1. Spirit Fanfics >
  2. Simple Promise of love >
  3. Hearts

História Simple Promise of love - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Créditos da imagem estão na imagem kk Espero que gostem do capítulo, pq eu amei, e me emocionei muito escrevendo ele.

Capítulo 6 - Hearts


Fanfic / Fanfiction Simple Promise of love - Capítulo 6 - Hearts

~4 dias após o acidente, na parte da tarde no hospital.

 

    Axel estava perplexo de como é azarado em sua vida, não só sua melhor amiga desapareceu fazia a meses como seu melhor amigo, Saix resolveu mudar de cidade. O ruivo teria uma vida monótona se não fosse seus amigos e estava consciente disso, afinal, seus dias anteriores estavam de tal forma. Naquele dia do acidente, estava do mesmo jeito, mesma rotina, acordar, comer ir ao trabalho, até que, um garoto, lindo aos seus olhos e gostos, olhos azuis e rosto emburrado apareceu em sua frente. Axel nunca se resguardou sobre sua sexualidade, sempre foi aberto sobre tal, em seus 20 anos de vida, sempre soube que é gay. O loiro que estava em sua frente era totalmente seu tipo, e não sendo tímido Axel tinha em mente pedir seu número, mas estava tão fascinado a beleza do jovem que não notou que o mesmo já havia saído e tinha esquecido de pedir o número, de mesmo modo que percebeu que o loiro esqueceu sua caixa de ovos no balcão do caixa. O ruivo correu atrás do mesmo, e bem, houve o acidente. 

    O jovem ruivo, decidiu ir visitar nesta tarde o garoto que tem prendido seus sentimentos e pensamentos. Foi a recepção do hospital falar seu nome para assim ganhar acesso para poder visitar ao jovem hospitalizado. Subiu as escadas e assim, estava em frente a porta. Bateu, esperou e ninguém respondeu, resolveu abrir a porta e adentrou o cômodo, avistando que o loiro já estava acordado e seu rosto estava com uma definição de “papel em branco”. Doeu o seu coração ver o loiro de tal forma, o mesmo o olhou de volta, não reagindo.

 

“Oi...Tudo bem?”_ Axel acena ao garoto.

 

“...” _ Não houve resposta.

 

“Bem, me chamo Axel. A gente não se conhece, digo, nós vimos apenas uma vez haha...Mas me chamo Axel. Guarde na memória.”

 

“...”_ Roxas não falou nada, tão pouco esboçou reação. Axel fico um pouco desconfortável mas continuou.

 

“Bem, Roxas certo? Eu perguntei ao médico e ele consentiu. Eu trouxe algo MUITO gostoso para nós.”_ Axel levanta uma sacola que havia em suas mãos.

 

“Sabe o que é? Bem, se chama Sea Salt Ice Cream, bem, são picolés. Do melhor sabor que existe. Espero que goste Roxas.” 

 

    O ruivo pega um dos picolé da sacola abre a embalagem e entrega nas mãos do garoto, o mesmo não estava entendendo muito bem quem era aquele rapaz em sua frente e por quê está forçando tanta conversa sendo que o próprio disse que só se viram uma vez, mas não tinha porque negar o gelado já que o próprio médico havia permitido. Dito isso, Roxas levou o picolé em sua boca, abrindo seus lábios e dando uma mordida. Sua cabeça deu uma leve congelada devido ao alimento, mas logo o sabor do mesmo adentrou em seu corpo, deixando certas palavras fugirem de seus pensamentos e saírem por sua boca.

 

“Salgado...mas doce.”

 

    Axel se assustou, foram as primeiras palavras que o loiro fala desde que entrou no quarto, deixando o ruivo empolgado o suficientemente para continuar falando com o mais novo.

 

“SIM! Exatamente! Novamente, se chama Sea Salt Ice Cream, guarde na memória! Haha” _ Axel se sentou em uma cadeira ao lado da cama, pegando para si próprio o mesmo gelado abrindo a embalagem e começando a comer. 

