1. Spirit Fanfics >
  2. Show de Vizinho >
  3. Você está fingindo?

História Show de Vizinho - Capítulo 11


Escrita por:


Notas do Autor


Oi, espero que gostem desse capítulo que é dedicado as minhas lindas leituras, jb_Fuck e BiahSilva16 ❤️

Espero que gostem ❤️

Capítulo 11 - Você está fingindo?


Fanfic / Fanfiction Show de Vizinho - Capítulo 11 - Você está fingindo?

Justin Bieber Point of View

 — Olha só quem acordou! O meu príncipe! — Assim que Nicolas aparece na cozinha eu comemoro. 

Ele não esboça nenhuma reação, além da cara amassada e um certo desinteresse em minhas palavras. Senta-se na mesa e olha a comida. 

— Sentiu falta do seu papai ontem, filho? — pergunto. 

— Não — ele responde com simplicidade. 

— O papai passou o dia todo fora e você não sentiu a minha falta? — coloco a mão na cintura e me aproximo para dar uma cheirada no cabelo dele. 

— Não percebi — Nicolas diz com tranquilidade e leva alguns segundos até virar o rosto em minha direção e passa suas mãozinhas de uma forma meio brusca, dando tapinhas em meu rosto. — Toma carinho — ele diz e depois passa a mão pela minha barba. 

— Que carinho gostoso! — encho-o de cócegas, o que só o faz se contorcer e mostrar-se irritado. — Eu quero um sorrisão hoje, hein!

 Nicolas abre um sorriso que lembra o de um dinossauro carnívoro encarando sua presa. 

— Menos que isso, filho. 

Agora ele sorri feito um rotweiller, pronto para arrancar a perna do invasor da casa. 

— Vamos diminuir esse sorriso? Só um pouco mais. Não precisa mostrar os dentinhos — eu mostro como se faz. 

Pouso os cotovelos na mesa e abaixo o rosto na altura dele e com os lábios cerrados, sorrio de canto. Ele tenta imitar, mas ainda parece irritado.

 — Está perfeito! Você aprende rápido — sento-me para tomar café com ele. — Você sabe que dia é hoje? 

— Quarta-feira — ele diz de forma monótona, um minuto depois de eu perguntar. Estava ocupado demais colocando o mingau no prato. 

— Mas você sabe o que vai fazer hoje? — insisto. 

Nicolas levanta os olhinhos, quase em súplica. Seu olhar ainda carrega certa indiferença, algo marcante da personalidade dele, mas lá no fundo há um pedido de socorro. 

— Não gosto daquelas crianças — ele resmunga, olhando para o prato. — Elas não gostam de fomigas. Não confio em quem não gosta de fomigas. 

— Você pode apresentá-las às suas formigas, certo? Toda semana temos reunião em uma casa diferente, dessa vez é na nossa — me refiro a respeito do grupo de crianças autistas e com asperger.

— Não — ele diz com simplicidade e começa a comer. 

— O que fazemos antes de comer? Agradecemos. Feche os olhos. 

— Mingau, fomigas, papai, tomara que Vincent esteja doente e não venha, Kat. Jesus. Amém — ele diz de boca cheia e assim que termina, coloca mais uma colherada na boca. 

Kat Baker Point of View

Passei o dia entrevistando novas funcionárias para o evento dos Bieber. 

Eu precisava de gente habilidosa, ágil e que tivesse foco. Consegui cinco entre trinta candidatas, o que pareceu ser muito produtivo. 

Passei uma lista de coisas que precisaríamos para os almoços, jantares e petiscos que se seguiriam na próxima semana no casamento da noiva, para Emmanuelle, que garantiu que arrumaria todo. 

Cheguei em casa, tomei um bom banho e fui ver como o meu vizinho estava. 

Já achei estranho, de início, ver tantos carros estacionados do lado de fora da mansão de Justin. Será que ele estava ocupado demais para me receber? 

Bom, não custa nada tentar. 

Fui em direção à porta e toquei a campainha. Não fui atendida de primeira, então me distraí olhando a paisagem: o jardim bem cuidado, o canteiro para as flores e formigas, o balanço, a pequena bicicleta e a grama verde... aquele homem era prendado mesmo, tudo dele parecia sempre no ponto certo.

 — Oi! — falei entusiasmada assim que a porta se abriu. 

Precisei abaixar o rosto para encontrar o pequeno anfitrião, Nicolas Petterson, com cara de tédio. 

— Você não é o Vincent — ele me olhou, dos saltos até os cabelos amarrados.

 — Acho que não — me agachei para vê-lo. —Eu moro ali do lado. Você foi lá recentemente, lembra? Eu me chamo Kat.

— Graças a Deus — ele pareceu ignorar tudo o que eu disse, deu meia volta e saiu andando, um tanto feliz. 

