1. Spirit Fanfics >
  2. Simplesmente Peraya >
  3. "O segredo de Wuxi- parte 2"

História Simplesmente Peraya - Capítulo 42


Escrita por:


Capítulo 42 - "O segredo de Wuxi- parte 2"


Fanfic / Fanfiction Simplesmente Peraya - Capítulo 42 - "O segredo de Wuxi- parte 2"

Todos estavam reunidos no restaurante do hotel, tomando um delicioso café da manhã, a noite foi tranquila, para a maioria deles, mas, no entanto, existiam duas pessoas que ainda não haviam se juntado aos demais, ou melhor, cinco pessoas.

- Onde será que o Krist e Singto se meteram? (Fiat perguntou na mesa com seu olhar inocente)

- Também não vi N'Namon (P' Gay, também notou)

- Se olharem bem, nenhum dos agentes está a mesa também, então das duas uma, ou eles perderam a hora o que é realmente estranho já que P'Yuyui também está lá ou tiveram graves problemas.

- O que quer dizer P'Off? (todos pareciam apreensivos com as últimas palavras de Off)

- Sei lá, talvez tenham descoberto o romance secreto entre eles (Off disse morrendo de rir).

- Como assim? (era notório a cara de espanto de todos, por mais que todos aquela mesa quisesse que isso fosse real, até que se prove o contrário, o que existia entre eles era apenas trabalho)

- Você só esqueceu de um detalhe N'Off, N' Namon está com eles, o que ele teria a ver com isso? (P'Gay falou com um tom sério, porque ele era o único na mesa que sabia dos riscos que os meninos corriam, caso a suposição de Off fosse verdadeira, ele mesmo presenciou alguns de seus amigos passarem por esse momento, o que acarretou em alguns términos, e outros tiveram que escolher entre a carreira ou seu relacionamento, o caso era que isso era uma situação delicada a final, não se tratava de apenas trabalho, mas um caminho difícil a ser trilhado ainda que tivesse apoio total de todos que os amam)

- Esse aí, provavelmente perdeu a hora mesmo (Off pensou consigo, não acredito que eles seriam idiotas suficiente de deixar alguém descobrir o que realmente acontece entre eles)

É certo que Off não sabia de fato o que estava rolando entre seus amigos, mas uma vez que suas atitudes eram bem próximas as deles, porque ele mesmo estava preso em sua própria história, que envolvia um pequeno garoto lindo, que insistia em chama-lo de Papi. Ele gostaria de aconselhar seus amigos, mais jamais invadiria a privacidade deles, então ele levaria a situação da maneira que fazia com tudo, com seu grande bom humor, para de certa forma amenizar uma possível tensão que poderia se formar, pois todos conheciam P'Yuyui, e agora ela provavelmente estaria reunida com eles.

- Vamos comer, porque esse atraso dos meninos pode acarretar algum atraso no evento, então o que pudermos fazer para adiantar será melhor de qualquer forma, depois saberemos o que de fato aconteceu.

Dessa vez Off disse com uma voz seria, o que era raro de se ver, então todos optaram por continuar comendo em silêncio, pois tudo que ele disse no momento era verdade, se realmente houvesse um problema, o máximo que eles poderiam fazer para apoiar seus amigos, seria a melhor escolha para todos.

[...]

Em um dos quartos o coração batia forte, a incerteza do que estava por vir, ainda era um incomodo na cabeça daqueles que nem se quer conseguiram dormir. A única atitude que tiveram antes que o dia amanhecesse era permanecer agarrados um ao outro, em um completo silencio, presos em suas próprias mentes, cogitando suas próprias decisões.

Da mesma maneira, ambos levantaram mais cedo que o normal, para se arrumar e encarar a bagunça que estaria por vir, nenhum deles ainda obtida a resposta para tudo, mais ainda possuiam a certeza de seus sentimentos.

E após estarem prontos já na porta a caminho do quarto do P'Jane, Singto olhou para Krist, seu rosto transmitia um certo receio coisa difícil de ser detectada por uma das pessoas mais seguras que Krist já conheceu.

