História Shine - Jikook - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Park Jimin (Jimin)
Tags Bts, Jeon Jungkook, Jikook, Kookmin, Park Jimin, Romance, Shine, Uma Shot Por Dia, Yaoi
Visualizações 269
Palavras 2.443
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Fluffy, LGBT, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá, meus amores *--*

Quinto dia: Shine - Pentagon ♥ Essa música é um amorzão ♥

- Capa feita pela linda @_Soonie ♥♥

E eu dedico essa história à minha aniversariante do dia, Gabi, amor: Parabéns mais uma vez, meu amor, escrevi com carinho pra ti e espero de coração que tu goste ♥♥

Capítulo 1 - Capítulo Único


“Eu não sei o que passou pela minha cabeça em lhe escrever isso. Eu realmente não sei! Me perdoa, desde já, porque eu sei que você não deve nem saber quem sou eu. Afinal, você é Park Jimin, o garoto mais cobiçado desse colégio, e eu sou só o menininho do primeiro ano do ensino médio que te dá uma moral desgraçada sem você nem saber.

Sou só o garotinho de dezesseis anos amando silenciosamente o de dezoito; apenas um garotinho que todos os intervalos observa você na biblioteca, e todas as tardes fica olhando você dançar no auditório. Sim, estou confessando que fico observando você sempre que posso – e até quando estou atrasado para a aula eu também o faço.

Eu não sou obcecado, ok? Não me entenda mal! Eu só gosto muito de olhar para você, porque sua beleza é única e me encantar de formas inexplicáveis. Eu apenas gosto da maneira que você sorri, e como seus olhinhos sorriem junto. E gosto também do jeito que seu cabelo cai sobre o rosto e você o arruma a cada poucos minutos.

Não me veja como aqueles perseguidores de filmes, que faria de tudo para te ter. Eu até faria de tudo, mas apenas as coisas boas, eu juro.

Vou pedir perdão de novo, porque já estou enrolando e fazendo você perder muito tempo. Me desculpa! Eu só estou muito nervoso, mas, vamos lá!

Como eu posso dizer isso? Eu não sei como chegar no ponto que gostaria, como confessar o que queria dizer... é difícil, eu nem sei como tive coragem de começar a escrever isso ou se conseguirei ser forte o bastante para entregar à você, eu só queria... eu não sei, talvez tentar.

Eu sempre fui de desistir muito facilmente das coisas, porque eu sou tímido, não consigo fazer amizades e faço de tudo para me isolar e não ser notado. Não queria ser assim, inclusive já procurei por alguém que pudesse me ajudar, mas apenas me afundei ainda mais na minha insegurança sem ao menos perceber.

A verdade, Jimin, é que eu gosto de você. Eu... eu gosto mesmo de você há bastante tempo, desde quando eu estava no fundamental ainda, mas se permaneço sendo um crianção hoje, naquela época eu era praticamente um bebê. Se já sou covarde hoje, antes eu era ainda pior.

Tem como ser pior? Eu não sei, mas eu era.

Bom... será que muda alguma coisa eu estar aqui dizendo que gosto de você? Tenho medo que você suma ao saber, que mude de alguma forma, que me ignore ainda mais. Meu coração iria doer mais do que já dói a cada instante que passa sem eu poder trocar uma sequer palavra com você.

Ninguém sabe sobre meus sentimentos, porque eu não tenho coragem de expor isso aos outros. Todos iriam rir de mim, não é? Todos iriam me julgar, dizer que não tenho chances com você, dizer que eu deveria desencanar e ir para outra. Mas para que outra eu iria quando vejo os outros e ninguém é como você?

Não tem como substituir o insubstituível, e é isso que você é para o meu coração.

É, eu sei, você também deve estar rindo enquanto lê isso. Deve estar pensando que eu sou só um idiota que te ama, um ninguém que você nunca ao menos notou a existência. Posso ser apenas um estranho, um incômodo, mas nesse mundo eu só preciso de você.

Eu sou só seu... mesmo que você não seja meu.

