História Blood Crown- Fillie - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias A Rainha Vermelha, It: A Coisa, Stranger Things
Personagens Beverly "Bev" Marsh, Billy Hargrove, Bob Newby, Chefe Jim Hopper, Dr. Martin Brenner, Dustin Henderson, Eleven (Onze), Kali "Eight" (Oito), Karen Wheeler, Lucas Sinclair, Maxine "Max" Mayfield / "Madmax", Mike Wheeler, Nancy Wheeler, Personagens Originais, Steve Harrington, Will Byers
Visualizações 99
Palavras 2.557
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Bem meus amores, queria lhes dar algumas notícias sobre a FANFIC.

Primeiramente, já organizei todos os capítulos, e já preparei o final, então apenas falta escrevê-los. Os capítulos irão demorar para serem escritos e postados aqui por conta das minhas provas. Terá um concurso e felizmente fui convidada, então tenho que estudar bastante sobre os assuntos, espero que me entendam. Leiam bem este capítulo, pois há pontas soltas que serão tratadas nos próximos capítulos. Boa leitura ❤️

Capítulo 9 - Chapter 9


Fanfic / Fanfiction Blood Crown- Fillie - Capítulo 9 - Chapter 9

Me sentei finalmente em minha cama, tarde para noite. Era meu primeiro jantar real, e isso me embrulhava o estômago. As meninas haviam me preparado perfeitamente, eu não parecia nem um pouco extravagante como as outras garotas da região, eu estava finalmente uma princesa sem os cordões pesados. Meu vestido era Lilás claro, assim como todos os outros, com um decote nas costas sem o laço que o anterior tinha. As sapatilhas colocadas em meus pés, que inclusive agradeceram pelas bolhas, estavam descansando bem nos mesmos. Escrevia minha carta para meus pais, pois sabia que Gaten, infiltrado aqui dentro, conseguiria mandá-la para minha família. As lágrimas que caiam de meus olhos minutos atrás eu insistia e falava a mim mesma que era a chuva, mas me recompus para não estragar a maquiagem.

Logo me levantei e guardei a carta dentro de uma gaveta de minha penteadeira, sai andando pelo quarto e ouvi três batidas na porta, acompanhado de meu nome. Abri a mesma e vi Caleb em seu impecável uniforme real. Um verdadeiro sentinela Dourado. Minhas mãos suavam levemente em tamanha ansiedade, mas me contive e começamos a andar.

-Hey, se acalme. Está tremendo. (Falou apontando para minha cabeça) Sinto isso.

-Eu não estou preparada psicologicamente para isto tudo, Caleb. (Falei sorrindo apontado ao redor. Um sorriso falso, assim como eu completamente)

-Bem, acho melhor começar a se preparar. Lady Saunders estará aqui. (Engulo seco)

-Mais essa? (Ele riu)

-Vamos lá. (Então uma enorme porta se abriu)

Na sala, havia apenas Cara e Jacques, acompanhados de seus filhos. Havia também Winona, Lady Saunders, sentinelas e por fim o nosso fornecedor de armas, além do mesmo guarda que eu vi mais cedo. Ouço passos de atrás de mim, e vejo ao meu lado Sophia com um sorriso estampado no rosto, olha pra mim e fecha a cara. Não tenho reação, permaneço com a mesma frieza de sempre e continuamos nosso trajeto, agora sem guarda-costas conosco.

-Queridas. Chegaram ao horário. (Cara disse sorridente se sentando na farta mesa, recém-colocada. Meus pais devem estar passando fome e eu aqui, esbanjando. Eu tenho nojo de mim mesma)

-Sempre. (Sophia respondeu por nós duas, e então nós nos sentamos. Todos.)

Noah assim que se sentou apertou minha mão trazendo calor e conforto. Eu precisava sair daqui, eu preciso fazer algo. Preciso de algo, mas não sei o que, e isso me desespera.

Todos começaram a falar divertidamente, de um jeito totalmente fora dos padrões passados por Lady Saunders. Inclusive ela me encarava sorridente, orgulhosa. Sabia que eu estava respeitando as inúmeras e sujas normas. Continuei comendo apenas o necessário, o que os padrões diziam. Estou cansada dos padrões, das falsas identidades que eles mantêm.

