1. Spirit Fanfics >
  2. Simplesmente Acontece - (Imagine Park Jimin - Bts) >
  3. It's just the beginning

História Simplesmente Acontece - (Imagine Park Jimin - Bts) - Capítulo 32


Escrita por:


Notas do Autor


Aeee meu povo, voltei :'3
Pode ser que eu costume aparecer de madrugada com as atualizações das fics, visto que é a única parte do "dia" em que me vejo livre dos deveres.
Sem mais enrolação, fiquem com o cap de hoje.

~ Boa leitura 🌺

Capítulo 32 - It's just the beginning


Point of View Jimin

— Papai, por que o meu irmãozinho é tão pequenininho? - Segurava Jisung em meu colo, para que ele pudesse ver Taewoo do berçário.

— Bom, seu irmãozinho nasceu pra muro, por isso ele é tão pequenininho. - Passo minhas mãos por suas costas, em um gesto de carinho, vendo o menor negar com a cabeça.

— Não sei o que é isso, mas espero que ele fique bem logo. - Um riso bobo escapou dos meus lábios, pela fofura de Jisung.

Ele mal teve a chance de ter um contato a mais com o irmãozinho, mas já parece o amar demais e isso me deixa extremamente feliz e orgulhoso.

— Jisung meu bebê, quando foi que você aprendeu a falar tão certinho assim? - Notei que Taehyung se aproximava de nós, apenas para acariciar as bochechas do filho.

— Papai Jimin tem me ensinado. - Sinto o olhar de Taehyung parar sobre mim no mesmo instante, e surpreendentemente ele sorriu, como se estivesse agradecido. — Já sou um homenzinho papai. - Tae afirma com a cabeça, passado a mão sobre os cabelos de Jisung, bagunçando os fios propositalmente.

— Posso segura-lo um pouquinho? - Me olha um tanto apreensivo.

Deixando meu orgulho de lado, sabendo que aquilo não me levaria a lugar nenhum, cheguei a conclusão de que deveria começar a ser alguém melhor. Agora tenho uma família, devo amadurecer e levar as coisas mais a sério e é claro, deixar as mágoas do passado para trás.

— Claro que pode. - Tentando soar o mais amigável possível, por mais que ainda não estivesse confortável sem porcento com o Taehyung, entreguei Jisung com cuidado para ele, vendo o mesmo sorrir todo abobado ao ter o filho nos braços.

Mesmo que eu odeie admitir isso, gostaria de ser um pai para o meu filho, igual o Taehyung é para o Jisung. Realmente admiro todo o carinho e atenção que ele tem com pequeno, mesmo já não morando juntos mais.

— Jimin Hyung! - Uma voz famíliar chamou por meu nome.

— Jungkook? - Franzi o cenho um pouco confuso, ao ver o garoto se aproximar de mim com Kate nos braços. — O que te traz aqui? - O vejo morder os lábios um tanto atordoado.

— Fiquei preocupado com ____. Tive medo de que algo ruim acontecesse a ela. - Direcionou seu olhar a mim. — Tentei aquietar o meu coração de todos os jeitos, mas não consegui evitar e precisei vier o mais rápido possível para ter certeza de que tudo está bem. - Suspirei afirmando com a cabeça. — Então, como ela está?

— Por enquanto está na medida possível. - Cruzo meus braços o vendo assentir.

Um silêncio constrangedor logo se instalou pelo local durante alguns minutos. Jeon sentou-se em uma das cadeiras de espera, começando a brincar com a Kate, que parecia se divertir com as caretas que o pai dela fazia.

Devo confessar que é uma cena adorável.

— Responsável pela senhorita ____? - Um médico se aproximou de nós com uma prancheta nas mãos, então me pus a levantar rapidamente indo em sua direção.

— Sou eu. Aconteceu alguma coisa de grave com ela, doutor? - Pergunto já temendo pelo pior, mas o médico negou com a cabeça me tranquilizando.

— Vim apenas informar que a paciente acabou de acordar e está aberta a visitas. - Um sorriso fraco, porém carregado por um alívio em saber que tudo estava bem, escapou dos meus lábios.

— Posso vê-la então? - O médico em minha frente afirmou com a cabeça, me deixando ainda mais animado com a idéia de finalmente poder ver minha garota.

— Siga-me por favor.


Point of View Kim Taehyung

Quando vi Jimin praticamente desaparecer de onde eu pudesse vê-lo juntamente do médico, olhei para Jungkook sentado em uma das cadeiras, me parecendo bem pensativo. Respirei fundo e me sentei ao seu lado.

— Vamos, me diga... Você gosta dela, não é? - Sentei Jisung em meu colo, deitando sua cabeça em meu peito.

Sei que quando o Jisung está longe da mãe, ele costuma dormir mal, isso acontecia até mesmo quando ele ia para a minha casa. O menor parece estar exausto, acredito que não irá demorar para ele pegar no sono.

— Quê? - O olhar confuso do Jungkook caiu sobre mim.

— Vamos, não sou lerdo, percebi que gosta da ____ e não adianta negar. - Sorrio fraco para ele.

— Está tão evidente assim? - Respirou fundo olhando para a filha em seus braços.

