História Sick love - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Jeremy Bieber, Justin Bieber, Personagens Originais
Visualizações 289
Palavras 1.690
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - Prazer eu me chamo Caitlin...


"O ciúmes nasce com o amor, mais nem sempre morre com o mesmo"


                    Los Angeles                              

Capítulo anterior........

- Você tem muita coragem mesmo, Você sabe quem eu sou ? Sabe o meu nome? Porque se você soubesse você não daria uma de galo pro meu lado não, porque como você disse pra tudo sempre tem uma primeira vez que tal experimentar a sua primeira bala na cabeça? - convencido e irônico ao mesmo tempo, o moleque metidinho só porque é rico. Muqueleque ridículo

- Sei sim, você é o.....

                                                                         

 Esse cara me dá nós nervos, ele se acha de mais pro meu gosto, só porque é o maior mafioso da América fala sério, grande coisa....ta bom talvez pensando por esse lado era para mim estar tremendo de medo e talvez eu esteja mais não quer dizer que eu vá desmonstrar pra ele.

- Sei sim, você é o viadinho que fica rodando bolsinha na esquina aqui perto - é como diz o ditado eu perco a vida mais nunca abaixo a minha cabeça, eu sei que eu estou brincando com o fogo mais não vou deixar ele me humilhar, nem a pau.

- Sua.... - ele me empurra contra seu carro que ainda está parado no meio da rua me prensando contra o mesmo, suas mãos estão apoiada em cada lado do meu corpo me impedindo de sair, sinto seu alito de menta bater contra o meu rosto, e quando eu olho em seu rosto eu posso perceber o quão lindo ele é, seus olhos castanhos claros,sua boca rosada e carnuda, sua pele branca sem nenhuma mísera manchinha ou defeito, ele é um Deus grego isso eu posso afirmar, mais como sempre dissem nem tudo na vida é perfeito.

Ele olha em meu rosto como se estivesse procurando alguma coisa, seu maquixilar está travado, ele passa sua língua preguiçosamente sobre sua boca o deixando muito mais sexy, Jesus porque ele tem que ser tão lindo assim, ele aproxima o seu rosto do meu meu.

- Sua vadia, quer que eu te mostre o viado hum - diz perto da minha orelha mordendo o lóbulo da mesma, aí meu deus se consentra Melissa, se consentra, tento me mexer mais seu corpo está me prensando contra o carro, fazendo com que eu não consiga me mexer.

- O que foi amor, cadê a sua coragem - Sinto seu lábio molhado beijar o meu pescoço - Em amor, diz alguma coisa ou o gato comeu a sua língua - Sua boca continua beijando o meu pescoço e a sua mão agora está sigurando a minha cintura me apertando mais contra o seu corpo, meu Deus como ele é quente, meu corpo se arrepia com um simples toque seu.

- Ju...stin para por favor - peço com a minha voz falha,droga ele me excita muito, maldito.

- Agora você me pede por favor, você procurou agora aquenta - Sua voz está mais rouca que o normal, droga, droga mil vezes droga, eu já posso sintir uma pequena excitação surgir no meio das minhas pernas, não, não eu não posso fazer isso.

- Justin sai - o empurro empurrou pra longe de mim - Você é louco estamos no meio da rua, seu pedofalo - digo com a respiração acelerada, droga, eu tenho que me recompor, respira Melissa respira, porque ele me deixou assim. Olho em sua direção o vejo ele me encarar com os olhos brilhando, não sei porque mais senti que não significava boa coisa.

- Pedofalo ta me dizendo que eu tenho cara de velho ? - a jeito a minha saia e pego a minha bolsa de escola que está jogada no chão, eu nem percebi quando a mesma caiu, e pra você ver o quanto esse homem tem efeito sobre mim, passo a mão sobre o meu cabelo e me recomponho.

- Nunca disse que você era velho Justin, mais também você não tem menos de 18 e se você não percebeu eu to com um uniforme escolar, ou seja eu sou menor de idade - Me viro e começo a andar - Agora se você me der licença eu tenho que ir pra escola - antes que eu possa dar mais um passo sinto o meu braço ser puxado fazendo o meu corpo chocar contra o dele novamente.

- Deixa que eu levo você - Como uma pessoa pode ser tão linda assim, cara ele parece um anjo, percebo que estou olhando demais para o seu rosto porque  ele da um pequeno sorrizo de deboche - Quer uma foto eu acho que dura mais - dá uma risada rouca, maldito eu to fazendo papel de idiota, puxo o meu braço da sua mão com força.

- Não precisa eu sei andar muito bem - Me viro novamente mais mais uma vez sou empedida por um puxão no meu braço - Que saco da pra você me soltar eu vou chegar atrasada na escola.

- Entra na quele carro, antes que eu meta bala em você - que inferno de menino.

