História Sheng Nu - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Abo, Beta!vi, Bottom!hoseok, Bottom!jimin, Bottom!seokjin, Chaerin, Gabi Eu Te Amoooo, Hopega, Longfic, Medieval, Menção Jikook, Menção Namjin, Sobi, Top!jungkook, Top!namjoon, Top!yoongi, Who Run The World? Omegas, Woozi, Yoonseok
Visualizações 324
Palavras 1.210
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


guess who's back (definitivamente espero)

Capítulo 1 - Casamento



Casamento; 

aquilo que Hoseok não queria protagonizar.



Hoseok não queria estar ali.

Sua expressão era um tanto quanto melancólica, como se lamentasse ter de fazer o que estava fazendo. De fato, lamentava. O sacerdote à sua frente falava palavras e mais palavras consideradas sagradas sobre companheirismo, amor, fidelidade e em certo momento ele ouviu a palavra “submissão”. Não gostou. Franziu o cenho; ao seu lado, Min Yoongi notou.

— Olá — o alfa murmurou como se aquele fosse realmente um momento propício para se cumprimentarem

Droga, estavam se casando e nunca haviam trocado sequer uma palavra.

— Olá — respondeu, um tanto quanto surpreso.

Torcendo um pouco o pescoço, Hoseok tentou ver por sobre o ombro, de forma discreta, se alguém havia notado aquela pequena comunicação. Era considerado extremamente  desrespeitoso falar durante o discurso do sacerdote. Min Yoongi, no entanto, não parecia se importar com isso.

Então, o rapaz ao seu lado – agora seu marido – era do tipo rebelde?

O de cabelos negros murmurou mais alguma coisa, entretanto, desta vez Hoseok não pôde ouvi-lo

— Não acha que poderemos conversar mais tarde? — seu tom não era rude ou impaciente; neutro, como se não esperasse reação positiva do alfa.

Mas ele sorriu minimamente, aproveitando que todos tinham os olhos fechados para a oração. — Tudo bem.

Teriam tempo demais.

Hoseok orou, realizou todos os rituais que um casamento tradicional deveria ter, desejou felicidade a si mesmo e ao seu marido com palavras preparadas pelos escribas de seu reino – não eram sinceras, mas estavam dentro do protocolo – e quando o alfa deixou aquele colar sobre seu pescoço, pensou consigo mesmo que era aquilo. Estava casado, preso a Min Yoongi para o resto de sua vida, e deveria viver no reino de Miyo e abandonar seu povo de Ilarya para sempre.

Embora, àquela altura, este já não fosse um sacrifício tão grande.

O casamento havia sido feito para poucos convidados; apenas seus pais, seu irmão mais novo e seu marido – atuais reis de Ilarya –, os pais de Yoongi, que já perdiam o trono, e poucos amigos do alfa. De fato, mesmo que o Jung tivesse amigos para ostentar, não seria possível tirá-los de seu reino, tão distante, apenas para levá-los a Miyo por uma noite.

Sentia-se, como há muito não se sentia, solitário.

A coroação de Yoongi foi feita na mesma cerimônia, pelo mesmo sacerdote, e a coroa enfim foi posta sobre os cabelos negros. Ele e Hoseok estavam ajoelhados sobre almofadas de penas de ganso de frente para o velho que lhes jogava óleo benzido pelos deuses, cantarolando cânticos de louvor que pediam sabedoria e bom comando por parte do novo rei. Se fosse em Ilarya, certamente aquela seria uma ocasião capaz de fazer parar todo e qualquer aldeão, mas em Miyo, tudo era daquele jeito, reservado, discreto...

Um tanto quanto frio.

Hoseok odiava frio.

Durou pouco tempo, se fosse considerar as cerimônias que já presenciara, mas não se ofendia com isso. A única coisa que queria era acabar com tudo aquilo logo de uma vez; sentia tanta vontade de chorar porque para si, era tudo tão injusto. Se fosse em outra circunstância, o irouchikake que vestia poderia levantar um pouco sua auto estima – era tão bonito –, mas agora, só pesava sobre seu corpo. Sua maquiagem havia sido feita com todo o cuidado pelas betas que lhe elogiaram durante todo o tempo, dizendo o quanto estava bonito e o quanto tinha sorte por se casar com Min Yoongi, um alfa tão cobiçado que ainda seria rei. Não haverá honra maior em sua vida, uma delas havia lhe dito. Hoseok não pôde fazer outra coisa senão concordar.