— Sendo sincero, você é péssimo em esconder o que sente. Deu para notar que você gostava dela, quando ficou nervoso para explicar ao Jimin o motivo para ter vindo.

— Sério? Por que a dona dos meus sentimentos parece não ter percebido o que eu sinto. - Sorri.

— Por que ela ama outro homem. - O sorriso de Jungkook foi sumindo aos poucos, assim que notou que eu me referia a Jimin. — Ela ama o Jimin e mesmo que tenha percebido os seus sentimentos, a mesma tentaria evita-los de todos os jeitos e agiria normalmente. Não digo isso para que se sinta mau... Digo isso apenas porque ainda passo pelo o que você está passando. No início é uma dor horrível que sentimos no peito por se dar conta de que nunca teremos todo o amor que ela dá para ele, mas com o tempo a gente aprende a aceitar e sentir-se feliz por saber que ela está feliz.

Ainda doía saber que o meu único amor amava outro homem, mas se ela está feliz ao lado dele, quem sou eu para impedi-los de ficar juntos?

— Espera um momento... Você é o ex marido dela? - Sua pergunta repentina me pegou de surpresa, mas apenas conformei com a cabeça.

— Sei que fui um completo idiota, pois deixei ela escapar dos meus braço tão facilmente por diversas burradas que cometi. Nunca fui digno do amor dela. - Uma lágrima solitária desceu por minha bochecha e então tratei de enxuga-la o mais rápido possível.

— Então você deve saber quem é o homem está atrás dela? - Meu olhar surpreso e amedrontado, foi de encontro ao Jeon.

— Perdão, como?

— Quando ela estava trabalhando, eu costumava passar em frente a cafeteria e diversas vezes vi um homem a encarando do outro lado da rua. Era algo assustador, mas ____ parecia não ter percebido. - Suspirou. — Confesso que uma vez, um acidente acabou acontecendo e foi o que fez ela descobrir sobre a gravidez.

— Como assim, Jeon?! - Meu tom desesperador, fez com que ele ficasse um pouco nervoso.

— Não sei exatamente. Tinha ido até o trabalho dela para lhe fazer uma visita, quando a encontrei desmaiada. Desesperado a levei para o hospital, onde assim que acordou, perguntou se eu tinha visto algum homem, mas... Não tinha ninguém lá quando eu cheguei. 

Mordi meus lábios fortemente, sentindo o medo tomar conta de mim novamente.

Deus! Até quando meu pai irá persegui-la?!


Point of View Park Jimin

— Amor? - Dei duas batidinhas na porta do seu quarto, entrando em seguida e encontrando-a com os braços cruzados enquanto a enfermeira tentava lhe dar a sopa.

— Jimin! - Um lindo sorriso se formou em seus lábios, fazendo o meu coração se aquecer e retribuir o ato.

Assim que a enfermeira me viu, se levantou e curvou-se rapidamente a mim.

— O que está acontecendo? - Perguntei a ____, que olhou um pouco raivosa para a enfermeira.

— Ela quer me fazer comer essa sopa horrível! Não tem gosto de nada, Jimin. - Revirou os olhos me fazendo rir.

— Pode deixar que eu cuido dela. - Digo a enfermeira que se curva mais uma vez, antes de nos deixar sozinhos. — Vamos meu amor, você precisa comer um pouco. - Sendo ao seu lado na maca, e pego a colher com um pouco do caldo e tentando levar até os seus lábios.

— Já disse que não quero. - Me olhou emburrecida.

— Vamos meu amor, você precisa estar forte e saudável se quiser ver o Taewoo mesmo que de longe, e é claro, se quiser poder se manter de pé. - Vi sua feição emburrada dar lugar a uma carregada de tristeza.

— Só como se você provar e me dizer o que acha. - Levei a colher de sopa até os meus lábios, sentindo aquele líquido descer por minha garganta.

Certamente aquela sopa não era uma das melhores — estava longe de ser — mas sei que ela precisa tomar um pouco, para poder se recuperar mais rápido, já que ainda não está cem porcento bem.

— É, tenho que admitir, não é muito saborosa. - A mesma gargalhou. — Mas isso é para o seu bem, amor. Coma ao menos um pouquinho, hum? - Direciono uma de minhas mãos até sua bochecha, e acaricio o local com o polegar, vendo-a fechar os olhos e aproveitar do carinho.

— Está bem, vou tomar a sopa. Saiba que irei fazer isso apenas porque quero me ver melhor o mais rápido possível, senão nem encostaria isso na minha boca de novo. - Negou com a cabeça.

Era tão bom poder escutar sua voz de novo.

Pode não ter passado tanto tempo com ela desacordada, mas ainda sim me fez uma grande falta. A verdade é que agora não consigo me imaginar sem ____.

Ela se tornou a mulher da minha vida, não quero nunca mais cometer erros que nos faça separar. Quero apenas fazê-la feliz, e cuidar dos nossos filhos do jeito certo.


Continua...


Notas Finais


Confesso que já tinha escrito esse cap a um tempo, mas ele não estava me agradando e acabei decidindo não postar.
Mas hoje eu estava relendo ele e pensei "Por que não dar uma chance? Até porque não está tão ruim assim."
E cá estou eu, em plena quatro da manhã, postando o capítulo depois de tanto tempo sumida :'3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...