História She is Ours (Imagine Twice) - Capítulo 33


Escrita por:

Postado
Categorias TWICE
Personagens Jungyeon, Momo, Nayeon
Tags Imagine, Imagine Kpop, Imagine Twice, Políamor
Visualizações 286
Palavras 4.915
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Festa, Fluffy, Hentai, Orange, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá, Ohana!
Tudo bem com vocês? Espero que sim!

Antes de tudo, está - provavelmente - cheio de erros, pois eu não corrigi totalmente ele, mas já está avisado.

Capítulo 33 - Um bolo, um (quase) desastre e um pedido de...


Fanfic / Fanfiction She is Ours (Imagine Twice) - Capítulo 33 - Um bolo, um (quase) desastre e um pedido de...

03 de março - Seul, Coreia do Sul

Point of View - Hirai Momo

 

Fazia um tempo que Nayeon e eu estávamos esperando por alguma notícia de (SeuNome) e Jeongyeon. Já havia passado inúmeras pessoas por nós, e me deixava agoniada ver o tempo passar sem qualquer notícia. Nayeon mexia no celular, provavelmente conversando com alguém, por conta do tempo que ela ficava rindo e digitando.

Me levantei da cadeira de espera, e passei a andar de um lado para o outro. Não gostava de esperar tanto por algo, ainda por alguma notícia daquelas duas, estava começando a pensar em mil e uma coisas.

Momo, você está me agoniando andando de um lado para o outro. — Nayeon disse, eu parei no mesmo instante.

— Eu não consigo ficar quieta. Eu quero saber como ela está. — Nayeon sorriu, eu detestava demonstrar meus sentimentos, nunca fui boa lidando com essas coisas. E por conta disso, me sentia envergonhada por, às vezes, acabar demonstrando.

— Sei que está preocupada, mas essas coisas levam tempo, Momo. Não é algo simples. — Disse, pegou minha mão, e me direcionou até a cadeira mais próxima do local, me sentei ao seu lado novamente. Mas não fiquei por muito tempo, já que vi Jeongyeon vindo até nós.

— Finalmente, Jeongyeon-Unnie. — Exclamei.

— O que houve?

— A Momo estava surtando internamente porque ficou preocupada. — Bufei ao ouvir a risada das duas.

— Fica calma, deu tudo certo. Eles estão junto com a (SeuNome).

Começamos a andar até o quarto onde estava a (SeuNome). Estava me perguntando quais eram os sexos dos bebês, já que havíamos decidido que não saberíamos se eram um casal ou ambos do mesmo sexo após o nascimento deles.

Assim que chegamos no quarto, vi (SeuNome) segurando os dois bebês. Logo a mesma sorriu para nós. Ela estava sorrindo de um jeito completamente diferente, aquele sorriso estava tão luminoso, aquele sorriso era tão lindo que me fazia sorrir como uma boba.

— Unnie — Me aproximei de (SeuNome), olhando para os dois bebês cobertos por cobertas da azuis. —, como você está?

— Mais feliz do que nunca.

— Eu posso...? 

— Claro que pode. — Ela me entregou um dos bebês, e fez o mesmo com Nayeon.

O segurei com todo o cuidado do mundo, era tão delicado, tão frágil. Ele dormia tranquilamente, mas logo seus olhinhos se abriram levemente. Em meio a carícias de leve em suas bochechas, via o pequeno ser em meus braços me olhando completamente curioso. O sorriso em meu rosto estava cada minuto mais bobo que o fitava.

— Ele é tão lindo. — Pensei, sem perceber que havia sido em voz alta até perceber que as duas garotas me observavam, assim como observavam Nayeon, que estava do mesmo jeito que eu.

— Apresento a vocês — Jeongyeon chamou nossa atenção. — Taehyung, — Aprontou para o garotinho em meus braços. — e Taemin.

— Dois meninos? — Perguntei sem saber como reagir.

— Exatamente.

— Então seria Bonhwa e Haruki de qualquer forma, e sem nenhuma Sunhwa. — Nayeon indagou, fazendo um pequeno bico, fingindo frustração.

