Qualquer pergunta – essa vem de um Taylor com olhos que anseiam informações.

– Você pode fazer qualquer uma mas não garanto que eu possa responder todas. E.. – ele olha para G – Tudo literalmente – agora seu olhar se volta para mim, por um instante e sei o que significa. Ele sabe - Não que eu precisasse disso para saber que ela provavelmente flertou com todos vocês

– Comigo não, devo ficar ofendido?

– Você deveria agradecer aos céus Taylor – quem fala isso é Sammy.

– E como deveria – diz Skate respirando profundamente. Pedro ri.

– Me deixa adivinhar, por algum motivo vocês não podem e ela se diverte com isso – ele analisa os dois – Provavelmente namoram

– Cara você é mesmo um expert na garota – Sammy diz entre risadas com Skate.

– Só muito tempo com ela, você vai aprendendo

– Quanto tempo? – pergunta Chris, que só tinha escutado até agora.

– Acho que já fazem cinco anos mas parece que ela esteve presente a vida inteira, eu nem me lembro de como as coisas eram sem ela, principalmente sem os conselhos

– Ela realmente dá bons conselhos – sorrio sozinho ao lembrar do dia em que conversamos e ela me ajudou a ter coragem para falar com o Nash, nunca vou esquecer isso.

– Quando que ela te deu conselhos? – as sobrancelhas de Taylor estão arqueadas para mim.

– No outro dia aqui, quando conversamos lá fora ela me deu conselhos sobre o Nash – todos estão surpresos, provavelmente achavam que passamos o tempo todo nos beijando. Quem me dera.
Jack J e Aaron colocam as coisas sobre a mesa, vejo waffles, ovos e bacon, tudo que eu preciso.

– Eu tenho uma – fala Aaron e todos ficam surpresos por ele saber o assunto – Como vocês se conheceram?

– Vocês acham que não dá pra ouvir dali do fogão? – questiona Jack J

– Na verdade é meio engraçado.. – Pedro começa rindo – Eu a conheci na casa dela – levanto as sobrancelhas – Ela deu uma festa porque a amiga dela queria muito me beijar, qualquer coisa sempre foi um motivo pra festa, enfim eu falava com ela as vezes sobre essa amiga dela e pegava algumas dicas mas a conheci de verdade quando fui na festa. Passamos um bom tempo conversando, bom quando eu não estava ocupado – algumas pessoas riem, acho que todos entendemos esse sentimento – Depois disso nos falamos algumas vezes e nos encontramos em festas, e.. nossa prestem atenção nessa – ele começa a rir sozinho – Teve uma festa, a gente tinha sei lá 14 anos e todo mundo estava bêbado e nos dois erámos os únicos sóbrios da festa então a gente simplesmente sentou no chão e passou a noite conversando.

Todos riem e tenho certeza que estão imaginando ela sóbria em uma festa, é impossível.

– Eu não consigo imaginar – fala Matt – Gostaria muito, mas é impossível

– É porque vocês só a conhecem agora, ela era diferente quando a conheci

– Diferente como? – Matt quem faz a pergunta mas todo mundo quer muito saber mais sobre ela.

– Ela era.. inocente

Todos caímos na gargalhada, até Aaron que nunca trocou duas palavras com ela.

– Isso também é bem difícil de imaginar – falo

– Bom depois daquela festa teve um show que ela foi com duas garotas, uma delas era minha melhor amiga naquela época, então ficamos todos juntos lá, nesse dia ela deu seu primeiro beijo e eu meio que dei apoio, eu sei – ele antes que todos falem – É dificil imaginar ela insegura com alguma coisa, mas acho que é comum em garotas de 14 anos

Uau. Eu não consigo vê-la como essa garota que ele está descrevendo, acho que nenhum de nós consegue.

