História Side to Side - Jikook - Capítulo 46


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Bangtan Boys, Bts, Jeon Jungkook, Jikook, Jimin, Jungkook, Namjin, Park Jimin, Taeyoonseok, Yaoi
Visualizações 654
Palavras 2.088
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Fluffy, Hentai, Lemon, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa Leitura! ^^

Capítulo 46 - 45 - Best Boyfriend


Fanfic / Fanfiction Side to Side - Jikook - Capítulo 46 - 45 - Best Boyfriend

“Sou feliz no amor e a culpa é sua!” Autor desconhecido

Jimin P.O.V’s

     Após uma manhã repleta de preguiça e romantismo, enrolados no edredom sobre a cama, decidimos nos levantar para um banho e aproveitar o resto do dia em um passeio por Seul. O passeio foi pedido de Jungkook, inventando que queria me levar a alguns lugares, andar em público de mãos dadas, algo que jamais imaginei que fosse sugerir, mesmo que já tenhamos feito isso. Acontece que o mais velho vem se modificando aos poucos, me deixando ver que não é apenas um sentimento repentino, ou a culpa da morte de minha avó consumindo sua consciência, Jeon parece me amar cada dia mais.

     Jungkook sugeriu um banho a dois, o que ocasionou um leve desperdício de água, já que mais brincávamos em baixo do chuveiro do que o banho propriamente dito. Como resultado dessa “brincadeira”, acabei com uma marca no pescoço, e as nádegas avermelharas de tantos tapinhas e apertos. Meu namorado definitivamente tem algum fetiche estranho com essa parte de meu corpo, e me deixar marcado é seu maior objetivo. Claro, namorar um ciumento resulta em ter todas as formas de mostrar para o outro que está bem acompanhado.

     Assim que saímos de casa, tivemos como primeiro destino do fim de semana, um parque natural da cidade, sendo sincero não sabia que Jungkook se interessava tanto assim pela natureza. O melhor de tudo, durante todo o trajeto me roubou beijos e abraços, ignorando comentários mesquinhos de alguns preconceituosos, e deixando um furo de reportagem para alguns fotógrafos que poderiam estar de plantão. Como se quisesse deixar marcado na cara da sociedade, que a garota se aproveitou da situação, e sou eu, seu verdadeiro amor. Com tanta atenção de uma só vez, me senti seguro, e verdadeiramente sendo amado por ele.

     Jeon é um ótimo companheiro, como se tivesse vários lados em uma só pessoa. Seu lado possessivo, autoritário e ás vezes flexível quando estamos entre quatro paredes, seu lado protetor quando alguém me ameaça, seu lado romântico quando estamos na frente de todos, e o seu lado mimado, o que eu acho mais fofo, quando indiretamente ele procura por carinho, muitas das vezes ao acordar. Sua mudança de personalidade é algo notável, até mesmo Hobi hyung elogiou isso enquanto conversávamos outro dia, ele disse que seu chefe parece outro.

     O nosso passeio terminou na casa de Namjoon, fomos visitá-los e muito bem recebidos por Seokjin. Foi ali que descobri que o mais velho também iria na viagem, o que me deixou mais aliviado já que Jungkook não ficará tanto tempo sozinho. Tenho a certeza de que ele me ligará todos os dias, já que dispensou a segurança vinte e quatro horas no meu pé. Devo agradecer aos conselhos de senhora Lee, talvez um puxão de orelha que a mais velha tenha dado em meu namorado.

     Estava ajudando Jin na cozinha, ou melhor, aprendendo uma receita enquanto ele declarava seu amor incondicional por seu novo jogo de panelas. Namjoon e Jungkook estavam atirados no sofá da sala, conversando enquanto dividiam uma dose de Whisky, o mais novo tem consciência de que precisa maneirar um pouco depois do ocorrido que o levou ao hospital. Vez ou outra via minha atenção presa na risada do mesmo, é nítida sua felicidade os dias em que estou por perto, como se eu fosse uma espécie de carregador em sua vida.

     -Ele mudou tanto. -Ouvi Seokjin dizer ao meu lado. -Você fez bem a ele, imaginei que após a traição Jungkook fosse se revoltar com qualquer tipo de relacionamento.

     -Não deu tempo dele se revoltar, me conheceu no mesmo dia em que ganhou os chifres como enfeite. -Brinquei com o assunto, ouvindo a risada do mais velho. -Se um dia eu encontrar novamente Yoona na rua, irei agradecer pela falta de noção que ela teve.

     -Sempre achei ela lunática. Namjoon e eu não tínhamos acesso fácil aquela casa quando ela estava lá. -O mais velho confessou. -Cansamos de dizer a Jungkook que aquela garota sempre quis se aproveitar dele, mas era um jovem deslumbrado, cego pela paixão.

