História Sina! - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hinata Hyuuga, Jiraiya, Kakashi Hatake, Naruto Uzumaki, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Naruhina, Sasusaku
Visualizações 10
Palavras 2.714
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Ecchi, Hentai, Luta, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


A música do capítulo é In Memory - Ed Sheeran e os parágrafos em negrito são lembranças/flashback.

Capítulo 6 - 5°Cap. - Em memória...


5°Cap. - Em memória...

12 de Agosto

Naruto olhava para a sua aparência. Não se importou com ela em todos esses anos, mas, inegavelmente, as drogas acabaram com seu condicionamento físico. Não conseguiria entrar numa luta de treino com os gênios da academia especial nem tão cedo. Hyuuga Neji e Sabaku no Gaara fariam um massacre. Naruto não queria virar bife a milanesa de Uzumaki e nem sopa de Naruto ou especialidade triturada Namikaze. Apesar de tudo, Naruto não tinha vontade de parar de usar drogas.

As drogas era um vício, sim, mas um vício que fazia a parte de ter se tornado órfão, ser esquecida. A dor de estar sozinho era insuportável. Se destruir da maneira mais fácil parecia bem melhor do que deixar que a vida o destruísse lentamente, torturando-o. Não entendia como o padrinho poderia dizer para dar sentido a existência dele. Outrora, Naruto foi um garoto estúpido, mas esforçado, o garoto que mais progredia em tudo do que regredia, Naruto jamais desistiu de nada do que queria, mas esse tempo parecia distante. Ainda mais quando se deparava com a enorme casa que dividia com Sasuke e Kakashi tão vazia.

O louro acendeu um cigarro de maconha, saindo da frente do espelho. Só um não vai fazer mal. Kakashi e Jiraiya nem vão notar. pensava Naruto como se todos fossem idiotas e só ele fosse o espertão. Devido aos anos de consumo, Sasuke e Naruto necessitavam cada vez mais de mais drogas. A cocaína já estava sendo ingerida em dosagem perigosa. Não que Naruto soubesse qualquer coisa que acontecia com seu corpo ao uso de todo aquele lixo químico. Bem dizia ele: rapaz... Não sou doutor, Sakura-chan é a doutora, tô' certo.

Sasuke se culpa, acima de tudo. A expressão serena e impassível dele escondia uma extrema angústia. Não podia fazer nada pelos pais e o irmão mais velho, mas ele ter ficado vivo ao invés de sua família... Que seja! Ele já tinha perdido quase tudo. Restou-lhe Kakashi, que bem ou mal, faça sol ou chuva, cuidava dele apesar dos pesares desde se entendia por gente e também Naruto, a quem considerava um irmão mais novo. Agora... Que Deus tapasse os ouvidos para seus pensamentos, mas agora, Sakura também estava se tornando mais suportável. Irritante, mas suportável, porque Sasuke jamais admitiria que até que a presença sabichona e irritante de Sakura era agradável.

O time 7 se dava bem num geral. Naruto não sabia nem onde ficava o nariz dele, quanto mais sabia dizer se o que sentia por Sakura era real. Na realidade, não é real. A única coisa real, são as coisas que Naruto e Sasuke disputavam e disputam até hoje. Aparentemente, Naruto disputava Sakura. Sasuke deixava que a própria Sakura fizesse seu trabalho. Não que ele goste dela de alguma forma, é claro, mas... Perder para o dobe do melhor amigo em alguma coisa, é inaceitável, seja lá o que for.

— Cade meu lámen? — perguntou Naruto, entrando na cozinha. Naruto tinha o rosto molhado, revelando que ele lavou o rosto antes de sair do quarto, mas os olhos dele eram seus delatores. Sasuke tinha uma cara melhor. Ele já havia usado maconha um pouco mais cedo. Sabiam que estavam brincando com fogo. Kakashi foi um dos fundadores da ANBU mesmo sendo tão novo na época e Não foi atoa.

— Coma frutas. Uma pessoa não pode viver só de lámen, principalmente no café da manhã. — Kakashi disse. Naruto olhou para Kakashi com uma cara estranha, diretamente para a máscara.

— Kakashi-sensei, você não come? — perguntou Naruto, curioso. Sempre quis saber o que tinha por detrás daquela máscara, mas nunca havia brechas.

— Como. — o homem de cabelos platinados deu de ombros, sabendo que a finalidade da pergunta era saber se ele tirava a máscara em algum momento.