– Depois desse dia.. – Pedro continua – Nos aproximamos, saímos um dia para comer e passamos horas conversando, o assunto nunca morria, o que eu acho incrível porque com quantas pessoas você consegue fazer isso? E nós fazemos isso até hoje. Ela começou a estudar na minha escola e isso só aproximou mais a gente, os amigos com quem eu saia eram de outra escola e alguns eram amigos dela ou amigos das amigas dela então sempre frequentávamos as mesmas festas. Nos tornamos amigos, as coisas foram acontecendo e fomos passando por elas juntos. E por mais ruins que algumas delas tenham sido, fez nós sermos assim hoje, não importa o que aconteça ela sempre vai estar lá por mim, sei que posso contar com isso – ele acrescenta – Eu sempre admirei a lealdade dela com as pessoas com quem ela se importa, mesmo sendo poucas, por isso não entendo o porquê ela anda evitando tanto o James, ele sempre foi tipo a pessoa mais importante do mundo para ela

Não parece que falamos da mesma pessoa, mas eu queria muito poder ter uma conversa com essa garota que ele descreveu

– Vocês são próximos? – Taylor pergunta – Você e James

– Sim, eu ia muito na casa deles e conversava bastante com ele, temos muitas coisas em comum e as dicas dele com mulheres são excelentes

– Foi com ele que ela aprendeu a ser assim? – Matt pergunta

– Não, quer dizer não é por exemplo dele que ela é tão provocativa, na verdade ela evita isso perto dele. É difícil explicar – ele parece confuso – Vocês têm que entender que ela nem sempre foi assim, quando começamos a estudar juntos ela era muito boazinha, disposta a ser amiga de quem quisesse ser, ela dava uma chance a todo mundo e então confiava nessa pessoa. Bom quando percebeu que não era com todo mundo que dava certo, passou a selecionar mas ainda sim teve grandes decepções relacionadas a amizade, foi um processo aos poucos mas resultou em como ela é hoje

Por incrível que pareça eu consigo imagina-la assim, sendo boa, apesar da maldade que ela espalha, não é uma maldade ruim, é uma maldade divertida, a prioridade dela. Mas é o que dizem: as pessoas esfriam um pouquinho a cada queda. Fico imaginado que pessoas idiotas deixariam essa garota sair da vida delas.

– Bom o James por mais mulherengo que seja, como todos nós, não é o responsável, ela tem esse tom provocativo sempre existiu só não do jeito que é agora, isso começou há uma ano, muita coisa aconteceu também enquanto eu estive fora, não tenho muitos detalhes dos últimos seis meses. A única culpa que o tem James é ser o irmão mais velho, porque ela cresceu vendo ele se relacionando com as garotas e basicamente entendeu antes que qualquer menina o porque dizem “não confie em homens, eles são todos iguais” porque no fundo todos somos, generalizando é claro

Muito obrigada irmão da Anna que eu nem conheço e já desgosto. Se meus charmes não funcionam a culpa é sua.

Todos estão absorvendo toda essa informação sobre ela. Mas Taylor ainda quer mais.

– Vocês já ficaram? – Pedro ri da pergunta dele

– Um clássico – responde ainda entre risadas – Não. Nunca.

Nunca? Você tem certeza amigo? Todos na mesa estão tão surpresos quanto eu. 

– Curiosidade – falo – Como?

– Eu sei, também já me perguntei isso, sei lá cara, as coisas não são assim entre a gente, ela me vê como um irmão, fala que sou igual ao James só que 10 anos mais novo, e esse sentimento é recíproco

Uau novamente. Porque não sei se algum dia conseguiria ter isso com uma garota como aquela.

A felicidade no rosto do Matt é inegável. Não posso negar também que fiquei feliz com isso, menos um disputando por ela.

– Também não recebo provocações constantes e quando tem sei que não são reais, porque se um de nós quisesse a gente simplesmente chegaria e falaria “estou com uma puta vontade de te beijar, vamos tentar?” – Ótimo. Isso pode acontecer a qualquer momento. Mas a fala dele é direcionada para mim e Matt – Mas isso nunca aconteceria

Olha eu não teria muita certeza disso, se ela quisesse tenho certeza que conseguiria. Além do mais dá uma olhada na garota, você tem certeza de que não a deseja? Porque eu desejo.