 

    Umas horas se passaram, não houve muita conversa por parte de Roxas, esse, que apenas ouvia o ruivo conversar e falar de coisas da vida. Roxas não questionava nada sobre o que Axel falava, tão pouco perguntava sobre sua própria vida. Devido a hora de visitação ter limite, logo uma enfermeira entrou no quarto pedindo para o mais velho se retirar, assim foi feito, Axel acenou ao garoto e o prometeu ir mais vezes.

 

~5 dias após o acidente, na parte da tarde no hospital.

 

    No dia seguinte em um horário mais cedo que o horário visitado no dia anterior, o ruivo manteve sua promessa indo visitar o garoto. Chegando em direção ao quarto de Roxas, notou um rosto conhecido, um garoto moreno estava parado em frente a porta.

 

“Não vai entrar?”_ Axel perguntou ao garoto.

 

“Hã?!”_ O moreno se assusta, virando para trás vendo o ruivo com uma sacola cheia de picolés.

 

“Eu...Não vou. Não tenho coragem…”_ O garoto saiu correndo com lágrimas em seu rosto.

 

    Axel estava confuso, esse garoto era o mesmo que estava no dia do acidente chorando, pelo que se lembra, o nome dele era Sora. Não sabe qual é a ligação do mesmo com Roxas, mas por fim decidiu mudar o pensamento. Bateu na porta do quarto e entrou no local, avistando o loiro novamente sentado olhando para a janela do local. A vista era bela, o ruivo estava estupefato pela vista em sua frente, a luz adentrando o local batendo ao rosto do garoto, sendo refletido aos cabelos loiros, deixando os olhos azuis nítidos e exaltados. Era uma vista maravilhosa e empolgante. Axel não pode deixar de sorrir.

 

    Uns segundos se passaram, e o loiro notou que havia mais alguém no quarto, virando sua face em direção ao mesmo.

 

“Oi.”_ Roxas disse apenas uma palavra, apenas um comprimento, foi a primeira palavra que falou em iniciativa e desde o dia anterior, deixando Axel em mais êxtase de felicidade.

 

“Opa. Eae Roxas. Como vai seu dia? Eu trouxe novamente os picolés.” _ O ruivo levanta a sacola mostrando que estava cheia dos famosos Sea Salt Ice Cream.

 

    Uma hora se passou, não tendo tanto progresso em conversas, mas Roxas estava mais confortável na presença do mais velho. Esse, notou que precisava sair, já que tinha um compromisso naquela tarde, acabou se despedindo do loiro e indo embora. Na mesma tarde Uma garota de cabelos pretos, soube que seu crush de primeiro olhar havia se acidentado, assim, recebendo permissão da família, decidiu ir vê-lo no hospital. Chegando ao local, foi a recepção, pegou o crachá de visitante e foi em direção ao quarto do loiro, batendo na porta, como não houve resposta, decidiu por fim, entrar, logo de cara, notou um rosto olhando em sua direção, o que a assustou.

 

“Uaah!!”_ Disse a garota se assustando, Roxas se assustou também com a visita repentina e de uma pessoa que não conhece.

   

    Xion se estabilizou mentalmente, e por fim sorriu para o garoto, indo em direção ao mesmo e sentando na cadeira.

 

“Oi.”_ Disse a garota com um sorriso em seu rosto. Roxas não a respondeu.

 

“Bem, me chamo Xion. A gente se viu algumas vezes, digo, conversamos também. Eu soube que você se acidentou…E aqui estou, vim ver como você está.”

 

    Roxas não sabia o que falar ou reagir, não esperava a visita da garota, na verdade, não esperava visita de ninguém fora sua família, apesar de si próprio nunca ter visto os mesmos, ou eles o visitam na parte da noite enquanto dorme, ou talvez eles não se importem com ele, suficientemente para visitá-lo. Seu rosto se fechou, estava triste. Afinal, não sabia nem quem era, e parece que nem sua família se importa com ele. A morena notou a expressão do loiro e o segurou firme em sua mão.

 

“Ei...Não se cobre tanto. Talvez minha visita tenha sido em hora errada, mas não se preocupe, não quero te fazer mal. Quero que você sorri e seja aquele garoto gentil e descolado que eu conheci. Vai com calma. Vamos, me fale o que você tem pensado.” _ Xion solta um sorriso para o mesmo.

