1. Spirit Fanfics >
  2. Sintonia - Melendaire >
  3. Não vamos nos apaixonar esta noite

História Sintonia - Melendaire - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Aos apaixonados por Claire e Melendez eu vos trago essa obra prima!

Capítulo 1 - Não vamos nos apaixonar esta noite


 

Melendez filtra seus e-mails, a maioria deles são as mesmas coisas chatas que ele não precisa ler. Atualizações, para relatórios de incidentes que passaram há muito tempo que não exigem mais sua atenção, um e-mail para dizer que é hora de agendar seu credenciamento anual de ressuscitação avançada, um lembrete de Jen no RH para dizer que ela está disponível para interrogatório e supervisão clínica, se necessário - as mesmas estratégias antigas de retenção de funcionários do hospital que, embora ele saiba que são bem-intencionadas, são consideradas superficiais. Ele está neste trabalho há tempo suficiente, destacou questões de segurança e preocupações com a equipe de RH, mas em resposta, ele recebeu uma resposta dizendo que suas preocupações foram 'observadas para consideração' e ele sabe que nunca ouvirá nada sobre elas novamente. Há um e-mail de um antigo colega de trabalho de um anexo que ele fez em Michigan, O professor Edwin, um notável cirurgião cardiotorácico, faleceu e seu funeral será realizado daqui a um mês como uma celebração de sua vida, compromisso e conquistas. Neil provavelmente deve mostrar seu rosto como um gesto de boa vontade, se não como uma oportunidade de networking, mas ele está profundamente ciente de que o professor Edwin era um misógino, racista e assediador em quantidades iguais e tem certeza de pelo menos um punhado de ameaças de chantagem terá morrido com ele.

 

Seu telefone acende com a mensagem em sua mesa, vibrando fortemente contra a mesa de vidro enquanto a notificação da tela toca. É a Claire. Sua respiração sufoca por um segundo e ele mal perde uma batida enquanto pega o celular na mão, um sorriso já brincando nas beiradas dos lábios. O faz rir consigo mesmo que ela é exatamente o tipo de pessoa atenciosa que o atualizaria em sua lista de tarefas, além de convidá-lo para o sexo. Ele tem certeza de que os enfermeiros estão emocionados com ela; eles sempre são. Seus resumos de alta são preenchidos em tempo hábil; seus pacientes sempre recebem analgesia apropriada e sempre pensam o suficiente para prescrever laxantes para qualquer constipação pós-operatória induzida por opióides; ela é o verdadeiro negócio, todo o pacote e sempre que ele pensa nela, seu coração canta positivamente. Ela é inteligente, talentosa, resiliente e bonita. Ele deseja poder receber crédito pelo tipo de médico que ela é, mas ela o administra sozinha da sua maneira. Enquanto os outros avançam em uma brutalidade cruel, se beijam ou pisam nos dedos um do outro, ela continua praticando, aprendendo e crescendo. Ela não apenas melhora a si mesma, ela o torna uma pessoa melhor também, ela o mantém na ponta dos pés e nunca lhe permite tempo para se tornar complacente.

Ele zomba de si mesmo por um momento, fica a dez minutos de transar e tudo em que consegue pensar é o orgulho de seu caso. Esse é exatamente o tipo de pessoa que ele se tornou e funciona para ele. Ele costumava ser uma criatura de hábitos, mas as coisas mudaram desde que ele começou a trabalhar com a Dra. Claire Browne. Neil fecha o laptop, coloca o celular no bolso do paletó do terno requintado e encontra os pés. Ele se sente bastante visto, como se metade do mundo já soubesse o que está fazendo, mas até agora é o seu segredo mais bem guardado. Ele sabe que o RH não aprova e tem uma visão sombria das relações românticas entre profissionais semelhantes no hospital, então ele certamente cobrirá seus rastros com muito cuidado quando se trata da relação platônica de amigo com benefícios que ele tem com sua residente, de todas as pessoas. Ele é médico assistente, ele pode se desculpar com base em seu valor e experiência com talvez uma anotação em arquivo ou algum sabático "encorajado" na pior das hipóteses, mas para Claire poderia ser o fim da carreira. Ela já trabalhou duro o suficiente para tudo o que tem e ele não dormia à noite se soubesse que prejudicou seu sustento.