– Faz quanto tempo que ela saiu daqui? – Pedro pergunta

– Mais de 20 minutos – quem responde é Skate

– Está demorando mais do que eu pensava – fala pensativo 

– Acho que vou ver se tá tudo bem – diz Matt já levantando

– Não é necessário – fala uma voz feminina na porta

 

Point of view — Anna

Todos os olhares são direcionados a mim.

– Que foi? – pergunto – Acharam que eu voltaria machucada? 

– James provavelmente voltaria se a presença dele fosse física – olho sério para Pedro, as vezes, mas bem as vezes mesmo uso força física, só que a verdade é que não gosto disso – Brincadeira, como foi?

– Já houve discussões piores – respondo

Basicamente ele usou argumentos do tipo “você mudou desde que mora ai” tudo isso porque não contei sobre os meninos para ele. Também há fãs nas redes sociais dele, ainda bem que só o instagram é aberto. Pedi para evitar respondê-las e ser cuidadoso com o que posta e fala sobre mim.

– Quem ganhou a discussão? – o fã número um das brigas pergunta

– Não há ganhadores quando os irmãos Martinez brigam – Pedro responde a Taylor

– Depende da disputa – falo olhando para Pedro, ele revira os olhos e fala:

– Em discussões não há vencedores quando se trata de vocês, os dois sempre estão certos e quando é jogo sempre acaba porque vocês roubam 

– Isso é mentira, eu não roubo, James rouba

– James rouba porque acha que você rouba, então você acusa ele de roubo e o jogo acaba, novamente sem vencedores

– Não consigo imaginar você perdendo um jogo – Cameron fala

– Ela entregaria o jogo de bandeja se ele pedisse – levanto as sobrancelhas para Pedro, eu não faria isso – Você sabe que faria, você nunca diz não ao James

Tudo bem. Talvez seja meia verdade. Mas quem consegue dizer não ao irmão? Óbvio que não falo isso na mesa. Ninguém precisa saber meu ponto fraco.

– Eu já estou louco para conhecer seu irmão, morena

– O pior de tudo Samuel, é que eu acho que vocês vão se dar bem

– Quando ele chega? – Matt pergunta, ao falar isso sua mão repousa na minha coxa. Sinto um arrepio percorrer em meu corpo na hora, ele sente isso também porque suas sobrancelhas se levantam para mim. Mas sigo fingindo que nada aconteceu e respondo: 

– Vai demorar um pouco, só dia 30 de agosto – me viro para o lado direito – Você sabia esse tempo todo, traidor 

Sinto a mão do Matt subindo devagar pela minha coxa, mordo meu lábio para evitar reação e não rir. 

Me levanto da mesa e vou até o armário mais alto. Tateio por ali, sinto um pano. Ufa. Minha blusa. Lembro de ter escondido ela aqui ontem. Todos estão me olhando, de novo.

– Por que sua blusa ta ai? – pergunta Pedro. Droga. Ele não sabe sobre o Justin. Ou acho que não sabe. Ele me encara esperando uma explicação. 

– Eu deixei aqui porque não tinha onde guardar – ainda assim ele não entende – Derrubaram bebida nela 

– E de quem.. – ele para porque reconhece meu olhar.

– Isso está ficando interessante – fala um Taylor louco por intriga.

– De um amigo – fala olhando para Pedro.

– Vocês são amigos agora? – um Matt com o maxilar travado pergunta.

– Por que Matt não posso fazer amigos agora? – ele não responde.

– Ela só esqueceu de mencionar – Cameron fala olhando para Pedro – Que o amigo é o Justin Bieber

– Justin Bieber estava aqui ontem? – os olhos dele se arregalam. Espera ele descobrir que beijei aquele ser maravilhoso.

– Não só estava como esteve com sua amiga muito tempo ontem a noite – Sammy deixa escapar e Matt olha em sua direção, ele murmura algo que não consigo ouvir. 