-Está calada hoje. Foi minha mãe? (Perguntou sussurrando. Nesta altura de voz de todos, a fala de Noah passou despercebida)

-Lady Saunders. (Respondi o mais suave possível, tomando o cálice luxuoso em minhas mãos, terminando minha refeição)

-Bem, ela se orgulha. (Sorrimos e de repente sinto uma pontada nas minhas costas. Winona percebe, e me encara)

-Millie, está bem? (Falou pela primeira vez com algum tom de preocupação. Aquilo não era normal. Todos se voltaram a mim)

-Eu… (Clique.) Eu preciso de… (Clique. Céus, o que está havendo comigo? Clique.) De ar… (Falei me levantando saindo apressada da sala, esbarrando até em alguns sentinelas)

-Me deixem ir atrás dela. (Ouvi Lady Saunders ao fundo)

Corro o mais rápido que posso, até que paro bruscamente. Clique. Poderes contra eu mesma? O que eu fiz? Clique. Um sentinela vem até mim, e tenta ver o que eu tenho, tenta me segurar em seus braços. Clique.

-Não encoste se não quiser morrer eletrocutado. (Ouço Lady Saunders dizer e o sentinela se afasta rapidamente. Clique. Ouço mais passos apressados. Todos vieram ver a garota elétrica? Clique. Olho para o corredor e vejo Lady Saunders junto com Winona.) Céus Millie, o que houve? Millie? (Perguntou mas minha visão saiu de foco. Eu não estava me controlando)

-Está cego? Peça para Jane vir! Agora! (Winona gritou enquanto Lady Saunders tentava me trazer de volta)

-Millie, são as faíscas? Precisa me responder! Millie! (Perguntou segurando meus ombros com força, mas logo se soltou, esfregando as mãos como uma pessoa quando se queima) Céus, você está energética! (Falou e Winona parecia mais preocupada ainda. Só não sei o motivo)

-Millie, vamos lá! (Winona diz inconformada)

-Jane! (Lady gritou e uma menina veio até nós, foi o tempo de eu ver meus irmãos boca suja num pequeno flashback)

-Muleques atrevidos! Quantas vezes eu já disse sem correr lá fora. Millie! (Falou enfaixando o joelho de meu irmão)

-Tá vendo Nick! Eu avisei que o dedo-duro do Chad ia falar alguma coisa! (Charles disse com rancor enquanto Chad o olhou mortalmente)

-Mamãe, o Chad apenas exagerou um pouco. (Falei em defesa) E vocês dois que quase quebraram a vizinhança inteira!

-Ah vai tomar no… (Charles ia falar mas minha mãe o interrompe)

-Irei fazer você engolir sabão! Vamos, me dê o braço. (Falou nervosa)

-Millie? (Ouço a rainha me chamar. Eu ainda estava na mesa. Tudo não se passou de uma ilusão. Olho para ela, e ela parecia confusa, ou seja, não foi ela quem fez tudo aquilo) Está bem querida? Está quieta.

-Está com medo de pagar algum mico. (Sophia disse com graça na voz mas Finn a olha fazendo se encolher em seu lugar.)

-Estou bem. (Respondi deixando todos em silêncio. Pensavam que a prateada iria se revoltar? Não, não irei dar este gosto a eles) Agora, se me dão licença, vou me retirar. (Falo e me retiro da mesa, um grande alívio)

[…]

Ninguém disse que iria ser fácil, mas ninguém disse que iria ser tão difícil assim.

Viver aprisionada em um castelo, com regras a seguir e regimes a serem cobertos, era sem sombra de dúvidas uma das piores punições que já passei. Era tarde da noite, então ouço passos em volta de meu corredor. Por curiosidade, abro a porta, dando de cara com Finn que nem um furacão. Sua feição não era das melhores.

-Finn? (Ele me encara) Desculpe, Alteza. (Falei fazendo uma reverência, afinal, eu não era da corte de qualquer jeito)

-Posso confiar em você?

-Hum… (Falei sozinha. Nem eu mesma confio em mim.) O que houve?

-Venha. (Falou puxando minha mão)

-Sabe que isto é totalmente ruim para nós dois, não? (Falei correndo junto a ele, sua mão segurando a minha. Seu calor era diferente de Noah, era mais confortável, me deixava mais à vontade) O que irão dizer?

-Não irão. Conheço cada canto daqui, Millie. (Falou parando em uma sala, a invadindo. Hesito mas ele me deixa passar totalmente, e então vejo uma sala de planejamento)

Alí havia planos e mais planos, táticas e coisas de guerra e tudo o que eu temo. As coisas eram mostradas como facadas, socos. Antes de tudo, vi Finn se apoiando em uma das mesas, preocupado:

-O que houve? (Tornei a perguntar)

-Eu não me sinto, Millie. Eu não sei o que vou fazer! (Falou passando as mãos no rosto. Tomo a liberdade de tirá-las do mesmo)

-Hey, não fale isto.