 

    O loiro chegou em seu ápice, começou a chorar, não entendia quem era, tão pouco por quê se acidentou. Queria apenas informação, mas tinha medo da verdade. Xion o abraçou gentilmente e começou a fazer carinho no cabelo do loiro, entrelaçando seus dedos finos e gentis em cada mecha de cabelo, passando devagar e gentilmente. Logo o loiro parou de chorar e se levantou do ombro da garota.

“O-obrigado...Xion.” _ Roxas soltou um leve sorriso ao pronunciou o nome da garota, essa que ficou muito feliz.

 

“De nada, Roxas.”_ Ela o responde, sorrindo novamente.


 

~X dias após o acidente.

 

    Dias após o acidente, Axel e Xion continuaram visitando Roxas, mesmo eles nunca se encontrando, ambos cuidavam do loiro da mesma forma, dando atenção, carinho, e é claro, picolés. Roxas tem aumentado muito seu afeto pelo ruivo e pela morena, sempre esperando a visita dos mesmos. Até que um dia, dois garotos que nunca viu, entraram no quarto.

 

“Roxy...Eu...Sinto muito.”_ O moreno segurava sua camisa com suas mãos com muita força, estava muito abalado, seus olhos se lacrimejavam ao ver o estado do seu amigo, se é que o que ele sente é apenas sentimentos de amigo.

 

“Irmão...Olha. Desculpa. Eu...Não quero te perder. Eu vinha na parte da noite, preferindo que você não me visse, eu não queria… eu não queria ter que explicar coisas dolorosas para você e para mim...Eu fui covarde. Mas eu quero te ver, te ver acordado e bem. Olha-”_ Ventus foi interrompido por Roxas.

 

“Quem são vocês!? Saem daqui!”_ Roxas começou a gritar, de alguma forma, se sentia desconfortável na presença daqueles garotos. Seu peito e cabeça doíam fortemente. Até que, Axel e Xion entraram no quarto. Sua mente se sentiu aliviada, afinal, ambos eram seus amigos. Pediu ajuda aos mesmos, mas ambos começaram a defender os outros garotos, e quando Axel mostrou seu reflexo no espelho, e o rosto mostrado era o mesmo do garoto desconhecido, sua cabeça explodiu de choque, desmaiando.

 

~Dia atual após o acidente.

 

“Olha, o que vocês fizeram foi um grande erro. Eu entendo vocês querem visitá-lo, mas todos juntos, e tanta informação ao mesmo tempo, foi de grande choque a Roxas. Entendam, não venham todos juntos por favor.”_ Disse o médico Ienzo repreendendo Axel, Xion, Sora e Ventus.

 

“Eu vou ir em minha sala, qualquer coisa venham me visitar. E novamente, não entrem juntos no quarto.”_ Disse o homem de cabelo azul indo em direção as escadas. 

 

    Os quatro jovens estavam em um péssimo clima, não sabia muito o que dizer.

 

“Boa ideia Axel. Mostrar no espelho que Roxas é gêmeo de Ventus.” _ Xion fala.

 

“O-o quê?! E acha que era certo esconder algo tão óbvio como isso? Uma hora ele iria descobrir.” _ Axel retruca.

 

“Xion...Você tem visitado o Roxas? Por quê?”_ Sora pergunta meio preocupado e enciumado. 

 

“Sora...? Bem, somos amigos, ele e eu. Claro que fiquei preocupada. Mas agora eu te pergunto, por quê não o visitou antes?” _ Xion responde.

 

“Ah é verdade. Eu vi Sora certo dia na porta, mas não entrou. Disse algo como ‘não tinha coragem’.” _ Axel fala.

 

“Bem...Eu…”_ Sora estava envergonhado. Não queria ser questionado disso, já que se trata de seus sentimentos. O motivo no qual não visitou Roxas, além do medo de vê-lo nesse estado, era também porque não sabia sobre seus próprios sentimentos, não achava certo o visitar quando seus próprios sentimentos eram tão incertos e indecisos. Mas depois de tanto pensar se sentiu forte suficientemente sobre seus sentimentos por Roxas. O quer bem, saudável e feliz, e se possível, ao seu lado. Sora estava com a cabeça abaixada quando foi questionado, mas quando pôs em ordem seu pensamento, levantou sua cabeça, agora seu rosto determinado.