— Não se preocupe, dongsaeng. — (SeuNome) aproximou o corpo de Nayeon. — Vamos ter uma menininha ainda. — Deu um beijo na bochecha da mais nova, que sorriu.

 

Um ano depois

Point of View - Im Nayeon

 

Estava no meio da noite quando ouço um dos meninos chorando, e por conta do choro alto do mesmo, o outro começou a chorar. Me levantei da minha cama lentamente, na intenção de não acordar Jeongyeon, coloquei minhas roupas e fui em direção ao quarto dos meninos.

Cheguei no quarto dos meninos, não vendo os mesmos ali, estranhei olhando o quarto. Saí do cômodo, começando a procurar os meninos, o que não demorou muito, já que os mesmos estavam junto a (SeuNome) na sala. Era engraçado vendo a mais velha tentando segurar os mesmos junto as mamadeiras.

— Oi. — Sussurrei, me aproximando dos três.

— Oi. — Segurei um dos meninos, me sentando ao lado de (SeuNome), que sorriu agradecida. — Achei que todas vocês estivessem dormindo.

— Eu achei que elas acordariam com os gritos deles. — (SeuNome) riu.

Segurei um dos meninos, vendo (SeuNome) agradecer com meu ato. Ficamos um tempo em silêncio, apenas assistindo a televisão, que passava um desenho aleatório, onde ambos os meninos ficaram vidrados assim que terminaram suas mamadeiras. Achava fofo como os dois eram tão parecidos, claro, que tinham suas peculiaridades, mas ainda sim pareciam tanto na forma de agir que os tornava ainda mais meigos.

— O que estão fazendo aqui? São quatro horas da manhã. — Momo chegou na sala, coçando seus olhos.

— Você saberia se tivesse acordado com os gritos desses dois. — Respondi. Hirai sem retrucar, se sentou ao lado de (SeuNome), segurando o pequeno Taemin em seus braços dando um beijo na bochecha do mesmo, (SeuNome) saiu da sala, logo indo até a cozinha, segurando os recipientes vazios em suas mãos, sussurrando um Já volto.

— Ei, Nayeon-Unnie. — Momo me chamou baixinho, para que somente eu escutasse, e esse jeito todo discreto acabou atiçando minha curiosidade, logo me aproximando para escutá-la melhor. — Eu quero fazer uma surpresa para a (SeuNome) e a Jeongyeon, e você precisa me ajudar.

— Ajudar com o que? E o que está planejando?

— Bem eu-

(SeuNome) voltou, e pelo fato de Momo ter parado de falar de repente, e eu a olhar levemente assustada, ela deu um olhar desconfiado. E sua desconfiança aumentou ainda mais com o sorriso que Momo e eu lançamos à ela.

— Devo perguntar. Qual o motivo dos cochichos?

— Não é nada, Unnie. Estávamos apenas conversando.

— Okay, estou de olho nas duas. — Nós rimos, logo vendo a mais velha saindo da sala, dizendo que iria para algum lugar comprar roupas novas, e os preparativos, para o aniversário dos meninos que seria em alguns dias.

— Okay — Momo chamou minha atenção, ao ver que nem uma das meninas estaria ali por perto para ouvir. —, o que pretendo fazer é o seguinte.

Começou a me explicar o tal plano dela, que apenas ouvindo já me parecia incrível.

 

Alguns dias depois

 

Hoje seria o aniversário de Taemin e Taehyung, mal podia acreditar que os mesmos estavam para completar um ano. Parecia que foi ontem que estavam começando a engatinhar. A memória de nós quatro escolhendo os nomes dos meninos para que ficasse algo que ambas concordavam estava claro em minha mente como se fosse há alguns dias atrás.

 

Momo e Jeongyeon estavam jogando videogame na sala, onde eu estava lendo um livro no outro sofá. Momo pela primeira vez em muito tempo estava prestes a vencer Jeongyeon quando a televisão desliga de repente, fazendo Momo reclamar alto, o que fez Jeongyeon rir, tanto pela mais nova reclamando, quanto pelo alivio, pois ela estava por pouco de ouvir duas semanas de deboche da Momo.