Sempre que o vejo junto a outra pessoa eu sinto meu coração se despedaçar por inteiro, porque mesmo sabendo que não tenho chance eu gosto de pensar que sim, sou só um iludido mesmo.

Me perdoe, Jimin. Eu deveria ter mais coragem para falar com você. Deveria entregar isso pessoalmente, ou falar tudo para você sem ser de forma escrita. Porém eu não conseguiria nem que tentasse muito, eu iria gaguejar, tremer, e possivelmente sair correndo feito um bebê chorão com medo de levar uma bronca.

Não tenho culpa se você me deixa nervoso desse jeito, com o coração quase explodindo, as mãos trêmulas e as pernas sem força nem para sustentar meu peso.

Acho que já falei demais, me desculpa mais uma vez.

É difícil...

Porque eu amo você, mesmo só de longe, mesmo sem trocar uma sequer palavra. Não escolhi, simplesmente aconteceu, e achei justo você saber.

Com amor,

JJK.”

Meu coração estava acelerado. Muito acelerado, se querem saber. Não esperava abrir meu caderno e encontrar um desenho meu junto a uma carta por entre as folhas após o intervalo, tampouco esperava que fosse aquele o conteúdo contido ali.

Ele pensa que eu não sei quem escreveu essa carta? Pensa que eu não sei o quanto ele me observa todos os dias? Pensa que eu não reconheço esse desenho? Ah, por que ele é tão inseguro? Por quê?

– Aish, Jungkook! – Resmunguei comigo mesmo, afinal a sala ainda estava vazia.

Só podia ser ele. Era o aluno mais quieto da escola, e minha paixão secreta também. Eu nunca tive coragem de ir até ele, assim como ele relatou nessa carta, mas os meus motivos nem foram tanto por insegurança com aparência ou medo de falar besteira, apenas um grande receio de ele me mandar longe por eu confessar que gosto muito dele. Muito mesmo.

Eu só queria agora abraçá-lo, mostrar a ele que também gosto dele. Céus! Por que ele é tão teimoso? Por que se rebaixa tanto? Será que ele não percebe que o que mais brilha aos meus olhos é ele?

Até tentei me esforçar naquela aula, prestar atenção, mas as palavras de Jungkook ecoavam em minha mente mesmo tendo sido apenas escritas, e meu coração aquecia por eu saber de todos os sentimentos dele. Eu retribuía todos, mesmo sem ele perceber.

Só espero que realmente seja ele... não que seja ruim ter um outro admirador, não é isso, é só que eu verdadeiramente queria que fosse ele.

Decidi que iria até ele assim que ouvi o sinal soar alto ao término das aulas. Eu nem esperava que já fosse o horário, porque me distraí por completo pensando naquele menino lindo que tem a beleza mais pura e incrível que eu já pude ver na minha frente.

Saí correndo da minha sala após guardar meus materiais e fui na direção da sala dele. Sim, eu sabia onde ficava. E eu sabia que dali ele iria até a sala de dança para me ver dançar, era óbvio que o encontraria ao menos no caminho.

Quando o enxerguei, vislumbrei seu par de coturnos, a calça jeans preta e o enorme moletom que cobria até metade de suas coxas e quase todo seu rosto – por conta do capuz.

– Ei, eu posso falar com você? – Jungkook virou o rosto na minha direção, e assim que olhou para meu rosto acabou por arregalar os olhos. – Está tudo bem? Nós... podemos conversar?

– T-Tenho que ir... – E saiu andando, me deixando plantado no meio do corredor, este que estava lotado de alunos.

Não entendi, confesso, mas não podia julgar também, afinal era uma escolha dele. Eu só queria uma chance, ter uma conversa séria e esclarecedora com ele, expor meus sentimentos de uma vez por todas. E aquele nervosismo dele apenas me confirmou que foi ele sim que me mandou aquela carta.

~#~

– Belo desenho. – Jungkook deu um pulo assim que eu falei bem perto de seu ouvido.