Não havia sorrido em nenhum momento durante todo o casamento, ou mesmo a coroação. Em sua mente, só desejava que ninguém ali fizesse alguma piada, após toda formalidade, sobre agora ser uma rainha. O Jung era um ômega, não uma mulher. Por mais que nenhum daqueles conservadores gostasse de admitir, se estava casado com um rei, era um rei também.

Ao seu lado, havia um alfa que não deveria ser superior a si, mas o ruivo sabia que as coisas seriam daquele jeito por todo o resto de sua vida.

Assim que as duas cerimônias receberam a benção dos deuses – ao menos segundo o sacerdote –, todos saíram do templo feito especialmente para a família real. Ele se localizava no topo de uma pequena montanha atrás do castelo e para chegar à terra plana, deveriam descer algumas escadas. Como mandava a tradição, Yoongi carregou Hoseok nas costas enquanto as descia, como forma de mostrar a proteção que teria com seu ômega, o cuidado que se manteria até a morte.

Mas ele não queria ser cuidado. Não queria ser protegido.

Havia algumas carruagens dispostas para que todos pudessem voltar ao castelo. Uma maior, entretanto, era a que seria usada pela família Jung para retornar à Ilarya. Estavam no território de Miyo e deveriam, então, seguir suas tradições; a família do ômega não deveria ficar mais do que o necessário com sua cria para que ela não relutasse em aceitar seu novo lar. Por isso, quando Hoseok foi posto no chão, não se importando em sujar seu irouchikake, Namjoon e Seokjin o abraçaram, assim como seus pais, desejando-lhe felicidade e prosperidade.

— Verá que fizemos o melhor para você, querido — sua mãe lhe disse antes de entrar em sua carruagem e partir.

Era tudo abrupto demais.

Seguindo a ordem tradicional, tão logo os de Ilarya partiram, os poucos amigos de Yoongi que puderam comparecer também se foram após cumprimentarem o casal. Hoseok pensou consigo mesmo que tudo aquilo deveria ter acontecido dentro do templo, onde ao menos as árvores não os alcançavam. Estavam na base da montanha, que havia sido coberta por pedra rara, um chafariz com uma estátua da deusa regente de Miyo bem em cima como forma de celebrá-la. Agora, os pais do alfa deveriam entrar também em sua carruagem para irem ao castelo enquanto os recém-casados iriam logo atrás, com mais alguns cavalos e soldados do reino para escoltá-los. Simbolicamente, seria como se o novo rei seguisse os passos de seus pais para governar sabiamente como eles fizeram.

Hoseok achava tudo aquilo uma perda de tempo.

Yoongi entrou primeiro na carruagem para ajudá-lo e antes de entrar também, Hoseok permitiu que seu olhar se perdesse na paisagem que não havia percebido estar ali. O castelo, grandioso como o de todos os reinos, e logo um pouco à frente a aldeia, completamente iluminada pelas tochas em demasia. A música podia ser ouvida mesmo que estivesse a quilômetros de distância; estavam comemorando o novo rei, mesmo que não pudessem fazer parte da cerimônia. A campina que se estendia ainda mais à frente era linda, iluminada pela lua cheia e pelas estrelas. Por um ínfimo segundo, Hoseok cogitou apenas correr, embrenhar-se no meio daquelas árvores e sumir, talvez se juntar aos aldeões, dançar até o amanhecer e comemorar com eles.

Mas não podia, porque eles estavam comemorando, sem nem mesmo saber, o fim de sua liberdade.

— Hoseok? — Yoongi o chamou, a mão ainda estendida esperando por um resposta. Ele tinha a voz firme como todos os alfas tinham, mas não era autoritária. Gentil, apesar de tudo. — Está tudo bem?

E desviando o olhar do que sabia que não voltaria a ter mais, Hoseok pegou a mão de seu marido e entrou na carruagem.




Notas Finais


BOA TARDE SEGUIMORES

eu estou mto mto feliz e vou compartilhar com vocês o motivo: minhas fanfics estavam todas guardadas no meu PC que simplesmente não estava funcionando mais. agora ele está!!!! não sei oq aconteceu mas é isso aí. tudo salvo no drive para a glória eterna e eu postando as coisas direito. espero.

bom, assim como Cloud 3, vai ser uma looonga jornada até os capítulos atuais qjndka por favor, não desistam de mim!!!

caso queiram me xingar em anônimo: https://curiouscat.me/minlayu
caso queiram me xingar se identificando: https://mobile.twitter.com/minlayu

beijo gente!!! VAMO ATUALIZA CLOUD333333


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...