— Unnie, qual é? — Momo exclamou. — Eu estava quase vencendo.

— Eu não me importo. — Jeongyeon e eu rimos, (SeuNome) se sentou ao meu lado que havia levantado para dar espaço para a mais velha, dita cuja que estava com uma cara emburrada, com os braços cruzados segurando uma caneta e um bloquinho de notas em ambas as mãos.

— Que bicho te mordeu, (SeuNome)-Unnie? — Perguntei, a abraçando de lado.

— Aish, me desculpa. — Pediu, mudando drasticamente seu semblante.

(SeuNome) andava muito assim após os três primeiros meses da gravidez, agora com os cinco meses só estava cada vez pior. Nunca tinha visto Park tão irritada, meiga, carente, e vários outros sentimentos, em um periodo tão curto de tempo mudando sempre em minha vida. Tinha vezes que a mais velha aparecia no meu quarto no meio da noite, completamente manhosa, pedindo por carinho, e logo dormiamos completamente nuas. Era apenas um pouquinho confuso, mas não nego nunca, é muito bom.

— Eu não sei o que está acontecendo comigo. — Continuou. — Eu pareço uma bipolar. — Nós rimos.

— Está tudo bem, Unnie. — Jeongyeon disse, vendo o sorriso da mais velha ser direcionado a si.

— Agora pode explicar o motivo de ter desligado o videogame assim? — Momo soltou o controle do console na mesinha de centro.

— Ah sim — A mais velha se animou de repente. —, eu queria escolher os nomes das crianças junto com vocês.

— Ah mas eu não acre- — Jeongyeon um tapa na nuca de Hirai antes que a mesma pudesse começar suas reclamações.

— Claro, meu amor. —Falei, dando um longo beijo na bochecha de (SeuNome).

 

Foram horas procurando nomes, onde as quatro gostassem. Se fosse duas meninas, seria Eunjung e Sakura, se fosse um casal, Bonhwa e Sunhwa, e se fosse dois meninos seria Taemin e Taehyung, (SeuNome) dizia que gostava de gêmeos que tivessem seus nomes combinando, então demos a sugestão de colocar de um deles de Taemin, enquanto ela escolheu o Taehyung.

— Nayeon-Unnie — Momo se aproximou de mim trombando por conta de ter escorregado, já que andava apressada até mim. —, aconteceu algo terrivelmente terrível.

Estranhei a preocupação de Momo, já que a mesma tinha o semblante de alguém que havia visto um amigo levar um tiro.

— O que aconteceu? — Estava altamente preocupada.

— Eu perdi duas das alianças...

— Como é? — Agora estava explicado, pois aquilo havia feito meu coração bater muito, mas muito forte em questão de segundos.

Aquelas alianças eram caras, e condição de comprar outras novas estava fora de cogitação, e assim que voltei a si, estava prestes a estrangular a Momo, enquanto andava de um lado para o outro, a encarando.

— Para de me olhar assim, Nayeon-Unnie.  — Momo pediu, com um semblante amedrontado.

— Você- — Me interrompi ao perceber que as meninas chegavam na sala com os meninos no colo.

— O que houve? — Jeongyeon perguntou.

— Nada, não aconteceu nada. — Momo chegou próxima a mim, me abraçando de lado, eu apenas sorri tentando disfarçar o máximo minha tensão.

— Okay — (SeuNome) estava cada dia mais desconfiada com os segredinhos meu e de Momo. —, vamos, logo logo eles chegarão.

 

Começamos a preparar tudo para o aniversário dos meninos, apesar de não ser muito comum fazer festas de aniversário, (SeuNome) queria fazer para o primeiro ano dos meninos, e não diríamos não, além do mais, gostávamos de festas daquele estilo. Alguns parentes nossos estariam presentes, assim como alguns amigos, o que tornava esse dia ainda mais memorável.

— Mina-Yah! — (SeuNome) deu um abraço forte em Myoui, que foi a primeira a chegar na casa junto a Chaeyoung.

(SeuNome) e Chaeyoung – uma garota na qual (SeuNome) teve alguns encontros – se tornaram muito amigas antes de nos mudarmos para Seul, e por coincidência Mina conheceu Chaeyoung em um passeio de Mina aqui na Coreia, e ambas começaram a namorar. 

