História Shout My Name - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Got7
Personagens Jackson, Jinyoung
Tags 2jae, Jackjin, Jackyoung, Jinson, Yugbam
Visualizações 70
Palavras 3.170
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Festa, Ficção, Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Esse é o maior capítulo de SMN até agora e... Vocês devem imaginar o porquê disso, estou certa? Kkkkk

Sem mais enrolas...

Boa leitura!!!

Capítulo 4 - Contrato Desaparecido?


Fanfic / Fanfiction Shout My Name - Capítulo 4 - Contrato Desaparecido?

 2 meses, 1 semana e 3 dias em que Park JinYoung não da sinal de vida nem para comer a pipoca que ele comia todo dia.

A única coisa que mudou - tirando seu desaparecimento - foi: meu patrão aumentou meu salário; a van saiu de onde estava; os funcionários do shopping começaram a me chamar de "Senhor Wang" e, sério, me sinto um velho.

- Deseja algo, Senhor Wang? - uma funcionária da joalheria pergunta. Já que eu passei só para admirar mesmo. Desejar eu desejo dinheiro... Mas, né.

- Não, estou apenas olhando. - sorri e continuo olhando as prateleiras de anéis. Até que um prateado com um dragão de ouro moldado me chama atenção, ainda mais pelos olhos desse dragão serem feitos de diamante - Wow... Que lindo.

- Acha mesmo? - tremo dos pés a cabeça ao ouvir aquela voz filha da puta.

Me viro em sua direção e o vejo. Lindo como sempre - como se eu o conhecesse a mais de 1 ano -, de óculos escuros e cabelo perfeitamente arrumado.

- O que está fazendo fora da Pop Colors? - pergunta olhando para algum lugar e fazendo um aceno de cabeça.

- É meu dia de folga. - respondo inalando seu perfume.

Iria abrir a boca para perguntar o motivo dele não ter ido me procurar - não que eu esteja louco por sexo, mas é muito estranho, não acham? -, porém sou calado pela mesma vendedora de antes.

- Sim, Jovem Mestre? - pergunta olhando para JinYoung, sabe aquela cara de protagonista de dorama apaixonada? Então!

- Quero esse anel. - aponta para o que eu estava admirando.

Não demora muito para a garota abrir a vitrine e entregar o objeto para o Park que analisa e sorri.

- É a sua cara, não acha? - dou de ombros e me viro para continuar observando - Ei! Espera. - segura no meu pulso me virando novamente.

- O que foi? - pergunto, com a mão livre ajeito meu óculos. Aish, ele vive saindo do lugar.

JinYoung nada me responde, apenas segura a minha mão direita e suspende até que... Ele coloca o anel no meu dedo anular e beija na frente de todos na loja que ficam surpresos como eu que arregalo os olhos.

OK, OK, vamos voltar a realidade.

O maior me deixa continuar vendo os outros anéis e jóias até que ouço sua voz novamente.

- Me encontre na minha sala daqui a 15 minutos. - o olho e levanto uma sobrancelha.

- Sua sala? - o vejo sorrir de lado e engolo em seco.

- Sim, minha sala.

Da as costas e não o encontro mais depois de vê-lo ir na recepção, provavelmente pagar o anel.

#Shout My Name#

Olho para os dois brutamontes em frente a porta de sua sala e estendo o papel que a secretária do JinYoung me deu para a liberação da passagem.

- Sabe, eu não gosto muito dos seus seguranças. - admito assim que entro no escrito - Mas então, o que foi?

JinYoung apenas me olha e estende alguns envelopes. Eu sento na cadeira a sua frente e começo a abrir para ler os papeis dentro.

- Estou limpo, dei um jeito de retirar uma amostra de sangue sua e também está limpo. - cruza os braços e me olha depois que comprovo sua afirmação.

- Então... Eu posso te denunciar por tanta coisa, mas será problema para mim. - suspiro e coloco os envelopes sobre a mesa - Era só isso?

- Não, ah... - acerta a postura na poltrona - Irei passar na sua casa as 16 horas, vamos sair, não se atrase em hipótese alguma. Use um short folgado e camisa também. - o olho incrédulo. Abro minha boca para reclamar, mas sua mania filha da mãe de interromper os outros me faz fechar novamente - Não use cueca, se depile, passe na farmácia para comprar produtos para a higienização. - me entrega um cartão de crédito logo depois um papel com a senha - Alguma pergunta?

- Onde vamos?

- Pode ir. - fala sem me responder e aperta um botão onde ouço a porta atrás de mim ser aberta pelos dois seguranças.

Faço uma expressão chateada e me levanto da cadeira. Eu não vou me despedir, ele me trata mal então farei o mesmo.