Ele achou por bem segurar em sua mão, demonstrando que não estava sozinho nessa, ainda que ele mesmo estivesse inseguro. Foi quando ele se surpreendeu com os braços de Singto o envolvendo em um abraço apertado, Krist conseguia sentir seu coração bater rapidamente, e ouvir sua respiração ao ouvido. Era certo que isso feria parte de uma jornada, porem uma coisa era P'Jane saber, amigo e confidente além de ser da família, falar com P'Yuyui talvez não seria tão gentil.

[.....]

Entramos na sala e ela ainda não havia chegado, não teria como não reparar na cara de preocupação de P"Jane e no sorriso sarcástico do Namon. E sem delongas, já foi falando.

- Gostaria de dizer que ainda estou bem traumatizado com o que vi ontem, então vai ser preciso uma sessão de terapia e uma explicação que não seja "Somos irmãos". Para que eu possa me recuperar. (Singto já se armou, sua cara não era nada agradável, mesmo porque foi ele quem atacou primeiro e como ele nunca perde o controle, tenho certeza que nunca esquecerá disso. Tomei a iniciativa de falar de uma vez).

-Hora vamos, o que está esperando que eu diga? É isso mesmo que viu, eu e Singto estamos juntos. (para piorar a situação, Namon começou a rir descontroladamente, ele queria irritar, como um garoto levado)

- E qual a novidade nisso (ele questionou ainda rindo, foi quando P'Jane interviu)

- Cale essa boca Namon, a coisa aqui é séria, eu sabia que não duraria muito até que isso acontecesse e vocês sabem que eu apoio vocês, mais é claro que não preciso relembra-los dos riscos.

Aquelas palavras tiveram o poder de trazer um silencio absurdo no meio daquele quarto. Nenhum de nós teve coragem de dizer alguma coisa, o riso que há alguns minutos invadia o espaço, sumira devido a chegada de uma tensão absurda. Vi P'Singto se direcionar ao lado a sacada do quarto, sua cara fechada e a mordida nos lábios era prova suficiente de que ele não estava nada bem. Cheguei bem próximo de Namon e implorei com meu olhar.

- Por favor, por nossa amizade, prometa que não contara a ninguém? Ainda temos muita coisa pra decidir, se mais alguém souber pode dar fim a nossas carreiras. (Ele colocou a mão em meu ombro e me disse com firmeza).

- Só posso prometer se me der certeza de que é isso que você quer, porque o que vi durante esse tempo, era que estavam em uma briga e P'Singto te atacou no quarto, como posso saber que tipo de relação vocês tem?

Posso entender a perspectiva dele, e sei que Namon é um pouco protetor com seus amigos, talvez ele achasse que por Sing ser reservado, nossa relação poderia ser correspondida de apenas um dos lados. Quando na verdade, isso já está muito além, para retornar. Sendo assim, confirmei com todo meu coração.

- Não se preocupe, eu tenho certeza do que estamos fazendo, eu amo Singtuan, e estou certo de que seu amor também é real por mim, o que você viu naquele quarto, foi uma pequena demonstração da intensidade do que sentimos, mas P'Sing demonstra seu amor todos os dias, nas mais singelas ações

Meus olhos agora, já banhados de lagrimas, querendo teimosamente escorrer pelo meu rosto, disseram o que talvez as palavras que não conseguiram sair, quisessem dizer. Namon apenas balançou a cabeça em afirmação e disse apenas uma coisa antes de se retirar do ambiente.

- Eu prometo.

Aquilo era tudo que eu precisava ouvir naquele momento, Namon demonstrou ser o amigo que achei que fosse por esse tempo em que nos conhecemos.

P'Jane o instruiu a ir se juntar aos outros, e dizer que perdeu a hora, e que, as outras quatro pessoas que ficaram para trás, estavam resolvendo problemas administrativos.

Assim que ele saiu, P'Yuyui entrou com uma cara nada receptiva, ela era divertida as vezes, mais seu papel como mãe a mantinha seria a maior parte do tempo, para cuidar de nossas necessidades. Definitivamente ela era como uma possível mãe que estaria ali para agir como uma, ela sempre se preocupava com nossa saúde, ou se comemos, sempre com uma blusa a mais em sua bolsa, a fim de nos aquecer caso fizesse frio de repente.

Talvez o maior medo que tínhamos nesse momento, principalmente para P'Singto era exatamente esse, estaríamos contando nosso maior segredo, para nossa mãe postiça, quem sabe a rejeição dela, poderia ser considerado como uma rejeição de nossos próprios pais, e isso não poderia acontecer.