Logo delas veio Jaebeom, Teddy e os pais de (SeuNome). Kwangkyok queria fazer uma surpresa para sua irmã, e por conta disso, a mesma estava triste em não o ver ali, pois pensava que o mesmo não viria. Estavam quase todos reunidos, faltava apenas Kwangkyok.

— Unnie — Momo chegou perto de mim. Eu não estava muito de papo com ela por conta da irresponsabilidade dela. —, não fica brava comigo. Eu juro que procurei em todos os lugares possíveis dessa casa.

— É, mas não achou. — A encarei. — Me deixa em paz, Momo.

Eu sei que estava pegando um pouco pesado com Momo, mas tínhamos uma responsabilidade ali. Eu havia ficado com duas das alianças, assim como ela. Eu havia pagado a maior parte da conta daquelas alianças, e o dia era especial para Jeongyeon e (SeuNome), que planejaram toda a festinha dos bebês juntas sozinhas praticamente, eu estava brava por ela ter estragado aquilo.

 

Point of View - Yoo Jeongyeon

 

Eu estava bastante preocupada com Momo e Nayeon, ambas desde o começo dos preparativos da festa não direcionavam uma palavra sequer uma para outra, e quando Momo finalmente tentava, Nayeon a afastava. Eu já imaginava o motivo, então, fui até Momo que parecia ser a arrependida da situação, afastando na intenção de que (SeuNome) e Nayeon não nos vissem.

— O que houve?

— Acho que sou eu quem pergunto isso, certo? — A garota me olhou confusa. — Por que Nayeon está te evitando?

— Ah, não é nada, Jeongyeong-Ah. — Eu cruzei os braços, com um semblante em descrença, ouvi Momo bufar, e logo continuou dizendo: — Nayeon e eu queríamos fazer uma surpresa para você e a (SeuNome), eu finalmente estava disposta a querer fechar esse relacionamento com vocês mas eu perdi a droga das duas alianças que haviam ficado comigo.

— Ah — Exclamei, tirando minhas mãos do casaco que usava, mostrando os dois anéis, surpreendo Momo. —, está falando dessas aqui?

— Onde as encontrou? — Perguntou, tentando pegá-las da minha mão, mas eu a impedi.

— Sabe, não se pode deixar coisas pequenas em mãos de crianças, elas têm o costume de engolir tudo que cabe na boca.

— Então um dos meninos...? — Assenti. — Eca, que nojento.

— Pega as alianças da Nayeon, dê alguma desculpa que faça ela entregar ela para você, agora quem será surpreendida será ela, quando puxarmos para o centro da multidão, faremos o pedido juntas, e por favor, não perca aquelas, okay? — Momo assentiu, saindo de perto de mim, indo até Nayeon.

Jackson, um amigo meu do trabalho, chegava perto de mim, com um grande sorriso no rosto.

— O que as duas estão tramando? — Eu não poderia contar ao Jackson, ele era bastante conhecido tanto no trabalho, quanto nas rodinhas de amizades por ser o maior fofoqueiro.

— Você vai descobrir, seu grande linguarudo. — Ele me olhou indignado.

— Eu não sou tão fofoqueiro assim. — O olhei com deboche. — Okay, só um pouquinho, mas vai, me diz o que está se passando, prometo ficar de bico caladinho.

— Promete? — Ele assentiu, e eu me aproximei de seu ouvido. — O Bambam me disse que quer te pedir em namoro.

Ele me olhou surpreso ao fim do meu sussurro, não era totalmente mentira, na verdade, estava apenas apressando o processo de namoro dos dois, pois Bambam sempre deu indiretas de que gostaria de tentar, Jackson apenas o pressionaria para isso, não era de todo ruim. Estava apenas trazendo o tão amado casal de nossos amigos finalmente ao destaque.

Fui até (SeuNome), onde estava junto a Chaerin, a mais nova parecia entristecida segurando o pequeno Taemin - apenas conseguia diferenciar os meninos por conta das roupas -.

