História Singing with you - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Agora posso dizer q a fanfic finalmente está em reta final! Acho q posto tudo entre essa e a próxima semana, divirtam-se!

Capítulo 6 - Mais Café


 

As latas de refrigerante espalhadas pelo chão do quarto estavam começando a incomodar Todoroki, não que ele fosse obcecado por limpeza como Iida, mas também não era o relaxamento em pessoa que nem Bakugou. Pelo menos era melhor do que o cheiro dos cigarros.

- Não adianta nada você ta trocando a nicotina por essa quantidade absurda de açúcar. - Disse Shoto, enquanto o próprio abria uma latinha.

- Não fode, vai beijar teu namoradinho e me deixa em paz. - Katsuki errou o arremesso da latinha no lixo.

- Claro que eu vou beija-lo, vai ver era o que você queria ta fazendo com o Kirishima e não tá. - Provocou o bicolor, beijando Izuku na frente do loiro, que ficou bem irritado.

- AAAH! Não fode seus dois merdas. - Ele arremessou um travesseiro errou a mira.
 

- Kacchan, foi só um beijo, você não precisa ficar assim, e pelo que eu te conheço você não é bem do tipo que se apega.

Katsuki ia protestar, mas parou e refletiu. Deku tinha razão, por que estava tão preocupado com um simples beijo que não durou nem cinco segundos direito? Não tinha pra que infernos estar quebrando a cabeça com isso.

-  Sabe o que me deixa decepcionado, Bakugou? - O loiro olhou para Todoroki e arqueou uma sobrancelha. - O fato de você não ter me contado isso antes. Quer dizer, você beijou ele no sábado e não falou mais com ele, de qualquer forma vocês vão se ver amanhã. É dia de ensaio.

- Inferno! - Praguejou alto.

- Kacchan, não existe muitos motivos para você ficar confuso sabe... Você o beijou e disse que queria beijar de novo, é só ir e ficar com ele, você também não é de se fazer cerimônia, afinal, acho que só desse jeito pra você ter a certeza de isso não passa de atração física, ou...

- DEKU! Seu merda, nem se atreva a terminar essa frase. - Bakugou se levantou e dessa vez acertou a latinha no lixo. - Quer saber? eu vou embora, vim pra conversar com o Shoto, mas parece que esse porra perde todos os neurônios quando fica do seu lado. Eu odeio vocês,não se atrasem. Até amanhã. - Ele saiu e bateu forte a porta do quarto.

- Nunca vi o Kacchan tão  calmo quanto hoje. - Afirmou ironicamente o de cabelos verdes. 

- Ele ta apaixonado, que nem eu.

A afirmação deixou Midoryia sem jeito.

- Todoroki... Naquela hora Kacchan disse "namorados"...

- Sim, e não é o que somos?

- É? 

- Midoryia Izuku, você aceita namorar comigo, Todoroki Shoto?

- Não fode, Shoto! - Izuku escondeu o rosto sob um travesseiro.

- Pois é, então agora somos namorados.

Shoto beijou Izuku e ficaram agarradinhos debaixo dos lençóis assistindo Operação Big Hero, o filme favorito de Todoroki. Se não fosse pelas doses exageradas de álcool de Shoto na última noite que sairam, nunca teria admitido a Midoryia seus sentimentos e não estariam desfrutando do momento, tudo que você precisa são de trinta segundos de coragem insana, o máximo que o bicolor poderia receber era um "também amo você, como amigo". A verdade é que se tivesse ficado calado, nunca teria se auto-denominado namorado de Izuku. Pois é, eram dois idiotas apaixonados.

Em uma rua não muito longe dali, Katsuki chutava pedrinhas e resmungava coisas do tipo: "Estar gostando daquele cabelo de merda, se o maldito do Deku dissesse isso ele era um homem morto.", "Eu não vou ficar que nem o Shoto parecendo um idiota.", "Amanhã é só o ensaio, se aquele merda vier tentar algo comigo eu soco a cara dele.".

De tanto resmungar e andar, nem se deu conta do local que entrou, porém, quando percebeu, ficou observando interessado uma cena que acontecia no balcão da cafeteria.

- Então você entrou na banda do nada? Como assim Kirishima? Você é louco?

- Eu fiquei tão espantando com as minhas próprias palavras quanto você! Tetsu, ter voltado pra cá ta sendo mais insano do que eu imaginava.

Bakugou estava intrigado. Já havia visto Kirishima sorrindo e conversando animado, mas não daquele jeito. Era como se ele estivesse totalmente entregue e a vontade, sem nenhum tipo de medo ou insegurança, ele nem gaguejava com o garoto de cabelos brancos. O ruivo estava tão entusiasmado com a conversa que não notou a presença do cliente ilustre na mesa esperando ser atendido. Aquele não estava sendo o melhor dia da vida de Bakugou, então ele mesmo foi ao balcão fazer seu pedido. Sentou-se no banquinho ao lado de Tetsu com a cara mais emburrada do mundo, as feições leves e sorridentes de Eijiro sumiram, dando lugar a um rosto inseguro e um sorriso meio forçado ao ver Katsuki, o loiro não gostou muito daquilo. Por que era todo sorridente com o outro mais era com uma cara forçada consigo? Será que não fizeram nenhuma evolução desde a última vez que se viram, ou ter fugido dele a semana toda contribuiu para aquilo?

