História Single Father - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Gareth Bale, Saúl Ñíguez, Sergio Ramos, Toni Kroos
Personagens Gareth Bale, Personagens Originais, Saúl Ñíguez, Sergio Ramos, Toni Kroos
Tags Toni Kroos
Visualizações 538
Palavras 1.753
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa leitura!

Capítulo 6 - This


Fanfic / Fanfiction Single Father - Capítulo 6 - This

“Isso é o começo de algo lindo

Isso é o começo de algo novo

Você é a única que me faz perder a cabeça

Você é o começo de algo novo”

 

     Elsa Lindström 

 Finalmente o grande dia havia chegado, o dia que Paula e eu embarcaríamos para Sochi para o jogo da Alemanha x Suécia. Aquele seria meu primeiro jogo de copa do mundo e estava extremamente ansiosa com aquele momento. Era triste torcer contra o Toni, já que nós estávamos cada vez mais próximos, porém era a minha seleção em campo. Ele havia nos dado credenciais para que pudéssemos ficar em uma área vip e nos falou para doarmos nossos ingressos para pessoas na porta do estádio, e era exatamente o que faríamos.

 Chegamos na cidade pela manhã e como  a partida seria só no final da tarde, aproveitamos o dia todo na praia até que finalmente deu a hora do jogo. Coloquei minha camisa do Forsberg e fiz uma pequena bandeira da Suécia na minha bochecha, enquanto Paula vestia uma camisa com o nome e número do Podolski, seu grande ídolo.

 A Suécia já havia uma vitória no campeonato e se ganhasse hoje provavelmente já estaria classificada para as oitavas, enquanto a Alemanha tinha apenas uma derrota contra a seleção mexicana e dependia muito daquele jogo.

 Nós estávamos extremamente animadas no caminho até o estádio e ficávamos nos provocando. Mesmo a Alemanha tendo um time bem superior ao da minha seleção, eu acreditava que conseguiríamos fazer um bom jogo e nos classificarmos já naquela partida.

 Na entrada doamos nossos ingressos para um casal alemão e logo já fomos com as credenciais para o nossos lugares. Aquele era definitivamente o melhor lugar para assistir ao jogo, estávamos bem próximos ao campo e ao banco de reservas. 

 Após alguns minutos ali apenas assistindo ao aquecimento, ouvi uma voz conhecida e logo senti envolverem minhas pernas em uma abraço. 

 — Tia Elsa! — Leon falou animado e beijou minha bochecha. — Por que você não está com a camisa da Alemanha?

 — Porque eu sou sueca e hoje estaremos em times opostos! — Foi minha vez de selar sua bochecha.

 — Mas eu posso sentar com você mesmo assim?

 — Claro que pode, meu anjo!

 — Leon, para de incomodar a moça! Vem para cá. — Uma senhora apareceu ao lado do garotinho.

 — Pode ficar tranquila que ele não me incomoda. — Sorri.

 — Ela é a nova namorada do meu pai, vovó. Nós somos amigos!

 — Desculpe-me, eu não sabia que Toni estava namorando. Não acredito que ele não me contou! — Falou brava. — Bom, eu sou Birgit e aquele é meu marido Roland. — Apontou para o senhor que estava sentado com a Amelie no colo e logo chamou-o. — Roland, vem aqui conhecer nossa nova nora!

 — Nora? Não sabia que o Toni estava namorando! Prazer em te conhecer...? — Cumprimentou-me e Amelie logo jogou seus bracinhos em minha direção.

 — Meu nome é Elsa e vocês não sabiam que Toni está namorando, porque ele não está. — Ri sem graça. — Nós somos apenas amigos!

 — Mas vocês se beijaram. — Leon nos dedurou e eu queria enfiar minha cabeça na grama do estádio. Paula apenas ria ao meu lado daquele momento constrangedor.