#Shout My Name#

- Por que em pleno sábado as 13 da tarde você me chama? - Kunpimook pergunta aparecendo de pijama na porta do meu apartamento.

O restaurante de sua mãe é na rua atrás da do prédio, então não teve problema ele vim assim aqui em casa. Eu acho.

- Preciso de sua ajuda. - puxo seu braço para dentro e tranco a porta. Vejo a sua expressão de surpresa ao ver os matérias de higiene em cima do sofá.

- Não me diga que vai perder a virgindade?

- Eu não sou virgem. - rolo os olhos - Apenas... Resolvi testar para alguma ocasião, oras. Eu fiquei indeciso sobre o que é melhor para usar, então comprei o kit enema, tem chuveirinho no meu banheiro e... Comprei alguns algodões também, lubrificantes sem sabor para não doer. Ah, também tem depiladores, cera quente, enfim, é isso. - explico coçando a nuca olhando os objetos. Por fim olho para Kunpimook que quer rir - O que foi?

- Quem é o felizardo? - levanto uma sobrancelha com sua pergunta - Não se faça de desentendido, Jackson, sabe do que estou falando. Você nunca ficou tão ansioso assim para fazer uma higiene anal, e você sabe fazer muito bem.

Fico em silêncio sabendo que se eu abrir a boca lhe contaria tudo e não é permitido no contrato.

- Mas me conte depois, eu vou te ajudar a se cuidar e se arrumar, porque se fosse fuder assim comigo eu não iria mais. - cruza os braços e eu sorri - Mas está me devendo essa.

- Eu te amo, Mookie. - faço um coração com as mãos e o vejo me dar um sorriso falso.

#Shout My Name#

De toda pouca roupa e acessórios que estão no meu corpo, o único que o Bambam deixou eu escolher e usar foi o meu óculos.

E agora estou aqui na frente do meu apartamento esperando JinYoung dar sinal de vida. Olho no relógio - também escolhido pelo Kunpimook - vendo ser exatamente 16:15.

- "Não se atrase em hipótese alguma". - faço uma imitação debochada de sua voz e cruzo os braços - Idiota.

- Primeiro insulto pelas minhas costas, anotado. - tomo um susto ao ouvir sua voz. É um hobby chegar de mansinho ou o que?

- Está atrasado. - digo tentando parecer sério.

- Idai? - olha para os lados e começa a andar comigo atrás.

- Idai que você se atrasou e eu não, como pode isso? Não tenho direito de me atrasar também? Sabe que isso é injusto, não é? Não pode fazer essas coisas e depois... - paro ao sentir meu corpo se bater contra o seu peito.

- Você fala demais, devo te calar? - me olha nos olhos. Eu não digo nada apenas sentido seu hálito de... Uva? Essa é nova.

Ficamos nos olhando por um momento até eu ouvir o som de carro sendo destravado e olho para o lado.

- Entre. - abre a porta e eu entro sem contestar. Não entendo muito de carro, por tanto não sei de qual se trata, só sei que é bem espaçoso, confortável e refrescante.

Assim que ele entra liga o carro e da partida. Fiquei olhando as casas e estabelecimentos na cidade até que as casas foram desaparecendo dando lugar a árvores, arbustos, montanhas e campos. Olho assustado para JinYoung que não me percebe.

- Não está me seqüestrando, né? - vejo ele rir nasalado e não me responder - JinYoung, sério, para onde está me levando?

- Fique tranquilo. - tira uma de suas mãos do volante e pousa sobre minha coxa dando um leve aperto - Just Relax.

Tento me manter tranquilo, mas a sua mãozinha abençoada deslizando sobre e apertando minha coxa não ajuda. Também o fato de que eu me sinto ansioso quanto aonde vamos.

Olho para a janela novamente e vejo estarmos subindo uma montanha ou colina, sei lá. Até que o carro para no topo com a visão do céu alaranjado. Demoramos tanto tempo assim para estar no pôr do sol?

- Eu sempre quis fazer sexo no carro, também sempre quis fazer sexo ao pôr do sol. - diz como se fosse algo simples de se dizer para um desconhecido - Você vai está realizando os dois para mim.

Sinto dedos adentrarem o meu short fino e curto, como ele havia pedido. Apenas me concentro em olhar o céu.

- Ei... Olha para mim, vai. - sussurra perto do meu ouvido e eu me viro lentamente para si. Observo o tão perto que meus olhos instantaneamente vão para a sua boca - Não me beija. - pede retirando meus óculos para colocar em algum lugar que não prestei atenção e não me importa no momento.

Não me sinto incomodado sem óculos.

- Eu não vou. - devolvo no mesmo tom baixo de voz fazendo com que ela fique mais graves do que já é.

- Mas quer... - segura em meu queixo me trazendo novamente para seus olhos - Eu também quero, mas isso não vai acontecer. E puta merda que voz é essa?