 

Neil caminha até a sala de chamada proposta com uma marcha casual, tomando cuidado para não chamar muita atenção para si mesmo. Só porque são 19h, não significa que ainda não haja olhos e ouvidos suficientes para começar um boato sórdido. Ele sabe exatamente como são as pessoas neste lugar - nem precisa ser verdade para ganhar força. Seu pager está enfiado no cinto, ele é o cirurgião de plantão de hoje à noite por trauma e, embora não deva ser bipado a menos que haja um pré-alerta para um trauma grave, isso ainda não significa que ele não leva um momento para fazer algum tipo de oração a quaisquer forças que estejam em jogo para, pelo menos, permitir-lhe privacidade por enquanto.

 

"Boa noite, Jerry", ele chama o colega que caminha na direção oposta a ele, voltando para casa, para sua família. Jerry retorna sua saudação com um aceno improvisado de uma mão com uma maleta. Deve ser bom voltar para casa com alguém que te ama todos os dias, ver seus filhos e ler uma história para eles antes de dormir. Ele adoraria viver  isso um dia, se o trabalho permitir, mas ... ah, basta disso. Ele se detém, não é o tipo de coisa que ele realmente quer pensar no momento, ele sabe que se considerar por muito tempo, isso afetará seu humor e, agora, ele tem outras coisas para pensar. 

Tipo:

Ele se pergunta o que Claire está vestindo por baixo das roupas. Ela sempre fica linda em tudo o que veste, é uma daquelas pessoas que podem chamar sua atenção sem nem tentar. Seus olhos verde-avelã chamando seu olhar e o sorriso ... ela é divina para ele. Ele sabe que é bonito, sempre teve consciência disso, já aproveitou o tempo suficiente, mas com ela ainda não consegue acreditar na sorte. O que acabou sendo bebidas após o turno, assistir a um filme ou correr, acabou progredindo para um relacionamento de respeito mútuo que, por acaso, envolveu o bônus adicional de dois adultos consentidos que praticam sexo.

 

 

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

 

 

Claire espera na sala de plantão, sentada no beliche inferior da cama, enquanto ela enfia o celular no bolso do jaleco e ela fica bufa cansada, mas ela pode se sentir já ficando mais molhada com o pensamento dele atravessando por aquela porta, estabelecendo-se entre as pernas e transando com ela através de um orgasmo. Ela se vê tendo que cruzar as pernas por frustração, apenas pensando na maneira como ele entrelaçará os dedos entre os dela quando a entra, olhando profundamente em seus olhos. Ele é o primeiro cara com quem ela realmente sentiu alguma conexão em particular. Ela não é estranha ao sexo, é uma mulher adulta com uma libido saudável e já viu alguns caras de vez em quando, na maior parte do tempo sem tédio ou usando-os como uma forma de se distrair do que quer que esteja acontecendo com ela, na vida, seja o estresse da residência ou a vida privada com a mãe, um orgasmo é sempre uma maneira infalível de tirar tudo da cabeça, mesmo que seja apenas por 10 minutos com um cara de aparência decente. Ela mordeu o lábio, esperando pacientemente.

 

Ela ouviu uma batida na porta, ele não era nada senão educado e pontual, ela sorriu para si mesma quando abriu a porta para ele, pegando a mão dele assim que o pé cruzou o limiar da entrada enquanto ela puxava. ele para o quarto. A mão dele atrapalhou-se atrás dele, enquanto brincava com a fechadura da porta, mudando-a para engatada quando os olhos dele encontraram os dela.

"Ei, você veio." Ela ofereceu, um leve rubor rosado subindo por suas bochechas. Havia uma inocência suave em seu tom.Toda vez que ele a vê, ela ainda está cheia de algum tipo de sentimento de excitação ou alegria. 