— O que houve, Unnie? — Perguntei para (SeuNome), que me olhou, mostrando um sorriso, disse:

— Não é nada, apenas pensei que o Kwangkyok estaria aqui. — Olhei para atrás onde estava Kwangkyok segurando um Taehyung se aproximando vagarosamente de nós, assim que ele percebeu meu olhar, em gesto me pediu para não estragar a surpresa.

— Não fique assim, Unnie. Olha eu tenho certeza que ele virá antes que diga o quanto me ama.

— O que?

— Buh! — O mais novo sussurrou no ouvido de (SeuNome), que levou um pequeno susto.

— Dongsaeng! — Os dois se abraçaram, com certa dificuldade para não machucar os dois meninos sob seus braços. — Achei que não viria.

— Achou mesmo que eu ia perder o primeiro aniversário dos meus sobrinhos? — Ela sorriu mais ainda com a pergunta.

— Eu disse, você nem precisou dizer. — Disse, abraçando por trás, ouvindo sua risada.

— Noona, eu quero te apresentar, o novo futuro-Park da família. — Kwangkyok segurou a mão de um garoto atrás dele, moreno, alto, e bastante atraente. — Esse é meu namorado Lee Woojoo.

O rapaz sorriu, fazendo uma pequena revência, percebendo que (SeuNome) assim como eu ficarmos estatica, completamente sem reação. Era surpreendente, já que Kwangkyok sempre chegava aqui com namoradas, e nunca deu qualquer indireta que que poderia gostar de meninos.

— É-É um prazer conhecê-lo, Woojoo-Yah. — (SeuNome) disse, atordoada, porém com um sorriso no rosto.

— Jeongyeon-Unnie — Momo me chamou. —, pode vir comigo?

Nos afastamos de todos, e assim que olhou para os lados, disse:

— Consegui as alianças da Nayeon.

— Passou esse tempo todo convencendo-a de lhe entregar as alianças?

— Ela é bastante cabeça-dura quando quer, sabia? — Eu ri do bico de Momo.

— Depois dos parabéns nós fazemos o pedido, está bem? — Ela disse sorrindo abertamente.

— Ei, Jeong-Unnie. — Segurou meu braço ao ver que estava prestes a sair de perto dela. — Obrigada de verdade, você salvou meus planos com a Na. — Dei um selinho na mais nova.

— Eu sei, eu sou incrível. — Ela riu, revirando os olhos.

— Eu te amo, sua convencida. — Foi minha vez de rir, dando mais um beijo nos lábios da japonesa.

— Eu também te amo, sua desastrada.

 

Logo após os parabéns dos meninos, Momo e eu nos olhamos. Fui até Nayeon, enquanto já puxava (SeuNome) com Taemin nos braços, a mais velha estava completamente confusa, assim como Nayeon assim que a puxei para perto das duas outras garotas. Já havíamos chamado a atenção de muitos apenas puxando as duas garotas, mas logo com os olhares desses primeiros, todos nos olhavam. Por algum motivo aquilo me deixava nervosa.

— Antes de irmos direto ao ponto — Momo começou fazendo nós três olharmos para ela. —, eu gostaria de dizer algumas coisas antes. — Ela tirou uma folha do bolso, como sempre com sentimentos no coração, mas sem conseguir extraí-lo diretamente dele. — É um pouco fraco, e meio curto, mas é o mais sincero.

Todas nós sorrimos, esperando o que Hirai iria ler naquele papel.

— Eu sei que sou um pouco imatura para minha idade às vezes, tenho vários exemplos como prova disso. Eu me sinto insegura quando o assunto são vocês, e isso é por ter muito medo de perder vocês, pois eu não vejo sem as mulheres da minha vida. Eu nunca vou esquecer o dia que começamos algo, Nay-Unnie, Jeong-Ah. Foi um dos dias mais felizes da minha vida, e com vocês meus dias se tornaram mais colorido, e felizes, fazendo meu coração disparar com gestos simples. Assim como você, (SeuApelido)-Unnie, nunca pensei que uma peguete de balada poderia se tornar uma das pessoas mais importantes da minha vida, se tornando junto uma das pessoas que eu não sei viver sem, sem o carinho, a compreensão, e todo o amor que vocês me dão, eu amo vocês três. Jeongyeon-Ah, Nayeon-Unnie, (SeuNome)-Unnie — Tirou finalmente tirou as alianças do outro bolso, assim como eu, que já estava segurando as lágrimas, aquilo havia me pegando de surpresa, assim como havia pegado Nayeon e (SeuNome) também.