 — Leon, para com isso, você está deixando a moça sem graça. — Birgit falou rindo. — Enfim, Elsa, foi uma prazer te conhecer e vai ser um prazer te ter na nossa família em breve. 

 — O prazer é todo meu! 

 — Vovó, posso ficar sentado aqui com ela? — Leon perguntou.

 — Na verdade nossos lugares também são aqui, Leon. Acho que seu pai fez isso propositadamente.

 — Eba! — O garotinho sentou-se ao meu lado e nós ficamos conversando até a hora do jogo começar.

 

 A partida começou com o time alemão melhor em campo, porém a Suécia aproveitava os contra-ataques e aos 32 minutos conseguimos abrir o placar com um gol de Toivonen. Comemorei o gol contidamente, já que estava cercada por alemães, mas a minha vontade era gritar igual um louca. Minha seleção naquele momento estava se classificando para as oitavas de final da Copa do Mundo.

 O primeiro tempo terminou daquela maneira e a tensão nos olhares de cada alemão presente no estádio era nítida. Se o time perdesse aquele jogo, eles estariam fora da competição e seria a pior campanha da história da seleção. A pressão nos jogadores era ainda maior por terem ganhado a última edição e a Copa das Confederações. Confesso que fiquei triste pelo Toni e talvez meu subconsciente tenha começado a torcer por ele.

 Logo no começo do segundo tempo, Reus fez um gol e empatou o jogo, fazendo com que todos os alemães ali presentes voltassem a acreditar e a cantar apoiando sua seleção. Leon sabia todos as músicas da torcida e eu achei isso muito fofo, acabei filmando aquele momento para eternizar.

 O jogo estava chegando ao fim e a Alemanha estava cada vez mais sem tempo. Aos 82 minutos de jogo, Boateng foi expulso e pude perceber lágrimas nos olhos de vários torcedores alemães, porque era praticamente impossível conseguir virar o jogo naquela situação. Porém, aos 94 minutos, a Alemanha sofreu uma falta perigosa e Toni preparou-se para bater. Aquele era, provavelmente, o último lance do jogo e a responsabilidade estava toda em seus ombros.

 Toni chutou a bola para Reus, que apenas ajeitou para que ele batesse novamente em direção ao gol. Gol da Alemanha! O gol que mantinha vivo o sonho alemão de conquistar o pentacampeonato naquele ano.

 O Leon parecia que explodiria de tanta felicidade. O garotinho estava pulando no banco da arquibancada e eu acabei rindo de sua animação. 

 Quando o juiz apitou o fim do jogo, os jogadores começaram a sair de campo e o Toni parou ali para mandar um beijo para os filhos e família, já para mim ele lançou um sorriso irônico e eu apenas revirei os olhos. 

 Nós continuamos ali no estádio para esperar a saída esvaziar um pouco e logo recebi uma mensagem.

 “Esse gol foi para você! Espero que já tenha decorado o Hala Madrid!” 

 “Próximo jogo da Alemanha vai ter hat-trick do Son!”

 “Credo, não fala isso nem de brincadeira! Mas enfim, Löw me liberou para ficar uma hora com meus familiares hoje como um agradecimento pelo gol. Avisa minha família que vocês vão me encontrar em meia hora no restaurante do hotel que estou hospedado.” Junto com a mensagem havia a localização do local.

 “Ok. Até mais tarde!”

 Bloqueei meu celular e avisei a todos o que Toni havia pedido. Logo fomos pedir táxis para nos levar até o local. Foram necessários apenas dois; em um carro foram os pais do Toni com as crianças e no outro eu fui com Paula, Felix e Lisa - irmão e cunhada do Toni. Eu estava um pouco nervosa com aquela situação, porque nós nem namoramos ainda e eu já estou conhecendo os seus pais. Nós definitivamente estávamos pulando várias etapas.

 

 

 — Boa noite, gente! — Toni falou assim que chegou no local.

 — Papai! — Leon e Amelie falaram juntos e correram em direção a ele.