-Millie, você não entende… Fui ensinado a isto, mas eu não me sinto rei. Não me sinto o que meu pai é. (Sei que tinha algo por trás. Seus olhos denunciavam. Ele queria ser rei, nasceu para isto, mas seu pai fez algo e ele não se orgulha disto)

-Finn, o que está me escondendo? (Falei percebendo a idiotice que disse) Desculpe… Esqueço que não faço parte daqui às vezes. (Falei me afastando, mas ele me segura pelo pulso. A eletricidade percorre meu corpo em faíscas internas)

-Corrupção, Millie. Alguém da corte extraviou dinheiro de algum lugar, não sei de onde, mas estamos ganhando muito apenas para os impostos. Tem algo nisso, não bate. Nada bate. E meu pai pode estar envolvido! (Ponho as mãos na boca, aquilo se tratava de um crime, e eu talvez faça parte dele. Eu sou suja assim como eles.)

-Finn, sabe que esta é uma grave acusação, não?

-Sei. Por isto estou te falando. Posso confiar em você? (Falou com seu olhar cansado. A luz de uma das velas ofuscava seus olhos como um obscuro universo. Seu olhar antes escuro, agora vermelho)

-Você quem dá as ordens. (Falei cruzando os braços)

-Preciso de ajuda. Sinto que não vou suportar, e Sophia não irá me ajudar de qualquer forma. (Falou agonizado) Não tenho para onde correr Millie, aos poucos Clark vai nos engolir, e não sei o que iremos fazer.

-Você é o soldado. Pense em o que um soldado faria na guerra. (Falei tentando dar o meu melhor. Não tive escola, mas pelo menos eu estava aqui, e a briga poderia afetar minha família)

-Se eu descobrir algo e vazar…

-Será uma guerra civil. (Falei pensativa. Ele sorri em resposta)

-Exatamente. Eu não posso causar isto em meu primeiro ano de reinado. Meu pai nunca teve estes problemas, e eu antes mesmo de me tornar rei já tenho um maior.

-Já pensou na possibilidade de… Seu pai… Você sabe. (Falei mais suave) Pegar este dinheiro?

-Não! Lógico que não! Nossos reinos são bem diferentes, você sabe disto. (Assinto. Acredite, majestade, eu sei mais do que ninguém) Talvez eu tire algo de meu pai, mas tenho certeza que ele não sabe deste dinheiro. Eu teria que ter assinado, assim como Noah. De onde surgiu isto, céus? (Socou a mesa, não tão forte para não fazer tanto barulho, mas vi sua mão começar a arder em fogo)

-Não fazendo de nós amigos, afinal, sabe que Dourados e eu não batemos mas… (Ele se deu abrir um sorriso) Acho que posso te ajudar nisto.

-Por que me ajudaria?

-Bem, isso pode arruinar minha família. Meu vilarejo. Quero protegê-los além de tudo neste mundo, e creio que você também. (Falei e ele assentiu)

-Lhe chamarei. (Falou e eu assenti saindo da sala, até que ele me chama) Millie?

-Sim?

-Sobre a aula de hoje... (Falou embolado nas palavras) Não sabia que você lutava bem assim.

-Bem, vindo de um general. (Falei percebendo em sua mesa algumas medalhas da guarda real em sua mesa) Eu me sinto orgulhosa. (Sorri fazendo ele rir)

-Não, Millie. Eu falo sério. (Falou se recompondo) Você soube bem a hora de agir. (Falou se aproximando) Sem treinamento. Usou os poderes com sabedoria. Muitos lá dentro não fazem um terço do que você fez. (Falou praticamente colando nós dois) Acabou com eles.

-Imaginei sua mãe ali, e esta foi minha mira. (Deu um sorriso triste me deixando confusa) O que… (Ia dizer até ser interrompida por uma voz familiar vinda do corredor. Gaten) Oh, tenho que ir. Boa sorte. Amanhã me conte as novidades. (Sorri colocando rapidamente as mãos em batidas rápidas sob seus ombros)

Sai correndo dali vendo o mesmo embolado em suas botas reais. Ao me ver, sua expressão de alívio quase me deu um ataque de risos, mas me contive.

-Eu irei matar Sadie. Eu juro. Onde está a bendita carta? (Perguntou e eu sorri)

-Venha comigo. (Falei o puxando)

[…]

Gaten estava me guiando dentro de um túnel, o qual eu nem sabia da existência. Não conseguia sentir nenhuma eletricidade, muito menos passos além dos nossos ecoarem. O local empoeirado denunciava que aquilo não era usado a tempos.

-Por aqui. (Avisou e eu o segui)

-Como entrou aqui dentro?

-Sadie me obrigou a me fazer de Dourado, falsificou alguns documentos, mas não me deixou a par de tudo, creio eu. Acho que tem algo maior entre a Guarda Escalarte. (Gelo na mesma hora?

