História Slender - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hinata Hyuuga, Naruto Uzumaki, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Drama, Idade Moderna, Mistério, Naruto, Sasusaku, Sobrenatural, Terror
Visualizações 58
Palavras 1.432
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Fantasia, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Estupro, Linguagem Imprópria, Nudez, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Volteiiiiii e daquele jeito ahahaha :3
Saudades peoples? Espero que sim :3
Vamos ao texto de início? vamos capitã /o/
Então, a ideia era...não postar mais essa fic ahahah mas depois de algumas conversas com a @Satu_rno e a @Nagareboshis eu decidi postá-la e olha só ahahahaha já tenho quase a fic inteira pronta! Amada ? ksksksksk
Aliás, a capa foi feita pela primeira ali!! Mulher tu arrasa!!! Não canso de admirar!! Tu merece o mundo guria!
Antes de tudo, eu quero agradecer a elas que me motivaram a postar essa belezura! Eu espero que vocês gostem, da mesma forma que eu também estou amando escrevê-la.
Depois, e não menos importante, quero agradecer vocês! Gente, 200 seguidores!! WHAT?? para alguns pode parecer pouco, mas para mim já é muiiiito e eu estou muito feliz!! Aiii emoção não cabe no peito!!

Agora aos avisos oficiais:
1- A fanfic é de autoria minha, então por favor não faça plágio ;-; é feio!! E dói muito no nosso coração, por demandarmos tempo e muita criatividade para fazer nossas estórias. Conclusão: você pode fazer a sua também!! Então não pegue a de outras pessoas.
2- Os personagens pertencem ao tio Kishi, como sabem ahaha.
3- A fanfic é baseada na música e no clipe "Natural" da banda Imagine Dragons (meus meninos *-*) então ahaha deixarei o link no fim da estória para vocês terem uma base
4-O tema da fanfic é pesado, e pode apresentar vários gatilhos, então, da mesma forma que está aqui, deixarei o aviso nos capítulos.
5- Leiam essa fanfic com o coração ❤️e reflitam sobre a temática dela, quem sabe eu consiga fazer vocês enxergarem o mundo com outros olhos.
6-Ela terá poucos capítulos ❤️não será uma long fic, ou seja, o próximo será postado só no sábado que vem, tanto que já tenho ela praticamente terminada. Se eu conseguir terminar antes, postarei os capítulos com mais frequência e eiiita senhor ahahahaha
Bem apenas isso, boa leitura minhas pitchucas e pitchucos <3 aproveitem.
Desliguem as luzes, fechem as janelas, coloquem musicas de terror nos fones de ouvido. Não esqueçam da fraldinha :3 e até as notas finais !!

Capítulo 1 - Prólogo


Fanfic / Fanfiction Slender - Capítulo 1 - Prólogo

Slender- Prólogo 

“Ontem, hoje e amanhã não são consecutivos, eles estão conectados em um círculo sem fim. Tudo está conectado.”
-Noah, Dark

 

-Amora_Winters

Os olhos negros se abriram em reflexo a claridade que tocou suas pálpebras. Sentia o corpo mandar ondas elétricas doloridas para cada membro que utilizava da automação para se mexer. Estava confuso, a mente maquinava devagar, como quando você dorme e esquece até o dia que é. Ele não tinha certeza de quem era, na verdade.

O quarto era adornado com uma decoração rústica e propícia, para o tempo que estavam. O relógio de madeira, “bandeava” para a direita e esquerda, a mostrar que o tempo não parou enquanto ele dormia. O ambiente era antigo, a cama em que estava deitado tinha uma colcha com detalhes em magno e seu cetim estava completamente velho; o armário também aparentava estar bem desgastado, assim como a penteadeira. Do lado do grande objeto de madeira maciça, que utilizavam para guardar roupas, estava um espelho inteiriço e rachado, continha algumas partes enferrujadas na sua lateral e ao lado deste, uma janela- lugar pelo qual entrava a claridade. Enfim, para finalizar a ambientação anacrônica, um quadro rasgado estava do lado da parede da porta de entrada.