 Toni beijou a bochecha dos dois e logo veio cumprimentar o resto do pessoal. Quando chegou minha vez, não podia faltar uma provocação.

 — Gostou do gol? — Riu.

 — Toni, se você falar mais uma vez sobre isso, serei obrigada a comprar uma camisa da Coréia para ir no seu próximo jogo! — Falei brava e ele arregalou os olhos, o que me fez cair na gargalhada.

 — Para se ser chato, Toni! — Felix falou.

 — Vocês acham que eu estou sendo chato, porque não viram o que ela fez quando perdemos para o México! — Toni falou e eu dei de ombros.

 Antes da partida, Toni havia me mandando várias mensagens falando que aquele jogo era para mostrar quem são os melhores do mundo e quando eles perderam, precisei zoar. Porém era tudo na brincadeira e eu acreditava que eles conseguiriam reverter aquele resultado, caso contrário, eu jamais faria isso com ele.

 — A Elsa merece ser muito zoada, porque ela quase soltou fogos de artifício quando saiu o gol do México. — Paula me dedurou.

 — Então a zoeira com ela está liberada, não tem como te defender, futura cunhada! — Felix falou e eu acabei rindo.

 — Papai, você é o monstro de gelo da tia Elsa, tem que defendê-la e não ficar fazendo piadinhas. — Leon falou bravo e veio sentar-se ao meu lado.

 — Desculpa, filho. Vou parar de zoar a sua protegida! 

 Todos começaram a conversar sobre o jogo, eles estavam animados pelo gol do Toni e extremamente felizes por continuarem vivos na competição. Falaram também sobre o confronto contra a Coréia do Sul e estavam super confiantes com aquele jogo, já que a seleção é mais fraca e, provavelmente, eles passariam fácil por ela. Porém, Toni não parecia tão confiante assim e isso me preocupou, porque antes da copa ele era a pessoa que mais acreditava no título.

 — Toni, por que você não parece animado com o jogo de quarta? — Felix perguntou com o cenho franzido.

 — Porque o time está com alguns problemas internos que podem refletir em campo. — Falou cabisbaixo e eu levei uma mão até sua coxa por baixo da mesa para passar apoio. Ele colocou sua mão junto com a minha e me lançou um sorriso. — Talvez eu tenha que postar uma foto com a camisa do Atlético. — Riu fraco.

 — Não fala isso, Toni! Vai dar tudo certo para vocês. Eu até já decorei o Hala Madrid! — Falei e ele riu.

 — É sério? — Perguntou chocado e eu apenas assenti. 

 — Por que eu sou sua amiga mesmo? — Paula revirou os olhos, porém logo riu também.

 

 

 No final do jantar, Toni despediu-se de todos e por último, quando todos já estava saindo do local, ele veio até mim.

 — Mesmo você torcendo contra o munha seleção, estou extremamente feliz por você estar aqui. — Falou acariciando minhas bochechas.

 — Quarta vou torcer muito por você, mesmo com todo o seu pessimismo. — Ri.

 — Obrigado! — Selou nossos lábios. — Minha família gostou de você e da sua amiga. 

 — Eu não acredito que já conheci sua família, nós estamos pulando várias etapas.

 — Acho que já somos maduros o suficiente para sabermos o que queremos e não precisamos ficar enrolando.

 — Você tem razão! — Selei novamente nossos lábios e ele me envolveu em seus braços. 

 — Infelizmente, agora tenho que ir! Mas já estou ansioso para te encontrar no meu próximo jogo.

 — Eu também!

 — Se quiser, posso pedir para entregarem uma camisa da Alemanha com o meu nome e número para você.

 — Não abusa! — Falei e ele riu.

 — Até quarta!

 Ficamos trocando alguns selinhos até Leon vir me chamar, falando que nossos táxis já tinham chegado. 

 


Notas Finais


Espero que tenham gostado!! Comentem xx

Link da música: https://youtu.be/Q8gsWPRlW4U


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...