1. Spirit Fanfics >
  2. Simon Says ( imagine NCT) >
  3. Capítulo III

História Simon Says ( imagine NCT) - Capítulo 3


Escrita por:


Capítulo 3 - Capítulo III


Ten sai da sala quando seu segurança chega, e assim os dois somem em um piscar de olhos. 

Yuta entra de novo na sala, dessa vez com mais calma.


- Rossi. - Fala ele segurando o no ombro dela. 


- Conseguiram conter os invasores? - Perguntou ela sem olhar pra ele. 


- Na verdade nós não fizemos nada, eles apenas saíram. Sem dizer ou fazer nada, apenas ficaram parados em frente a porta e as janelas do primeiro andar.


- Peça para prepararem um vôo... - Dá um longo suspiro e olha pra ele. - Você pediu que os seguissem?


- Sim, mas não recebemos nenhuma informação até o momento. Ah, os outros herdeiros estão aí, cada um com o nariz mais arrebitado que o outro, tenho pena de você! - Falou em tom de deboche fazendo a policial rir. 


- Só você pra me fazer rir. 


Os dois saem da sala de interrogatório e vão até a sala principal da casa. Lá eles encontram Jaehyun, Mark e Kun. Todos sentados nos sofás, com vários seguranças a volta deles. 


- Não podemos mais ficar aqui certo? - Perguntou Jaehyun. Alessandra apenas assente. - E pra onde vamos?


- Itália? Dinamarca? Holanda? Temos muitas opções, certo policial? - Fala Kun de uma forma fria e seca, com seus olhos vidrados no chão.


- Vamos para o Reino Unido. Tem uma base lá, ficarão protegidos, por um tempo. Eu e Yuta iremos com vocês. - Fala fazendo com que Kun a olhe fixamente nos olhos de Alessandra.


- E eu também irei. - Fala uma voz feminina que para alguns era desconhecida, mas para Jaehyun e Alessa, era familiar. Era Soomin. 


- Que bom ver você. - Fala de forma calma e suave. Soomin assente com a cabeça e dá um pequeno sorriso. 


- Posso falar com o Jaehyun? É rápido, e enquanto isso você pode interrogar os outros. - Fala ela se posicionado ao lado da policial.


- Tudo bem, Jaehyun?  


O herdeiro se levanta do sofá e segue a moça até um corredor.


- Sua mãe está bem. O tiro foi na bacia, o que causou uma consequência, pois a bala atingiu o útero. Já fizeram a cirurgia, ela acordou e está reagindo bem aos medicamentos.


Jaehyun fita Soomin com um olhar confuso e ao mesmo tempo desconfiado, por qual motivo atirar somente na bacia? Tinha certeza que a mãe tinha o abdômen e principalmente a cabeça livres. Não foi um tiro para matar, e ele sabia exatamente o que isso significava. 


- Não foi um tiro para matar, pois eles poderiam atirar no peito ou na cabeça. - Jaehyun fita a mulher que o olhava seriamente. - Sabe o que isso significa, certo? - Soomin apenas confirma com a cabeça. 


- Vou falar com a policial Rossi sobre isso. - Ela fala e sai.


Soomin volta a sala e Jaehyun logo em seguida.


- Antes de irmos eu queria falar com o Mark. Poderia me seguir por favor? - Mark se levanta e a segue até a sala de Interrogatório.  



Sala de Interrogatório, 12AM



- Senhor Mark Luwerd. Vou fazer algumas perguntas e quero que me responda de forma clara e objetiva. Você conhecia Lee Taeyong? 


- Sim. Mas nós só nos cumprimentamos, foram duas ou três vezes apenas.


- Certo, o senhor sabe alguma coisa sobre a morte dele- Apenas que foi um incêndio. 


- Sabe de alguém que poderia querer ele morto? 


- Bom... - Mark suspira profundamente, e olha para o espelho. - Tem a família DeJun. O pai do Taeyong era meio irmão do pai do Xiaojun, o herdeiro da família DeJun. Ele sempre teve um pouco de ciúmes do Taeyong, até que o pai dele morreu. Depois da morte do Presidente Lee as ações dele começaram a cair, o que fez com que a família DeJun se tornasse uma das cinco famílias. Mas foi durante pouco tempo, logo as ações subiram de novo e o Presidente DeJun não ficou nada contente com isso. Ele ficou igual a uma criança quando perde no jogo de videogame.


