História Sinner (Hiatus) - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jungkook, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Beyond The Scene, Bts, Lemon, Vmin, Yaoi, Yoonkook
Visualizações 85
Palavras 2.459
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Bom dia, boa tarde, boa noite. Eu não planejava postar esse capítulo hoje, porque eu estava viajando e a situação está precária se tratando de internet rs Mas, eu estou aqui plena dentro do ônibus de viajem usando o maravilhoso (sqn) WiFi que cai mais do que chuva em dia de verão. Enfim, espero que gostem do capítulo e tenham uma aju nice leitura.

Xoxo ッ

Capítulo 2 - I'm a sinner and lie is my sin


Fanfic / Fanfiction Sinner (Hiatus) - Capítulo 2 - I'm a sinner and lie is my sin

     Era o início do inverno na cidade de Seoul. Boa parte dos habitantes estariam no conforto de suas residências, bebendo chocolate quente e assistindo algum filme qualquer com a família ou com o parceiro. Quem exatamente em uma sã consciência estaria em uma bela e plena manhã de segunda-feira, experimentando um pouco desse clima frio sem a proteção das paredes de sua casa?

     Eu mesmo. 

     O som abafado do meu sapato batendo contra as pedras lisas da calçada era audível, considerando que a rua se encontrava praticamente desértica. Uma enorme neblina cobria o final da rua, que se tornou um tanto perigosa no momento em que a visibilidade dos veículos que andavam pela estrada, havia diminuído. Pensando nisso, resolvi permanecer longe da beirada da calçada, com os meus olhos astutos que não reduzia uma atenção sequer ao que estava acontecendo ao meu redor. Não havia muita coisa que eu pudesse prestar atenção, já que eu era praticamente o único pedestre no local. 

     Haviam se passado duas semanas desde a suposta reunião na igreja, que eu havia posto em prática o meu voto de castidade e, consequentemente, desde que eu tinha visto TaeHyung. Tal fato era estranho, pois, o garoto não hesitava em me ligar todo o santo dia, e me esperar em frente a minha residência para irmos juntos para a faculdade. Talvez fosse algo para se preocupar, talvez não. Às vezes um sentimento de culpa me invade, juntamente com as lembranças de todas às vezes que ele fizera comentários insinuativos para mim. Nunca tive a certeza se ele sentia algo por mim além de amizade, mas certas coisas deixaram isso parcialmente confirmado. Entretanto, tenho muitos motivos para me fazer de difícil sempre que ele toca no assunto. Além do mais, esses motivos são mútuos e, por mais que eu chegasse a sentir o mesmo por ele, nada do que é hoje iria mudar. 

     Entretanto, ele sempre parece ficar um tanto deprimido cada vez que tocamos no assunto. E, isso me trás uma certa preocupação em relação à ele, porque, a cima de tudo, ainda somos amigos. 

     Amigos. 

     Cessei os meus passos ao chegar em um estabelecimento não muito longe de onde eu morava, cujo o mesmo era uma cafeteria. Como o previsto, estava completamente desguarnecido. Havia apenas uma atendente que se apoiava no balcão com a cabeça abaixada, uma verdadeira aparência desolada. Não que estivesse, porém, era essa a sensação que sua aparência trazia. 

     A jovem levantou o rosto rapidamente ao ouvir o som baixo de alguns sinos tocarem assim que adentrei o local e, antes que eu pudesse prosseguir com a minha aproximação, retirei a minha touca revelando os meus fios claros de cabelo que estavam, anteriormente, escondidos por aquele tecido quente. Parei em frente ao balcão, apresentando apenas um sorriso simples, sem exageros. 

   – Posso ajudar? – Uma voz um tanto estridente transpassou os meus ouvidos, demandando sobre qual seria o meu pedido. 

   – Um macchiato de caramelo, por favor. – Solicitei educadamente, enquanto encarava discretamente a jovem em minha frente, que anotava tudo em um bloquinho de notas cor de rosa. 

   – Você é o único louco a sair por aí hoje, sabia? 

   – Sim, eu percebi. – Repliquei, introduzindo uma das mãos no interior do bolso do meu casaco, onde retirei algumas notas de dinheiro, as quais permaneci em mãos todo o tempo que a moça permaneceu preparando o café.