Ele estava sentado embaixo de uma árvore, alguns dias depois da minha primeira tentativa de falar com ele, e desenhava no seu caderno, era uma bela coruja. O Jeon me encarou por alguns instantes e logo desviou o olhar, focando em seu caderno e se encolhendo um pouco mais.

Teimoso como sou, acabei por sentar perto dele, de frente para seu corpo.

– Jungkook! – Precisei chamar, mas ele não me olhou de volta. – Por favor, olha para mim.

– Eu não consigo. – Saiu tão baixinho que quase não ouvi; mesmo assim sua voz era simplesmente linda. – E-eu tenho vergonha.

Me aproximei um pouco mais, levando minha mão até a sua. Óbvio que ele recuou, mas pelo menos direcionou seu olhar ao meu. Suas bochechas avermelharam-se na hora, foi extremamente adorável, e eu tentei mais uma vez deixar minha mão junto da sua.

– Não precisa ter vergonha de mim. – Afirmei sorrindo para ele. – Por que precisaria? Sou só um garoto qualquer.

– N-não para mim. – Sua voz saiu um pouco mais alta, mas foi muito rápido que ele falou. Precisei rir. – V-você é... i-importante.

Acabei sorrindo mais uma vez, porque era inevitável, e me aproximei um tantinho mais dele. Observei lentamente seus traços, seus olhinhos grandes, os lábios mais finos que os meus, a pintinha embaixo de seu lábio inferior. Observei até o nervosismo dele, se não tivesse tanto barulho em nossa volta eu provavelmente estaria agora ouvindo seu coração batendo.

Entrelacei uma de suas mãos na minha, observando o quanto a minha era pequena perto da sua – algo que me fez sorrir, claro.

– Obrigado pela carta. – O direcionei mais um sorriso, ganhando um arregalar de olhos impressionante. Ele iria fugir dali, eu tinha certeza, e por isso segurei sua mão com mais força. – Por favor, não fuja de mim. Se eu fosse como aqueles babacas que te julgam por você ser na sua e que fazem aquelas brincadeiras que só para eles tem graça, eu já teria o feito.

Jungkook sorriu tímido, e era a primeira vez que eu via tão de perto seu lindíssimo sorriso. Peguei dentro de meu caderno sua carta, vendo suas bochechas corarem, e resolvi que responderia a toda ela em sua frente. Eu queria fazer isso pessoalmente, talvez isso lhe desse alguma confiança ou algo assim. Apenas sei que precisava me arriscar, não é?

– Talvez você não saiba o que lhe passou para me escrever tudo isso, mas eu agradeço muito, porque eu sorri feito um idiota enquanto lia. – Comecei calmamente, captando sua atenção para mim. – Eu não preciso perdoar você, Jungkook, porque ao contrário do que você imagina eu realmente sei quem você é. E você não é apenas um menininho do primeiro ano que me dá moral, você é muito mais que isso, acredite! Temos dois anos de diferença de idade, mas isso não significa nada, Jungkook. E eu sei bem que você fica me observando, não se preocupe com isso, eu faço o mesmo. Isso não faz de nós obcecados, apenas dois garotos apaixonados que não tinham coragem de se aproximar um do outro.

“Ah, Jungkookie, eu também acho você lindo, você me deixa louco de tanto encanto, com esses olhos grandinhos, e esse sorrisinho tímido, e o seu cabelo, e suas mãos, e você por inteiro. Você me pediu perdão várias vezes ao longo dessa carta, mas não precisa, porque não há nada a se perdoar. Ao ler tudo o que você escreveu, senti meu coração acelerado, mas senti também um calorzinho muito gostoso irradiar meu peito. Essa sensação... ela é totalmente diferente de tudo que eu já senti antes. Muito provavelmente senti isso por saber que todos os meus sentimentos são retribuídos por você.”

– O quê? – Ele parecia um pouco envergonhado de me interromper, mas totalmente surpreso pelo que eu disse.

