História Sir - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bangtanboys, Boyxboy, Bts, Capítulo Único, Cute, Jeon Jungkook, Jikook, Jimin, Jjk, Jungkook, Kookmin, Lemon, One-shot, Park Jimin, Pjm, Yaoi
Visualizações 276
Palavras 2.672
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Fluffy, Hentai, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shonen-Ai, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor



Capítulo 1 - É que o tesão me dá coragem.


Fanfic / Fanfiction Sir - Capítulo 1 - É que o tesão me dá coragem.

Era só para ser um emprego. Eu seria seu assistente, atenderia aos telefonemas, leria aos contratos, cuidaria do seu horário. Eu faria tudo que um assiste normal faria.

No contrato que me prendeu a você por malditos dois anos em nenhum lugar citava que eu me tornaria sua puta particular, ou o garoto que você sussurra várias coisas obscenas enquanto fode, em nenhuma linha daquele maldito contrato citava que eu daria minha pureza a você, e que eu gostaria.

Em nem uma linha citava que eu me apaixonaria por você, seu desgraçado.

O primeiro dia em que te vi realmente fui ingênuo ao me deixar enganar por seu sorriso. Maldito sorriso que me fez apaixonar por você, mesmo quando você puxava meu cabelo e me chamava de putinha.

- Você vai adorar aqui, Jimin.

Ah como eu adorei, aposto que em pelo menos 70% das salas daquela empresa nós transamos, mas a que eu mais adorava era a sua. Eu podia gritar e gemer o quão alto eu quisesse, porque ninguém me ouviria.

Já no meu segundo dia de trabalho você não perdeu a chance de abusar de mim, nem que um pouquinho, seu maldito pervertido.

- Os papéis estão prontos? - Perguntou passando a mão em volta de minha cintura enquanto se abaixava para ver as folhas sobre a mesa. Assenti com a cabeça sentindo seu mão descer de minha cintura até minha bunda.

Seu grande cretino de merda, nem na minha primeira vez você teve piedade de mim, você não tinha piedade de ninguém, eu deveria saber que comigo não seria diferente, mas eu gostava de me iludir.

Eu lembro muito bem como foi a minha primeira vez; em uma cabine minúscula do banheiro da sala de reuniões que estava lotada de empresários e investidores.

Você me agarrou tão possessivamente aquele dia, eu até achei que uma hora nossos corpos iriam se fundir.

Mas o tempo passa rápido. Como aquele ditado clichê: "As boas coisas duram pouco.", no fim das contas esse ditado clichê estava certo. Aprendi a odiar o certo ao seu lado.

Quando meu contrato expirou eu realmente esperava que algo supreendente acontecesse, igual naqueles livros românticos; "O mocinho sai correndo atrás de sua amada pelo aeroporto.". Infelizmente nossas vidas não são livros, são reais e para ser vividas, mas como eu disse: gostava de me iludir.

Realmente não deveria estar sentado naquela maldita cadeira atrás da mesa esperando você sair do elevador, você saiu. Aos amassos com sua nova secretaria. Me senti um lixo, me senti a roupa que você veste todo dia, poderia ser trocada a qualquer momento. Talvez por isso eu fui ao bar, talvez por isso eu me embebedei, talvez por isso estou na frente da porta do seu apartamento as duas e quarto da manhã vendo você me encarar com uma expressão indecifrável no rosto enquanto se apoia no batente da porta por conta do sono.

- Oque foi? - Perguntou com a voz rouca.

Levantei minha cabeça, antes baixa o observando. Os cabelos pretos bagunçados, o peitoral descoberto deixando a mostra seus músculo e a calça moletom cinza, a única peça de roupa em seu corpo. Um suspiro involuntário saiu de meus lábios.

Um sorriso sacana surgiu nos lábios do moreno enquanto ele cruzava os braços. Odiava o efeito que ele causava em mim, odiava mais ainda saber que ele tinha consciência disso.

- Você não vai falar nada? - Perguntou.

- Vamos transar.

- Você está bêbado - Disse rindo enquanto se desencostava do batente da porta - Vá pra' casa, menino. - Falou fechando a porta.

- Eu não sou um menino, Jungkook! - Gritei segurando a porta - Eu sou um homem crescido e gostaria de ser tratado como tal, e não como uma criança! - Atravessei a porta vendo ele arregalar os olhos, nunca havia gritado com Jeon e nunca havia me sentido tão bem.