- Ei, Kiri, ta na minha hora. - O de cabelos brancos deixou um papel com telefone escrito. - Me liga pra gente se ver ou passar a noite jogando como antes, até mais!
 

Após Tetsu sair do lugar, apenas o ruivo e o loiro ficaram, o clima pesou e um silêncio desagradável se instalou. Katsuki tratou de quebrar dessa vez.

- Você sabe né? O mesmo de sempre.

- Um preto sem açúcar pra cá e um capuccino pra viagem.

Eijiro serviu o café preto em uma xícara grande e foi preparar o café para viagem, mal olhou para o loiro, isso deixou ele irritado. Quando voltou, a xícara ja estava vazia. Eiji deixou o café na mesa e apontou para a caixa registradora, já que ele estava no balcão era melhor  ir deixar o dinheiro direto no caixa.

"Abusado" - Pensou o loiro.

Katsuki foi até onde o ruivo estava e entregou o dinheiro na sua mão, uma nota de 50, sendo que os cafés não custaram nem 12 reais.

- Não tem nota menor? Vou ficar sem troco.

- Te vira.

"Idiota" - Pensou o ruivo.

Kirishima foi passar o troco e a mão ficou trêmula ao se aproximar de Bakugou, o loiro segurou forte a mão dele e o encarou, deixando o outro completamente desconfortável com a situação.

- Quem era o cara que você tava conversando? - Bakugou cerrou os olhos, quase podendo ver a alma de Eijiro.

- Em? - Kirishima indagou incrédulo, o que aquilo tinha haver com Katsuki? Eiji resolveu deixar o desconforto de lado e entrar na brincadeira. - O que foi? Ta com ciúme do Tetsu?

Bakugou puxou o troco com força.

- Ciúmes de você e daquele cabelo esquisito? Não fode, cabelo de merda! Ta se achando só por que eu te dei um beijo daquela vez? Aquilo não significou nada! - A última frase não saiu com a firmeza que Katsuki esperava. O ruivo não era muito de se aproveitar de certas situações como essa, só que dessa vez não queria sair por baixo, ele notou a abertura e não deixou a oportunidade passar.

- Claro que não, até por que eu e o Tetsu fizemos bem mais do que só nos beijar. - Eiji deu um sorriso provocativo e virou as costas para Bakugou, fingindo enxugar alguns copos, mas na verdade não queria mostrar o rosto vermelho para o loiro.

Por uns cinco segundos, tudo ficou no mais absoluto silêncio, aquilo mais parecia uma eternidade para o ruivo, ele sabia que Bakugou ainda estava lá por que não ouviu o sino da porta tocar, tudo que se passava na sua cabeça era que o loiro estava se preparando para socar a cara dele, se arrependeu de ter provocado quando sentiu a mão pesada de Katsuki segurar forte no seu ombro e virar, jurava que seria espancado. O loiro tinha um olhar sério, a respiração estava baixa e Eiji podia sentir o próprio coração quase quebrar a caixa torácica. A mão livre de Bakugou puxou Kirishima pela cintura e os rostos ficaram próximos, ele roçou os lábios nos do ruivo e Eijiro jurou que aquilo so podia ser um sonho. A mão que estava no ombro do ruivo subiu para os fios e enroscou-se neles, Katsuki puxou a cabeça dele para mais perto e sugou o lábio inferior, adentrando com a língua ainda quente e com gosto de café na boca do ruivo, dessa vez ele teve tempo para sentir bem o sabor e reagir, enrolando a própria língua com a do loiro. Katsuki até se espantou um pouco, não pensou que o ruivo teria tal atitude, mas não deixaria ser dominado. Puxou levemente a cabeça de Kirishima para trás cortando o beijo e mordeu o lábio dele.

- Dúvido que esse Tetsu faça isso melhor do que eu. - Katsuki passou o polegar na marca que deixou na boca de Eijiro. - Não esquece do ensaio, passo aqui amanhã para te buscar depois do expediente.

O loiro saiu do estabelecimento e dessa vez não resistiu, passou numa conveniência próxima ali e comprou um cigarro, do mais barato e mais cheio de nicotina que tinha. Seu coração estava quase saindo pela boca, precisava se acalmar, não lembrava de alguma vez que um simples beijo teria o deixado assim.

Na cafeteria, Kirishima ainda tentava recuperar o fôlego, sentiu-se na obrigação de pedir desculpa a Tetsu por ter inventado uma mentira daquelas com ele, não sabia se a cabeça estava no céu ou no inferno, se tratando de Bakugou, era mais fácil comparar com uma montanha-russa.

Após alguns minutos e depois de se recompor, resolveu ligar para Mina e contar o que tinha acabado de acontecer, ainda estava um pouco preocupado com a primeira ameaça de morte de Bakugou, mas ja que ele não havia mencionado nada dessa vez, não viu que poderia ter muito problema. Ao abrir o aplicativo de mensagem, viu que tinha uma de um número desconhecido.

"Até que você não beija tão mal, cabelo de merda"

- Nem fodendo! - O ruivo exclamou, ele não fazia a menor ideia do que responder.

"Obrigada..." - Foi a resposta que Eijiro julgou ser a mais prudente.

Não demorou muito para a resposta chegar.

"Você é um idiota. Se eu chegar no café e você atrasar se quer três minutos, considere-se um homem morto. Até amanhã"

- Onde eu fui me meter?  - Pois é Eijiro, onde você foi se meter?



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...