- Quer dizer então que o Presidente DeJun não sabe jogar, que lastimável. - Ela olha fixamente para Mark. E solta um longo e pesado suspiro. - E você?  


- Não sei jogar, apenas cartas. 


- Gosta de cartas? - Ela perguntou estreitando os olhos e abrindo um pequeno sorriso, o que fez com Mark sorrisse de volta.


Ele apenas assente dando um sorriso dócil, poderia até parecer inocente e indefeso, mas ela não sabia que ele poderia ser a pior pessoa do mundo quando queria, que ele poderia ser estrategista, e que poderia esconder um grande segredo consigo.



Manhã do dia seguinte

Inglaterra, Londres



- Estão todos presentes aqui? - pergunta Alessa para os herdeiros. 


Ten está lendo o jornal, Kun joga cartas com um oficial da sua guarda particular e Mark joga vídeo game. 


Todos estão ocupados demais com os seus brinquedos que nem prestam atenção na agente. Então todos olham um para o outro, como se um sinal que só eles pudessem sentir os fizessem acordar do transe. 


Algo super magnífico poderia acontecer, mas eles apenas voltam a fazer o de antes e ignoram novamente Alessa. 


A agente coloca a mão nas têmporas e bufa. 


- Onde está Jaehyun? - pergunta ela. 


- Bebendo- fala Kun sem tirar a atenção do jogo. 


- Depois que ele completou a maioridade, ele acabou virando um amante de vinhos- diz Mark, enquanto faz uma manobra difícil no jogo. 


- Como você sabe disso? Vocês nem olhar nos olhos dos outros olham - rebate Alessa. 


Ten retira os óculos de grau redondos e os deixa de lado junto com o jornal. Ao tombar a cabeça um pouco para o lado e passar as mãos no cabelo negro e macio, todos agrediram que alguém cairia duro no chão por tanta beleza. Mas isso não acontece. 


- Vocês não são os únicos que conseguem informações sobre nós- diz Ten olhando como se visse os pecados de Alessa. 


Ela dá um passo para trás e algo passa rápido pela mente. A agente aperta o seu ponto no ouvido e convoca Yuta. 


Os herdeiros observam Alessa sair da sala correndo e Kun chama um empregado. 


- Gostaria de uma xícara de chá, por favor. 


- E eu gostaria de uma taça de vinho tinto- fiz Ten olhando para Kun. 


Eles abrem um sorriso e voltam a ler o jornal ou jogar cartas. 


***


- MERDA! - grita Alessa ao chegar à cozinha. 


Yuta chega correndo e fica chocado com o que vê.


Jaehyun está deitado no chão parece estar dormindo. Mas ele está morto. 


- Como isso aconteceu? - pergunta Yuta checando os sinais vitais do quarto herdeiro. 


- Mark disse que ele deveria está bebendo um pouco de vinho e senti algo suspeito. Porque aqui não tem bebidas alcoólicas. Então achei estranho e te chamei. 


Yuta se levanta e percebe que há algo perto da mão de Jaehyun. Ele pega o objeto e o coloca contra a luz. 


Uma folha de papel negra, do tamanho da sua mão, com o desenho de um bobo da corte sorrindo deixa Yuta chocado. Poderia ser algo de alguma brincadeira infantil e idiota, a qual eles já estão cansados de brincar. Mas parece ser algo realmente importante e que dê alguma pista sobre esse  tal jogo. 


- O que foi Yuta? - pergunta Alessa se aproximando. 


- Essa carta, ela... Eu já a vi em algum lugar...- diz ele torcendo o nariz- ….em algum lugar- concluiu. 


A mulher pega a carta e à avalia. 


- Retirem o corpo daqui e leve para fazer autópsia e coloque proteção máxima na base. Quem matou Jaehyun é alguém que trabalha aqui- diz Alessa se retirando da sala a passos rápidos com a carta nas mãos- Quero saber como e o que o matou ainda 




Notas Finais


Me perdoem qualquer erro {🌼}


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...