Me aproximei rapidamente dele agarrando a borda da calça moletom o puxando para perto de mim e grudando nossos corpos, joguei meus braços entorno do pescoço dele ficando na ponta dos pés a polegadas de distância de seu rosto.

- Nós vamos transar. - Disse antas de grudar nossos lábios invadindo sua boca com a minha língua.

O mais velho não resistiu, apenas segurou minha cintura com possessividade, provavelmente deixando a marca de seus dedos lá. Sorri durante o beijo, céus, como eu estava com saudades de ter as marcas de Jeon no meu corpo.

Pulei no seu colo ouvindo uma risada assim que nossos lábios se separaram.

- Desesperado. - Ouvi ele falar baixinho enquanto caminha para seu quarto comigo no colo.

- Cala boca, e vamos fuder logo.

Ele riu novamente abrindo a porta do quarto com o pé, indo em direção a cama e me deitando lá ficando entre minhas pernas.

Puxei todo ar que meu pequeno corpo conseguia aguentar sentindo o aroma amadeirado e másculo de Jeon invadir minhas narinas, fazendo um arrepio gostoso subir por minha coluna. Era impressionante o quanto eu conseguia amar um canalha desses.

- Eu não sei se você sabe, mas para fuder você também precisa estar pelado.

Pisquei os olhos percebendo que eu tinha "viajado" e apoiei meus cotovelos sobre o colchão macio levantado um pouco meu tronco, podendo ver o moreno já nú em minha frente subindo e descendo sua mão em seu pau veiúdo espalhando o próprio pré-gozo pela extensão.

Senti minha boca se encher de água só com a visão e as preguinhas do meu ânus começarem a piscar, já desejando que o caralho grotesco do canalha se afunde dentro de mim.

- Já desesperado pelo meu pau, Park?

- Você que está desesperado pelo meu cú, seu safado. - Falei meu ajoelhando e levantando os braços vendo o moreno parar os movimentos no próprio genital para tirar minha blusa e desabotoar minha calça, me ajudando a tira-lá até não me restar nada no corpo.

Joguei meus braços entorno de seu pescoço juntando novamente nossos lábios. Senti Jeon descer suas mãos por minha cintura até minhas nádegas apertando com força a carne entre seus dedos me arrancando um gemido abafado pelos seus lábios. Ele colou mais nossos corpo fazendo nossa ereções se roçarem, e me arrancando mais um gemido manhoso.

Fazia quase quatro meses que eu não transava ou me masturbava, porque afinal eu só tinha feito isso com Jungkook e sem ele nem me masturbar direito eu conseguia, eu tinha me tornado muito dependente do canalha, e em consequência eu estava extremamente sensível agora.

Ele me derrubou na cama me colocando sentado em cima do pau teso, descendo as mãos até minhas nádegas e abrindo minhas bandanas apenas para passar o indicador pelo meu buraquinho me fazendo estremecer.

- G-gukie... - O apelido que eu sabia que ele odiava escapou dos meus lábios enquanto eu jogava minha cabeça em seu ombro, escondendo meu rosto na curvatura de seu pescoço.

Senti sua mão apertar com mais força a carne entre seus dedos deixando sua marca lá, e apesar de eu achar que ele iria me repreende por o ter chamado assim oque escapou de seus lábios foi apenas um gemido rouco, como se ele também estivesse com saudades dos apelidos que eu dava e ele odiava.

De certa forma isso fez meu coração acelerar, me fazendo sentir as velhas borboletas no estômago que só ele causava. Um sorriso se abriu no meu rosto escondido na curvatura de seu pescoço enquanto eu começava a rebolar devagar em seu colo sentindo o pau pulsar abaixo de mim, aproximei meus lábios da sua derme quente deixando um beijinho estalado lá.

- De novo. - Ouvi a voz rouca dele sentido sua mão ir para minha cintura e apertar com possessividade o local.

Eu sabia que aquilo era uma ordem, e eu gostava de obedecer o Jungkook, como um bom submisso que eu me tornava na cama com ele.