 

“Eu decidi não fugir mais. Eu amo Roxas. Não vou entregá-lo a mais ninguém.” _ Dito isso, Sora, saiu correndo, precisava esclarecer certas coisas antes de se declarar a Roxas. Mesmo que o loiro não se lembre, mesmo que ele não sinta mais nada, Sora quer se acertar com duas pessoas importantes em sua vida.

 

    Ventus soltou um sorriso sincero quando Sora disse tal coisa de forma séria e sincera. Voltou seu rosto a Axel e Xion.

 

“Bem, Sora disse o que ele se sente. Agora é minha vez. Xion eu conheci aquele dia na casa do Sora e Axel apenas no dia do acidente de meu irmão. Não conheço vocês direito, mas quero que saibam.” Ventus esboçou um rosto sério e assustador.

 

“Se machucarem meu irmão, eu não vou perdoar vocês, tão pouco deixar barato. As visitas de vocês o fizeram bem, e que continue assim.”_ Ventus, se despediu, e foi embora, deixando Axel e Xion assustados.

 

“Er...O que aconteceu?”_ Xion agarra na blusa de Axel.

 

“Acho que recebemos um aviso de guerra de um e um alerta de morte de outro.” _ Axel a responde. “ Hahaha, bem, não vou desistir tão fácil, guarde na memória Xion.” _ Disse o ruivo indo embora.

 

“Ei! Espero, também vou embora.” _ Disse a morena o seguindo.

    Mais tarde daquele dia, Sora manda mensagem a Kairi, queria acertar sua relação com ela o mais breve possível.

 

[Sora]

 

-Hey…

 

[Kairi]

 

-Hey!!

 

-Tudo bem Sora?

 

[Sora]

 

-Kairi, quero conversar com você, pessoalmente, se possível agora.

 

[Kairi]

 

-OMG! Estou livre! Me espera naquela praça perto de sua casa, já estou indo para lá.

 

[Sora]

 

-Okay...


 

    A ruiva estava muito empolgada, acredita que Sora finalmente vai aceitar seus sentimentos e respondê-la sobre a proposta do outro dia. Estava tão empolgada, que quis zoar com Riku.

 

[Kairi]

 

-Hey!!

 

[Riku]

 

-Hum?

 

-Kairi?

 

[Kairi]

 

-Adivinha quem me chamou pra me ver pessoalmente agora? Hehehe

 

[Riku]

 

-O que você quer dizer com isso?

 

[Kairi]

 

-Bem, parece que alguém vai começar a namorar a partir de hoje. Rsrs

 

-Pelo jeito você não tem mais chance bebezão.

 

[Riku]

 

-Acho que você está se iludindo...Vai acabar se machucando. (Riku colocou sua mão em seu peito, doia fortemente. Riku sabe quem Sora tem interesse, e não é nem Kairi nem si próprio).

 

[Kairi]

 

-Você só ta falando isso porque está com ciúmes! Sora sempre gostou de mim. Enfim, estou indo! bjs

 

[Riku]

 

-Bem, “gostava”.

 

    Riku a respondeu, mas parece que a garota não visualizou, foi direto ao encontro ao moreno. Minutos se passaram e finalmente a ruiva chega ao local, avistando o alvo sentado em um banco da praça. Seu coração bateu fortemente, estava muito feliz de poder ver seu amado Sora, tantos dias sem o ver doía seu peito. Sempre gostou do garoto, desde a infância quando se conheceram aos 5 anos de idade cada um. Sora sempre a fez sentir bem, feliz e a tratava muito bem, não foi difícil não se apaixonar. O garoto é seu primeiro amor. Se aproximando, a ruiva o chama.

 

“Sora!”

 

    O garoto se virou avistando a garota, se levantou e foi direto a ela. Seu rosto não estava muito bem, na verdade estava sério. Ela conhecia Sora muito bem, sabia que algo estava de errado.

 

“Oi...Kairi.”

 

“Sora? Ta tudo bem?”

 

“Kairi…”_Sora mordeu seus lábios. O garoto sabia que o que estava prestes a falar a magoaria profundamente, e com razão. Mas era algo que precisava fazer, para ela poder seguir em frente, e ele poder enfrentar seus sentimentos por Roxas. 