"Claro que eu vim." Ele respondeu, envolvendo os dedos em torno dela com a porta agora firmemente trancada atrás de si - os dois estavam agora sozinhos em segurança na sala de plantão e eles tinham tempo suficiente para a reunião clandestina. Ele vê o rubor e a maneira como os lábios dela se curvam em um lindo sorriso enquanto seus olhos se iluminam e ele simplesmente não consegue deixar de envolver a mão livre em volta da cintura dela para puxá-la para mais perto dele.

Ela está se movendo na ponta dos dedos dos pés quando ele a empurra contra ele, seu corpo pressionado contra o dele enquanto a cabeça dele se inclina levemente até a altura dela, seus lábios se encontram com os dela quando ele a beija no começo apenas uma vez ... mas então ele a beija de novo e de novo , cada vez mais e mais profundo. Ele sente a maneira como a respiração dela trava enquanto ela prende a respiração, beijando-o de volta e aprofundando o beijo.

"Tem sido um longo dia." Ela diz a ele, respirando fundo depois do  beijo. "Eu queria ver você…"

"Eu sei, estou feliz que você ligou." Ele responde enquanto as mãos dela envolvem seu pescoço e ombros, os dedos envolvendo seus cabelos escuros com aquelas ligeiras mechas de sal e pimenta. A mão dele se move levemente, então fica na parte inferior das costas dela, enquanto a língua dele pressiona nela e ele sente o jeito que ela geme no beijo e isso o acende. Ele sente sua ereção começando a apertar em suas calças, pulando com a vibração enquanto ela geme contra sua boca.

"Eu estava pensando no que você disse outro dia", ela começa quando ele move a mão para segurar seu rosto e ele olha profundamente nos olhos dela.

"Sim? O que está em sua mente?" Ele pergunta, mal se afastando do beijo enquanto sua mão vagueia, esfregando círculos apertados nas costas. Ele joga sua mente de volta, tentando pensar no que ela poderia estar se referindo. Talvez ela tenha pensado na outra noite, quando finalmente cedeu e assistiu The Matrix com ele sobre comida chinesa, ou a última corrida no parque na terça-feira de manhã, ou talvez ela esteja falando das bebidas da noite de sábado no recluso, mas vibrante bar Albi, seguido de karaokê.

"Você disse que é desajeitada, é por isso que você não toca guitarra e eu pensei que poderia ensiná-la", ela afirma e ele sente o jeito que ela sorri para o beijo. "Quero dizer, você já é tão boa com as mãos, deve ser uma verdadeira caminhada no parque." Ela ri e Deus , ele está tão excitado que mal consegue pensar mais.

"Sim? Você acha que eu seria uma boa aluna?" Ele sorri, sua mão brincando com as bordas da blusa dela, as mãos dela se movendo para baixo para ajudá-lo a tirá-lo, deixando o sutiã agora exposto a ele. Ele tira a camisa da jaqueta, os dedos apertando os botões da camisa, como se estivesse desesperado para tirá-la agora.

"Eu acho que você seria um excelente aluna" Ela ri, beijando a mandíbula dele, enquanto se afasta dele por um momento até o cós para tirar as calças.

"Sou uma aprendiz rápida, tenho certeza que você já sabe disso." Ela torce o nariz enquanto sorri, pressionando as costas contra a parede enquanto ele joga a camisa no chão. Ela leva um momento para admirar a tatuagem dele, bebendo na visão de seu corpo.

"Mmm, você é." Ele diz enquanto se pressiona contra ela novamente, prendendo-a contra a parede enquanto ele beija seus lábios, depois sua mandíbula, seu pescoço e seu colarinho, ele salta beijos após beijos em sua carne e ela sente que sua pele está pegando fogo enquanto ele trabalha ela para cima. As mãos dela envolvem o cabelo dele novamente enquanto ele desce a pele dela, as mãos dele envolvem as costas dela para desatar o fecho do sutiã enquanto ela permite que ele o retire. "Você é bom nisso." Ela acrescenta, quando o sutiã cai no chão e ele beija os seios dela, amassando-os com as mãos, os dedos brincam com os mamilos dela enquanto ele beija e belisca e chupa sua carne, movendo-se mais e mais baixo até que ele se ajoelha na frente dela. .

