1. Spirit Fanfics >
  2. Short Stories >
  3. Uga buga

História Short Stories - Capítulo 4


Escrita por: Egerzin

Notas do Autor


Primeiro cap de Short Stories com POV!!!
Espero que gostem aaaa
Boa leitura :3 ~~

Capítulo 4 - Uga buga


Fanfic / Fanfiction Short Stories - Capítulo 4 - Uga buga

      P.O.V. Lenka

   Eu e minha namorada tínhamos dezoito anos e estávamos no auge da nossa fama, e havia dois anos que um país estava comentando sobre fazer um filme conosco, e esse dia chegou, iríamos a um país da América Latina para iniciar as gravações, eu não estava empolgada, mas minha namorada, Yulks, sim. Ela queria ir o quanto antes, e eu ainda tinha algumas coisas para terminar, discutimos e ela saiu primeiro. 

   No dia seguinte senti sua falta, mandei uma mensagem, ela disse que havia chegado bem, mas que sentia minha falta também, eu não gostava de ficar brigada com ela, e ela não gostava de ficar brigada comigo, combinávamos perfeitamente, então eu disse que logo estaria lá, com ela. 

   Quando cheguei, tudo estava em ordem, ela já havia gravado algumas cenas e eu precisava gravar as minhas. Aquele lugar me dava arrepios, tinha um ar sinistro, eu não estava gostando de lá, e também não gostei do enredo do filme, mas só me contaram quando cheguei, se soubesse disso antes, não teria aceitado participar. Havia apenas uma cena que me intrigava, a da minha morte. Foi a última a ser gravada, eu me perguntava o porquê, o filme era sobre o fim do mundo, e nessa cena nós estávamos fugindo, eu tive que enganar Yulks para ela fugir primeiro, dizendo que iria logo atrás, mas a ponte se quebrava na hora e eu ficava para trás, e eu sabia que a ponte iria quebrar, por isso mandei ela ir na frente, nossa atuação parecia tão real que eu realmente acabei chorando de verdade no final da cena, onde eu fico para trás na ponte quebrada com o braço esticado para ela, que tentava alcançar minha mão, mas não conseguia. 

   Quando terminamos, nós duas estávamos em um canto conversando sobre a cena, quando Vanya, nosso produtor, chegou para conversar também, ele conversou com Yulks e dois homens da produção se aproximaram sorrateiramente e me levaram para outro lugar, Vanya ficou tapando da visão da Yulks para ela não me ver, e eu acabei indo com os homens, quando percebi tudo estava preto e algo chacoalhava, talvez estivesse dentro de um carro em movimento, com um saco na cabeça. Perguntava onde estava, mas ninguém me respondia, apenas pediam para ficar quieta, eu queria a Yulks, mas ela não estava ali, para onde eu estava sendo levada?  

   Eu morri nas gravações, mas isso não significava que eu precisava morrer na vida real também, não é? Espero não morrer. 

    Quando tiraram o saco da minha cabeça e eu estava em uma pequena vila, em uma ilha, cercada por pessoas com pouca roupa, sujas e de máscara, uma máscara grande e com penas que cobriam todo seu rosto e cabelo, a primeira coisa que consigo é pensar é, são canibais? Eram muito parecidos com canibais como os que eu via nos filmes e nos desenhos de quando era criança, Vanya estava ali, ele falava uma língua diferente com os nativos, então se aproximou de mim e disse calmamente: Às vezes é preciso perder um dedo para continuar vivendo. 

   Eu não entendi o que ele disse, e não quis perguntar, eu mal conseguia falar, estava assustada com tudo aquilo, tentei achar meu celular, mas não estava mais comigo, eu não tinha nada nos bolsos, eu me perguntava onde Yulks estava, queria ficar perto dela. 

   Vanya foi embora, quando ele estava indo eu gritei para não me deixar ali, eu gostaria de acreditar que tudo isso fazia parte das gravações, mas não parecia ser assim. 

   Logo eu vi mais garotas chegarem, todas pareciam ser da mesma faixa etária que eu, não passavam dos vinte anos. Todos os nativos da ilha começaram gritar conosco, eles gritavam uma língua nós não entendíamos, ficávamos olhando uma para outra se perguntando o que estava acontecendo, eles ficavam falando: Uga buga. 

   E eu lá sabia o que era uga buga? Parece barulho de canibal. 

   E agora estou aqui, no final do dia com o tempo todo eles nos empurrando para lá e para cá, fizemos uma fila na entrada de uma tenda, eu não consigo ver o que tem lá dentro, mas todas as garotas que entram lá, gritam. Eu não estava preparada para minha vez, quando cheguei, entendi a frase de Vanya, ele disse que às vezes era preciso perder um dedo, mas eu não sabia que iria perder um braço. 

