1. Spirit Fanfics >
  2. Shh Pete - spideypool >
  3. Capítulo único.

História Shh Pete - spideypool - Capítulo 1


Escrita por: LosverTozier

Notas do Autor


feliz ano novo meu povo, uma spideypool com lemon pra alegrar a madrugada rs

Capítulo 1 - Capítulo único.


O mercenário era carregado igual uma mala pelas teias do mais novo.

Depois de lutarem contra terroristas que explodiram a moradia do mais velho, que nada mais era que um sobrado numa rua vazia, mas agora só existia tijolos e cimento espalhados, por sorte ninguém foi ferido.

Os atacantes foram entregue a polícia, mesmo o de temperamento forte querendo acabar com a raça deles.

— Peter tá chegando? Você me carrega igual merda aí! — Protestou o mercenário claramente desconfortável pela posição, indo de prédio em prédio.

O homem aranha não respondeu, estava concentrado demais em chegar no apartamento de sua tia, onde morava.

Conseguiu entrar com o maior sem fazer barulho e arrumou todo o quarto, por causa das roupas jogadas e embalagens de salgadinhos.

— Assim, não dá pra trabalhar com você Wade! — Reclamou tirando a máscara, revelando seu rosto com algumas pintinhas e bochechas rosadas de raiva.

— Ai Pete estava doendo meu abdômen, mesmo que eu já tenha aguentado pior e você fica tão fofo com a bochechinha assim, fofo!

— Arrgh, tá, veste alguma coisa, você tá com mancha de sangue. — Respondeu virando de costas e tirando o seu uniforme, que estava limpo.

Peter estava de pijama colocado e deitou na sua cama, que não era tão grande mas para ele parecia imensa, até Wade deitar com uma short de Peter que ficou minúsculo em si, marcando muito seu membro, e ainda estava sem camisa, o que fez o mais novo virar o rosto na direção oposta do outro.

— Tudo bem Pete?

— Sim e boa noite! — Respondeu rápido mirando o pulso com projetor na direção do interruptor, apagando a luz.

No meio da madrugada se enrolaram um no outro, já que o espaço não era tão grande agora, a posição que estavam era Peter encolhido, ele queria ser generoso e dar espaço para Wade, e o mesmo estava abraçando sua cintura, a famosa posição conchinha.

Peter acordou sentindo um aperto na cintura e Wade roçando seu pau na sua bunda, preferiu nem se mexer já que provavelmente era pela falta de espaço, mas começou a sentir as mãos passando pelo seu corpo e sentiu os lábios em sua nuca.

— W-wade? — Gaguejou nervoso.

— Sabe Pete, você sabe que eu sou muito afim de você não sabe? É que tá difícil me segurar tendo você tão lindo assim.

Peter não respondeu, sentia o coração batendo tão forte que podia desmaiar, então o maior encarou como algo negativo.

— Tudo bem, você tem o direito de não querer. — Continuou se afastando um pouco.

— Não! — Susurrou. — E-eu quero. — Virou de frente para Wade, mal conseguia enxergar mas seus olhos castanhos até brilharam.

— Você quer? Sabe que eu quero te comer agora né?

— Ok eu vou mudar de ideia se você enrolar mais.

Sem hesitar agora, Wade selou os lábios com calma, era a primeira vez que fazia isso com o estudante.

Os lábios de Peter eram macios e deliciosos para a visão do mais velho, que aprofundou o beijo em questão de segundos.

O mais novo sentia a boca sendo dominada com pudor, o maior até subiu em seu corpo para continuar o beijo, se posicionando entre suas pernas.

As mãos ficavam firmes, apertando tudo, tanto os próprios corpos e como o lençol.

Peter estava meio atrapalhado, Wade apalpava todo o seu corpo e parecia não perder o fôlego, enquanto o mais novo só estava deitado tentando corresponder.

O clima foi esquentando, Wade tirou a camisa e Parker pôde reparar em seus músculos como nunca, afinal essa era sua primeira oportunidade, a luminária ao lado da cama mostrava o abdômen definido e com pequenas cicatrizes e tatuagens.

O mais velho passou a mão pelo corpo de Peter, que se sentiu pequeno mas seu coração logo aqueceu ao ouvir elogios.

Sentiu a mão grossa apertar seu pau por cima da cueca e calça, o que só despertou mais o seu tesão.

Sem avisos tirou toda as peças de baixo de Peter e se deparou com o membro já duro, se deliciou ao ver mas só estava no início da brincadeira, queria se deliciar mais com Peter.

Os gemidos eram baixinhos no máximo que podiam, as respirações eram pesadas e o som dos seus lábios juntos novamente, era tudo o que precisavam.

Escorregou o beijo para o pescoço e chupou sem pudor, enquanto mastubarva com vontade o membro de Peter.

— Ah, ahh. — Gemeu apertando Wade contra si, estava muito excitado e não conseguia controlar, queria gritar de tanto prazer.

Começou a brincar com os mamilos, beijava e sugava, sentindo os mesmos ficando eriçados.

O corpo de Peter era lindo, definido também e com várias pintinhas distribuídas.

Wade deslizou suas mãos até a coxa de Peter e apertou enquanto aproximava sua boca do pau que escorria pré gozo.

