História Shut Up And Dance (Imagine Jeon Jungkook) - Capítulo 34


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), G-Dragon
Personagens G-Dragon, Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Jungkook, Romance
Visualizações 76
Palavras 2.510
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 34 - Shut Up, You're Not Alone!


Fanfic / Fanfiction Shut Up And Dance (Imagine Jeon Jungkook) - Capítulo 34 - Shut Up, You're Not Alone!

Seoul National University Hospital - 21:00 hs.

Moon Nari POV's

“Depois de todo o caos, de todo choro, da sirene da ambulância e dos carros de polícia era eu quem estava lá com você, observando você dormir como um anjo, desfalecido em meio aos tubos que entravam pela sua garganta, tão quieto, tão longe.

Parecia uma pintura, um quadro desenhado à mão livre, com traços perfeitos, com sua palidez misturada à brancura dos lençóis daquele hospital frio.

A bala havia sido cravada em seu peito, mas doeu como se fosse no meu. Quem diria que estaria com você, como sua única acompanhante, no hospital. Parece que nosso destino este ano era esse, o hospital. De qualquer forma estaríamos nele, Kim Seokjin. Acho que tanto você como Ji-Yong me trariam para este lugar que tanto odeio, mas agora estou aqui com você.

Eu me pergunto porque a Jenny não apareceu, nem ligou, desde que chegamos aqui. Seus pais estão vindo de outra cidade, imagino que dependem da locomoção através do seu irmão, mas e ela? Não era sua noiva? Não iriam se casar? Onde ela está que nem atende aos meus telefonemas?

Jungkook está vindo da delegacia junto com os demais. Prestei meu depoimento enquanto você era operado, então não te deixarei sozinho e enquanto isso ele ficou lá com Tae, Hoseok, Yoongi e Sunee. Ah, e Namjoon atrás das grades a esta hora.

Aliás, gostaria de saber por que ele mirou a arma em você enquanto Jungkook e ele lutavam no chão? Por que não em mim ou no próprio Jungkook?

Você tem muitas coisas a me explicar depois que acordar do coma induzido, meu amigo.”, conversava mentalmente com Jin, ao lado dele naquela cama de hospital.

A bala havia acertado em cheio o peito dele, não atingiu o coração por pouco, mas achei que ele morreria ali, na nossa sala de reuniões.

Mais um escândalo para nossa empresa, mas desta vez não era culpa de nenhum de nós, pelo menos até onde eu sabia.

Quem diria que Kim Namjoon faria isso? Chegaria ao ponto de chantagear, matar, sequestrar, enfim, por causa de dinheiro, de ganância pura. Algo me diz que ele não está sozinho nesta história.

Dou um beijo na testa de Jin e saio do quarto, pois Jungkook havia acabado de mandar uma mensagem de texto dizendo que chegou ao hospital.

“CHEGAMOS, NOONA. ESTAMOS NA SALA DE ESPERA”, li e fui ao encontro deles.

Estavam todos lá, todos visivelmente abalados pela situação que ocorreu. Corri e abracei Jungkook, que me apertou com força contra o corpo dele e só naquele momento me senti segura.

- Como está Jin? - ele perguntou, depois que nos desvencilhamos.

- Ele está estável. O médico disse que ele pode acordar em breve, mas que o corpo tem que reagir sozinho. - expliquei, olhando para todos.

- Ainda bem que ele está dormindo agora, ele morreria de desgosto se soubesse o desenrolar de toda história. - Taehyung disse, com a feição mais arrasada do mundo.

    - O que tem a Jenny? - perguntei, observando a todos.

    - Como sabe? - perguntou Hoseok, assustado, me fazendo rir talvez pela primeira vez depois de tudo o que havia acontecido.

    - Imaginei que tem dedo dela na história, pois liguei o dia todo e ela não atendeu. - eu expliquei.

    - É que não pode atender telefone da cadeia, unnie, e é lá que ela se encontra agora. - Sunee disse, direta como sempre.

    - Ela era cúmplice de Namjoon! Parece que eles queriam tomar a empresa de você e dele. Jenny se justificou, dizendo que um dia pegou Jin a traindo e queria se vingar, mas pelo visto ela foi se confortar nos braços de Namjoon e ainda queria uma indenização pela traição. Fico pensando como fariam para tomar a empresa de mim. - disse Jungkook.

    - Duvido que Jin tenha traído Jenny. - eu disse, recebendo um olhar tímido de Yoongi. - O que você sabe que eu não sei, senhor Min Yoongi?

    - Bom, você sabe que Jin nunca foi santo, né? Enquanto vocês viajavam eu estava até mais tarde no escritório, para variar, e o peguei na copa beijando uma das estilistas que contratamos mês passado. Aliás, acho que aquela copa precisa ser fechada, pois hoje vi outro casal por lá, mas não vou citar nomes, não é o momento. - disse Yoongi. Olhei para Sunee e Tae e eles estavam vermelhos como um pimentão. Eu sorri e apenas balancei a cabeça.

