História Sky Sword - Capítulo 19


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 4
Palavras 2.184
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Fantasia, Luta, Magia, Shoujo (Romântico), Shounen, Steampunk, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 19 - Reencontro


Velltelier deu um passo acima do corpo sobre o chão. Ele mantinha no rosto um sorriso triunfante e enquanto isso, Ayrish, a cavaleira o encarava com os olhos brilhando de ódio

- Seu desgraçado ! - ela fez menção de avançar mas o assassino apenas fez um gesto como se pedisse para ela parar

- Olha - disse ele - sei que tem toda essa história de juramento e lealdade, mas... o seu rei era um canalha

- Precisamente - cofirmou Allbariel - Lawliet Heinwood planejava usar as doze chaves ao próprio favor e vencer o Império na corrida pelos pilares, não é diferente de um certo imperador - o rei se ajeitou no trono e olhou para os outros no salão - Velltelier esteve aqui alguns anos atrás, ele invadiu o castelo e eu pensei em executa-lo mas... fiquei curioso pra saber o que o havia levado a fazer tal coisa - o pequeno deu de ombros - Jamais pensei que encontraria um membro da família real de Yuméllia daquele jeito

- I-isso.. faz de você o novo rei ? - Ayrish não parecia muito feliz agora. Aparentemente os votos de lealdade não eram necessariamente ao rei e sim a nação e o criminoso a sua frente agora representava a sua nação

Eu não pude deixar de sorrir, esse era um bom desfecho para nós. Mais uma vez escapamos vivos de uma tentativa de nos assassinar dentro de um castelo

- Bom, ja pode nos livrar dessas... - eu teria dito a palavra mas Euriatos com um gesto de sua mão fez cair as minhas correntes e as de Teriel também - Ah eu...

- Não precisa agradecer ! - respondeu a Drauken enquanto olhava pra mim com um sorriso amigável no rosto, durante a troca de olhares eu apenas sorri de volta de maneira tímida

Teriel girou os pulsos e suspirou de alívio em seguida olhou para nós dois com um olhar duvidoso

- E que sincronia foi essa agora ? - perguntou a Zastiel desconfiada

- Certo ! - bradou o velho Ragnar - E agora ? Pra onde devemos ir ? - ele parecia muito animado

Allbariel acenou para dois empregados que pararam a porta e pediu que retirasse o corpo e enquanto o faziam ele começou a falar

- Eu gostaria unicamente de pedir um favor a vocês - disse o pequeno rei de pele branca - Gostaria de pedir que eliminassem o líder rebelde. Velltelier não terá opção, completar essa missão é parte do acordo

Vellt fez uma breve reverência e acenou positivamente e cutucou Allriero para que fizesse o mesmo

- Sempre cumpro meus contratos, majestade - disse ele

- Estarei enviando a carta para Yuméllia, após a missão, darei a você o transporte necessário para voltar

Dei um passo a frente. Como capitão das doze chaves acho que eu tinha direito a saber algumas coisas e ja estava um pouco entediado de só ficar olhando

- Certo, majestade, e pode nos dar detalhes dessa missão ? - eu me coloquei a frente daquela forma porque desejava ir também. Havia prometido a Teriel que juntos iríamos trazer seu irmão de volta e pra isso encontrar os rebeldes seria mais que necessário

- Parece bem empolgado, Herói - disse Allba - Nosso comandante dará a vocês as informações necessárias, por hora, vão se banhar, descansem e troquem essas roupas - ele sorria agora de maneira mais leve, parecia mesmo uma criança. Se Euria não tivesse me dito que ele ja tinha passado dos cem anos de idade eu nem teria desconfiado - Não quero gente faminta e mal vestida no meu castelo

Agradecemos a hospitalidade e deixamos a sala. Velltelier ficou pra discutir algumas questões e Ayrish também. As coisas começaram bem animadas hoje...

Durante  a tarde visitei o jardim. Teriel estava sentada em um banco abaixo do teto coberto de plantas. Não eram flores tão belas, com algumas exceções é claro. A maioria eram dessas brutas e nada mais justo ja que estávamos dentro de uma enorme estrutura de pedra

A Zastiel olhou para mim no momento em que pisei ali. Seus dois olhos pareciam sempre estar brilhando, como se tivessem uma espécie de brasa queimando constantemente. Apesar do olhar melancólico ela sorriu

- Oi - foi algo simples mas em vista a forma como veio me tratando até ali era muita coisa

- Oi... - devolvi a saudação e sentei ao lado dela. Apesar da área isolada o local tinha um clima agradável

- Eu não sei o que farei agora - Teriel disse enquanto se ajeitava no banco - O que faço pra trazer Milliel de volta a si

O que eu deveria dizer em um momento como aquele ? A dúvida era cruel. Eu não queria dizer algo óbvio ou inútil

- Bom... vamos achar um jeito - e mesmo assim isso foi tudo que disse. Pensei se Euriatos talvez não pudesse ajudar - O que acha de perguntar pra Euria ?