— Não acredito que vou chupar você. — Brincou o mais velho encarando os olhos âmbar do mais novo se revirando ao colocar todo o membro de Peter na boca.

— Awhnn, W-wade ahhh. — Gemeu Peter agarrando os lençóis e suspirando.

Os movimentos não paravam, ia totalmente e voltava, fazendo uma perfeita garganta profunda, levando o mais novo a gemidos consideravelmente altos, continha tampando a própria boca e mordendo os lábios.

Apalpou todo o corpo de Peter durante o boquete, ouvindo o mais novo quase chorar e gritar de prazer.

Sentindo as pernas tremendo, se afastou de Peter, por mais que quisesse ver o seu pequeno gozando e se contorcendo, queria ter tempo para dar mais prazer.

— P-por que... parou? — Perguntou da forma mais ofegante possível.

— Eu quero ter você pela noite ainda. — Respondeu dando um selinho em Peter, que se levantou, ficando de joelhos na cama.

Wade foi surpreendido quando o garoto o deitou na cama e começou a apertar seu pau, não foi difícil tirar o short e a cueca.

Peter colocou só a cabecinha na boca e Wade arcou as costas, mordeu os lábios e sussurava coisas sujas.

O mais novo colocava aos poucos na boca, o que fazia o maior levar uma das mãos até a cabeça de Peter e acariciar os fios castanhos.

Sentia o movimento, aquela boca engolindo todo o seu pau, olhou e assistiu a cena, estava perto de gozar só de ter a visão do seu Peter corado engolindo seu pau.

Peter começou a ir mais rápido e Wade tentava se controlar gemendo e jogando o quadril.

Quando ia gozar tirou Peter do meio das suas pernas puxando de leve seu cabelo, o que o fez entender o sinal.

Wade se levantou também, ambos estavam de joelhos na cama.

Começaram a se beijar novamente, as mãos agora iam com mais vontade, apertavam coxas, costas, se esfragavam e sentiam os membros fazendo movimentos deliciosos e derramando todo o pré gozo nos peitorais.

Wade enfiou três dedos na boca de Peter que começou a chupar com vontade.

— Aí que saudades dessa boquinha já... — Wade comentou, não se referindo aos lábios.

Retirou os dedos da boca do mais novo e voltaram o beijo, Peter estava com dúvida para o que seria até sentir Wade introduzindo durante o beijo, deu um gemido o que fez Wade afundar o dedo e começar a estocar lentamente.

Os beijos estavam mais necessitados e selvagens, faziam estalos e Wade já estocava com velocidade os três dedos.

Peter já preparado se virou e sentiu todo o rosto queimar ao ficar de quatro.

— Pete que visão deliciosa, você é gostoso pra caralho! — Wade falava beijando as nádegas de Peter e apertando sua cintura.

Aos poucos introduziu seu pau, Peter suspirou e apoiou as mãos na cama.

Wade começou lento, cada estocada revirava os olhos e dizia o quanto queria foder Peter.

O mais novo se acostumou e começou a empurrar sua bunda na direção de Wade, então o mercenário agarrou sua cintura e começou a estocar com força.

Os barulhos dos corpos se batendo eram altos, mas estavam tão hipnotizados naquele momento que não se importaram.

— Mais rápido, ahh, Wade você fode bem pra caralho! — Peter disse cheio de luxúria e desejo, sem ao menos perceber.

Peter levantou o tronco e colou no de Wade, as estocadas estavam mais certeiras agora, atingindo várias vezes a próstata do mais novo.

O membro do estudante era masturbado na velocidade das estocadas, fazendo Peter gemer mais alto e descontroladamente.

Até ouvirem passos até o quarto.

Peter paralisou e concentrou sua audição, tia May havia acordado.

Wade continuou, metendo mais fundo arrancando gemidos proibidos de Peter, que mordia os lábios até marcar.

— Shh Pete. — Wade falou levando uma de suas mãos até a boca de Peter e continuou o fodendo.

Os passos haviam ido embora, provavelmente a mulher só foi na cozinha tomar uma água.

O mais velho jogava o quadril e batia na bunda de Peter que já estava toda vermelha, sentiu que estava perto do orgasmo então aumentou a masturbação e Peter se derramou gemendo, quase gritando na sua mão.

Wade se concentrou, tirou a mão da boca de Pete que soltava gemidinhos a cada estocada mas estava exausto aproveitando a sensação de gozar.

O mais velho pegava firme a cintura de Peter e controlava os movimentos, ficando cada vez mais altos e rápidos, sentia o suor escorrendo na sua testa e todo seu sangue ferver no pau.

Jorrou todo seu gozo no inteiror de Peter que tombou a cabeça para trás novamente, deitando no ombro de Wade, que gemia extasiado ainda estocando, fazendo a sensação ser prolongada. Os lábios de Peter estavam ali, entreabertos deixando sair leves gemidos, o que o fez colar sua boca ali e terminarem o sexo com um beijo.

Se deitaram cansados e as respirações pesadas, logo Wade começou a rir baixinho e Peter perguntou rindo o que havia acontecido.

— Não acredito que comi o homem aranha!

Peter riu e abraçou Wade para dormir, não havia sido tão ruim assim, ceder a Wade uma noite, já que o mesmo implorava há meses.




Notas Finais


feedback é importante! se puderem <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...