— Querem namorar sério conosco? — Pedimos juntas, vendo as duas garotas assentirem nossa pergunta, nos abraçando em seguida.

 

Point of View - (SeuNome) Park

Uma semana depois

 

Mal podia acreditar naquilo, olhava para Momo estendendo aquelas lindas alianças, parecia que estava sonhando, assim que trocamos as alianças dei um beijo em Momo, que retribuiu sem pensar duas vezes. Me sentia nas nuvens, assim que nos separamos, vi Nayeon e Jeongyeon ainda se abraçando, e os convidados batendo palmas, animados.

— Aquilo foi a coisa mais linda que eu já ouvi. — Momo me olhou, com seus olhos brilhando, me abraçando forte.

 

— Não acredito! — Hyuk exclamou ao me ouvir contar toda história. — Deixe-me ver isso aqui. — Pegou minha mão. — Isso é incrível.

— Eu sei, eu não consigo parar de sorrir quando olho para ele.

— Finalmente aquela japonesa tomou vergonha na cara, pena que eu não estava lá. — Jihyo disse rindo, me fazendo rir também. — Fico feliz por você, (SeuNome)-Ah/Yah.

— Obrigada, Ji. — Abracei Jihyo, que retribuiu meu abraço.

— Vou sentir saudades das nossas noites de diversões. — Dei um tapa seu ombro, assim que nos separamos. — Aish...

— Jihyo-Yah!

— Espera — Hyuk chamou nossa atenção. —, vocês se pegavam?

— Sim, algumas vezes.

— E não me contaram, quando isso tinha começado?

— Bom, foi na minha casa antiga, nessa poltrona que você está sentado. — Hyuk se levantou rapidamente.

— Eca... — Rimos.

— Eu estava brincando, seu bobão.

 

Estava sem luz, chovia muito, e as únicas coisas que ouvia era a chuva, e os malditos trovões acompanhados de raios. Estava na casa de Jihyo, já que assistiríamos alguns filmes na casa dela, mas estávamos paradas em frente a televisão, esperando que por algum milagre, a luz voltasse.

— (SeuNome) — Park me chamou. —, sabe eu ainda me lembro de algo que você está me devendo.

— Eu? Devendo a você?

— Ah, não se faça de boba, a conversa que tivemos meses atrás. — Corei no mesmo instante que lembrei. — Sabia que lembraria.

— Achei que tivesse esquecido isso.

— Eu? Esquecer? — Ela riu levemente. — Eu lembro que você naquele dia que estava bêbada, você não havia me deixado nem chegar aos beijos. O que acha de me deixar descobrir como é o gosto dos seus lábios?

Perguntou se aproximando, em uma reação automática, apenas umedeci meus lábios, esperando que os lábios de Jihyo se aproximassem finalmente dos meus ao ponto de tocá-los. Assim que o beijo de Jihyo se fez mais afoito, ela me puxou, fazendo com que eu sentasse em seu colo.

— São ainda melhores do que eu imaginava. — Jihyo sussurrou, me fitando intensamente, aquilo me fez morder o lábio inferior.

— Quer descobrir o resto? — Perguntei, sem demorar muito tirei minha blusa, por ser larga, e de manga longa, fez com que Jihyo se surpreendesse ao ver meu abdômen e meus seios - ainda cobertos pelo sutiã - à sua visão.

Sem dar qualquer resposta clara, Jihyo desviou seus olhos para meu corpo, deslizando suas mãos do meu abdômen para meus seios. Já estava sentindo minha calcinha pesar com os toques firmes de Jihyo, e assim que seus lábios foram direcionados ao meu pescoço, não contive em arfar pesado ao sentir seus lábios distribuindo beijos suaves, e sua língua deslizando vagarosamente.