Ela olhou confusa como se nunca tivesse ouvido aquele nome, ficou alguns segundos e por fim processou a informação

- Ah sim... Euriatos, a dotrosh - os olhos dela formaram de novo aquela expressão de dúvida - Ja estão trocando apelidos ? - fiz menção de responder mas ela apenas continuou - Não que isso importe pro assunto. Bom, talvez ela possa mesmo ajudar

E de repente o tom dela voltou exatamente ao que era normalmente. Queria entender por qual motivo ela decidiu agir assim de repente

- Fale com ela quando puder - disse por fim

A Zastiel se levantou e deixou o local em silêncio. Não a segui, deve ter ido atrás de alguma coisa.

- Nos vemos depois - foi tudo que ela disse

Em seguida decidi explorar os andares de cima. Encontrei o velho Rag perambulando nos corredores sem sua armadura. Usava apenas a camisa branca e calças, ele era grande demais pra uma pessoa normal. Seu cabelo branco estava preso, seus braços eram enormes e cheio de cicatrizes

- Guilmor - ele me saudou também. A voz dele apesar de forte e normalmente séria as vezes me passava um tom muito amigável. Além disso o sotaque forte dele era algo icônico - Ou devo dizer capitão ? Foi corajoso em escolher acompanhar seu amigo nessa missão

Amigo ? Ah claro... ele devia estar falando de Velltelier. Apesar não o considerar um amigo eu ja tinha passado tempo demais com o atirador. Acho que tinha sim certa consideração por ele

- Ah, Ragnar... - um sorriso meio desajeitado se formou. Eu era horrível pra lidar com elogios - Nem, sequer sei lutar ainda

Ele passou a seguir o mesmo caminho que eu no corredor. Talvez quisesse conversar

- Olha, basta um pouco de treino - disse ele - Euria queria lhe ensinar um pouco mais sobre magia, ja eu, acho que você precisa aprender a lutar com a espada

- E então...

Ele deu um leve tapa em minhas costas o que quase me fez perder o equilíbrio

- Então decidi ajudar - disse ele - Quando quiser, podemos treinar juntos

Eu apenas sorri. Apesar da estatura e da aparência bruta algo me dizia que treinar junto do velho Rag não seria algo tão difícil

Notei a presença de um pequeno pingente em seu pescoço enquanto caminhávamos. Parecia ouro puro. A forma era incompleta, era a metade de um coração

Ele pareceu perceber a atenção que dei ao objeto

- Curioso sobre isso ? - perguntou ele

- Talvez um pouco - admiti

O sorriso dele se tornou em algo um pouco melancólico. Me senti mal por tê-lo feito dizer

- Existe uma outra metade deste aqui - ele contou enquanto seguiamos corredor a frente - Quando deixei minha casa, trinta anos atrás pra ser exato, vim lutar aqui pra ajudar a conter os rebeldes e enquanto isso a minha cidade natal foi atacada. Minha mulher e filha estavam lá... a minha pequena e recém nascida Alice...

Engoli em seco e desviei o olhar. A voz dele continuava a mesma mas ainda era possível sentir a tristeza no ar. Mesmo sorrindo era perceptível que ele não estava bem

- Elldora tinha a outra parte deste amuleto - ele continuou a contar - Mas quando voltei pra casa, tudo que encontrei foi uma enorme pilha de destroços. Tudo ao redor foi destruído e reduzido a ruínas.

- Eu sinto muito...