- Porque faz tanta questão de me levar? Me deixa em Paz cascete - tento puxar meu braço novamente mais ele o aperta mais me fazendo soltar um pequeno gemido de dor.

- Sem perguntas garota, agora entra no carro que eu vou te levar para essa porra de escola que você estuda - ele apertar mais o meu braço, idiota aposto que isso vai ficar roxo depois.

- Tá, agora me solta - puxo o meu braço e vou até aquele maldito carro abrindo a porta e entrando batendo a mesma forte logo em seguida, que raiva desse idiota.

- Se bater a porta do meu carro denovo eu juro que eu mato você ta me entendo - ele diz quando entra no carro, com uma expressão fechada, esse menino vive com cara de bunda, cara chato pior que mulher quando ta de TPM.

- Você já disse isso umas mil vezes pra mim, mais já ouviu falar daquele ditado cão que late não morde - Eu sei, to brincando muito com ele, mais eu não consigo sigurar a minha maldita boca. 

- Você não me conhece mesmo né garota? - ele me pergunta

- Conheço sim, você é Justin Bieber o maior mafioso da América, um cara frio e sem coração, que só sabe matar, beber e ficar com qualquer uma, tentando preencher o vazio que está aí nesse seu coração de pedra, então eu sei sim quem você é e digo uma coisa não achei grande coisa - parece que eu peguei no seu ponto fraco, ele me olha, pro um bom tempo como se com so um olhar ele pudesse me matar, confesso que sua expressão me dá medo, viro o meu rosto pra janela e encosto na mesma. Ele liga o carro em silêncio e começa a dirigir, é eu acho que eu peguei pesado, mais não é como se a minha opinião fosse fazer alguma diferença na vida dele. Como a vida pode ser estranha né eu sempre via notícias sobre ele e sua gangue, o quão temíveis e cruéis eles eram, mais nunca me imaginei do lado do líder deles o cara mais temido de todos, e muito menos me imaginei enfrentando o mesmo, nao sei aonde me deu tanta coragem, mais por um milagre ele não pegou a arma que provavelmente ele carrega na sua cintura e meteu bala na minha cabeça.

- Já chegamos garota - sou despertada dos meus pensamentos por uma voz rouca, eu olho na janela e percebo que estamos na frente da minha escola, vejo alguns alunos entrando correndo pelo portão, é deve ter batido o sinal.

- Obrigada Justin - tiro o meu cinto de segurança e abro a porta - Há e meu nome é Melissa - Digo antes de sair.

- Grande coisa - ele coloca o seu óculos escuros - Agora vaza do meu carro vadia - visf esse cara é muito estressadinho.

- Com todo prazer seu idiota - bato a porta com tudo e vou andando em direção ao portão da escola, nunca mais quero ver esse maldito na minha frente, como você é burra Melissa como pode se sentir atraída por um cara desses, sim o carro é bonito mais o que ele tem de beleza ele também tem de idiota, muleque grosso, viado, vou andando em meio aos corredores da escola sem nem ao menos prestar atenção aonde vou, estou com tanta raiva desse....maldito que nem estou prestando atenção, sinto o meu corpo se chocar contra o de outra pessoa me fazendo cair no chão, é hoje não é o meu dia.

- Ai...aí - Passo a minha mão na minha bunda, que droga, eu só me fodo mesmo, primeiro aparece aquele encosto do Justin e agora isso, o vida viu, olho pra frente vendo uma menina loira, tadinha eu aqui pensando no Justin que nem vi ela, me levanto e estendo a minha mão para ajudar ela a se levantar.

- Me desculpa, eu estava destraida que eu nem te vi - ajudo ela a se levantar - desculpa mesmo - Como eu sou desligada.

- Não sem problema - ela diz com uma voz doce, seus olhos sao catanhos escuros e seus cabelos sao loiros claros, ela parece uma boneca - Prazer eu me chamo Caitlin Beadles - diz a mesma me estendendo a mão.

- O prazer e todo meu, me chamo Melissa Conor - pego a sua mão e dou um sorriso para ela,  Não sei porque mais gostei dessa menina.

- É parece que eu achei uma amiga - ri com sigo mesma.

- Com toda certeza, vamos ser grandes amigas, to sentindo que você é das minhas Caitlin, cheira a confusão - Digo fazendo graça, e começando a andar com ela do meu lado.

- É como dizem as que tem cara de santinhas são as piores - Com toda certeza vamos nos dar muito bem, nao sei porque mais senti que a minha vida não seria mais a mesma apartir desse momento.

" talvez seja só emprecao minha ou não, mais seus olhos me transmitem confusão e talvez um pouco medo.

Mais não medo de mim, mais sim medo da vida, nao tenha medo amor, sempre estarei aqui para te conduzir, para te fazer feliz"




Notas Finais


Continua?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...