   – Aqui está. Ficam em- 

   – Tudo bem, eu já sei. – Apontei para a tabela de preços com o olhar, enquanto entreguei a quantidade exata em suas mãos, colocando a ponta do canudo entre os meus lábios assim que percebi o sorriso sem graça da mesma. Me direcionei até uma das mesinhas que ficavam no canto do estabelecimento, para acaso alguém entrasse - algo quase impossível - eu pudesse passar despercebido. 

   – Se precisar de mais alguma coisa, é só pedir. – Ela falou animadamente, mantendo um sorriso simpático nos lábios. 

   – Sei... – Murmurei revirando os olhos. Sinceramente, a única coisa que eu conseguia ver era, uma jovem que fingia empatia porque fora obrigada a ser legal com os clientes, mesmo contra a própria vontade. Apenas isso, nada demais. 

     Suguei um pouco do café com os lábios envoltos do canudo, sentindo aquela bebida extremamente quente descer praticamente rasgando a minha garhanga. Optei por permanecer em silêncio, não estava muito afim de ter um diálogo com a atendente, mesmo já tendo vindo algumas poucas vezes em tal cafeteria. 

     O silêncio não prevaleceu por muito tempo, pois o barulho sino foi audível novamente, juntamente com uma toada de vozes que preencheu o ar sobrecarregado da cafeteria. Levantei o meu olhar - que até o momento estava direcionado para o super interessante chão - ao perceber duas presenças que se aproximaram diretamente do balcão, iniciando um diálogo com a atendente. Eram dois garotos, aparentemente, da minha idade, aproximadamente. Talvez fossem mais novos, talvez fossem mais velhos; infelizmente não era algo que eu pudesse adivinhar, e eu não tinha interesse em saber desse detalhe. 

     Não que isso quisesse dizer alguma coisa, mas por um momento, eu sequer percebi que estava os encarando desde que entraram no estabelecimento, e quando me dei conta, um deles estava me olhando com uma das sobrancelhas elevada e, com uma expressão como se me perguntasse o que eu estava olhando. Desviei o meu olhar rapidamente para algum lugar qualquer quando notei o seu olhar sobre a minha pessoa, não deixando de reparar no seu sorrisinho fraco enquanto balançava a cabeça negativamente. O mais baixo deles ainda conversava com a atendente, provavelmente fazendo o pedido. 

   – Desculpe Seo, nós precisamos voltar. Mais tarde eu passo aqui. – O mais alto deu uma discreta - ou talvez não - piscadela, juntamente com um pequeno sorriso sem mostrar os dentes, enquanto apoiava-se no balcão com o tronco inclinado para frente. A atendente apenas assentiu colocando uma mecha de cabelo atrás da orelha. Jestos extremamente típicos. 

     Evitei ao máximo voltar o meu olhar para eles diretamente, esperando apenas que eles saíssem do local, e se saíssem. Ouvi um som baixo de passos que foram sendo diminuídos gradativamente, tendo agora a certeza de que eles haviam saído. 

   – YoonGi? – O meu olhar foi lançado diretamente em direção a porta, tendo a visão de TaeHyung que estava adentrando o local – O que está fazendo aqui? 

   – Bebendo um café, e você? – O questionei desviando o meu olhar para o copo de café. 

   – Eu sempre venho aqui. – Respondeu enquanto se sentava em uma das cadeiras em minha frente – É mais agradável do que ir para as lanchonetes na frente da minha faculdade. Aliás... Você não foi para a faculdade hoje? 

     Talvez eu tenha esquecido desse pequeno detalhe. Eu não estava andando quase sem rumo pelas ruas da cidade apenas porque eu tive vontade, eu apenas não poderia voltar para casa anunciando que não havia ido para a faculdade. Claro, minha mãe iria me matar antes que o meu pai fizesse isso. 

   – Ah... Eu... Fui suspenso. – Respondi sem pensar muito. 

   – O que um garoto como você teria feito a ponto de ser suspenso de suas aulas? – Ele me questionou com um tom de voz um tanto debochado, me fazendo franzir o cenho em meio a uma dúvida que veio a minha mente, que se perguntava se isso fora sido intencional. 