"Você é tão linda", ele murmura em sua pele, ela sente a pontada suave de sua barba por fazer e suas mãos em seus cabelos se apertam um pouco e ela geme em resposta. Os dedos dele estão na cintura da calcinha dela e ele vê uma mancha úmida no tecido enquanto os descasca, os lábios ainda descendo pela barriga dela e ela sai da calcinha. Ele os joga para trás, envolvendo as mãos em volta da cintura dela para atraí-la para mais perto. "Eu poderia ficar aqui para sempre", acrescenta ele, colocando um beijo no topo de seu monte, deliberadamente tomando seu tempo enquanto ele beija várias vezes, abaixando um pouco a cada vez.

"Oh Deus, Neil." Ela implora por ele, fecha as coxas com força enquanto aperta para se dar algum tipo de alívio ou algo assim, enquanto ele toma seu tempo. A mão dele se move para o peito dela enquanto ele continua a beijá-la, brincando com o mamilo sensível que já está ereto. Ele é tão bom em tudo que faz e isso a frustra cada vez mais quando ela chia enquanto ele dá um beijo logo acima de seu clitóris.

"Relaxe para mim querida", ele murmura contra ela, ela o sente exalar quando ele olha nos olhos dela enquanto relaxa as coxas, a barba por fazer durante o turno de plantão que roça o ápice da coxa. Ela suspira quando ele coloca a mão, abrindo os lábios de sua vagina para expor seu clitóris a ele enquanto ele sopra o ar sobre ela e ela suspira, inspirando profundamente e cobrindo a boca com a mão. A mão dele se move do peito dela, para tirar a mão da boca dela. "Deixe-me ouvi-lo", ele oferece tranquilizadoramente enquanto seus dedos se entrelaçam com os dela novamente. Ele segura a mão dela enquanto a abre para ele e suas costas arqueiam enquanto ele lambe uma longa faixa de sua vagina, deliberada e lenta e ele ouve um gemido suavemente estrangulado enquanto ela prende a respiração. Ele lambe de novo, cada golpe dolorosamente longo e lento, beijando seu clitóris a cada vez e ela ofega.

"Você é tão bonita, tão incrivelmente bonita." Ele diz a ela, beijando seu clitóris, sua vagina e suas coxas, seus olhos encontrando os dela enquanto ele continua segurando a mão dela. "Você é a mulher mais talentosa, inteligente e incrível que eu já conheci", ele diz enquanto beija sua vagina novamente e ela respira bruscamente, o interior de suas coxas escorregadias agora com seus próprios sucos enquanto a boca dele lambe seu núcleo. . “Eu gostaria de poder ficar aqui para sempre, apenas faça você se sentir bem. Você merece essa Claire, eu quero fazer você se sentir tão bem." Ele repete, e ela geme, chorando com um barulho agudo quando a boca dele envolve seu clitóris.

"Oh Deus, Neil- merda", diz ela, perdida por palavras. Ela tem seu médico assistente, seu chefe e mentor de joelhos à sua frente, praticamente a adorando e ela não consegue pensar em nada para dizer, pois sua mente está invadida, cheia de prazer. Ela segura a mão dele com força enquanto ele chupa e belisca cuidadosamente seu clitóris, beijando e brincando com ela. A mão dele a puxa ainda mais para ele e ela fecha os olhos enquanto as costas se arqueiam mais longe da parede. A mão dele esfrega pequenos círculos nas coxas dela. Seus gemidos se transformaram em um gemido agudo, cada vez mais alto quando ele a trabalha e sua mente está quase inteiramente vazia agora. Ele geme contra ela, as vibrações de sua voz enviando um calafrio quando ela geme o nome dele, com uma inspiração aguda. "Oh Deus, Neil- Neil ..." ela repete, sem saber o que está tentando dizer, porque as palavras simplesmente não se formam e parece que suas pernas estão gelatinosas. "Neil, por favor", diz ela, sem saber o que está implorando, mas ela repete suas palavras "Neil ... Neil, por favor ...", ele faz uma pausa por um momento em suas coxas.