Levantei-me e coloquei a cabeça para dentro da casa e de cara já vi algumas crianças, algumas nos cantos, isoladas. Uma brincava com carrinhos, outro com dinossauros, tinha uma menina com a tabela periódica, e Nicolas, perto do aquário de areia da sala cheio de formigas, como um guarda-costas. 

Fechei a porta e fui em sua direção. Ele estava uma gracinha.

 De jardineira, camisa xadrez e gravata borboleta. O cabelo penteado para o lado e aquela expressão de poucos amigos, transmitido pelos seus grandes olhos azuis. 

— Que legal que seus amiguinhos vieram te ver! — falo com ele. 

— Não são meus amigos — Nicolas encara, especialmente, a menina com a tabela periódica. Depois se volta para o aquário e assiste atentamente as formigas fazendo seu trabalho, pelos túneis que são aparentes. 

— E onde está o seu papai?

 — Kat! — ouço a voz forte de Justin atrás de mim e me viro de supetão. Nos cumprimentamos com dois beijos no rosto e ele segura a minha mão. — Vamos deixar as crianças socializando, vamos para a ala dos adultos — ele me tira dali o mais rápido possível. 

Socializando? Aquelas crianças estão fazendo tudo, menos socializando.

 Justin me leva para sua biblioteca. Um lugar encantador, com várias estantes altas de madeira nobre, encadernados de couro bem antigos, uma parte generosa sobre livros de finanças, administração e investimentos e tem até uma prateleira aos fundos, quase escondida, com romances.

 Também vejo um bar com uma coleção admirável de toda sorte de bebidas, um balde cheio de gelo e um barril, onde deve ter chopp. Esse cara tem tudo isso dentro de casa? Uau! 

— Kat, esses são os pais e as mães das crianças que você viu lá na sala — ele me apresenta os adultos. — Pessoal, essa é a Kat... a minha... vizinha — ele demora de dizer a última parte.

 Justin me olha de lado, assim bem de perto, a ponto de me fazer sentir sua respiração. “Kat... a minha...” e nesse espaço entre seu silêncio e os batimentos do meu coração, fico até arrepiada ao imaginar o que ele pode falar. 

— Oi, Kat — os pais e mães dizem em coro, parecem super gentis. Depois retornam para suas conversas paralelas e enfim tenho a atenção de Justin só para mim. 

— Como foi o seu dia? — Justin pergunta.

— Normal, e o seu? — devolvo. 

— Está sendo tranquilo, até então. Como pode ver, a minha casa está cheia de crianças que não conversam umas com as outras e o Nicolas fica uma bomba relógio em atividades assim, mas a cada reunião dessa, parece que ele fica menos tenso. Até chegar um menininho que o irrita demais... 

— Imagino... o meu dia foi normal, entrevistei novas funcionárias para dar conta de servir tanta gente naquela mansão. Farei um trabalho impecável e vou atazanar o desgraçado do noivo. E farei tudo bem feito. 

— Tenho certeza disso — Justin fica parado diante de mim, encarando-me. 

Eu nunca estou preparada para esse momento, o silêncio se torna angustiante. 

— Dormiu bem?

 — Dormi sim. Ontem foi um grande dia, novamente, obrigada. 

— Acordou gripada? 

— Na verdade... dormi e acordei muito bem. Melhor do que poderia esperar. 

— Eu sei que seus planos vão se realizar e você terá sucesso no que pretende — ele diz e caminha em direção ao bar, me puxa consigo. — Você tem garra, corre atrás do que quer. As pessoas fracassam mais por desistência do que por tentativa, e você é essa pessoa. A que tenta — ele aponta o indicador para mim, sorri com os olhos e me deixa em um silêncio contemplativo. 

Já conversei com diversos caras. Mas eu sempre tive a impressão de que, eles e eu, fazíamos monólogos. Ou seja, conversávamos, mas não havia real interesse no que estávamos dizendo. Mas esse cara... ele parece interessado. 

E eu não sei se estou preparada para isso. 

— O que quer beber? 

— Pode ser uma soda? Água com limão? Não costumo beber álcool.

— Por quê? Religião? 

— Não... eu só... saio um pouco do controle, sabe? E aí se passa um filme em minha cabeça do que é sair do controle. Correr nua no Campus da faculdade; invadir a moradia de um professor para roubar as provas; ficar gritando e acordar a vizinhança; e rir feito uma hiena desengonçada. É sério, de todas essas coisas, a minha risada é a pior. Parece uma motosserra tendo soluço. 

— E qual o problema de perder o controle? — Justin sussurra em meu ouvido. 

Ok, eu já decidi, esse cara é o diabo. E agora está me tentando a libertar a louca que há dentro de mim. 

— Não quero te assustar — levanto a sobrancelha e pego a soda que ele tira de um frigobar. 

— Eu já sou grandinho. Não me assusto facilmente — sinto o dedo indicador dele pelo dorso de minha mão, subindo pelo meu braço. 

Sinto um calafrio estranho e recolho minha mão e o encaro. 