As mãos que seguravam forte minha cintura, agora deslizavam até o feixe do meu sutiã, o pedaço de pano agora se encontrava no chão, os lábios de Jihyo sob os meus novamente, e as mãos da mais nova agora estavam em meus seios, os apalpando levemente forte, levando uma de suas mãos por de baixo de meu short seguida, me fazendo gemer.

— Seu corpo é ainda mais bonito do que imaginava, (SeuApelido). — Jihyo sorriu, assim que começou a me fitar.

— Ji-Jihyo... — Gemi arrastado, aquilo fez Jihyo sorrir ainda mais.

Tirei a camiseta de Jihyo, junto ao seu short. Me sentei no colo de Jihyo, beijando os lábios da mesma de forma intensa, segurei cabelos de Jihyo, os puxando levemente. Voltei a gemer ao sentir os dedos dela friccionarem novamente em meu clitóris, aquilo parecia - parecia nada, era óbvio - ser satisfatório para Jihyo, que sempre sorria durante o beijo ao ouvir meus gemidos.

— Posso te chupar? — Perguntei, com a voz levemente falha, vendo a mesma sorrir.

— Você não precisa me pedir. — Sorri, seguindo meus beijos até o pescoço de Jihyo, que agora havia parado com seus movimentos em meu clitóris, assim que me abaixei, beijando seu busto, seus seios que ainda estavam cobertos pelo tecido, que não demorei muito para retirá-lo.

Me permiti observar o busto de Jihyo, junto ao seu abdômen, me perguntava como tinham coragem de dizer algo negativo sobre o corpo de Jihyo, o mesmo era tão lindo. Assim que voltei de meu transe, desviei meu olhar de Jihyo, que mordeu o lábio inferior ao me ver abrindo suas pernas ao tirar o único pedaço de pano que cobria seu corpo.

Voltei a altura de seu pescoço, dando uma mordida forte sob o mesmo que fez Jihyo sugar o ar entre os dentes levemente.

— Vai com calma, vão acabar pensando coisas ruins de mim. — Jihyo me fez rir, voltei a me sentar em seu colo novamente, ouvindo Jihyo me acompanhar nas risadas.

— Você realmente se importa? — Comecei a friccionar meus dedos em seu clitóris, ouvindo o primeiro gemido de Jihyo ecoar.

— N-Nem um pouco. — Sorri mordendo o lábio inferior com sua resposta. Levei minha boca sob um dos seios de Jihyo, os chupando com leve força, logo invadindo dois dedos na entrada da garota que gemer jogando sua cabeça para trás.

Mordi meu lábio ao sentir a mais nova voltar seus dedos para minha intimidade, antes que Jihyo segurasse minha cintura, me ajoelhei a sua frente novamente, abrindo suas pernas, e sem enrolar muito, comecei a fazer uma oral em Jihyo que voltou a gemer, seus gemidos estavam altos, e cada vez mais frequentes, e aquilo me deixava excitada.

Voltei a penetrar dois dedos na entrada de Jihyo, tornando os gemidos de Jihyo roucos, pareciam manhosos. Mas não durou muito, pois Jihyo me puxou para seu colo mais uma vez, segurou meus cabelos, me puxando para um beijo forte, enquanto sua outra mão apertava com força minha coxa, mão esta que parou em minha intimidade, sem avisar penetrou dois dedos dentro de mim.

Vi os lábios de Park se curvarem em um sorriso lascivo, satisfeita em me ver revirar meus olhos, mordendo os lábios, em uma tentativa miseralmente falha de conter os gemidos, que estava cada vez mais altos, e constantes. Aproximei meus lábios dos da mais nova, em um beijo afoito e doloroso de tão agressivo. Em uma necessidade desesperada de mais prazer, comecei a movimentar meu quadril junto aos dedos de Jihyo.

— Jihyo, eu vou-

— Vai mesmo? — Mordi meu lábio forte, com os dedos da mais nova diminuírem a brevidade dos mesmos, minhas mãos apertaram os ombros da garota, que agora obtinha um sorriso debochado em seu rosto.

— Ji-Jihyo, não me provoca.