Sasuke pôde comer seus preciosos tomates, quanto Naruto beliscava diversas frutas da qual nunca ouviu falar, mas acabou por só tomar um copo de leite. Kakashi era um lutador. Dificilmente traria para casa algo como biscoitos que não fosse integral. Já se acostumaram com a ideia de leite de soja, pelo menos. Sasuke preferia seus tomates, o que não fugia da regra de "coma frutas ou algo saudável". Se fosse pensar bem, tomate é fruta. Só Naruto que não podia comer lámen no café, almoço e jantar.

Sasuke e Naruto iam saindo para a academia, como sempre, antes de Kakashi, mas antes que pudessem sair, Kakashi chamou os dois meninos. Os dois amigos se entreolharam, então foram até onde estava o tutor em seu escritório. Estranhando, os meninos observaram Kakashi esconder as papeladas que ele assinava assim que eles entraram.

— Algum problema, Kakashi-sensei? — perguntou Sasuke.

— Eu não vou poder ir para a academia hoje... Preciso que entreguem esse bilhete ao Asuma e esse aqui, ao Gai. Não abram. — advertiu Kakashi, notando o olhar curioso de Naruto em cima dos bilhetes.

— Algum motivo em especial? — desconfiou Sasuke. Kakashi olhou para o moreno. Claro que Sasuke desconfiaria de algo.

— Não. — negou com firmeza. — Só andem logo e não desviem o caminho. Por nada. É urgente que Asuma e Gai recebam esses bilhetes. — instruiu o homem, voltando o olhar para o que restou dos papéis que não o comprometeria em cima da mesa.

— Ei, Sasuke, quanta insistência. Porque Kakashi esconderia algo? — Naruto questionou o amigo com uma ingenuidade que fez Sasuke deixar ele e Kakashi para trás sem dizer uma palavra. O homem atrás da mesa observou os dois meninos saírem da casa.

— Tem certeza que isso é realmente uma boa ideia? — questionou Jiraiya, parado na janela, indicando que escutou a conversa anterior. Kakashi virou a cadeira para trás e fitou mais velho sombrio.

— Traficante é traficante.

.

.

.

Assim que Sasuke entrou na Academia, ele entregou os bilhetes aos seus respectivos donos e lhes explicou que Kakashi disse que não viria e pediu para entregar aquilo com urgência. Os dois adultos abriram e leram.

— Time Asuma... Eu preciso dar uma saída... Bem demorada. — Asuma falou para Shikamaru, Chouji e Ino.

— Parece que Kakashi realmente não vem. A academia hoje fica por minha conta. É isso aí, crianças, vamos acender o fogo da juventude. — Gai fez o jóia para os meninos.

Sakura se aproximou dos dois companheiros de equipe, estranhando.  Kakashi chegava atrasado sempre, mas não costumava a deixar a academia nas mãos de alguém, muito menos entregar bilhetes ou algo assim. Aquilo estava suspeito para a garota de cabelos rosados.

— O que aconteceu com Kakashi-sensei? — questionou em voz baixa, fazendo Naruto e Sasuke se virarem para ela ao mesmo tempo.

— ... Não sabemos. Ele só estava tendo atitudes suspeitas. — Sasuke respondeu, igualmente baixo.

— Hã... Eu achei que Kakashi estava normal. — Sasuke olhou ironicamente para o loiro lento que coçava os cabelos com uma expressão confusa, mas decidiu que não valia a pena tentar explicar para Naruto.

Os alunos se aglomeraram e observaram seus professores num canto. Eles pareciam estar discutindo algo que nenhum deles sabiam. Pouco os importaria se um ou outro professor da academia não parecesse exaltado e até <i>ultrajado</i>. Estavam recebendo comandos. Apesar de Kakashi ser o dono da academia, ele ainda foi um dos fundadores da ANBU. Os motivos de Kakashi para fundar a ANBU e a academia por si só era um total mistério.

Cansando-se da discussão que parecia se prolongar - ainda que, claramente, a convocação de Kakashi ao Asuma fosse de urgência -, Naruto se levantou, caminhando para os corredores onde dava o banheiro masculino.

Hyuuga Hinata estava sentada, esperando Kurenai-sensei voltar para a sala particular. A menina de seus dezesseis anos não participava das lutas de treinos brutais que tinha do lado de fora daquela sala. Não porque é incapaz, mas Hinata preferia não ter que levantar o punho para nenhum de seus amigos, ainda mais usando a técnica especial dos Hyuuga.