     -Todos nos cegamos por amor em algum momento da vida, Hyung! O preço costuma ser caro às vezes. -Suspirei, me lembrando dos planos que fazia com Woojin nos primeiros meses de namoro. -Nunca conhecemos a pessoa o suficiente.

     -Está falando daquele filhote de demônio, não é? -Ele disse serrando os punhos, tomou certo ódio de quem nem mesmo conhece direito, todo por ver o quanto aquele cretino me feriu. -Você não tem culpa, Jiminnie! Estava procurando o apoio em alguém, uma pessoa que pudesse te ajudar com o fardo de problemas que carregava. É certo que confiava sua vida a ele, a alguém que chegou lhe prometendo o mundo.

     -E Jungkook não fez o mesmo? -Questionei, me lembrando que a primeira aproximação de Jeon foi por interesse físico.

     -Mas diferente de seu ex, Jeon já deixou aparente sua real personalidade, não fez questão de esconder o babaca que era. -Nisso eu sou obrigado a concordar. -No entanto, vocês aproveitaram a circunstâncias para modificarem o caráter um do outro. Estão há quase seis meses juntos, o que pensa de seu futuro?

     -Sendo sincero. Quero me formar no próximo período, o resto deixo ao encargo da vida. Ela nunca me foi uma boa aliada mesmo. -Sorri, sendo sincero no que pensar, afinal tive mais coisas tiradas do que ganhas em si. -Jungkook é tudo o que me resta, não sei o que seria de minha vida caso ele resolva me deixar um dia.

     -Conhecendo bem aquele moleque, diria que não vai se livrar dele tão cedo. -O mais velho sorriu, colocando os pratos sobre a mesa. -Se Jungkook foi capaz de enfrentar a família, e o melhor, se te apresentou ao avô dele, te abandonar é a única coisa que não passa em sua mente. -Meu coração disparou, e um sorriso instantâneo apareceu em meu rosto. -Chame aqueles dois para o café, vou tirar o bolo do forno.

     Fiz o que o mais velho pediu, a amizade de Seokjin se tornou extremamente importante para mim, assim como a de Hoseok, são como uma espécie de irmãos mais velhos, aos quais posso pedir conselho, e sei que estarão dispostos a me proteger e acolher ser for preciso. Quando cheguei à sala, Jungkook me chamou com uma das mãos, me puxando para seu colo quando me aproximei. Recebi um beijo apaixonado, ele não se importou nem um pouco com a presença de seu amigo, alias percebi pelo seu modo de agir, que meu namorado estava um pouco mais alegre que o normal.

     -Jungkook, o quanto de Whisky você bebeu? -Perguntei quando nos separamos, vendo ele mostrar dois dedos.

     -Duas doses duplas, Jimin! -Namjoon disse em seu tom normal. -Ele está acostumado, não se preocupe.

     -Acontece que ele está sem beber a quase uma semana, Hyung! -Falei encarando meu namorado novamente. -O que eu faço com você, Jungkook?

     -Faça amor, não brigue comigo. -Ele disse sorrindo, sabia que o Whisky apenas tinha o deixado mais alegre, mas não bêbado. -Me desculpa, Mochi.

    -Yah! Vamos, Jin hyung está chamando para o café. -Me levantei, o puxando em direção a cozinha.

    Durante o café, fomos conversando sobre assunto de viagens e meu novo trabalho, até começarem a falar sobre a vida de casados, o que me chamou a atenção foi Jungkook está bem focado na conversa, me deixando curioso sobre seu repentino interesse. Então Namjoon reparou na aliança de compromisso em nossos dedos, dizendo que sue amigo finalmente havia tomado a decisão certa, me assumir perante a sociedade, e mandando o preconceito para longe.

     No inicio da noite resolvemos voltar para casa, Jungkook estava com intenção de me levar a algum lugar, talvez o cinema que vimos adiando há um bom tempo. Ele dispensou senhora Lee, dizendo que não precisava fazer o jantar, iríamos sair novamente. Vi seu estado normal voltar após o banho frio, fiz o mesmo em seguida, procurando por uma roupa descente em meio as que eu havia trago, até Jungkook me aparecer com a sacola de uma das lojas caras ao qual está acostumado. Acreditando ser um presente do mesmo, estava pronto para recusar, não me sinto bem ficar aceitando tantas coisas assim, principalmente agora que voltei a trabalhar.

     -Se negar, Somin vai importunar até sua última geração. -Ele disse sério, me entregando a sacola. -Ela pediu que o motorista trouxesse, é um presente de sua cunhada, vai mesmo recusar?