Aproximei novamente minha boca da sua pele fazendo minha respiração desregulada e quente se chocar contra sua derme fazendo o maior estremecer de leve abaixo de mim enquanto apertava minha cintura ainda mais forte ao ponto de doer, mas eu gostava dos roxos que ele deixava no meu corpo.

Pus minha língua para fora deslizando pelo seu pescoço em seguida aproximando minha boca chupando o local e deixando uma mordida, desci meu rosto até sua clavícula deixando vários chupões e beijos pelo seu peitoral exposto gostando dos tremores causados em seu corpo por mim.

E com um bom estraga prazeres que o Jeon sempre foi, ele tinha que acabar com minha diversão de marcar sua pele para me por embaixo dele, ficando no comando e sendo o dominador da relação como eu sei que ele gosta.

Ele abriu seu típico sorrisinho de criança encapeta que estava prestes a aprontar uma, e eu sabia que era sua vítima. Foi questão de segundo até eu começar a gemer que nem uma cadela no cio assim que sua boca desceu para meus mamilos, uma das partes mais sensíveis do meu corpo e que Jungkook tinha conhecimento, ele colocou pontinha enriquecida do meu mamilo entre seus dentes a puxando levemente e já a deixando inchada.

Praticamente gritei assim que sua mão apertou minha ereção com força enquanto sua boca continuava a brincar com meu botão rosado e inchado por seus toques agressivos.

- C-coelhinho... e-eu quero v-você dentro de mim.

Vi Jungkook parar de brincar com minha sanidade me olhando com os olhos transbordando luxúria enquanto se colocava em cima de mim novamente com os braços ao lado de minha cabeça sustentando seu corpo grande, uma de sua mãos desceu para minha bunda dando um tapa forte e estalado lá fazendo eu gritar me encolhendo contra o colchão.

- Eu já disse para não me chamar assim. - Sua voz saiu autoritária enquanto a mesma mão de antes segurou uma de minhas coxas a pondo em cima de seu ombro.

Ele colocou sua mão com dois dedos estendidos na minha frente me encarando com sua íris pretas e totalmente dilatadas.

- Chupa.

Apenas fiz oque ele mandou, pondo os dois dedos dentro da minha boca e os lubrificando bem, já sabendo que aquilo era a única coisa que eu teria de lubrificação.

Sem eu querer ele tirou os dedos da minha boca tendo apenas um fio de saliva nos mantendo conectado que logo se rompeu quando seu dedos desceram até minha entrada a invadindo de uma só vez fazendo eu gritar apertando o lençol entre os meus dedos.

Senti seus dedos começarem a entrar e sair de dentro de mim de forma rápida, e quando eles entravam de forma lenta era apenas para fazer o movimento de tesoura me alargando.

Quando a ponta de seu indicador e médio se curvaram dentro de mim atingindo meu ponto doce eu gritei mais uma vez sentindo meus olhos começarem a se encherem de lágrimas, de prazer.

- A-aí de novo, p-porfavor. - Implorei agarrando seus ombros, mas tudo que Jeon fez foi rir malvado retirando seus dedos do meu interior e se ajoelhado na minha frente.

Gemi em desaprovação, mas quando vi ele levar a mão até o próprio pau completamente duro começando a se maturbar enquanto me olhava de cima em um olhar totalmente superior e dominador tudo que eu fiz foi levar meu dedos pequenos até minha entrada começando a estoca-los, mas nada se comparava ao pau de Jungkook.

- P-porfavor, senhor. - Abri mais minha pernas deixando minha entrada maltratada por meus dedos totalmente exposta a Jeon.

- Bom garoto. - Ele disse rouco direcionado seu pênis ao meu buraquinho pincelando sua glande encharcada de pré-gozo sobre o local.

Senti apenas sua cabeça entrar em mim e em seguida sair, repetindo o movimento varias vezes antes de começar a se enterrar de forma lenta dentro de mim.

Sua extensão grossa e grande me rasgava enquanto eu gemia descontrolado sentindo meu rosto cada vez mais molhado pelas lágrimas, assim que senti todo seu comprimento envolto por minhas paredes o maior colocou as mãos espalmadas ao lado da minha cabeça ficando por cima de mim enquanto me olhava com certo carinho.

- Tu-tudo bem, bebê? - Concordei com a cabeça respirando fundo.

- Ju-jungkook...?

- S-sim? - Ele respondeu um tanto ofegante parecendo tentar se controlar.