Será que aconteceu algo? pensou Hinata, olhando para a porta, vendo que Kurenai estava demorando. A menina se levantou e colocou sua blusa de frio larga que impedia da blusa preta por baixo marcasse alguma coisa de seu corpo. Hinata saiu da sala, batendo de frente com alguém alto que fez ela ir para trás com o impacto. A sensação de deja vu tomou conta de seu ser e antes de olhar para cima, já sabia ser ele.

As mãos grandes de Naruto estava, uma vez mais, fechada nos braços da menina, impedindo que ela caísse. O louro pareceu confuso e franziu a testa.

— Desculpe. — ele a soltou, dando um passo para trás e coçando os cabelos louros com um sorriso constrangido.

— Não tem problema. — a voz baixa e delicada de Hinata soou pelo corredor, fazendo Naruto se esforçar para escutar. Ela tinha gaguejado? Mas porque? Será que ela é gaga? Eu podia ver as engrenhagens de Naruto funcionando e até sentir o cheiro de queimado.

Hinata levantou a cabeça para olhar o garoto que bateu de frente mais uma vez, tirando os cabelos da frente do rosto, suas bochechas rubras de vergonha. Naruto lhe dirigia um sorriso. Um sorriso totalmente errado. Não é mais o sorriso que ela viu o menino dar durante as entradas, intervalos e saídas do colégio. Naruto foi perdendo o sorriso conforme sua ficha caia e as lembranças vinha a sua cabeça.

Uma menininha de mais ou menos quatro anos observava as borboletas que voavam ao seu redor, encantada. Seu pai ainda não havia chegado para buscá-la. A menininha tinha cabelinhos azuis curtinhos e olhos semelhantes a prata líquida. Era uma verdadeira gracinha.

Naruto estava sentado no balanço. Estava dois anos a frente da menininha que esperava os pais, aliás, Itachi já havia ido buscar Sasuke mais cedo, deixando Naruto esperando que uma longa cabeleira ruiva aparecesse para levá-lo para casa. Por mais incrível que parecesse a Naruto, a sua mãe paranóica estava atrasada. Kushina nunca se atrasava em buscar o amado filho no jardim de infância que dali alguns meses entraria para o primário.

O louro se balançava no balanço tranquilamente quando escutou alguns garotos dizer algo para alguém. Isso fez com que ele virasse a cabeça e visse um grupo de garotos mais velhos do que ela amedrontando a menina que chorava e se encolhia. Os garotos diziam algo sobre... Os olhos dela...  Naruto estava na dúvida, mas logo se levantou e foi tentar tirar a menina daquele meio.

— Ei! Deixa ela em paz, é uma menininha e não te fez nada, eu vou quebrar a cara de vocês, tô certo! — berrou Naruto, tipicamente escandaloso e com o mesmo tique verbal de sua mãe. Isso foi o bastante para chamar atenção do grupo. Bem... Foi uma péssima ideia. Eles estavam em vantagem numérica. Naruto logo caia no chão, sendo socado, possivelmente no lugar da menina antes que ele pudesse racicionar mais rapidamente. Pelo menos tirou atenção dos garotos da menininha.

O garoto quase perdeu a consciência com as pancadas, mas uma mãozinha infantil e gentil tocou seu braço, dizendo alguma coisa e se desculpando pelo que tinha acontecido.

— Tudo bem. Da próxima, eu acabo com eles, tô certo! — apesar de tudo, o garoto deu um sorriso animado, saltando do chão. Antes que a menina pudesse dizer algo, Naruto avistou sua mãe procurando-o feito uma verdadeira louca, presumindo (possivelmente) que Naruto havia sido sequestrado ou algo pior. O louro mal se despediu da menina, correndo em direção a mãe.

O rapaz piscou, perplexo. Na época, não havia dado importância ao acontecimento. Sua mãe só ficou furiosa e deu um cascudo em Naruto, mas logo teve sua atitude aprovada quando revelou que não havia entrado numa briga porque quis, mas sim porque garotos mais velhos estavam perturbando uma menininha. O assunto foi facilmente jogado a escanteio.

Que ele se lembrava, estava dois anos a frente dela no colégio. Naruto só se esquecia de ser observador para notar que a mesma menina que ele defendeu, passou a segui-lo e a observá-lo de longe. Alguém confiante e destemido como Naruto existia. Hinata gostaria de ser assim, apesar de tudo, uma profunda admiração pelo garotinho cresceu em seu peito.