Como sempre ela foi direta ao ponto.

- O que está acontecendo, porque não tomaram café ainda, vocês estão com o tempo contado.

P'Jane, nem se quer permitiu que falássemos, ele mesmo tomaria a responsabilidade por nós, até porque ele já sabia como agir com P'Yuyui por trabalhar diretamente com ela por tanto tempo.

- Bom Yuyui, temos um assunto delicado a tratar aqui, porem não podemos esconder isso de você.

- Ok, fala logo, porque vocês sabem que eu detesto que enrolem. (P'Sing, veio em minha direção, e sentamos lado a lado na frente da minha gerente, ansiosos e apreensivos)

- N'Singto e N'Krist , estão em um relacionamento real.

Todos permanecemos em silêncios, aquele jogo de olharmos uns para os outros a espera de uma resposta engasgada. Até que ele foi quebrado por ela, com uma pergunta que ao mesmo tempo que era obvia de se fazer para nós, era óbvia a resposta.

- Seus pais já sabem disso?

- Ainda não (P'Singto respondeu)

P'Yuyui não se deu nem ao trabalho de sentar-se, e para espanto de todos, disse simples palavras que a meu ver doeram como se ela tivesse dado um tapa em nossa cara. Seu tom de voz era ainda mais áspero, e seu olhar materno desapareceu enquanto ela pronunciava sem medidas aquelas palavras tão duras.

- Então vou fingir que não me disseram nada, e quando forem adultos o suficiente para encarar os únicos interessados no assunto que são seus pais, voltamos a falar sobre isso, a fim de resolver o que será de suas carreiras. Até porque, se P'Jane já sabe disso, tenho certeza que já sabem dos riscos dessa brincadeira infantil.

Como negar então as lagrimas que agora nos sufocam, olhei para P'Sing e vi que ele estava mordendo seus lábios e passando a mão em seus olhos, pois uma teimosa lagrima escorreu de seus olhos, e aquilo foi a gota da água para mim, não suportava aquilo, até parece que nosso lindo conto de fadas estava prestes a esvair. P'Jane também não acreditou no que ouviu e foi correndo questionar P'Yuyui, ele segurou com firmeza em seu braço e questionou.

- Por que está sendo tão cruel com eles?

- Não estou Jane, quero que eles entendam que outras pessoas podem reagir assim, e as mais próximas possíveis, será que estariam prontos para uma negativa dessas pessoas?

- Eu não sei, mais falar assim com eles não ajuda

- N'Jane, se eles não conseguem superar minhas palavras, de uma pessoa que não faz parte da família, o que acha que vai acontecer se a própria mãe dele dissesse palavras tão duras quanto as minhas? E pior, se eles forem contra esse relacionamento? Pensa bem!!

- Prefiro pensar que tudo vai dar certo

- É mesmo? E quanto ao pai do Singto? Você sabe que ele só tem Singto, acho que ele não vai querer um herdeiro, já pensou nisso?

- Claro, mais já sei que o mais importante para ele, é a felicidade do filho, e se essa felicidade é ter Krist ao lado, então ele não se importará.

- Acredite em mim, estou fazendo o que acho certo e o melhor para eles, Krist e Singto são apenas meninos, quero que estejam preparados para o mundo, caso assumam de uma vez, achei que entendesse Jane, não esconda dos meninos a verdade dos fatos, o mundo não vai proteger eles nem ser gentil como acha que será.

P'Jane a soltou imediatamente, não teria mais o que dizer ou fazer, além do que, ele se lembrou de que sentado no sofá, estavam duas pessoas que precisavam de ajuda. Mais antes de sair da sala P'Yuyui gritou suas últimas palavras.

- Vamos, não temos tempo a perder, se recomponham, vocês têm dez minutos.

Apenas vimos a sombra de seu corpo saindo, P'Jane retornou para o quarto no mesmo momento em que Singto se levantou novamente e foi mais uma vez para a sacada, eu estava apavorado, sem saber o que dizer, só ficamos com as suas palavras duras, ainda não tinha como saber o que foi dito para P'Jane, mais não demoraria para descobrirmos.

- Bom meninos, acho que as coisas ainda estão confusas para ela, mais com tempo vai ficar melhor, tenho certeza que ela quer a felicidade de vocês assim como eu.