 

    Kairi sentiu seu peito doer, algo estava errado. Ela sempre foi bem de “sentir” as coisas, se algo ruim aconteceria ela sentia antes, claro que ela precisava estar próximo do ocorrido, mas sempre foi assim, e graças a essa habilidade ela já evitou muitos problemas  já salvou a pele de Sora e de suas irmãs várias vezes. Mas algo a dizia que dessa vez, não é algo que tem como evitar. Seu rosto que antes estava feliz por ver seu amor, agora estava sério. Sora engoliu a seco, reuniu coração e começou a falar.

 

“Kairi. Desculpa, não posso ser capaz de te corresponder, não o eu de agora. Eu realmente te amei, muito, você foi minha paixão desde a infância. Sempre fiz de tudo para te dar conforto e te fazer sorrir.”_ Os olhos da ruiva começaram a ficar vermelhos e lacrimejar, logo, as lágrimas começaram a descer em sua face, mas não interrompendo o que Sora estava falando e ouvindo com bastante atenção.

 

“Saiba, que eu te amei Kairi. Mas não é algo que sinto mais. Existe uma pessoa que eu amo, e quero fazer tudo de agora para fazê-la feliz, quero dar o conforto de uma família, o conforto de um amor a essa pessoa. Quero dar tudo de mim a ela. Então…”_ Sora morde seus lábios novamente.”Então é por isso que não posso te corresponder.”_ Sora termina de expor seus sentimentos e pensamentos, apesar de ser doloroso fazer a garota que já amou chorar, se sentia liberto por expor seus sentimentos.

 

    Kairi estava triste, os seus sentimentos de antes parecem uma piada perto do que acabou de ouvir. Não sabia como reagir, a não ser chorar. Estava feliz que seus sentimentos foram correspondidos por muito tempo, mas agora já é tarde. Se pudesse ter se declarado mais cedo, talvez... O que aconteceu agora nunca teria acontecido. Se arrepende amargamente de ter demorado. Mas agora é aceitar que seu primeiro amor nunca se realizará. Kairi soltou um sorriso em meio suas lágrimas.

 

“Sora. Eu te amo. Obrigada. Espero que você seja feliz com essa pessoa, porque eu sei, do fundo do meu coração, que você fará essa pessoa feliz. Você é a melhor pessoa que eu já conheci e eu…”_Kairi mordeu seus lábios, doía falar as coisas que está falando, mas precisava falar para poder seguir em frente.

 

A garota sorriu e se virou, andando em direção a sua casa. Sora não pode dizer nada, já havia dito tudo que precisava, e qualquer coisa que pudesse falar poderia a magoar, a única coisa que pode fazer foi vê-la se distanciando a cada passo. 

 

Sora foi para casa, se deitando em seu quarto. Era tão desconfortável dormir sozinho em seu quarto. Era algo normal e o deixava feliz ter sua privacidade, mas agora, sente falta da presença do loiro, parecia que sua metade estava faltando. Roxas fazia parte de seu coração, junto a ele se sente uma pessoa completa, ao mesmo passo que sem ele, se sente um ninguém.

 

“Roxas...Eu sinto tanta sua falta…”_ Sora começa a chorar baixinho em seu travesseiro.

 

    Dia amanheceu, o moreno acorda aos chamados de seu irmão mais velho, esse que foi pedido de sua mãe para acordá-lo para comer café da manhã. Sora se levantou, foi escovar os dentes e foi em direção a cozinha, avistando Ventus e Vanitas, além de seus pais.

 

“Bom dia”_ Disse a mãe.

 

“Bom dia filho.”_ Disse o pai enquanto lia o jornal.

 

“Eae Sora.”_Ventus acenava ao garoto.

 

“...”_Vanitas ficou calado, apenas avistando o irmão. Por fim disse, “Você ta um coco”.

 

“...Bom dia…”_ Sora não teve forças para reagir e responder Vanitas, apenas se sentou a mesa e começou a se servir.

 

    Depois de comer seu do café da manhã Sora foi subindo em direção ao seu quarto para se trocar, até que Ventus o abordou.

