História Slow Burn - Imagine T.O.P - Capítulo 18


Escrita por:

Postado
Categorias Big Bang
Personagens Personagens Originais, T.O.P
Tags Bigbang, Hot, Romance, Top
Visualizações 21
Palavras 1.241
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 18 - Capítulo XVII - Eu apenas... precisava disso


Anteriormente...

Quando acordei havia apenas uma mensagem dele esperando para ser lida:

 

foi bom conversar com você

 

senti sua falta.

 

Eu não estava esperando por aquilo, mas eu não poderia negar que havia me deixado feliz. Eu só precisava entender o que Seunghyun significava para mim.

Eu realmente precisava.

 

  

 

TOP Pov

Já fazia alguns meses que eu e S/N não tínhamos mais nada.

Eu ainda podia lembrar o dia que a reencontrei após a viagem à América e de como, por algum motivo, ela parecia uma pessoa diferente. Seu olhar que era sempre tão impaciente e inquieto – principalmente quando dirigido a mim –, havia se tornado quase que constrangido. Sempre que nossos olhos se encontravam, ela parecia tímida, como se mal nos conhecêssemos e não tivéssemos dividido todos aqueles momentos íntimos.

E, por algum motivo, eu sentia que não deveria falar e nem fazer nada.

O que havia sido extremamente difícil porque eu queria fazer mil perguntas, queria que ela me detalhasse tudo que havia vivido durante a viagem – mesmo que provavelmente houvessem partes que me deixassem com ciúmes –, queria dizer a ela o quanto havia sentido sua falta e como era bom tê-la por perto outra vez. Queria, mais que tudo, dizer como ela mexia comigo e como não havia parado de pensar nela durante todos aqueles dias que havia ficado longe.

Nós havíamos nos reunido na casa de Sangwoo como tantas outras vezes, bebendo e jogando conversa fora, quando, de repente, ela aproveitou um momento que havia só nós dois para me abraçar. Seus braços envolveram meu torso e eu pude sentir o cheiro de frutas do seu cabelo. Como seu gesto havia me surpreendido eu fiquei imóvel no primeiro momento, mas quando fui abraça-la de volta, infelizmente, ela se desvencilhou e voltou ao seu lugar de antes.

– Não pergunte – S/N disse desviando o olhar. – Eu apenas... precisava disso.

– Tudo bem.

E realmente não perguntei, nem naquele dia, nem em outros quando nos encontrávamos na galeria, em jantares, ou em uma daquelas reuniões na casa do Sang. Por mais que eu quisesse beijá-la de novo, tê-la em meus braços e fazer amor com ela, eu me mantive quieto, ansioso, apenas esperando o momento que ela viria até mim. Havia sido torturante. Afinal ela era a responsável por me deixar abrasado apenas por estar próxima de mim, mas eu me aliviava sozinho durante as noites para não perder o juízo, pensando em nossos momentos juntos.

Mas também havia sido bom.

Nós nos aproximamos com o passar do tempo e parecíamos cada vez mais como velhos amigos. Eu conhecia cada vez mais lados dela e me sentia honrado por ela se permitir mostra-los para alguém como eu. Em certas ocasiões eu até esquecia por completo que no passado tínhamos tido brigas e discussões terríveis, e a verdade que eu só voltava a lembrar porque havia momentos que ela ainda se irritava, e, impaciente, parecia querer brigar com todo mundo. Mas eu já havia aprendido que isso fazia parte dela, de quem ela era. Não era algo que me irritasse de volta.

Inclusive, fazia com que eu a quisesse ainda mais.

Quando todos aqueles sentimentos começaram a brotar incontroláveis, uma parte de mim sempre havia se perguntando se eu apenas não estava confundindo puro e simples desejo com outras coisas. Mas ao ver S/N com raiva após algum cliente mal-educado, com os olhos vermelhos após ter assistido algo triste ou com a boca suja após comer jjajangmyeon às pressas e sentir que eu apenas gostava mais ainda dela me trazia um sentimento bom, reconfortante, que eu realmente estava apaixonado.

Apenas precisava esperar pelo momento que eu diria isso em voz alta a ela.

E poderíamos ficar juntos como tantas vezes eu havia imaginado.

