1. Spirit Fanfics >
  2. Shingeki no Kyojin: End Of The Word >
  3. Morto - Vivo

História Shingeki no Kyojin: End Of The Word - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Oii gente, olha só quem apareceu mais cedo do que pensava kkkkk.
Bom eu queria agradecer a todos que favoritaram e comentaram, vocês não imaginam o quanto isso me incentivou a escrever esse capítulo.
Espero que vocês gostem, tanto quando gostaram do primeiro.
Agora chega de papo e boa leitura!

Capítulo 2 - Morto - Vivo


Fanfic / Fanfiction Shingeki no Kyojin: End Of The Word - Capítulo 2 - Morto - Vivo

- Droga... – gritou Hange Zoe, socando a mesa de madeira, fazendo com que alguns papeis caíssem no chão.

- Acalme-se, Zoe... Estou ficando com dor de cabeça – falou o moreno, sentado na cadeira de rodas e usando o encosto para apoiar seu braço, que servia de encosto para sua cabeça pendida.

- Como posso me acalmar? Quase quinhentos soldados morreram em apenas trinta e seis horas – esbravejou a ruiva, rangendo os dentes.

- Lembrando que temos muitas armas na manga e que ainda estamos em vantagem - respondeu o moreno.

Suspirando pesadamente, a ruiva se virou e caminhou até a janela, parando a poucos centímetros da mesma. Ali, Hange ficou encarando a paisagem do lado de fora. Observando o céu desprovido de nuvens, os passarás voando livremente ao redor das muralhas e crianças correndo de um lado ao outro, atrapalhando os comerciantes que brigavam com os mesmo, porém, não estavam verdadeiramente bravos e sim felizes, como a anos atrás não eram.

A comandante do Reconhecimento, apertou seu peito, como se tentasse pressionar o coração que parecia pequeno sentindo o mesmo falhar algumas batidas, enquanto filetes de lágrimas escorriam por sua bochecha, passava pela carótida e terminava molhando a jaqueta de couro marrom.

- Eu queria reviver o Erwin, só para mata-lo de novo – falou a mulher, quebrando o silêncio. – Aonde que ele estava com a cabeça, ao me colocar como líder? – perguntou ela, para si mesma.

- Sabendo que estávamos em boas mãos – comentou a morena, encostada a parede com seu costumeiro cachecol vermelho, envolta do pescoço.

- Vamos dar a volta por cima, comandante – esbravejou o homem ao lado de Mikasa fechando o punho direito sobre o coração e o braço esquerdo atrás do corpo.

Todos fizeram o mesmo, menos o moreno preso a cadeira de rodas, que apenas olhava a mulher a sua frente, com um pequeno sorriso nos lábios.

“Os pirralhos, cresceram mesmo"

Pensou o moreno, contente de certa forma, por saber que ele tinha uma pequena parcela de culpa por tal acontecimento, mas no fundo, sentido, por lembrar o por que que eles estavam tão maduros.

- Obrigada – falou Hange, virando para seus soldado, com seu costumeiro sorriso. – Os nossos informantes, tiveram algum resultado? – perguntou Hange, mudando de assunto.

- Ainda não... Mas, eles disseram que por causa das baixas. Marley, provavelmente recuará – respondeu Jean, dando um passo a frente.

- Provavelmente não é certeza... Precisamos estar em alertas para um ataque – rebateu o moreno, na cadeira de rodas.

- Concordo, apesar deles recuarem, não podemos baixar a guarda – falou Conny, pela primeira vez.

- Como o garoto está? Algum progresso? – perguntou Zoe, ao moreno.

- Não, ele tem muita dificuldade em dominar o titã – revelou o moreno, se ajeitando na cadeira.

Um suspiro pesado escapou dos lábios de todos ali presentes. Desde que se transformará no Titã de Ataque, o garoto vinha tendo dificuldades para controlar o titã, perdendo a calma na maioria das vezes, além claro de ser praticamente inútil em uma luta corpo a corpo. O que seria engraçado, se não fosse a situação atual do povo de Eldia.

- O melhor jeito dele melhorar é o colocando na linha de frente – falou o cadeirante, surpreendendo a todos.

- Não podemos, isso seria... – apressou em dizer Mikasa, sendo interrompida pelo moreno.

- Sabemos o seu receio sobre ele se transformar em Titã, Mikasa, ainda sim precisamos dele – falou o moreno, virando sua cadeira de rodas.

- O que quer dizer com isso? – esbravejou a mulher, fechando o punho.

- A gente sabe que o Titã dele, te faz lembrar o Eren, mas está na hora de você superar isso, assim como todos os presentes nessa sala – falou ele, frio.

- Falar é fácil para você... Levi – disse Mikasa, olhando para o moreno, sentado na cadeira.

- Eu gostava daquele idiota, apesar de tudo o que ele fez – falou o moreno a encarando sério. – Mas, ele se foi, aceite isso – concluiu o moreno.

- Ora seu... – quando a morenas estava para avançar sobre Levi, uma forte explosão aconteceu atrás das muralhas.