– Eu também gosto de você. Gosto muito. Demais. Muito mesmo. – Acabei sorrindo largamente ao lhe confessar, e ele retribuiu o sorriso. – Você não é nenhum crianção, nunca te vi assim, você não é um bebê. E eu gosto de você há muito tempo, mesmo que eu sempre me sentisse muito errado por gostar de alguém que ainda tinha treze anos quando me vi apaixonado... pois é... já se passaram três anos.

Mais uma vez ele me olhou de forma confusa, nervosa e um tanto ansiosa, mas eu apenas sorri antes de afirmar mais uma vez meus sentimentos e lhe roubar um abraço.

Ele era tímido, tínhamos que ir com calma.

Muita calma.

Nos primeiros dias após minha declaração eu me aproximei muito de Jungkook. Muito mesmo! Ele é simplesmente ainda mais incrível do que eu já imaginava, e era tão inteligente, carinhoso e fofo, que meu coração acelerava até com a menor piscadinha de olho que ele me dava.

E eu estava a cada dia mais caidinho por aquele garoto tão incrível, tão lindo, tão... tão Jungkook. Eu só o amava mais a cada dia. Simples assim. Bem simples mesmo!

– Está entregue! – Vi Jungkook sorrir triste assim que falei. – Tudo bem?

Eu comecei a ter o costume de andar com Jungkook até sua casa todos os dias, porque ficava no caminho da minha, e porque ele segurava minha mão com força como se eu fosse sair correndo, também porque ele desatava a falar sem parar e assim passávamos mais tempo juntos. Era simplesmente bom.

– E-eu não queria que v-você fosse. – Um biquinho extremamente fofo estampou seus lábios e precisei sorrir. – S-sinto sua falta quando v-você vai.

Quando Jungkook ficava nervoso ele geralmente gaguejava, e era muito fofo – ele se irritava quando eu ria, mas eu não ria por deboche e sim porque era muito lindo. Me aproximei um pouco mais e me estiquei, lhe roubando um selinho. Jungkook me olhou desacreditado e então passou as pontas de seus dedos por seus lábios, em seguida me encarando mais uma vez.

Eu iria me afastar, mas não sei de onde Jungkook tirou a atitude de me puxar pela cintura e me arrancar mais um selinho. Apenas sei que o abracei pelos ombros e o trouxe para bem perto, e era gostoso demais sentir seu calor desse jeito, poder sentir seu perfume tão de perto, sua respiração nada calma batendo em meu rosto. Era uma sensação tranquilizadora que eu não queria perder.

Não queria perder jamais!

– Eu te amo, não quero que você vá embora, porque quando você vai eu fico com saudade, e eu não quero sentir saudade. No meu céu a estrela que mais brilha é você, Minnie. – Foi impossível não sorrir largamente com sua declaração. – Eu não gaguejei. – Eu também me impressionei com isso, mas fiquei na minha.

– Porque eu te passo confiança, meu amor. – Sussurrei, passando meus lábios pelos seus em uma carícia sutil. – E eu também te amo.

Jungkook sorriu, eu sorri, e tudo em nossa volta pareceu sumir.

E então eu o beijei e ele me beijou, agora não apenas um selinho, mas um beijo daqueles de cinema mesmo – sem a parte da encenação, claro. E eu poderia ficar ali o restante da minha vida que não iria me importar, eu apenas queria estar em seus braços daquela forma, com suas mãos acariciando minha cintura enquanto as minhas faziam o mesmo com os seus cabelos.

– Acho que eu não vou embora tão cedo.


Notas Finais


Aiin, eu espero muito que tenham gostado dessa fofurinha ♥♥

Se vocês querem bônus dessa shot, não deixem de favoritar e comentar, porque depois que eu postar as 31 shots no dia 31/08, as dez com mais comentários/favoritos irão ganhar um bônus (essa é uma maneira de eu ver se vocês gostaram ou não).

Perfil no wattpad: https://www.wattpad.com/user/Fabi_Park
Grupo no whatsapp: https://chat.whatsapp.com/BscsqwKTsWb7h3s6hw4wCU
Beijinhos <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...