   – O que um garoto como eu? – Repeti a sua pergunta, agora sendo falada em primeira pessoa – Você fala como se eu fosse a pessoa mais certinha do planeta. 

   – Talvez por você ser um futuro padre. – Me respondeu como se isso fosse algo óbvio, e talvez fosse de fato – A maioria das pessoas diriam isso. 

   – Não é por isso que eu preciso agir como um cachorrinho obediente da ditadura. Nem você faz isso. – Dei de ombros, bebendo mais um gole do meu café.

   – Podemos dizer que nós estamos em situações muito diferentes. Eu me surpreendo por você ainda estar vivo. 

   – Meus pais encararam isso numa boa. E respondendo a sua pergunta, eu fui suspenso após entrar em uma briga. 

   – Bem, não faz mal perder. 

   – Quem disse que eu perdi? Eu dei uma lição no cara que ele não irá esquecer tão cedo. – Revirei os olhos. 

   – Que tipo de pessoa mede forças com você e perde? – Ele inclinou-se um pouco para frente, apoiando a cabeça sobre as próprias mãos. 

   – Isso não importa. É melhor você voltar para a faculdade. – Levei o canudo entre os lábios, bebendo o resto do conteúdo de dentro do copo. 

   – Mas, eu acabei de chegar. – Resmungou formando um pequeno bico em seus lábios – A aula só vai começar daqui uns trinta minutos. 

   – Hm... Olha a hora, eu preciso ir. Mas, nos vemos depois que você voltar da aula. – Eu e TaeHyung não nos víamos muito durante a semana, pelo motivo de estudarmos em faculdades diferentes. Isso era um bônus para que eu pudesse o evitar de vez em quando. 

   – Está me evitando de novo? – Na mosca – Por que você é assim? 

   – Assim como? – Perguntei fingindo confusão. 

   – YoonGi, o que você acha que eu vou fazer? Só porque eu tenho uma queda por você, não quer dizer que vou te agarrar a qualquer momento! Eu sei bem respeitar o espaço dos outros, e eu não faria nada que você já tivesse negado. – TaeHyung falava cada palavra aumentando um pouco o tom de voz a cada sílaba pronunciada, aparentando estar realmente irritado. Suspirou pesadamente passando os dedos de uma das mãos entre os fios de seu cabelo, apoiando-se na mesa e se levantou lentamente – Se não me quer por perto, é só você me dizer. Não precisa ficar inventando desculpas para eu sair da sua vista. – Por incrível que possa parecer, a minha grande separação não foi com uma garota, foi com o TaeHyung – Aliás, você provavelmente nem deve ter se importado com o tempo que eu fiquei sem te ligar... Bom, não importa mais. É sério, eu já cansei disso. 

     Sem mais delongas, o Kim direcionou-se até a porta do estabelecimento em passos duros e pesados. Ele aparentava almejar me dar um soco a qualquer momento, porém, não o fez, talvez por estarmos em um lugar público; e não seria legal construir uma discussão maior em uma plena cafeteria. Recostei o meu tronco novamente na cadeira, direcionando o meu olhar para a atendente que me encarava com um certo espanto. Naquele momento, eu iria perguntar o que ele estava olhando, entretanto, no instante em que ela percebeu o meu olhar sobre ela, a mesma virou o rosto com um certo disfarce, então, resolvi deixar para lá. 

   – Pode me dar mais um café? – Perguntei elevando uma das sobrancelhas, permanecendo com os braços cruzados. 

                              [ . . . ]

     Os meus passos se encontravam acelerados, deixando clara a pressa que eu possuía para chegar em meu final destino. Faziam poucos minutos desde que eu havia tido aquela pequena discussão com TaeHyung e, não iria negar que eu estava um pouco culpado. Talvez eu devesse o deixar em paz por algum tempo, era provável que ele iria me expulsar a chutes se eu ao menos pensasse em falar com ele. Após o meu último café e um turbilhão de pensamentos que rondavam a minha mente durante esse tempo, tirei a conclusão de ir para a faculdade, melhor do que ir para casa. Seria muito mais fácil aguentar os professores do que os meus pais. 