-Guarda Escalarte?

-Não sabia? (Falou como se fosse óbvio. Vejo uma saída iluminada pela tocha na mão de Gaten)

-Não. (Falei confusa, saindo juntamente a ele daquele local. Finalmente livre. Finalmente eu sendo Millie)

Logo que saio vejo um cavalo negro como ébano, em cima os cabelos ruivos de Sadie traziam destaque. Assim que botou os olhos em mim, sorriu deixando um pouco do orgulho que um dia eu também tive de lado.

-Lady Titanos. (Fez uma reverência e todos rimos em resposta)

-É perigoso demais. Digam o que vocês fazem aqui. (Falei me abraçando tentando me proteger do vento daquela noite)

-Estamos esperando a nossa querida companhia de honra. (Ouvimos um barulho) Está vindo. (Falou descendo do cavalo, olho para trás e vejo a pessoa que eu menos pensei que iria ver)

Noah.

-Millie? O que ela faz aqui? (O mesmo perguntou confuso)

-Os dois estão aqui, isto que importa. Agora me diga, majestade, o motivo de querer se juntar a nós.

-Bem, começou na arena. Eu tive um amigo, o Jacob. Ele e eu éramos bem próximos, praticamente o melhor amigo, e também o único, viver nos padrões do castelo não lhe dão muitas escolhas. (Meu coração doía a cada palavra que ele falava) Por fim, ele morreu na minha frente, por minha culpa. Sua lealdade valeu a sua morte, e ninguém o ajudou… (Lágrimas saíam de seus olhos que com a luz da lua ficavam azulados) Ninguém honrou sua morte. Ninguém. Eu fui a única pessoa com quem ele falava tudo. E agora meu pai rege tudo apenas com Finn, pois ele não demonstra emoções como eu. Ter sentimentos à flor da pele é ruim para um legado. (Abaixei a cabeça, mas sentia o olhar de Gaten sobre mim) Finn é perfeito, e eu não sou o único que acha isso no reino. Acho que estou sobrando ali. (Terminou simples)

-A sombra da chama. (Sadie começou a andar pelo gramado) Sabe que terá de enfrentar uma grande luta, não sabe?

-Sei, e eu quero me juntar. Quero mostrar que tenho potencial.

-Pois bem, saiba que não será fácil. Estaremos de olho em você. Bem, estamos reunidos apenas nós para mostrar o plano. Me acompanhem. (Falou jogando seu cabelo ruivo para trás)

Andamos próximos do cavalo, e ela retirou um mapa parecido com o que David tem em sua sala, mostrando pontos pintados em prata. Sorri em ver, e talvez alguém tenha percebido, mas eu não me importo. Me sinto viva ali, em meio ao perigo. Minha natureza é esta e ninguém vai tirá-la.

-Bem, começaremos por vocês. No baile de noivado será um bom alvo, Noah me passou alguns que podem nos atrapalhar de certa forma. Pessoas que merecem a morte. (Engulo seco sem olhar para Noah) Millie, evite ficar perto dos sentinelas, nossos alvos estarão provavelmente por perto, e não queremos nada indesejado. O papel de vocês será aguardar o toque de Gaten, e então sairão de cena. A arte começará lá dentro, e precisamos de vocês dois à salvo. Por sorte alguns túneis dão para uma vila prateada, vocês irão para as redondezas dos túneis, mas não irão atravessá-los. (Sinto algo estranho mas prefiro não comentar. Aliás, não devo confiar em ninguém) Ficarão lá. Cada um receberá uma ordem diferente, por isso teremos infiltrados ali dentro. Acho que por hoje é só, antes que percebam o sumiço de vocês. (Assenti e fui a primeira a acenar e ir embora. Eu estava prestes a entrar numa guerra nem um pouco fácil)

Caminhei pensando em tudo, com Gaten e Noah discutindo sobre o assunto atrás. Finn me disse que tinha uma corrupção dentro de nosso castelo, o qual ele ainda estava estudando. O dinheiro que o rei pega dos supostos impostos não batem com as contas, e ele confiou em mim em guardar isto em segredo. Eu estou traindo o reino completamente, mas pelo menos preciso ter um bom senso de que talvez alguém que não tenha culpa saia prejudicado.
Talvez alguém saiba e conte a rainha, equivalente a retirar nossas cabeças, mas acho que pelo menos eu morrerei por meu povo, e lutei. Talvez um dia alguém chore em minha lápide, ou talvez alguém a saude, nunca se sabe.

Agora eu sei exatamente,

o sentimento de ser enterrada viva.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...