Franze o cenho me fazendo rir. Me assusto - um dia desses vou sofrer um ataque do coração, anote o que eu digo - ao sentir o assento do carro se inclinar para trás, logo sentindo JinYoung se ajeitar por cima de mim.

- Abre as pernas? - obedeço sem reclamar e ele senta no banco comigo sobre suas coxas.

Ficamos nos olhando por um tempo até eu tomar a ação de tirar sua camisa que me fez ficar praticamente babando nele.

- Não imaginei que debaixo daquele terno haveria isso. - me refiro ao abdômen bem trabalhado e a tatuagem na sua costela de um pergaminho em mandarim - "Cabe a mim dizer quem sou". - leio passando a mão - Quem você é?

- A pessoa que está louquinha para te fuder nesse exato momento. - declara me trazendo mais para o seu colo causando um choque entre nossas pélvis, o que me fez arfar baixo.

Não demora muito para que o moreno comece a beijar meu pescoço enquanto tenta abrir os botões da minha camisa. Desde que ele está ocupado no meu corpo, dou um jeito de me ocupar no seu também deslizando minhas mãos pelo seu tronco.

- Já disse o quanto gosto do fato de apenas eu ver seu corpo como realmente é? - pergunta assim que me vê livre da primeira peça.

- Devo dizer o mesmo? - o vejo sorrir e afirmar - Então compartilhamos o mesmo sentimento.

- Sim, compartilhamos. - alisa minha bochecha.

Trato de continuar com meu trabalho com as mãos e acabo decidindo mexer em seus mamilos que fazem contrate mais escuro que a cor da sua pele. Sorri ao ver sua pele arrepiada.

- Não mexa neles. - pede/ordena, mas eu sou teimoso...

- Por que? - pergunto passando ambos os polegares como se estivesse rodando dois botões de controle de vídeo game.

- J-Já disse para não mexer neles. - segura meus pulsos e, meu Deus, como foi que os prendeu atrás de mim?

Claro que tem como eu tirar-los daqui, visivelmente sou mais forte que ele, porém com ele chupando os meus não me ajuda em nada.

- Park... - gemo tentando me soltar, em troca recebo pequenas mordidas no mamilo esquerdo, ele passa para o direito quando vê o outro já bem rosa de tão maltratado.

E continuamos nisso, eu tentando me soltar e JinYoung me amolecendo com a língua mais habilidosa que eu já senti - atrás da do meu ex namorado. Paramos quando minha glande começa a grudar no meu short de tanto pré gozo.

- Está tão molhadinho. - diz tocando o local de leve o que me fez tremer - Se desse eu provaria o gosto, mas estou com pressa.

- O que vai fazer? - pergunto o vendo se afastar para tirar o resto de nossas roupas. O que dá um pouco de trabalho e já está me irritando.

- Não é óbvio? - pergunta mordendo o lábio inferior ao ver meu corpo desnudo - Amo o fato de que, às vezes, você me obedece sem reclamar.

- Do que eu vou reclamar? - passo a mão sobre o seu pau. Uso meu dedo polegar e indicador para abaixar a pele do prepúcio vendo que a glande é da mesma cor do mamilo, porém mais clara comparada a pele do seu pênis.

- Sinceramente, queria por a sua boca para me mamar, mas como eu disse estou sem tempo, então depois iremos fazer uma preliminar bem lenta, OK? - apenas balanço a cabeça me concentrando em lhe masturbar lentamente. E claro que o meu CEOzinho está gostando - S-Se prepara enquanto coloco a camisinha.

Paro o que eu faço e o olho indignado, JinYoung se inclina para a parte traseira do carro e volta com camisinha e lubrificante.

- Por que está me olhando assim?

- Vai usar camisinha por quê?

- Está a 6 anos sem transar, acha que vai entrar assim facilmente? Eu também não queria usar, mas fazer o que? - dá de ombros, pega minha mão direita e derrama um pouco de lubrificante nos meus dedos.

- Como sabe que estou sem fazer sexo a 6 anos? - não sou respondido.

Decido lhe perguntar depois, então enquanto ele coloca a camisinha eu concentro em me penetrar dois dedos de vez.

Péssima idéia, caralho tá doendo muito.

- Está doendo, não está? - pergunta segurando no meu pau para tentar aliviar - Me surpreendo você não ter reclamado da chuca.

- Você tem que parar de me stalkear. - digo rebolando para tentar aliviar - O que? Não sou idiota.

- Estou vacilando demais. - se inclina para marcar minha clavícula - Anda logo.

Relaxo com os beijos, chupões e mordidas que recebo e trato de me preparar do jeito certo. Não demora até que eu esteja gemendo baixo, dou graças a Deus por ter lembrado de me depilar como ele pediu.