"Você está bem, Claire?" Ele olha para ela, vê que os olhos dela estão fixos no teto enquanto suas coxas tremem. "Claire, olhe para mim ...?" Ele pergunta, dando um beijo cuidadoso em seu monte e ela treme de novo e geme, seus olhos fixos nos dele.

"Eu vou, Neil." Ela geme, os nós dos dedos embranquecem quando seus olhos se fixam na ereção da cueca dele. Ele está trabalhando com ela tão rapidamente e ela não pode deixar de se sentir culpada por um momento que está recebendo todo esse prazer, mas ela mal consegue entender alguma coisa enquanto ele lambe outra tira, sua língua firme enquanto brinca com seu clitóris inchado.

“Está tudo bem, querida. Você pode vir." Ele diz, concentrando-se apenas nela.

Ela toca, estridente. "Oh Deus, Neil, eu vou." Ele dobra suas ministrações, concentrando-se apenas nela e nela.

"Venha para mim, querida." Ele diz, as vibrações ásperas de suas palavras enviando-a para o limite quando ela diz seu nome novamente, mas é perdida em um gemido ofegante quando a mão dele a segura no lugar para mantê-la na posição vertical enquanto ela balança contra a boca dele, quando ela vem.

"Neil- eu ... oh, Deus", diz ela, palavras quase totalmente sem sentido agora. Ele aperta seu monte com beijos por todo o lado, ainda a segurando com um cuidado tão gentil quanto ela vem contra ele. Seu orgasmo parece que dura a vida inteira, ela arfa e respira pesadamente quando finalmente desce. “Isso foi incrível ...” ela diz, enquanto a boca dele volta para sua vagina para lamber uma longa faixa, chupando seu clitóris novamente enquanto a mão que a segurava na vertical agora se move para baixo e ele coloca um dedo enquanto a ouve ofegar, quando ela está ajustada, ele coloca outro dedo nela.

"Eu quero que você venha me buscar de novo, querida", diz ele enquanto seus dedos a fodem e ela se contorce sob seu aperto.

"E se você? Você não está obtendo nada disso. Fui eu quem teve orgasmos alucinantes e você está de joelhos". Ela diz, se contorcendo enquanto ele a trabalha novamente.

“Confie em mim, estou aproveitando bastante isso. Você é tão bonita, seu gosto é tão bom." Ele diz a ela, transando com ela com os dedos enquanto chupa seu clitóris. Ela sente que está se lançando para o orgasmo em alta velocidade agora, ela está prendendo a respiração enquanto se esquece de respirar enquanto sente o próximo orgasmo crescendo na boca da barriga.

"Eu vou voltar", diz ela, como se tivesse que avisá-lo, ela pode senti-lo sorrir contra sua coxa enquanto ele beija o ápice de sua coxa. Atrás deles, seu pager apita e ela o ouve resmungar entre suas pernas. "Você deveria entender", diz ela, suas palavras em tom agudo enquanto geme entre palavras.

"Pode esperar, estamos ocupados." Ele oferece, acalmando-a quando a mão dele se separa da dela para que ele possa amassar seus seios novamente, rolando o mamilo entre os polegares e ela nem sequer tem tempo para discutir com ele sobre qualquer outro resultado, já que seu orgasmo se aproxima dela e ela pressiona-se contra a boca dele, as mãos cobrindo a boca para impedir que alguém a ouça quando ela se aproxima violentamente contra ele. "É isso, querida, venha para mim." Ele a acalma, pressionando beijos contra sua barriga quando ela chega, seu pager mal a interrompe, pois sua mente é incapaz de se concentrar em algo que não seja o prazer incandescente que parece preenchê-la. Quando ela desce, ele lambe a virada de sua vagina, lambendo seu núcleo, o que parece desencadear outro orgasmo que segue quente nos calcanhares de outra. Ela engasga, peito arfando quando ela ver pela terceira vez e as mãos dele agarram sua cintura para guiá-la com segurança no chão enquanto suas pernas cedem. A boca dela encontra a dele, enquanto ela se prova nos lábios dele, beijando-o profundamente.