     -Por que ela me mandaria um presente? -Perguntei com uma sobrancelha erguida.

     -Somin não precisa de um motivo para dar presentes. Na verdade se ela vê algo em uma vitrine, que lembro uma pessoa importante, simplesmente já é o bastante para comprar. -O mais velho explicou, mas logo encontrei o pequeno cartão ali.

     O bilhete dizia que era apenas uma forma singela de agradecer os cuidados que venho tendo com seu irmão mais velho, por aturar os momentos anormais de Jungkook, e amá-lo incondicionalmente. E por falar em meu namorado, esse disse que iria me esperar na sala, queria ser surpreendido pelo que estava dentro daquela sacola de presentes. Vindo de Somin, eu esperava até mesmo uma lingerie, já me acostumei com a forma maluca de garota, até mesmo a me manter mais calmo, e aceitar que minha cunhada é uma estrela nacional.

     Dentro da sacola havia uma calça de couro, peça que acredito que ficará marcada demais em minhas coxas, uma blusa branca e como sobreposição, uma camisa de botões listrada. Para completar a roupa que já estava em meu corpo, peguei um dos coturnos de Jungkook, algo que quase nunca o vejo usando, parecem mais enfeites em seu closet. Terminei de me ajeitar em frente ao espelho, ficando pronto quase meia hora depois de meu namorado ter descido para me esperar.

    Quando cheguei à sala, encontrei Jungkook distraído, brincando com Chimmy, que ao notar minha presença começou a latir mais alto. O mais velho se levantou, começou a se aproximar de vagar, até para em minha frente. Antes de dizer qualquer coisa, meus lábios foram selados com certa urgência, só me restava receber aquele beijo com tamanha intensidade com que me era dado. Uma das mãos me dava equilíbrio, já a outra acariciava minha bochecha, deixando mais aquecido o lugar onde a ponta dos dedos arrastava lentamente.

     Nos separamos pela falta de ar, e ainda ofegante ele me encarou, nunca se cansava de elogiar minha forma, coisa que me mantém mais seguro na hora de lhe acompanhar. Então reparei na roupa que Jungkook estava, uma calça preta com rasgos nos joelhos, a blusa da mesma cor, e a jaqueta vermelha, nos pés um par de coturnos, nem reparei quando ele os calçou. Lindo, estava novamente com a imagem de um adolescente, não o empresário sério e controlador que muitos dizem.

     -Não creio que vou te deixar sair com essa calça, Mochi! -Ele desceu uma das mãos, passando levemente sobre minhas coxas. -Devo lembrar a Somin que quando quiser lhe dar presentes, compre algo menos sexy. Não quero outras pessoas com pensamentos impuros a respeito do meu namorado.

     -Deixa de ser bobo, Jungkook. Eles podem apreciar a vista, mas apenas você desfruta do conteúdo. -Fiquei na ponta dos pés para sussurrar em seu ouvido. -Onde vamos, senhor?

     -Eu diria minha cama, mas não posso voltar atrás de uma promessa. -Jeon murmurou rouco, completamente afetado por minha provocação. -Você é uma perversidade total, Jimin!

     -Você criou esse pervertido, Jungkook-ssi! Deveria se acostumar. -Aproximei nossas bocas, puxando o seu lábio inferior entre os dentes. -Vamos! A noite nos espera.

     -Ela só está começando amor, acho que dá tempo de uma brincadeirinha. -Suas mãos foram direto para a barra de minha camisa.

     -Talvez mais tarde, amor! Agora vamos. -Respondi o encarando, ouvindo seu suspiro de frustração em seguida.

     -Primeiro vamos ao cinema. Depois vou te levar para jantar, e talvez passamos na boate, o que acha? -Ele perguntou enquanto me guiava até o carro.

     -Se ainda estiver animado, hoje estou a fim de dançar. -Vi sua expressão fechada em minha direção. -Com você, idiota! Vou dançar com você.

     Conformado com minha resposta, ele começou a dirigir em direção ao cinema, e minha única reação foi rir discretamente, enquanto observava a firmeza com que suas mãos estavam sobre o volante. Se fosse entre quatro paredes, aquelas mãos fortes estariam em contato com minhas nádegas, enquanto ouvia seus suspiros em meu ouvido, e meus gemidos ganhavam o som ambiente. Intensidade, está mais claro que nunca que essa palavra rege nosso relacionamento.


Notas Finais


PEDIDO: Leiam minha nova Jikook, Please! Link: https://www.spiritfanfiction.com/historia/prison-sans-grilles--jikook-13866063

Beijos e até o próximo capítulo! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...