Pelos atrapalham momentos, se lembrem disso, beleza?

Aperto seus ombros quando ele se posiciona na minha entrada. Quero tanto o beijar agora...

Arfo baixo junto a si ao sentir seu pau se enterrando cada vez mais no meu ânus.

- Espera... - peço apertando mais forte.

- O que? - me olha nos olhos.

- Posso te morder? - ele não questiona. Apenas se inclina mais como se fosse me abraçar deixando meu rosto na curva do seu pescoço e ombro.

Eu junto meus braços atrás das suas costas e, realmente, mordo a sua pele onde meu rosto está. O ouço gemer baixo e, enfim, colocar tudo.

- Porra, como tem que ser tão apertado?

- Não sou rodado como meu amigo. - respondo mordendo o lóbulo da sua orelha logo em seguida.

JinYoung começa a se movimentar devagar e sem pressa, só para começar a ser duro ao me sentir lhe apertando mais. Me movimento contra si e ele faz o mesmo comigo, em uma sincronia gostosa e muito, mas muito prazerosa mesmo.

Ao aumento dos gemidos e estocadas, começamos a gemer o nome um do outro. O maior começa a marcar mais ainda minha pele, e claro, eu retribuo com a boca e unhas curtas.

Olho além do vidro do carro e vejo o sol se pondo, a luz reflete agora sobre a pele suada de JinYoung. É tão lindo. Acabo fechando os olhos de prazer ao sentir minha próstata ser acertada e subo minha mão esquerda para os cabelos negros do moreno. Onde aperto sem dó para descontar a gostosa sensação que estou sentindo.

Nesse exato momento, o carro está balançando e os nossos gemidos ecoam pelo vácuo do topo da montanha/colina. Já que não vi ao certo o que é e pouco me importa agora.

Na minha adolescência eu já fiz sexo com vários desconhecidos, porém admito que esse - apesar de não ter acontecido nada demais - é o mais gostoso até agora.

Principalmente por eu não ter vergonha do meu corpo como sentia antes com outras pessoas e ter essa sensação de ser livre é magnifica.

Sem cerimônias, gozo ao sentir sua mão me bombeando ao mesmo ritmo em que as estocadas se fazem. Poderia muito bem gritar seu nome, mas não o faço, não hoje.

- Caralho, Wang. - vejo as veias em seus braços contraírem quando ele aperta com força o assento em que estou.

Decido prolongar seu orgasmo e então tenho a ideia de massagear seu mamilo, aparentemente funcionou já que ele mordeu meu ombro de um jeito que tenho certeza que vai ficar uma marca roxa. Como explicar isso ao Kunpimook?

- Juro que na primeira oportunidade, eu vou te deixar todo vermelho com as marcas das minhas mãos. - me olha nos olhos com fúria e eu apenas rio o abraçando - O que está fazendo?

- Sentindo seu cheiro pós sexo. - sim, eu tenho essa mania, idai?

JinYoung nada me responde apenas olha para a janela onde se encontra escuro no momento.

- Temos que ir, tem sorte que sei o caminho de cor. - alisa meu cabelo.

- Não me importaria de dormir aqui. - me separo de si.

- Mas eu tenho que ir agora. - me olha nos olhos e dou de ombros.

- Eu disse aqui no carro, não aqui com você. - procuro minha blusa não vendo a sua expressão depois de eu ter falado isso.

- Não falei nada sobre isso. - se inclina novamente para o banco de trás trazendo lenços humedecidos.

- Tanto faz.

#Shout My Name#

Sinto o carro parar na frente do meu apartamento e então olho para JinYoung que parece inquieto.

- Boa noite, Park. - coloco minha mão sobre a tranca do carro para sair, mas sou impedido pela sua.

- Espera. - o vejo pegar um pano no porta luvas e abrir.

- O anel. - sorriu o olhando.

- Sua mão esquerda. - pede e eu estendo sem contestar. O CEO coloca no meu dedo anular.

OK, está bem parecido com o que eu imaginei.

- Olha. - aponta para a jóia e gira um pouco, na parte onde não havia nada antes, na parte paralela a do Dragão, agora se encontra meu nome com criptografia chinesas - Está certo? - afirmo - Você gostou?

- Muito. - não paro de sorrir - Obrigado.

- Não há de quê. - JinYoung vem em minha direção, penso que ele vai me beijar, mas então... Ouço o barulho da porta abrindo - Boa noite, Wang. 


Notas Finais


Era para eu ter atualizado mais cedo? Sim, era! Mas fazer o que? O importante é ter capítulo pronto e fresquinho, não?

Estou muito ansiosa para ler os comentários...

Críticas e opiniões nos comentários!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...