 

“Hey Sora.”

 

“Huh?”_ Sora se virou em direção ao loiro.

 

“Vamos superar juntos isso. Roxas é forte...sempre foi. Desde crianças ele sempre me protegia dos garotos encrenqueiros, tenho certeza que ele vai se recuperar, e se lembrar de nós...Ele precisa…”_ Ventus disse cochichando essa última parte.

 

“Sim. Ele vai.”_ Sora sorri ao garoto, se despede e entra em seu quarto, retirando suas roupas e colocando outras para sair.

 

[Sora]

 

-Riku precisamos conversar.

 

[Riku]

 

-Eu sei. Onde nos encontramos?

 

[Sora]

 

-Pode ser na sua casa mesmo se puder.

 

[Riku]

 

-Ok. Te espero na porta.

 

    Sora foi direto a casa de Riku, o que aconteceu aquele dia não foi apenas uma brincadeira. Riku realmente ficou chateado e parece que possui sentimentos sobre o moreno, então precisa dar um basta a isso, e deixar claro que não pode corresponder os sentimentos. Minutos se passaram, e logo Sora avista Riku em frente sua casa.

 

“Hey Riku.”

 

“Hey. Entre, meus pais sairam, só está nós aqui.”

 

“C-certo.”

 

    Sora se sentou no sofá, a casa de Riku já era familiar, sempre visitavam um ao outro, sempre foram melhores amigos, tiveram suas aventuras, brigas, birras e ciúmes. Riku, ao mesmo passo de Kairi são seus melhores amigos, são especiais em seu coração. O moreno sempre competia com Riku, já que Riku sempre teve mais força, velocidade e inteligência, se destacando na escola devido a esses fatores, o que deixava Sora competitivo, tentando sempre o alcançar. Mas isso nunca impediu de ser amigo de Riku, Riku é seu amigo mais próximo e importante, não quer perdê-lo.

 

“Riku, eu-”_ Sora foi interrompido.

 

“Espera Sora. Me deixa falar antes.”_ Riku fala seriamente olhando os olhos de Sora diretamente.

 

“Okay…”_ Sora concentiu.

 

“Sora, eu te amo. Muito, eu te amo muito, o bastante para meu peito doer. Mas não foi um sentimento que eu sempre tive, eu passei a te amar quando você me salvou do meu pai. Ele agredia minha mãe, me agredia, e eu não sabia o que fazer, eu não era forte o bastante. Eu estava prestes a matá-lo e depois me matar para acabar com todo sofrimento, até que você não só me impediu mas como me ajudou a entregá-lo à polícia. Eu estava preso em minha onda de ódio próprio e ao mundo, mas você estava lá por mim, você cuidou de mim, abriu meu mundo. Você Sora, se tornou meu mundo.”_ Riku se aproximou bruscamente de Sora e o beijou, sua língua adentrou a boca do menor mas logo Sora o mordeu seus lábios, sangrando levemente.

 

“Auch..”_ Riku reage a leve dor, colocando seu dedo em cima da ferida em seus lábios.

 

“Desculpa, mas eu não me arrependo. Eu me arrependeria se eu nunca tivesse te beijado. Sora eu te amo. E te amo suficientemente para deixar você amar e ser feliz com outra pessoa.”

 

“R-riku…”

 

“Eu te conheço Sora. Eu sei que você saiu ontem para rejeitar a Kairi e eu sabia que faria o mesmo comigo. Você é incrivelmente idiota-”

 

“HEY!”

 

“Mas incrivelmente sincero e bondoso. Porque você é a melhor pessoa que eu já conheci.” _ Riku solta um sorriso sincero e triste em seu rosto.

 

“Riku...Obrigado. E desculpa. Espero nunca te perder como amigo.”_ Sora coloca sua mão no rosto de Riku, seu olho começou a lacrimejar.

 

“E incrivelmente egoísta. Mas eu também sou. Sim...Também não quero perder sua amizade.”

 

    Riku apoiou sua cabeça sobre a cabeça de Sora, ambos mesmo agora chorando, possuíam um sorriso em seus rostos.



 


Notas Finais


Mano, na boa, adorei escrever esse capitulo, e espero que gostem também, o que acharam? rs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...