Todos imediatamente correram para as janelas, vendo a forte fumaça que descia pelo céu, encoberta pelos raios alaranjados que percorria o pequeno tufão.

- Jean, prepare seu pelotão e vão até lá – ordenou Hange, olhando fixamente para a tufão que se dissolvia aos poucos.

Todos imediatamente saíram as presas da sala, indo se preparar para o possível ataque dos titãs. Deixando apenas Hange e Levi, ali sozinhos.

A ruiva, mantinha sua cabeça abaixada, pensando nas mortes dos soldados e como iria relatar isso para os parentes que estavam esperando a volta dos mesmos. Sua garganta ia sentindo a garganta se fechando, conforme seus olhos iam ficando úmidos. Observando a mesma, Levi, usou suas mãos para manobrar as rodas, parando ao lado da mesma que nem tinha percebido ele ao seu lado.

Suavemente, o moreno apertou a mão da ruiva. Surpresa a mulher olhou para o homem ao seu lado que sorria, lindamente em sua opinião.

- Você não está sozinha e sabe disso – falou ele, apertando sua mão, mais forte.

- Eu sei...

Levi beijou a mão de Hange que fico vermelha com o ato. Mesmo que eles vinham mantendo um relacionamento as escondidas a algum tempo, esses momentos eram raros, principalmente por partes do moreno, que sempre era fechado.

- Queria que as coisas fossem mais simples – disse ela, olhando nos olhos de seu namorado.

- Eu também queria... Mas, as pessoas mal aceitaram que você deixasse um aleijado treinando um usuário de titã, imagina se soubesse que você namora esse mesmo aleijado – falou ele, desviando o olhar.

- Malditos velhos arrogantes – esbravejou a ruiva, rangendo os dentes.

- Se quer culpar alguém, culpe o maldito do Eren, que me deixou assim – falou o moreno, olhando para as pernas incompletas.

[...]

- Vocês acham que é Marley? – perguntou Conny, verificando a munição das pistolas.

- Se fosse alguém virando Titã, já estaríamos sendo atacados – respondeu Jean. – É outra coisa – concluiu o atual líder do grupo.

Desde a morte de Eren, quando o mesmo possuía o titã fundador e usou os vários titãs colossais para achatar a terra, destruindo inúmeros vilarejos e matando um alto número de pessoas, enquanto rumava rumo a Marley para aniquilação total dos marleyanos e dos poucos eldianos que ali moravam, Jean, assumiu o grupo antes liderado por Levi, agora impossibilitado pela perda das pernas.

Ninguém se opôs, afinal, o mesmo era um líder nato. Não tinha o mesmo nível de inteligência de Erwin e Armin, entretanto, tinha raciocínio rápido e boas técnicas, sendo com arma de fogo ou as espadas.

Alguns poucos, prefeririam que Mikasa tivesse assumido o lugar deixado por Levi, porém, a mesma se encontrava muito abalada, depois que o melhor amigo e amado morreu em campo de batalha, deixando a Ackerman, em uma depressão profunda, que se alastrou por longos meses.

- Estão prontos? – perguntou Jean, próximo a porta.

- Sim – responderam todos ao mesmo tempo.

Equipados com seus equipamentos de manobra tridimensional, um a um, o grupo de Jean saiu pela porta, subindo uma longa escada de concreto em formato oval. Entretanto, o mesmo, segurou o punho gentilmente de Mikasa, quando a mesma passou avoada por ele.

Seus olhos negros subiram para o rosto do líder que a encarava com seus olhos preocupados.

- Você está bem? – perguntou ele, sem soltar seu pulso.

- Por que não estaria? – respondeu ela de forma grossa.

- Eu sei que mencionar qualquer coisa a respeito dele é muito difícil para você – falou o Kirsten, envergonhado.

- Estou bem...

O mesmo apenas balanço a cabeça, soltando o punho da Ackerman que se martirizava por ter falado daquela forma com ele. Sabia que o mesmo não tinha culpa de nada que Levi havia mencionando anteriormente, até por que, nem mesmo Levi tinha culpa de algo. Tudo era culpa de Eren.

Enquanto subia as escadas, Mikasa se lembrava de como seu amigo era. Quando criança, apesar de ser alguém difícil, era alguém fiel, que sempre colocava os sentimentos dos outros a frente dos próprios, sempre seguindo em frente, lutando por aquilo que achava certo, correto e a cima de tudo, sempre procurava o melhor nas pessoas, não importando o que de errado tal pessoa podia ter feito.

Relutou que Anne poderia ser uma traidora. Do mesmo jeito que não acreditava que Reiner e Berthold eram titãs. Mas, conforme os dias, meses e anos se passaram, algo dentro dele mudou. Algo dentro dele simplesmente deixou de existir, o transformando naquele homem amargurado que não se importava com nada e nem com ninguém.

- Estão todos aqui? – perguntou Jean de frente a equipe.

- Sim, - responderam todos de uma única vez.

- Ótimo... Não sabemos o que vamos enfrentar. Então fiquem distantes e estejam preparados para qualquer coisa – aconselhou o mesmo, pulando da torre.