— Nós estamos flertando? — murmuro. 

— Será? — ele devolve, murmura também. É engraçado o jeito que faz, me mostra que é bem esquisito ficar murmurando perto um do outro assim.

 — Eu nunca tive sorte com caras, só com um canalha desgraçado. Não sei flertar, eu nunca aprendi — murmuro e vejo o rosto dele se aproximando, feito um asteroide que vai se chocar com a terra. 

E essa terra talvez não suporte o impacto; mas o deseja, secretamente. Justin abre a minha soda e se afasta só um pouquinho. 

— Você é muito bonita. 

— Qual é, Justin, não precisa fingir. Acho que já conseguimos mostrar que temos química, não precisamos mais fingir um pro outro, só precisamos fazer isso na frente do meu ex imbecil.

— Fingir? — ele me pergunta. 

Não estamos fingindo? Quero dizer... ele não está fingindo? E por que até nos meus pensamentos eu estou murmurando? 

— Então estamos flertando? Pra valer? Eu não sei.

 — Aquele beijo ontem foi um fingimento para você? — ele provoca.

 Ele murmura bem sedutor, rouco, me arrepia. E eu murmuro igual uma louca que parece que está gritando, mas perdeu a voz. 

— Não quero atrapalhar — uma mulher passa por nós e abre o frigobar, pega uma cerveja e se afasta. — Já que você nos deu a liberdade, vou esvaziar o seu bar. 

— Fique à vontade — Justin sorri, mas é de um jeito diferente. É gentil, cortês, educado.

 Mas quando vira para mim, me olha no fundo dos olhos e sorri, é diferente. Nem estamos nos tocando, mas sinto como se seus braços estivessem me puxando. Seus lábios se tornam ímã e o meu corpo quer sentir de novo como é ser pressionado pelo dele... debaixo d’água... contra a bancada da cozinha... onde ele quiser. 

— Acha que vamos conseguir convencer que somos um casal? — tento afastar os meus instintos por um instante, senão farei besteira. 

— Acha que consegue se convencer realmente de que estamos fingindo? — ele retruca.

 Desculpe-me, Nicolas, temos um novo campeão de refutação na cidade. O superpai, o show de vizinho, ele, o único e inigualável, Kaleb Justin! 

Estremeço ao sentir a mão pesada dele em minha cintura e seu corpo se aproximar do meu, em um abraço apertado, deliciosamente quente e seu cheiro envolvente me deixando desnorteada.

 Esse cheiro... foi tão bom dormir sentindo ele. E agora, nesse abraço, peço para que o cheiro fique em mim. 

— Isso é fingimento, para você? — sua mão passa por cima do meu coração. 

Que parece tambores, batendo freneticamente, numa dança da chuva para trazer o oceano e a vida marinha de volta ao deserto. Esse homem não cansa de me deixar molhada. Parece que se diverte em me tentar, ainda mais na frente de tantas pessoas.

 — Parece fingimento, para você? — ele tira a soda das minhas mãos e as leva para dentro de sua camisa, onde sinto seu peito macio, musculoso e seu coração.

 Isso dura apenas um segundo, para mim, como prendo a respiração e me perco em pensamentos, sinto como se ficássemos nessa posição por horas. 

Mordisco os lábios ao descer as mãos por aquele corpo delicioso, mal consigo conceber que acabei de realizar o sonho proibido de sentir o tanquinho desse homem! 

E ele está aqui, diante de mim, o rosto tão próximo que me deixa eriçada e constrangida, não solta as minhas mãos e eu quase fujo quando ele as desce um pouco mais, quase para dentro da calça. 

— Meu Deus! — murmuro, bem alto. Estou falando, estou praticamente gritando, só que sem voz. 

Todo mundo olha para nós dois. 

— Você está fingindo, Kat Baker? — esse demônio lambe os lábios e passa pelo meu lado, para fora do bar. 

Primeiro fico paralisada, tentando entender o que acabou de ocorrer.

Depois, vou atrás dele, de volta para o corredor e depois para a sala, onde Justin vai em direção ao filho, que está fazendo um barulho, o mesmo que fez em minha casa. 

A televisão está ligada e passa um vídeo de música. Todas as crianças parecem irritadas, menos uma. Um garotinho que está sentado, extremamente atento à dança e a música. 

Justin põe o abafador de ouvidos no pequeno, que imediatamente para o que estava fazendo e olha para o pai. 

— Será que tem abafador para as fomigas? — o pequeno pergunta. 

— Elas não se incomodam, filho. Mas vou providenciar um abafador gigante para o aquário.

E ao fundo, a sala é embalada pela música que, ao que parece, o tal Vincent, gosta muito e não para de ouvir, novamente, ao que parece, em todas as reuniões dessas crianças, já que todas estão extremamente incomodadas: 

Baby shark doo-doo-doo-doo-d


Notas Finais


Comentem ⤵️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...