    - Acho que então nosso querido Jin não ficará tão chateado então pelo fato da Jenny não vir visitá-lo. - Hoseok disse e rimos novamente.

    - Menos mal. Também não sei o que deu na cabeça dele de querer se casar, ainda mais com ela. - eu disse.

    - Sinceramente, unnie? Acho que tem mais a ver com o fato dele ter medo de ficar sozinho do que com amor de verdade. Pronto, falei! - disse Sunee, sentando-se no sofá.

- Também acho isso, afinal ele viu que havia perdido você completamente quando Jungkook apareceu e não quis ficar para trás. - desta vez foi Tae que disse e se sentou no sofá ao lado de Sunee.

- Não faça como ele então, Taehyung! Fique mais atento ao que a vida lhe proporciona. - Yoongi disse, deixando tanto Sunee como Tae mais vermelhos ainda e todos riram, quando Jimin juntou-se a nós.

- Boa noite, pessoal! Vim o mais rápido que pude! A imprensa está toda lá fora, tirando fotos, mas já dei alguns esclarecimentos, de acordo como fomos orientados para não atrapalhar as investigações. - disse Jimin. - Espero que Jin esteja bem!

- Ele vai ficar, tenho certeza. Obrigado por tudo, Jimin! - Jungkook disse.

- Quem é o responsável pelo paciente Kim Seokjin? - perguntou um médico, segurando um prontuário.

- Sou eu, Moon Nari! - me levantei e fui em direção ao médico.

- Então é você mesma! Ele acordou, está perguntando por você. - o doutor disse e

e Jungkook segurou minha mão. Eu o olhei e ele sorriu.

-  Vá e diga a ele que estamos torcendo por ele aqui de fora. - Jungkook disse e me deu um beijo na testa. Eu sorri e acompanhei o médico até o quarto de Jin, que sorriu quando me viu entrar.

- Vou deixar vocês conversarem. - o médico disse e saiu.

O observei atentamente e ele já estava sem os tubos, mas o rosto estava pálido e abatido como antes. Os olhos fundos, com aquele aspecto de que a anestesia ainda não tinha passado totalmente, mas ele estava consciente, pelo menos ao que parecia.

- De tudo o que se passou naquela sala me lembro que o que tinha mais medo era de perder você. - ele disse me olhando e em seguida segurando a minha mão.

- Oh, Jin. E nós não queremos te perder, de jeito algum. - eu disse, apertando sua mão com as minhas duas mãos. Ele era mais alto e mais forte que eu então eu precisava segurá-lo assim para demonstrar segurança a ele.

- Você não entendeu, Nari. Quando vi Namjoon com a arma apontada para você eu achei que ficaria sem você para sempre! Achei que te perderia, que nunca mais teria a chance de te ver novamente comigo. - ele disse, me deixando confusa.

- Mas… Eu não estou com você, Jin. - respondi, já deixando de tocar suas mãos de uma maneira rápida, porém delicada.

- Fique comigo, Nari. Eu percebi o quanto fui tolo durante todos estes anos. Como pude olhar para outras mulheres tendo você ao meu lado? Como fui cego a ponto de não enxergar que era você que eu queria o tempo todo. - ele disse, com ênfase em suas palavras. Por um instante eu virei de costas e comecei a falar.

- Jin, acho que esta sua frase é a coisa que eu mais quis escutar em toda minha vida. - eu falei e depois me virei de frente para ele. - Porém, quando Namjoon entrou em minha sala e me ameaçou minutos antes de acontecer tudo o que aconteceu, ele pediu que eu escolhesse entre a JNJ e Jungkook e eu não hesitei em assinar uma transferência de posse a ele na mesa hora. - eu finalizei, o olhando nos olhos e os olhos dele se baixaram ao encarar os meus, como era de praxe quando ele era contrariado.

- Então significa que… - ele ia falar quando o interrompi.

- Significa que eu te amo como um amigo, um dos melhores que tenho em minha vida, mas o homem que escolhi para estar comigo para sempre é Jungkook. Meu discurso em rede nacional não foi teatro, não foi marketing, foi apenas o que sinto em meu coração por ele. - eu disse, me aproximando dele.

- Sinto muito, Nari. Sinto por não ter tido a chance de estar com você. - ele disse.

- A chance você teve, Kim Seokjin. O que você não teve foi o tempo certo. - eu respondi, passando a mão em seus cabelos e depois beijando sua testa. - Saiba que você não está sozinho, estarei para sempre contigo, mas como sua amiga que sempre fui e sempre serei.

Terminei de falar e de repente os pais dele entraram no quarto. Eles me abraçaram e em seguida foram fazer festa com ele pelo pós-operatório muito bem sucedido. Saí de fininho para que eles tivessem mais privacidade e fui de encontro a Jungkook e os demais.

- Bom, acho que vou embora! Os pais de Jin chegaram e ele está ótimo. - eu cheguei na sala de espera e disse a todos, ainda me sentindo estranha pela conversa que tive com Jin segundos antes.

- Está tudo bem mesmo, Nari? - Taehyung perguntou.