– Pedro a gente fala sobre isso depois – digo antes que Cameron e Matt quebrem os dentes de tanta raiva.

– Ela beijou ele – obrigada Taylor, joga na rodinha mesmo.

– Taylor! – paro e penso por um segundo – Espera, como você sabe disso? 

– As notícias correm rápido – responde rindo.

– Você beijou o Justin Bieber? – Pedro permanece incrédulo com a informação – Mas hoje você.. – Sei o que ele está pensando, eu dormi aqui, tive a mais bela chance de transar com Justin Bieber mas não o fiz.

– Eu sei o que você ia falar, não – ele abre a boca – Também sei o que é e você sabe muito bem o porquê 

Ele é o único aqui que sabe o porquê de eu não ter ido embora com o Justin. E ele entende isso, ou ao menos sempre entendeu. 

Ele se cala, sei que vai haver muitas perguntas depois.

Matt e Cameron ainda estão com o maxilar travado mas ignoro isso. Apenas sento na mesa e tomo café da manhã.

 

Point of view — Matthew Espinosa

Ainda não absorvi toda a informação liberada por Pedro. Imaginar a garota que me provoca e me olha com pura maldade desde sempre, como uma garota inocente é impossível para mim. Mas todos nós fomos inocentes um dia. 

Quanto a ela e o Justin espero que não aconteça mais. Afinal eles nem vão se encontrar por um tempo.

Ela resolveu ir embora com Pedro para o apartamento dela e Taylor vai levá-los. Faz 20 segundos que ela saiu para o quarto do Gilinsky para pegar uma roupa dela que está lá. Minha chance de ter um último momento a sós com ela.

Saio discretamente enquanto estão todos falando sobre ontem. Entro no quarto e ela se encontra parada de costas procurando a roupa na gaveta. 

– O que você quer Matthew? – pergunta. Como ela sabe que sou eu? Em nenhum momento seu corpo se virou para me ver. Mas claro que ela sabia que eu vinha atrás dela. Todos os caras devem vir.

Me aproximo e a puxo pela cintura, grudando sua bunda em mim. Coloco seu cabelo pro lado e beijo seu pescoço. Seus braços param de procurar pela gaveta. Ela se vira, mexe no meu cabelo e olha nos meus olhos.

– Você não respondeu – ela diz

Continuou sem responder, me aproximo para beija-lá e seu rosto desvia.

– Espera, você lembra de ontem? – pergunto.

– Claro que sim bobinho – seu sorriso é leve – Eu só não sou o tipo que fica para o café da manhã e te dá a sobremesa

Não você só da um gostinho que me deixa querendo mais, toda vez.

Ela se vira e volta a procurar, aparentemente acha porque tenta sair dali mas a puxo de volta.

– Eu tenho que ir embora Matt – sua expressão é tranquila e a voz também.

– Não tem, você pode ficar mais – falo em seu ouvido e viro o corpo dela para mim. 

– Taylor está me esperando para ir – as palavras seguintes me fazem soltá-la – E eu quero ir pra casa 

E ela vai embora. Me deixando ali, parado indignado, tentando entender o que essa garota quer. 


Notas Finais


*O hedonismo é uma teoria ou doutrina filosófico-moral que afirma ser o prazer o supremo bem da vida humana.
*O prazer de que fala Epicuro é o prazer do sábio, entendido como quietude da mente e o domínio sobre as emoções e, portanto, sobre si mesmo. É o prazer da justa medida e não dos excessos. Este prazer, no entanto, apenas satisfaz uma necessidade ou aquieta a dor. O mais alto prazer reside no que chamamos de saúde. Entre os prazeres, Epicuro elege a amizade.

O hedonismo é muito confundido com o epicurismo, apesar de eles possuírem divergências claras. O epicurismo surge através de Epicuro, que leva em conta o hedonismo que o antecede, segundo suas concepções, aperfeiçoá-lo, salientando que o prazer deverá ser regido pela razão, o que resulta em moderação.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...