- Não, não estou te contando essa história pra que me diga isso - realmente  não faria sentido. Porque Ragnar me diria seu passado ? Logo pra mim que nem o conheço ? - Eu apenas quero que saiba que todos temos uma história dolorosa ou estamos prestes a ter. Precisa saber pelo que vai lutar e o que vai sacrificar quando for à luta,  esse é o primeiro passo pra se tornar um soldado

Instantaneamente me lembrei de casa. Eu, Mirian e Rittori constantemente brincávamos juntos quando éramos crianças, as vezes no jardim, as vezes em meio a cidade... e na maioria das vezes discutíamos sobre alguma coisa. Meu pai, apesar de não ter sido atencioso, havia sido bom pra mim de certa forma e eram todos esses os que eu estava sacrificando pra ir a luta. Doía um pouco pensar sobre

- Acho que não serei um bom soldado... - murmurei em voz baixa

- Claro que será. Foi escolhido pra isso - disse ele por fim - Não há erros

Me despedi do velho cavaleiro após isso. Fiz uma parada no salão principal. Teriel e Euriatos estavam conversando ali

- É possível sim - disse Euriatos. Elas pareciam estar em um assunto sério e conversavam frente a frente - Posso lhe ensinar esse feitiço, mas você ainda teria que usa-lo em combate

Teriel recuou diante daquela declaração. Do que estavam falando ?

- Combate ? Eu não tenho como vencer Milliel em combate... - murmurou baixo a Zastiel. Ela apertou os punhos abaixando a cabeça claramente decepcionada - E se outro for no meu lugar ?

- Ninguém aqui possuí um vínculo mais forte com ele, você é a melhor escolha pra esse caso - a Drauken parecia querer encoraja-la e a aquela altura eu já sabia do que falavam

Me aproximei de ambas em passos lentos e Euria percebeu minha chegada

- Ah, Herc, bom te ver aqui. Estávamos falando sobre algo importante - ela inclinou a cabeça para o lado de forma sutil balançando os pingentes em seus chifres

- E então vocês já...

- Sim, ela me deu a solução pra recuperar Milliel - disse Teriel, que, apesar da ótima notícia ainda parecia bem desanimada - Graças a conexão que tenho com ele, posso restaurar suas memórias com um feitiço específico

- Isso é ótimo ! - exclamei animado, sorri pra tentar encoraja-la mas ela continuou da mesma forma

- Não... não é - rebateu - Eu preciso lutar até deixa-lo debilitado e por fim cravar a lança contra o peito dele para a conversão. Se eu falhar, posso acabar destruindo a sua mente sem chance de retorno - ela respirou fundo e de forma pesada. Devia ser exaustivo ter que pensar em algo assim - Além disso, eu morreria nessa luta sem sombra de dúvidas. Não tenho o menor preparo, muito menos um Silithar duradouro...

- Tem a minha ajuda - a minha voz veio alta e clara e isso chamou a atenção dela. Me encarou por alguns segundos com um olhar surpreso e agradecido e logo sorriu de forma fraca

- Ora...

- Sei que é pouco, mas já é alguma coisa, não acha ? - eu insisti pra que ela apenas concordasse. Fiquei feliz por ter dito algo que prestasse no final

- Eu... - o olhar da Zastiel se tornou em um brilho determinado - eu ja fui salva por você uma vez, farei essa sozinha, ainda tenho tempo e muito a aprender

Outra voz chegou no salão. Uma forte e clara, como um trovão eu diria

- Saiba que tem meu apoio, Zastiel - era Ayrish, a cavaleira entrou no salão acompanhada de Velltelier e Allriero - Posso te ensinar algo útil nesses dias que temos e assim trazer seu irmão de volta a si

Era estranho ouvir isso dela. Ayrish não tinha algo pessoal pra resolver com o Zastiel de asas negras ?

- Porque me ajudaria ? - perguntou Teriel

- Sei que ele é um de nós, nosso verdadeiro e único inimigo é aquele que fez isto a ele - a voz da cavaleira era forte, eu poderia facilmente ser derrubado por um grito dela - Não é contra Milliel que desejo vingança, mas contra o imperador

Velltelier soltou aquele seu sorriso típico

- Sabe, quando o assunto é fazer inimigos Ellric é um verdadeiro ícone - e dito isso ele veio ao meio do salão junto de seu irmão - E com isso, acho que fechamos o time, certo ?

De forma inesperada e repentina as portas se abriram. A luz invadiu o salão vindo da área externa e ofegante com as mãos ainda estendida sobre elas estava uma garota. Uma de curtos e volumosos cabelos castanhos e olhos verdes e uma que pensei que não veria tão cedo

- Herc ! - exclamou Mirian. Logo atrás dela estava Rittori, um drauken vestido num terno e uma mulher com uma prótese mecânica também a acompanhavam e junto deles estava a mãe da garota - Finalmente te achamos



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...