- Vo-você pode ir co-com calma hoje? Eu estou meio sensível. - Falei um tanto envergonhado apesar da situação em que me encontrava.

Ele riu baixinho então eu senti a primeira estocada, ela veio de forma calma apesar de profunda, e isso foi o suficiente para eu arfar revirando os olhos enquanto cravava minhas unhas em suas costas.

- Porra... - Ele gemeu estocando mais uma vez, só que com mais força. - Que apertado.

- Q-que grande... - Repiti vendo ele sorrir aproximando nossas bocas fazendo sua respiração quente bater contra meu rosto.

E em uma ação surpresa, a terceira estocada veio com tanta força que eu tive que circular minhas pernas em volta da cintura de Jungkook e agarraram com força suas costas para não bater com a cabeça na cabeceira.

- Eu disse com calma, caralh-

Ele me interrompeu grudando nossos lábios invadindo minha boca com sua língua enquanto me fodia agora de forma mais calma e lenta.

Gemi assim que ele separou nossas bocas tendo apenas um fio de saliva nos conectando.

- Posso ir mais rápido? - Ele perguntou descendo a mão até minha ereção a agarrando e começando movimentos de vai e vem.

- P-pode. - Respondi fechando meus olhos enquanto mordia meu lábios inferior tentando descontar todo prazer que eu sentia não só nas costas de Jungkook, que provavelmente já estavam estraçalhadas.

As estocadas vinham de forma tão rápida e bruta que eu já tinha batido umas cinco vezes a cabeça na maldita cabeceira, mas eu estava mais concentrado em sentir a mão de Jeon circulado meu pau e ele me penetrando de forma deliciosa e atingindo minha próstata tantas vezes que eu já via estrelas.

- E-eu vou- Ele me interropeu grudando nossos lábios antes de dar uma última estocada e eu gozar na sua mão, sentindo seu líquido quente e viscoso preencher meu interior.

[ . . . ]

2 meses depois...

- Deu 25$, mais alguma coisa?

- Você e eu no banheiro em cinco minutos. - Jungkook disse deixando o dinheiro em cima do balcão antes de sair andando pela empresa.

Me virei para Jin já fingindo uma expressão de dor no rosto.

- Jin, eu não estou muito bem do estômago, posso ir no banheiro? - Perguntei colocando minha mão sobre meu abdômen.

- Vai lá, mas eu já te disse para ir no médico por causa dessas diarréias, pode ser uma infeção.

Confirmei com a cabeça antes de sair correndo até o banheiro.

- Jungkook? - Perguntei empurrando a porta levando um susto assim que senti uma mão circular o meu braços. - Se quer me matar do coração?! - Falei bravo dando alguns soquinhos no seu peitoral enquanto ele ria me abraçado.

- Não, mas que tal você matar essa ereção no meio das minhas pernas?

Revirei os olhos me ajoelhado no chão gelado enquanto puxava o zíper de sua calça preta revelando a protuberância sobre a box, levei meus dedos até a barra da cueca a puxando para baixo vendo seu pênis saltar para fora e bater no meu rosto.

- Você tava se tocando enquanto trabalhava né, seu safado. - Falei enquanto rodeava a extensão com minha mão começando a bombardeá-la.

- Pensando em você. - Ele gemeu assim que coloquei metade do seu pau em minha boca começando a seguir o contorno das veias com minha língua.

Senti suas mãos agarraram meu cabelo enquanto ele começava a fuder minha boca com força fazendo eu ter que por a língua no céu da boca para não me engasgar.

Ele retirou seu pau da minha boca começando a se masturbar na minha frente e não demorou muito a vir em jatos forte na minha cara.

Jeon riu fechando sua calça antes de escorregar pela porta até o chão me puxando para sentar em seu colo.

Vi ele puxar uma caixinha preta de veludo, a pondo na minha mão em seguida passando o dedo pela minha bochecha provavelmente melada de gozo.

- Você quer namorar comigo?

- Você deveria ter feito isso antes de eu te pagar um boquete. - Ri sentindo meus olhos marejarem.

- É que o tesão me dá coragem.





Notas Finais


Fanfic também postada no wattpad, apenas com nome diferente por causa das regras do Spirit :
https://my.w.tt/Iy99OynqvO


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...