   P.O.V. Yulks 

  Já fazia duas semanas que eu não tinha notícias da Lenka, eu perguntava ao Vanya onde ela estava, mas ele apenas me respondia que ela tinha voltado para casa, se ela voltou para casa, por que não responde minhas mensagens? Eu estava preocupada, duas semanas sem sinal dela não era boa coisa, eu não estava acreditando em Vanya, comecei a escutar suas conversas escondidas, até que consegui uma informação importante. 

   O outro homem dizia a ele que Lenka já havia se integrado com os canibais, que canibais? Lenka estava em perigo? 

   Ouvi mais um pouco e só diziam que era em uma ilha que tinha vulcão, aqui era um lugar pequeno, eu conseguiria achar essa ilha. 

   Deixei as gravações de lado, e fui atrás da minha namorada, se ela estava em perigo, eu tinha que salvá-la. 

   Quando cheguei perto da ilha, a passagem para entrar nela estava trancada, repleto de homens com pouca roupa, sujos e de máscara, máscaras cujo cobria todos seus rostos e cabelos. Eu precisava dar a volta, cheguei próximo ao mar e avistei uma canoa, era com ela que eu iria dar a volta, a ilha não era grande, e havia uma pequena vila, que deveria ser onde Lenka estava, a vila ficava em um canto da ilha, onde era possível chegar de canoa, e se eu tivesse que fugir, havia um matagal no outro lado, a ilha e o matagal era dividido por um espaço muito pequeno de mar, eu podia dizer até que era apenas um rio. 

   Chegando lá, eu avistei uma pessoa de costas, e aquele cabelo ruivo cacheado era inconfundível, eu sabia que era, comecei a gritar seu nome, dizendo que havia chegado, quando ela se virou para olhar, também estava de máscara, não pude confirmar se era ela, mas não podia ser outra pessoa. Ela fez sinal para as outras pessoas, que estavam com arco e flecha na mão, apontaram para minha canoa e atiraram. 

   Para fugir das flechas, eu pulei da canoa e nadei em direção ao matagal. Quando cheguei lá, olhei para vila na ilha e Lenka não estava mais lá, mas pude ver que ela corria em direção a única saída e entrada da ilha, ela estava vindo atrás de mim? 

   E agora estou aqui, esperando pacientemente sua chegada, para irmos embora, logo pude ouvir alguns passos se aproximando. 

   “Lenka”, eu chamei, ela se aproximou, com uma lança, e ainda de máscara, eu não tinha certeza se era ela, mas tinha que ser, caso contrário ela não viria trás. 

   “Sou eu, Yulks”, ela parecia nçao me conhecer. 

   Olhei para seu braço, com uma ferida aberta no meio, deixando todo seu antebraço dividido em dois, aquilo me doeu, como eu deixei isso acontecer? Como eu não vim atrás dela antes? 

   “Meu deus, o que fizeram com seu braço?”, tentei me aproximar dela, mas ela apontou a lança para mim. 

   Ela fazia grunhidos, ela não falava comigo, era como se não fosse ela. 

   “Calma, está tudo bem, está tudo bem agora”, eu estava tentando me aproximar novamente, vendo que ela não iria recuar, tentei apontar sua lança para outro lugar, para algo que não fosse a minha cara. 

   “Não sei o que fizeram com você, mas eu estou aqui agora”, essa foi a chave final, parece que ela me entendeu, ela tirou a máscara e eu pude ver seu rosto, realmente era ela, e estava toda suja, com um olhar assustado. 

   “Isso, você é a Lenka, eu sou a Yulks, você lembra de mim? Você me conhece?”, eu tive que fazer essa pergunta, pois ela realmente parecia ter esquecido de mim.  

   “Você não sabe como eu estava preocupada”, segurei sua mão, e ela soltou a lança, me olhando boquiaberta com os olhos arregalados, eu não sabia o que tinha acontecido naquela ilha, e nem queria saber, eu só queria que tivéssemos nossas vidas normais novamente. 

   “Vamos embora, Lenka”, eu disse, por fim, e começamos a caminhar em direção contrária da ilha, ela me acompanhava. 

   “Eu vou trazer nossas vidas de volta, você vai ficar bem, Lenka”. 

   “Eu sinto muito”. 

   Era tudo o que eu podia dizer. 


Notas Finais


Gostaram do cap??? AAAA
Obrigado por ler até aqui
Logo virão mais capítulos pela frente!!
Beijocas o/ ~~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...