Aquele garotinho cresceu e mudou. A sina parecia lhe dar tapas na cara ao ver que o garoto que tanto admira estava se destruindo fatalmente. Nem mesmo o sorriso era mesmo. Uma pena... Em suas lembranças, Hinata carregaria todos os sorrisos brincalhões e infantis que ele dera enquanto crescia. Não sentia o mesmo cheiro de antes, mas ainda sentia o cheiro de tabaco vindo dele.

Escrevo esta musica em memória
Do sorriso rebelde
O rapaz que não vamos esquecer
A alma que tirou de nós
O rio corre
As lágrimas que choramos

Naquele momento, nem mesmo a timidez de Hinata fez com que ela não lamentasse o estado de Naruto. Ela queria poder ajudar, fazer algo por ele. Ali, a sua frente. Ele pareci tão fisicamente frágil quanto ela. Seus olhos azuis imploravam por socorro. Sim, ela viu isso. O pedido mudo de socorro que ele dava para todos, mas que ninguém era capaz de perceber.

— Não acho que tenhamos sido apresentados antes direito. Uzumaki Naruto. — o sorriso gigantesco dele ainda estava ali, estendendo sua mão a ela, fazendo-a tornar a atingir o tom rubro das bochechas. Se fosse alguns anos atrás, ela teria desmaiado, mas agora, ela obrigava a manter a sua consciência.

— Estudamos juntos... Hyuuga Hinata. — Hinata teve dificuldades em fazer as palavras saírem de sua boca e, principalmente, a aceitar o gesto amigável de aperto de mãos, mas a mão pequena e gentil de Hinata tocou a palma da mão do rapaz. A mão dele é tão grande e aconchegante... O pensamento vindo da menina Hyuuga fez com que ela soltasse a mão dele automaticamente e corasse ainda mais.

Sentindo sua falta
É tudo que tem de ser dito
Mais que tristes
As palavras dentro da minha cabeça
E eu sei que você se foi

O calor da mão do louro ainda fazia  palma de sua mão formigar. Por outro lado, Naruto só se perguntava porque lembrou de onde a conhecia, até que decidiu desencanar do fato. Não é nada. Só uma lembrança a mais que envolvia sua mãe, no fim de tudo.

— Eu sei que estudamos juntos... Você é... Parente ou coisa assim do Neji? — questionou Naruto repentinamente.

— Prima. — respondeu-lhe, quase não saindo voz. Foi quando a menina decidiu reagir e a se despedir. — Foi um prazer mas... Preciso voltar para a sala. — falou Hinata, audível, mas tropeçando nas palavras.

O sorriso atrevido
De piadas e risos
As memórias de tempos
Que nós ultrapassamos os limites
As plataformas
Em toda a minha mente
Lavadas
Nos sentimos tão cegos, agora

Já de volta a sala, Hinata deslizou para o chão, abraçando as pernas contra o seu corpo. Envergonhada por ter novamente, fugido de Naruto como da primeira vez e também necessitando pensar.

Sim... É verdade que Naruto havia saído da escola um pouco mais cedo, tendo a formação em casa, mas quem não lembraria dos sorrisos, bom humor e da alegria e confiança contagiante do louro? Seria aquele, o fundo d poço de Uzumaki Naruto? Um fundo onde o mesmo se enfiava mesmo pedindo silenciosamente por socorro? Por alguém que o tire de lá? Porque ninguém mais via o que ela viu ao olhar naqueles olhos azuis cristalinos profundos e incrivelmente tristes?

Sentindo sua falta
É tudo que tem de ser dito
Mais que tristes
As palavras dentro da minha cabeça
E eu sei que você se foi
Adeus

Hinata já não era mais uma criança. Jovem, uma menina, mas não uma criança. Naruto nunca desistiu. Quem seria ela para desistir de ver novamente aquele sorriso no rosto dele?

.

.

.

Kakashi estava no meio de um grupo de ANBU habilidosos. As máscaras cobrindo o rosto delatava a seriedade da situação.

— Invadam. Dêem prioridade para o líder.

**********************

Novo capítulo veio mais cedo do que eu imaginei. Então... Aproveitem, sabe-se lá como vai estar meu humor para postar os próximos. <3

Ah sim, não tenho nada demais a falar sobre o capítulo, exceto que foi centrado em Naruhina.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...