Sente o corpo retrair ao levantar, as pernas estavam duras como quando você dorme em cima do braço e não o sente mais, ele dá algumas respiradas profundas, para em seguida, colocar os pés no chão. A temperatura do piso de madeira entrava em choque com a do seu corpo, a transmissão do calor de contato o fez sentir um arrepio subindo pelo corpo. A passos vagarosos se aproxima do quadro, de forma curiosa, com o intuito de analisar a foto rasgada. Tinha um homem e uma mulher, lado a lado, entretanto não dava para enxergar o rosto da figura feminina, visto que estava rasgada. Sabia que era uma mulher pelo busto, que se destacava com o vestido de uma aparência clara e alguns fios ondulados que caiam ali; pela tonalidade destes, diria que é um loiro escuro.

Elevou os dedos até a imagem sentindo uma sensação de nostalgia, tanto com o quadro, quanto com o lugar.  A figura do homem era imponente, o olhar era calmo e, ao mesmo tempo, refletia seriedade; os trajes que ele usava denota que poderia ser um duque, talvez um conde. Ou então apenas algum dos mercantes da burguesia. Se afastou do objeto e olhou para a cama que estava deitado, as hastes grandes de madeira em cada lado do lugar, os lençóis pouco bagunçados, parecia que o quarto estava abandonado. O homem até acreditaria nisso, se ele próprio não estivesse ali, ainda a se questionar.

Tentava lembrar de seu nome, ou quantos anos tinha, o que havia acontecido. Sua mente deu uma pontada por forçar aqueles pensamentos, olhou para si mesmo e notou que estava com roupas comuns; uma calça preta em conjunto com uma blusa creme de mangas longas e malha, a gola perto do seu pescoço era aberta (lembrando um v), no qual era possível notar pequenos pelos saltando do peito. Estava descalço e com certeza com cheiros desagradáveis, para alguém que havia dormido por pouco tempo.

Se encaminhou até o espelho velho e arregalou os olhos, dando um pulo para trás; a respiração estava desregulada, enquanto observava a figura refletida. Os cabelos negros, mais longos que o da foto, alcançavam o ombro em conjunto com a franja que caia em frente ao seu olho; que notando isso agora, começava a incomodar. A barba áspera e a aparência de apático, pele branca e mais rachada que o normal, assim como os seus lábios. Os olhos negros, que refletiam o espanto que estava em sua face. Era ele na foto? Ou será que tinha algum parentesco com o homem da imagem? Se perguntava.

Diversas dúvidas sobrevoavam a cabeça do homem. Os dedos trêmulos foram até a cabeça em um ato reflexo a dor que começou a se apoderar do órgão, a visão ficou embaçada e, por um momento, ao olhar para o espelho novamente viu uma imagem feminina aparecer ali. O que o fez dar um segundo salto para trás e sua coluna esbarrar na ponta da cama, o bramido que saiu dos lábios finos foi como o de um cachorro engasgado, visto que tempos faziam que ele não falava.

Os olhos negros se encheram de água de acordo que a dor se apossou do corpo e ele caia no chão sem nenhum apoio. No piso de madeira envernizado, era possível ver o pó e as teias de aranha; assim como o arranhado do que deveria ser de algum animal, um lobo talvez. Assim sendo, ainda de joelhos no chão, o homem tenta levantar novamente, mas suas pernas parecem estar mais pesadas do que a alguns minutos atrás, assim como o ar do quarto que aparentava estar mais denso.