 

Neil a segura em seus braços enquanto ela descansa em seu colo, sem ossos. Ele a beija em resposta, quando ela pousa desajeitadamente em sua coxa vestida, sua vagina molhada contra o material de suas calças e isso faz sua vagina formigar novamente. Os braços dela se entrelaçaram em volta do pescoço dele, os olhos fixos nos dela. "Você é tão bom nisso", diz ela, como se se sentisse obrigada a fornecer algum tipo de comentário e isso apenas o faz sorrir. Ela se move no colo dele, mas isso acende algum tipo de faísca em sua barriga, as mãos dele se movem para a cintura dela enquanto as costas dela se arqueiam novamente enquanto ela se balança de um lado para o outro na coxa dele, se fodendo na perna dele, se esfregando mais perto e mais perto de seu orgasmo. O pager dele emite um bipe novamente, mas ela realmente não se importava, pois perseguia o orgasmo, as mãos dele nos quadris a estabilizaram enquanto ele se mantinha em seu lugar.

“É isso meu amor, você é tão linda".  Os lábios dele estão tão perto do ouvido dela, que sua mente está enevoada pelos orgasmos anteriores, mas isso a leva cada vez mais perto da borda. "Neil, eu estou tão perto ..." ela cava de novo para ele, os braços nos ombros dele, as unhas cravadas na pele dele enquanto ela continua a moer contra ele, movendo-se para frente e para trás ritmicamente.

"Eu nunca soube que você tinha isso em você, eu gostaria que você pudesse se ver - saindo, fodendo minha coxa." Ele sussurra em seu ouvido, ela sente o calor da respiração dele em sua pele e isso envia um arrepio final em sua espinha quando ela para com uma inspiração profunda, segurando-se quando ela volta novamente, ele se move para que ele possa ver como seu rosto se contorce. com prazer absoluto quando ela vem e ele adora vê-la ... ele sorri quando ela finalmente cai sobre ele, inclinando-se sobre o ombro dele enquanto a beija na testa. "Você fez tão bem, menina." Ele diz, elogiando-a e ela sente que precisa dizer a ele que ele não é tão ruim, mas é como se ela estivesse completamente suspensa no tempo, ela ficou completamente sem energia.

Ela o beija nos lábios enquanto desce do orgasmo e ele sorri para ela. "Eu preciso ir, quem quer que esteja me procurando deve ser urgente ..." ele diz, relutantemente, desejando poder ficar aqui com ela para sempre em seu cantinho.

"Eu sei", diz ela. Ela está cheia de arrependimentos, ela deseja que ele não tenha que sair. "Me desculpe ... Neil." Ele vê a maneira como o rosto dela virou, vê aquela tristeza nos olhos dela. A mão dele se move para tocar sua bochecha; ele brinca com uma mecha de cabelo, afastando-a do rosto.

"Ei, ei", ele começa, pressionando um beijo nos lábios dela, depois na bochecha e na testa. “Você não tem nada pelo que se desculpar, isso significa apenas que teremos que nos encontrar novamente. Isso é uma coisa muito boa, se você me perguntar". Ele sorri e ela suspira suavemente, ela ama o sorriso dele e, mesmo desejando poder dormir nos braços dele e eles esquecerem tudo sobre o mundo - ela sabe que ele tem que ir.

"Neste fim de semana, vamos jantar, então talvez eu possa vencê-lo no Scrabble e possamos assistir a um filme ... e talvez retomar de onde paramos ...?" Ela oferece, saindo de sua coxa enquanto ele a ajuda, as pernas ainda como geléia enquanto ela se levanta, começando a pegar suas roupas descartadas do chão. O sorriso dele se alarga com a sugestão dela.

"Eu gosto dessa idéia, este fim de semana parece bom." E diz risonho

"Eu também gosto dessa ideia." Seu coração canta enquanto ela sorri em troca.

 


Notas Finais


Espero que tu tenhas gostado.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...