Aos poucos todos fizeram o mesmo, indo rapidamente em direção ao local que o pequeno tufão tinha aparecido a alguns minutos atrás.

[...]

A fumaça dificultava a visão de todos, assim como o calor insuportável que evaporava do solo e subia pelos céus, dificultando a visão de todos ainda mais.

- Que merda... Não consigo ver nada – reclamou Conny e todos concordaram com a cabeça.

- Olha ali... – gritou um dos integrantes do grupo, apontando para um corpo caído.

Todos tiveram que apertar os olhos para conseguir visualizar um corpo caído, no meio de toda aquela fumaça. Durante alguns poucos segundo, o corpo era só uma silhueta confusa no meio de toda aquela névoa. Entretanto, conforme a ventania evaporava a fumaça, o corpo ia se tornando mais visível, assim como o de todos os outros ali presente.

O campo aberto, com poucas árvores ainda restantes, estava completamente tomado por corpos esquartejado de crianças e adultos de todas as idades. O massacre assustou todos da equipe de Jean, fazendo com que todos ficassem nauseados com a cena a sua frente.

Quem poderia fazer isso?

Era uma pergunta que todos pensavam naquele momento, horrorizados.

Foi quando bem ao fundo, Jean observou uma figura escura se arrastando pelo chão arenoso e completamente destruído, com cabeças, braços e pernas jogadas para todos os lados.

- Ali ao fundo tem uma pessoa – alertou Jean, já se posicionando para pular de cima da casa. – Tomem cuidado... Não sabemos se é aliado ou não – ordenou o Kirsten.

Todos pularam para o chão e em passos lentos, tomando cuidado para não topar com algum membro decepado, eles caminharam até o desconhecido que aquela altura tinha parado de se arrastar e agora estava ajoelhado. Coberto de sangue, com seus cabelos longos sujos de sangue e de terra, as vestes totalmente destruídas, com arranhões e cortes por todo o corpo.

- Parado ai mesmo... Se fizer qualquer movimento brusco, iremos atirar – gritou Jean.

Todos se mantiveram em posição de luta. Alguns com as armas sacadas, apontando os rifles para o estranho que se mantinha estático, encarando o chão. Alguns outros, como Mikasa, já empunhavam a espada e se preparavam para usar seus equipamentos de manobra tridimensional.

Conforme o estranho ia levantando a cabeça, o coração de Mikasa que naquele momento estava lento, começou a bater rapidamente em seu peito, como se a qualquer momento pudesse explodir. A garganta secará instantaneamente e seus olhos se arregalaram.

- Não pode ser... – sussurrou a morena, sentindo o gosto das lágrimas que escorriam por seu rosto.

- Mikasa o que... – porém, antes de Jean terminar, percebeu o olhar perplexo de todos os membros de sua equipe, alguns membros mais novos, com olhares aterrorizados.

O mesmo então voltou seu olhar para o desconhecido e foi ai que reparou bem, naqueles olhos verdes. Sua expressão se tornou assustada, como a de seus companheiros. 

Ali a sua frente estava seu antigo amigo e o motivo da quase destruição do mundo... Eren Jaeger.

Os passos arrastados de Mikasa, chamaram atenção de Jean que segurou o braço da mesmo, impedindo-a de continuar.

- Me solta, Jean – esbravejou a morena, furiosa.

- Não, é perigoso – respondeu ele, irredutível.

Porém, ao ouvirem o corpo de Eren cair no chão, praticamente desacordado. Mikasa, se debateu fortemente em seus braços, se soltando.

- Eren... – gritou a morena tacando suas espadas no chão.

Sem pensar duas vezes, Mikasa correu em direção ao amigo desacordado. O coração ainda mais acelerado que antes, assim como sua respiração descompassada.

Passando pelos corpos cortados, a morena escorregou antes de chegar ao corpo inerte de Eren, sentindo os pedregulhos rasgarem a calça e sua pele, que começava a sangrar. Mas, sem se importar com a dor física, a morena agarrou o corpo do Jaeger e o abraçou fortemente.

Não se importava com quem a encarava naquele momento, ela só queria abraçar o moreno desacordado. Sentir seu cheiro. O coração batendo em seu peito.

- Mikasa, se afaste – ordenou Jean, apontando sua espada para Eren.

- Não toque um dedo nele – rebateu a morena, sacando sua arma.

Surpreso, Jean foi abaixando a espada, enquanto a morena, mantinha o olhar duro em si, enquanto apontava a arma.

- Não irei machucá-lo, mas precisamos sair daqui – falou o Kirsten, escondendo o quanto aquilo o machucava.

Sem dizer mais nada, Jean se virou e começou a caminhar, passando por sua equipe que abria espaço, enquanto encaravam Mikasa, erguer o corpo de Eren e seguia o mesmo.


Notas Finais


E ai, o que acharam? Espero que tenham gostado. Esse já foi um pouco mais "lento" comparado com o primeiro kkk, mas precisava deixar algumas coisas claras para a história, ainda sim, espero que tenha sido bom kkk.
É isso, se puderem, favoritem e comentem, isso me ajuda a ficar ainda mais animado para os próximos capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...