     Assim que cheguei em frente ao prédio, adentrei o local sem delongas, passando pelos alunos que iam e vinham pelos corredores, como sempre, despercebido. A única pessoa com quem eu tinha amizade era TaeHyung, porém, ele estudava em outra faculdade e, eu não tinha a certeza se essa "amizade" iria durar muito tempo. A única coisa que tínhamos em comum era o fato de nós dois servirmos à igreja, e apenas isso. Fora a única coisa que nos aproximou e que, possivelmente iria nos afastar, se já não tivesse afastado. Eu tinha alguns "amigos" na minha faculdade, mas, era o tipo da amizade errada. 

   – É aí, YoonGi? Achei que era pecado se atrasar para a aula. Melhor você sair daqui e ir para a igreja se confessar. – Um garoto gritou de onde estava, talvez por eu estar um pouco longe, em meio a alguns risos, assim como o restante dos estudantes que estavam com eles. Eu normalmente ignorava tais provocações, considerando que isso começou ao descobrirem que eu pretendo ser padre, e não faz pouco tempo. Portanto, é algo que eu estou acostumado. 

   – Me deixa em paz... – Murmurei abaixando o meu olhar, enquanto acelerava o ritmo dos meus passos em direção aos armários. Soltei um pouco do ar que havia puxado para o interior da minha cavidade bucal, realizando a combinação rápida da porta do meu armário assim que cessei os meus passos, parando em frente ao mesmo – Mas, o quê? – Levantei um pouco os meus calcanhares, afim de ver a última prateleira do armário com mais facilidade, o qual havia algo bem no fundo – Muito engraçado, hein... – Ironizei, no momento em que retirei um terço de dentro do armário. Era bonitinho, não iria mentir. Entretanto, o fato de estar ciente de que aquilo certamente era uma piadinha, não me tirava a vontade de tacar o objeto na cara deles. 

     Não tinha a total certeza de quem havia o colocado lá, entretanto, fiz questão de colocá-lo envolta do meu pescoço, retirando alguns dos meus materiais antes de fechar a porta do armário. Não era tão ruim assim comparando as outras brincadeiras que já fizeram, cujo eu não estou muito afim de me lembrar. Segurei alguns livros sobre ambos os meus braços, enquanto seguia tranquilamente para a minha sala, como se nada tivesse acontecido e eu fosse a pessoa mais pontual da face da terra. 

   – Gostei do seu novo colar, YoonGi. – Um garoto passou por mim com uma das mãos sobre a boca, com certeza estava querendo evitar de rir da minha cara. Nada muito anormal. 

   – Foi você quem colocou no meu armário? – O questionei sem pestanejar. 

   – Ah, não. Foram uns caras do curso de direito. – Respondeu simplista. 

   – Eu nem sabia que essa faculdade tinha direito. – Bem, eu estudo línguas, pelo fato de meus pais acharem que isso irá me ajudar futuramente para o que eu planejo seguir. Não sou obrigado a saber de todos os cursos existentes nesse lugar. 

   – Ah, tá. – Suspirei pesadamente – Eu não sei o porquê de pegarem tanto no meu pé. Qual é o problema? Tudo isso só porque eu serei padre? 

   – Sim. – Sorriu minimamente. 

   – Não era bem essa resposta que eu esperava. Mas, valeu mesmo assim. – Dei de ombros seguindo o meu caminho, torcendo que não brotasse mais ninguém para fazer alguma piadinha sem graça, como todos os dias. Mas, é claro que isso não seria possível. 

   Talvez eu tenha sido destinado a ser popular. Entretanto, no sentido de ser o centro das atenções de zombarias. 

   Eu realmente não mereço isso. 


Notas Finais


Como eu já havia mencionado, essa Fanfic não será tão longa, mas eu estou gostando tanto de escrever e estão vindo tantas ideias, que provavelmente irá passar da estimativa de capítulos que eu tinha em mente (que não iria passar dos 5). Mas, acho que provavelmente vai passar mesmo \0/ Tenkiu veri mâtch pelos fav, pois isso me deixa com mais vontade e mais animada para escrever aaaaa Lovo vocês seus gays -q Enfim, até o próximo capítulo u.u

Xoxo ッ


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...