 

#

 

O tempo havia se passado sem que ao menos eu percebesse e quando eu menos me dei conta já era quase novembro e, por consequência, meu aniversário. E mesmo que estivéssemos ocupados quase que diariamente, os meninos do Bigbang insistiram que eu merecia uma festa. Aceitei de bom grado, afinal, eu sabia que não era só eu que precisava de um tempo para respirar e parar um pouco. Todos precisavam.

Ainda não havia conseguido me encontrar com Sangwoo e S/N durante aquela semana e quando finalmente consegui algum tempo livre, marcamos um jantar em minha casa para aproveitar as poucas horas livres que eu tinha antes de uma viagem para o Japão.

Sangwoo estava simples e elegante como sempre, com aquele ar desprendido que era sua característica habitual e S/N estava tão bonita com o cabelo em um rabo de cavalo e um vestido preto com as mangas em tule que eu me segurei para não sorrir feito um bobo. Desde que havia me descoberto apaixonado, me dei conta de que a achava incrivelmente atraente não importando o que estivesse vestindo. Eu apenas a achava a mulher mais bonita que já havia visto quer ela estivesse arrumada como aquela noite, quer ela estivesse usando calça de moletom e uma camiseta três vezes seu tamanho.

Estávamos na varanda e quando sentei ao seu lado ela me dirigiu um sorriso rápido e logo voltou a atenção ao celular que estava em suas mãos.

– Sai um pouco desse celular, S/N – Sangwoo falou chamando a atenção dela. – A dias que nós não víamos o hyung.

– Eu tenho trabalho a fazer.

– Não é possível que ser minha manager seja tão trabalhoso assim que você não pode deixar esse telefone de lado por meia hora.

–  Qualquer dia desses vou me despedir e tu vai experimentar na pele o tanto de coisa que eu tenho que fazer – ela revirou os olhos irritada, mas acabou deixando o aparelho de lado em cima da mesa.

– No próximo final de semana, os meninos vão organizar uma festa na casa de campo do Youngbae. Queria que vocês fossem. – Finalmente falei, enquanto servia vinho nas taças dispostas em frente a eles.

– Algum motivo especial para essa festa repentina? – S/N perguntou enquanto Sangwoo parecia mais preocupado em saborear o vinho.

– Nenhum não.

– Espera – Sangwoo inquiriu erguendo uma das sobrancelhas –, novembro não é seu aniversário?

– É sim.

– Ué, então é sua festa de aniversário??? – S/N perguntou. Seus olhos pareciam confusos, mas sua boca ameaçava abrir em um sorriso. Respondi a dúvida dela com um balançar de cabeça e logo ela sorriu grande como se tivesse recebido uma boa notícia. – Por que não disse logo?

– Eu não queria que vocês se sentissem obrigados a ir. Eu sei que Sangwoo está ocupado elaborando a próxima coleção dele e você está sempre...

– Não seja tolo, hyung. – Sangwoo acabou me interrompendo sem muita cerimônia. – A minha coleção pode esperar um final de semana e essa aí – ele apontou para S/N zombeteiramente com desdém –, é só drama dela.

Ei! – S/N reclamou, mas acabou rindo. – É, não se preocupe. Nós vamos de muito bom grado, porque nunca deixaríamos de-

– Ir ao meu aniversário? – perguntei, ingênuo.

– Aproveitar um bom motivo para encher a cara – ela riu. – Dá licença que eu também sou filha de Deus.  

Nesse momento o timer que eu havia preparado apitou e olhando para os dois falei com um sorriso orgulhoso no rosto:

– Espero que gostem dessa receita de costelinha que aprendi.

– Precisa de ajuda?

– Não não, podem esperar aqui. – Me levantei e fui até a cozinha, ainda com o sorriso que S/N havia me dado no pensamento. Mas eu já tava acostumado, andava quase impossível tirá-la da cabeça.

 

 

Continua...


Notas Finais


Sei que é um capítulo pequeno após tantos meses fora e sinto muito por isso, mas eu precisava dele para o próximo segmento da história. Enfim, deem a opinião de vocês sobre o que pode acontecer na festa de aniversário, hmmm?

Beijos e até a próxima!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...