- Está sim, só preciso descansar. - eu respondi.

- Vamos, noona. Eu te levo. - Jungkook disse, envolvendo seus braços ao redor do meu ombro, me protegendo como sempre.

- Obrigada, Kookie. - eu disse e o dei um selinho. Nos despedimos de todos e saímos em direção ao carro.

Entrei em silêncio e segui assim a viagem toda, pensativa. Jungkook respeitou este momento e falou somente quando entramos em minha casa.

- Eu sinto que Jin falou algo para você dentro do quarto daquele hospital e você não precisa mentir. - Jungkook disse e eu pensei que a habilidade de mágica dele tinha evoluído para o nível 5.

- Como você sabe? - perguntei, ainda assustada pelo comentário dele.

- Eu conheço cada detalhe de suas expressões e seus jeitos e sei que quando você fica extremamente calada é porque está pensando em algo que te falaram ou porque está criando algo novo. Imagino que não esteja trabalhando neste momento, noona. - Jungkook disse. A sagacidade dele era algo assustador para um rapaz de 21 anos.

- Ok, você venceu. - respondi, me levantando do sofá e indo em direção a cozinha, enquanto ele me acompanhava logo atrás. - Ele disse coisas que me deixaram pensativa.

- Do tipo? - ele perguntou, sentando-se no balcão, enquanto eu pegava uma água na geladeira. Abri a garrafa e dei um gole antes de falar e ele pegou a garrafa da minha mão e também a bebeu.

- Ah, do tipo “me arrependo tanto” e “fica comigo agora”, apenas isso, nada demais. - eu disse, olhando para o chão.

Jungkook me olhou e veio em minha direção. Ele levantou meu rosto e me fez olhar diretamente para os olhos dele.

    - Eu sei que para você foi algo importante, noona. Não me esconda isso. - Jungkook disse, ainda me olhando nos olhos.

    - Sim, não vou mentir, Jungkook. Foi algo extremamente importante que faria todo sentido em minha vida se você não estivesse nela. - eu disse. - Mas eu nunca, nunca desistiria de você agora, não depois de tudo o que enfrentamos juntos para isto funcionar.

    - Noona, preciso te confessar uma coisa. - Jungkook disse e eu tremi da cabeça aos pés, o olhando atenta. - Por três vezes eu pensei que havia te perdido: a primeira foi quando Sunee chegou sozinha da festa de Min-Ho sem você, a segunda foi quando Namjoon apontou a arma para sua cabeça e a terceira foi quando o médico te chamou para o quarto de Jin. - ele disse, acarinhando meu rosto delicadamente com uma das mãos e me senti mais calma naquele momento. - Na primeira eu achei que tivesse morrido, na segunda achei que ia morrer. - ele suspirou e continuou. - Mas quando Jin pediu para te chamar, eu tinha certeza que ele ia se declarar para você e dizer que queria ficar com você. É claro que ele te ama, noona, não teria como não te amar. Você é inteligente, corajosa, independente, uma excelente líder, além de ser linda. Não vou mentir que eu mesmo me olho no espelho às vezes e me pergunto como você consegue estar comigo. - ele falou e eu ri. - Não ria, estou falando sério. Confesso que antes eu achei que o que sentia por você era apenas uma atração sexual, uma fantasia da minha cabeça quando via suas fotos em revistas, mas minha convivência com você só aumentou essa admiração e pude te conhecer melhor a cada dia. Você não sabe o quanto me surpreendi por te conhecer de verdade. E você sabe menos ainda o que você significa pra mim. Chega a doer de tanto amor que sinto por você. - ele disse, levando minha mão ao coração dele. - Sente como está batendo? É por você que ele fica assim. Se algo acontecer eu… Eu deixo de viver no mesmo instante. - ele disse e eu o abracei forte, sentindo ele fazer o mesmo. - Eu te amo, Moon Nari.

    - Eu te amo, Jeon Jungkook. - eu disse, com a cabeça encostada no peito dele, sentindo o coração dele bater muito forte. O coração dele acelerado parecia uma sinfonia em meus ouvidos, como se cantasse para me dizer o que sentia de fato.

    Ficamos ali, naquele abraço apertado por algum tempo ainda e depois subimos para o quarto para tomar banho e descansar, pois o dia não tinha sido nada fácil para ninguém. Não queríamos ligar a TV, nem ver nada na internet, pois em todo lugar só havia notícias sobre Namjoon na JNJ.

    Felizmente estávamos todos bem naquele momento, até que meu celular toca. Dei um pulo na cama e me sentei para atender. Jungkook também pulou ao meu lado, assustado pelo tom da minha voz.

    - Não acredito! Estou indo aí agora! - eu disse e desliguei o telefone.

    - Jin não está bem? - ele falou, assustado, me vendo trocar de roupa imediatamente.

    - Não, quem não está bem é GD. - eu disse. - Preciso ir pra Osaka agora! - terminei e Jungkook apenas assentiu com a cabeça e me abraçou.

    Será que desta vez o destino seria tão generoso com Ji-Yong como foi com Jin?

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...