- Mais o que ela disse? Porque honestamente, não pareceu nada bem ouvir tudo aquilo. (questionei, enquanto meu amor permanecia em silencio, meditando em seus pensamentos)

- Não vamos pensar nisso agora, certo? Vocês precisam descer e se juntar com os outros para os autógrafos.

- Mais P'??????

- Sem mais N'Krist, vamos apenas trabalhar, tentem não pensar nisso agora, para não quebrar o clima do evento, os fãs esperaram tanto por isso.

- Quer saber? Que se dane!!!

Singto finalmente falou, seu tom de voz era deveras firme e forte, como se estivesse em um tribunal, defendendo sua vítima. Ele prosseguiu ainda mais intenso.

- Não planejamos nada disso, nem nos apaixonarmos, nem que descobrissem, muito menos que essas palavras viessem na nossa cara mostrando o que nos aguarda no futuro, droga eu nunca perco o controle, nunca (Singto começou a socar a parede tentando por para fora seus sentimentos frustrados).

Corri em sua direção e o abracei com tanta força que senti o afago de sua respiração, quando ele encostou sua cabeça em meu ombro, eu queria transmitir meu amor ali, era desesperador tudo aquilo. P'Jane se afastou, tomando se celular em mãos, nos dando espaço, pois aquilo era particular de mais para ser exposto a outros olhos. Quando estava mais calmo, Singto olhou profundamente em meus olhos buscando a resposta para o que surgiria a seguir.

- Ela tem razão Krist, só que meu pai já sabe de tudo e me aceita de braços abertos, mas e quanto aos seus???

- É sério que quer falar sobre isso agora, tipo agora????

- E que horas falaremos sobre isso Krist? Me diz? Isso já está tomando uma proporção maior do que o esperado, quando você acha que é a hora certa em? Quando formos demitidos e você precisar explicar para seus pais o porquê?

- Não, não quero que isso aconteça, eu só preciso de mais tempo, por favor entenda.

- Eu entendo, mais as coisas não param e isso você que não está entendendo.

Ficamos parados por questão de segundos, cada um olhava para o lado oposto do outro, até que segurei em seu queixo e afirmei.

-Tuan, olha nos meus olhos, presta atenção no que vou te dizer, eu te amo mais que tudo e quero que sejamos felizes, então assim que voltarmos, vou falar com os meus pais.

Ele arregalou seus olhos, com um olhar sonhador e esperançoso, P'Singto nem sabia ao certo o que dizer.

- Está falando sério meu amor?

- Sim, vamos enfrentar isso de uma vez por todas

Ele me abraçou com tanta força que senti que meu corpo pendeu para trás, e antes que eu recuperasse meu folego, ele me beijou, pensei que ele realmente queria fazer isso já que P'Jane de certa forma ainda estava ali, mas assim que senti os movimentos de sua língua quente, se movendo de forma única, de um jeito que ele sabia, me deixava louco. Eu não tinha outra escolha se não prende-lo pela cintura, enquanto seus braços envolviam meu pescoço.

Permanecemos naquele beijo até ouvirmos gritos.

- Ok, vamos para com isso, não é porque eu apoio vocês, que sou obrigado a ver isso. Vamos, já estão atrasados, pedi para que entregassem comida onde estarão, não quero ninguém desmaiando no palco.

[....]

Assim que entramos no local, sabíamos que os olhares de todos estariam em nossa direção, era certo que tínhamos que agir normalmente, então cumprimentamos a todos, nos sentamos e começamos a autografar os cartazes, enquanto comíamos alguma coisa. Se notaram alguma coisa, não sabemos, mas se sim, optaram por permanecer calados, até mesmo Namon, que nunca perdia uma oportunidade de tirar sarro de alguém. P'Yuyui, também tentou agir normalmente, para que isso não interferisse no evento.

No final, ficamos mais próximos do que nunca, e mesmo que em alguns momentos, P'Singto parecia preocupado de mais, ainda assim nos divertimos muito. Porem era certo que o segredo que tínhamos, deixou de ser segredo há muito tempo. E agora estamos pressionados a resolver nossa situação o mais rápido possível. Definitivamente não sei o que esperar de tudo isso, só não posso perde-lo, isso sim eu não suportaria.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...