1. Spirit Fanfics >
  2. Sir Lancelot >
  3. Capítulo 1

História Sir Lancelot - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Oiiiiii, vou ser rapidinha.
Essa é uma fic minha que eu escrevi do nada enquanto assistia uma seria chamada Sem limites kkk e eu realmente não tenho limites kkk.
Bom, deixando a brincadeira lá em cima.
Essa fic tem 5 capítulos prontos, os quais irei postar dia sim e dia não durante esta quarentena, mas quem sabe não poste todo dia um😊
Estou com muito tédio kkk, mas é bom ficar em casa😁😁😁.
Espero que gostem da fic.
Alerta!!!!
É yaoi
HomenxHomem😈😈😈.
P.s: faz pouco tempo que tenho essa conta.

Capítulo 1 - Capítulo 1


Fanfic / Fanfiction Sir Lancelot - Capítulo 1 - Capítulo 1

A lâmina fria tocava-lhe o peito, que era protegido apenas por uma fina e esmurrada camada de tecido. A lâmina tremia, pois a mão de quem a segura não estava firme.

-Isso não precisa ser assim, Lance. Esse não precisa ser o fim, apenas diga que me ama.

A voz da bela mulher tremeu em um tom desesperado, seu olhar mostrava que ela não queria machuca-lo, que com apenas uma frase dele, ela iria abaixar a adaga em sua mão.

O homem, que estava mais para um garoto, levantou a cabeça. Os olhos azuis daquele jovem estavam opacos, seus traços não mostravam medo.

-Me desculpe, minha rainha.

A mulher apertou a adaga e seus olhos perderam o calor junto desta rejeição, seus lábios foram mordidos com força e sem nem uma única gota hesitação ela perfurou o peito do jovem. O rapaz se curvou de dor , suas mãos foram direto para a adaga em seu coração que ainda era segurada pela mulher. Ela puxou com raiva a lâmina para si, apenas para novamente crava-la no coração do garoto.

-POR QUE NÃO ACEITA MEU AMOR ?!

Pela perda de sangue e pelo impulso que levou, o rapaz caiu de costas no chão, dando a abertura para a mulher subir em cima dele e em estado de fúria esfaquea-lo repetidamente.

-EU TE AMO, LANCELOT!

XXX 

BIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII

Uma alta buzina soou e o garoto que tivera um sonho horrível se levantou em um solavanco, seu peito apertou contra o sinto de segurança que machucou impiedosamente sua pele protegida por uma fina camisa preta de sua banda favorita. O garoto apertou seus dedos em volta do cinto e gemeu por causa da dor que este o havia causado, seus olhos lacrimejaram e sua garganta se apertou pela dor que este sentia.

- Harry, está tudo bem?

Harry jogou seu corpo para trás, as mãos ainda seguravam a faixa longe de seu peito, seu rosto aos poucos voltou a cor e sua respiração ser normalizou. Com um pouco de dificuldade ele voltou seu rosto para a mulher ruiva que o fitava preocupada, o garoto colocou um sorriso forçado em seus lábios.

- Sim, não se preocupe. Apenas, levei um susto com a buzina. O que houve?

-Há, isso. Um motorista sem respeito, cortou a preferencial e ainda buzinou quando quase bateu na gente, acredita nessa barbare?

A ruiva voltou para a frente e bufou com raiva. Harry respirou profundamente e encostou a cabeça no vidro fechado, seus olhos voltados para fora da janela. A paisagem corria rapidamente pela janela, mas com dificuldade Harry conseguiu ver a placa que estava escrito em letras florescentes “BEM-VINDO A FANTASY REALM".

-Nervoso, campeão?

O garoto desgrudou o rosto do vidro gelado e olhou para o retrovisor, que mostrava metade do rosto de seu pai.

- Estou bem.

-Serio? Porquê está tudo bem ficar nervoso, não que eu esteja falando que você está nervoso. É que ir assim para uma escola nova, bem no meio do ano, deixando todos seus amigos pra trás. Se eu estivesse no seu lugar, estaria apavorado e... HA!

O homem saltou por causa do beliscão que sua mulher lhe deu, a ruiva sibilou um “cala boca” e voltou para seu lugar.

-Querido, o que seu pai queria dizer é que essa é uma situação um pouco estressante e que tudo bem não estar confortável com ela.

Harry segurou o sorriso que se formava em seu rosto e deu um olhar tranquilizador para sua mãe. Ele parou por um momento e apreciou a aparência jovem e refrescante de sua mãe. Seus cabelos eram lisos e ruivos, com pouquíssimos fios brancos, seus olhos de um verde idêntico ao seu e com uma pele limpa com pequenas rugas do tempo.

- Não precisa ficar brava com o pai, mãe. Eu entendi o que ele quis dizer, e eu não estou nervoso com o colégio novo.

-Viu, querida. Nosso filho é inteligente, não precisava me beliscar com essas garras florescentes.