— Eu estou provocando você? — Sorriu, rosnei em frustração, a fazendo rir satisfatoriamente.

— Park Jihyo — Disse, deixando as palavras saírem por entre meus dentes. —, não me provoque.

Continuou com aquela provocação maldita, o que me deixou frustrada ao ponto de descontar esse sentimento momentâneo no ombro - próximo ao pescoço da garota -, que sugou o ar entre os dentes novamente, consegui ouvir a garota gemendo de dor.

— Posso fazer pior que isso. — Jihyo riu, aumentando finalmente a brevidade de seus dedos.

Assim que finalmente eu gozei, deitei minha cabeça no ombro de Jihyo, que estava ofegante, igual a mim. Sentia Jihyo fazer caricias em minhas costas, me fazendo arrepiar o local no mesmo instante, seu braço livre estava ao redor da minha cintura, o que me deixava a brecha para acariciá-lo também.

Logo vimos as luzes se acenderem novamente.

— Foi o melhor jeito de passar o tempo, não é? — Jihyo comentou rindo, me encarando, me fazendo rir junto a ela.

 

 

Eu ri levemente ao lembrar.

— Eu já vou indo, pessoal. — Disse, me levantando.

— Ah, você sempre vai embora muito cedo. — Jihyo comentou.

— O que eu posso fazer, estou com saudade dos meus bebês. — Eu sorri, seguindo caminho até a porta.

 

Assim que cheguei em casa, já conseguia ouvir Jeongyeon rindo, junto a Momo, o cheiro de Kalgooksu invadir minhas narinas, e um sorriso brotou em meu rosto, ao ver as duas mais novas da casa brincando junto aos nossos gêmeos.

— Omma! — Taehyung esticou seus bracinhos para, assim como Taemin.

Aquilo me arrancou lágrimas, era a primeira palavrinha dos dois. Fui até os mesmos os abraçando, logo vendo as duas garotas sorrindo com a cena.

— Ah, Unnie. — Momo me chamou, me fazendo sorrir. — Temos uma coisa para te mostrar. — A olhei curiosa, vendo a mesma segurando Taemin, se afastando levemente de mim. Logo vendo o pequeno dando seus primeiros passos diante de mim.

— Ah meu Deus. — As meninas riram com a minha reação, estava quase verdadeiramente chorando.

— Taemin quase nos matou do coração andando por aí sem percebemos. — Jeongyeon disse. — E isso que ele é mais calmo que o Taehyung.

— Taehyung também conseguiu andar?

— Ainda não, toda vez que tentamos ele cai, e não tenta sequer levantar.

— Não vejo a hora de ver esses dois correndo pela casa. — Disse, olhando completamente boba, dando um beijo da testa dos dois pequenos.

Fiquei um pequeno tempo com as meninas, mas logo fui até a cozinha, vendo Nayeon cozinhando algo no fogão. Cheguei perto da Im, a abraçando suavemente, me permitindo sentir o perfume de Nayeon com aquele abraço, aproveitando para dar um beijo na bochecha da garota.

— Oi. — Sussurrei em seu ouvido, vendo o sorriso de Nayeon surgir instantaneamente em seu rosto.

— Você chegou cedo hoje. — Se virou para mim, deixando seus braços envolta da minha cintura.

— Estava com saudade de vocês. — Seu sorriso se tornou ainda mais aberto, logo se aproximando para me beijar.

— Ei, vocês duas. — Momo chegou na cozinha, junto a Jeongyeon, ambas estavam com os meninos nos braços. — Parem de namorico, eu estou com fome.

Nayeon e eu rimos, me afastei levantando minhas mãos, ainda rindo.

Meu Deus, como eu amo essas meninas


Notas Finais


Bom, meus amores, não vou me prolongar muito aqui, pois ainda terá um último capítulo com uma dedicatória minha, mas ainda sim, quero agradecer tudo que vocês me proporcionaram, e por toda a felicidade que vocês me deram, eu amo vocês!

Até... outra fanfic de twice que pretendo postar, fiquem de olho no meu perfil ;3

Amo vocês

(Espero que amem a Mina)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...