Dúvidas ainda rodeavam sua mente. Estava sozinho naquela casa? O que havia acontecido? Quem era ele? Quem era aquela mulher?  Assim sendo, mesmo com essas dúvidas ele decide levantar de novo. Uma lufada de ar é solta dos lábios rachados e junto com ela, os braços se apoiam no chão para ele se erguer, junto com o bramido medonho que o vento fazia na janela. O sopro do vento parecia carregar o grito de almas perdidas, essas que nunca acharam o sossego que deveriam. Com esses pensamentos na cabeça, ele se pôs de pé novamente, agora a caminhar para perto da janela; mesmo que em passos trôpegos e lentos.

Seus músculos sentiam cada esforço que era feito e a cada passo era como se mais ácido lático fosse produzido, visto que a queimação era uma sensação bem desagradável. Assim que alcançou o objeto amplo notou que a casa que estava não era pequena, assim como o grande quintal verde que se estendia e a floresta; essa que deixava o ambiente externo mais sombrio. As nuvens estavam em uma tonalidade cinzenta, e o balançar do verde, deixava claro o quanto a ventania estava forte. Continuou a olhar por alguns segundos, quando novamente a imagem apareceu no lado de fora da janela, no jardim, o que o fez esfregar os olhos para ver se não estava ficando louco.

Entretanto, ela continuou olhando para a direção dele,  como se o visse ali a observando. Os cabelos eram em uma tonalidade ruiva tão clara, que pela luz lembrava a cor rosa; eram ondulados, cheios e chicoteavam em frente ao rosto apático e frio da moça. Não conseguia ver com clareza os detalhes da face feminina,  apenas o superficial, mas só então notou a espessura grossa do vidro, assim como seus dedos tocavam a superfície fria, seu corpo reagia à mulher lá fora. Queria traçar o rosto maculado com os dedos, tirar aquela aparência de aflição que ela levava ao apertar o vestido branco no corpo.

E em um gesto abrupto ela dá um passo à frente, joga os braços para trás e abre a garganta em um grito aterrorizante, o rosto branco começa a escorrer sangue, manchando o lindo vestido com gotas, o deixando com uma aparência suja e desgastada. As janelas se abriram e o corpo do homem se empertigou para trás com a surpresa assim como a face horrorizada, as mãos grandes foram até a cabeça em um gesto assustado engasgando com o grunhido de dor que quis sair de seus lábios.

A voz dela havia marcado sua mente, assim como a aparência desgrenhada. Sentia sua pele suar frio, o coração parecia que ia saltar pela boca, a cabeça girava em uma dor dilacerante e clara. O quarto parecia estar mais gelado, visto que a janela estava escancarada, se levanta com mais força novamente( se reprimindo por ser uma terceira vez que caia) e se jogando sobre o beiral da abertura de madeira. Procurou pela figura feminina novamente, mas só achou o silêncio do vento mais calmo agora. Será que estava ficando louco?

E assim, ele sentiu as pernas adormecerem e o corpo girar, sabia que o baque no chão viria logo em seguida. Mas seu cérebro já havia ficado sem oxigenação. Naquele momento, o homem não sentiu mais nada que um chão gelado e a sensação mais aterrorizante de todas, a dúvida sobre quem ele era. Ou quem ela era.

“...Você vai segurar a barra
   Quando cada um deles tiver desistido ou cedido? Me diga
Nesta minha casa
Nada vem sem uma consequência ou custo, me diga
As estrelas vão se alinhar?
Os céus vão intervir? Vão nos salvar dos nossos pecados? Vão?
Porque esta minha casa se mantém forte…”

 


Notas Finais


EITA GIOVANAAAA!!
E ai?? e ai??
Ai papai ahahahha não tenho nem o que falar aqui
Só quero agradecer, novamente, a @Satu_rno e a @Nagareboshis!! Vocês são maravilhosas!!
E agradecer vocês também, seus lindos!! Titia ama, titia cuida :3
Aqui está o link do vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=0I647GU3Jsc
Bem, ahahaha obrigada por lerem até aqui. Não esqueçam de deixar o feedback! me ajuda muitooo a continuar :3
Amo vocês e até a próxima :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...