Harry viu a mãe dar um olhar mortal para o marido que se encolheu no banco do motorista. Após isso, não teve mais conversa no carro e Harry voltou a encostar a cabeça na janela.

Do outro lado do vidro começavam a aparecer casas, umas pequenas, outras grandes, algumas com formatos diferentes. Mas, todas muito coloridas.

O carro cruzou algumas ruas, virando em esquina sim e esquina não. Quando Harry contou a oitava esquina, o carro parou em frente de uma casa vermelha.

- Bom, chegamos.

O pai de Harry disse, mas não mexeu um musculo. Harry viu os ombros tensos de seu progenitor, ele tomou coragem e abriu a porta. Quando saiu completamente do carro, uma rajada de vento gelado atingiu seu rosto. Uma coisa estranha de acontecer, pois não estava frio e tão pouco ventava.

-Então, o que acha?

Harry ouviu sua mãe falar em um tom levemente ansioso, o moreno deu uma boa olhada na casa. A casa era bonita, em um tom vivo de vermelho, de dois andares e com janelas grandiosas, também tinha uma porta de vidro na frente, com uma entrada em gesso dourado. Era uma boa casa, mas Harry sentiu que tinha algo de errado dentro daquelas paredes. Vendo que sua mãe o olhava com expectativa Harry decidiu deixar esse sentimento prá lá.

- A casa é bem bonita, eu gostei.

-Você diz isso e nem viu seu quarto ainda, nos deixamos o segundo maior para você. Pois, o maior claro que tinha que ser da mamãe e do papai aqui.

Tiago Potter passou o braço por cima dos ombros de sua esposa e piscou para o filhote. Lilian beliscou a mão do marido e se desvencilhou do abraço do outro, ela foi até seu menino e deu uma chave para ele. O moreno olhou para a chave em sua mão e logo após olhou para sua mãe.

- É a chave da casa, que tal você ser o primeiro a estrear ela.

-Ok.

Harry respirou fundo e marchou em direção entrada da casa, ele não soube exatamente porque, mas seu coração batia como louco. Quanto mais perto, mais ansioso ele se sentia, quando sua mão se fechou na maçaneta e sua outra mão inseriu a chave, Harry sentiu que um par de olhos estavam sobre ele.

-Então, vai abrir?

Tiago perguntou ao seu lado, o garoto acenou que sim e de uma vez abriu a porta. E lá dentro tinha... nada.

- Tem nada.

Harry sussurrou, mas foi ouvido por seu pai que estava bem pertinho. Ele riu e bateu nas costas do filho.

-Mais claro que não ia ter nada, a mudança tá logo atrás de nós.

Tiago apontou para os 3 grandes maronbas que começavam a descarregar um caminhão que Harry notou que tinha parado logo após o carro da família. Ele estava tão distraído dormindo e sonhando que não notou o caminhão seguindo o carro.

-Eai, campeão. Bora olhar seu quarto?

O moreno concordou e seguiu seu pai, que parecia bem animado em direção ao seu futuro e talvez permanente quarto. O quarto era no segundo andar, era grande e com uma janela enorme ao lado de uma roseira que descia pela sua janela e dava para os fundos da casa, onde se via um aparado e verde quintal.

O quarto ainda estava vazio, mas depois que coloca -se os móveis, talvez Harry sentiria que aquele era seu quarto e seu ponto de liberdade.

-Bem bonito, né? Tem que ver o nosso quarto, já falei que é o maior ?

Tiago falou animado.

- Já.

-Então... é o maior.

- Eu sei, pai.

-É grandão.

- Sim, já sei.

-O dobro desse.

Tiago olhava seu filho com uma cara estúpida de alegria, mas ele arregalou os olhos e se desequilibrou para frente quando um tapão o fez cambalear para frente. Harry riu baixinho ao ver sua mãe parada ao lado do lugar que estava seu pai, ela parecia sem nem um pouco de paciência.

-Ele já entendeu, amor. Mas se você continuar repetindo, o maior vai ser só meu e você vai dormir no sótão.

-Ai, mozim. Eu só tô feliz, não precisava de tudo isso não.

Lilian levantou a mão e Tiago correu para detrás do filho, o mais velho dos morenos estava assustado com a ruiva.

-Sai daí.

-Você vai me bater.

- Eu disse prá sair daí.

- Não, você vai me bater.

- Tiago James Potter, se você não sair detrás do nosso filho e passar por mim pra ir pra sala eu juro que vou te bater.

Tiago se preparou e passou correndo pela mulher, que foi mais rápida que ele e deu um tapa bem estragado nas costas dele. Harry se encolheu com o barulho do tapa, foi tão alto que doeu até nele.

-Esse seu pai, as vezes me pergunto por que me casei com ele.

-A senhora estava grávida de mim.




- Bom ponto.


Notas Finais


Espero que tenham gostado😁


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...