História Small letters, great feelings; Jikook au. - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Blackpink, DAY6, DEAN, EXO, G-Friend, Got7, Holland, IU, Loona, Monsta X, Stray Kids, TWICE, X1
Personagens Personagens Originais
Tags Bangtan Boys (BTS), Jikook, Jimin, Jungkook, Kookmin
Visualizações 3
Palavras 980
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, LGBT, Luta, Mistério, Orange, Poesias, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


boa leituraaa!♡

Capítulo 1 - The beginning.


  Tudo começou quando...

— Você.. você prometeu!

Jimin disse, em meio ao choro e a inquietação.

O garoto andava de um lado para o outro, apertando suas próprias mãos com força, enquanto estava em prantos em frente ao seu amado. Seus olhos jamais se cruzavam e o loiro temia em olhá-lo, via a tristeza possar lentamente aquele lugar e carregar tudo que em algum tempo fora bom.

— Jimin. Por favor, acalme-se. Está tudo bem, hm? Olhe para mim.

Taehyung tentava o acalmar, mas não conseguia. Ele estava certo de que Jimin houvera descoberto.

— Eu-

— NÃO!

Gritou.

— Eu não quero ouvir sua voz. Eu não quero. Eu não quero!

Repetia, enquanto tampava seus ouvidos e caminhava pelo quarto, com a cabeça em desordem.

— Você me machucou, hyung... Você me encurralou pelas costas, enquanto... eu tentava ser alguém melhor para você!

Jimin era um garoto de 18 anos. Autista. Morava sozinho, em uma pequena casa de madeira, parecida como uma chalé, no fim de um bosque encantador. Ele não possuía parentes, apenas uma tia e um irmão, que moravam na cidade. Os primos, nem sequer houvera conhecido. Os seus pais morreram em um acidente de carro, ele era bem novinho e não conseguiu o amor e apoio deles por um prazo de tempo maior.

— Amor, por favor...

Tae tentou abraça-lo, mas foi afastado pelos curtos braços do menino; e após isso, o loiro começou a se bater, arranhando e machucando sua pele.

— Jimin! Pare com isso.

Taehyung agarrou seus pulsos, envolvendo-o em um abraço, enquanto o pequeno se debatia e chorava alto.

— Shh.. Calma... Está tudo bem. Está tudo bem..

Kim Taehyung era um jovem de 22 anos. Morava só e cursava fotografia na faculdade, trabalhando como comerciante em uma floricultura para bancar os estudos e o apartamento. Conheceu Jimin em uma das suas entregas de flores, então, viraram grandes e melhores amigos. Kim amava cuidar do garoto e sabendo de sua doença, tinha um cuidado ainda mais especial e cauteloso. O amor de uma amizade tornou-se um amor indescritível, sendo o laço de ambos inseparável. Começaram a namorar e com quase dois anos e meio, o mais velho passou a querer sua liberdade. E assim, traiu o seu único e verdadeiro amor.

O moreno afagava os fios do pequeno, que batia suas mãozinhas contra o peito do rapaz e tentava se soltar, de sua boca apenas o soluço de um choro sôfrego.

— Eu te odeio!

Exclamou, com a voz embargada.

— Eu te odeio, odeio e odeio. Entreguei a minha vida para você, Taehyung hyung!

Jimin afastou-se para olhá-lo, mas apenas conseguiu ter a sua visão embaçada pelas lágrimas e a imagem borrada de seu amado.

– Se não me amava mais, por que fez isso? Por quê? Eu tentei dar o melhor de mim, hyung.. Eu.. Eu...

Sem mais, o menino pegou sua mochila e as peças de roupas que usaria naquela noite chuvosa, na casa de seu namorado, ou melhor, ex namorado. Então, sem dizer qualquer coisa que fosse, saiu da apartamento, sendo seguido pelo maior que tentava se explicar de todas as formas, com sua voz chorosa.

— Jimin, meu amor, por favor! Me deixe explicar tudo isso.

Segurou o braço do menino, que virou o corpo a mercê de si, olhando sempre para baixo.

— Eu posso.. explicar?

— Não..

Indagou baixo.

— Eu não quero ouvir sua explicação agora, hyung. Irei para a minha casa, você.. fique aqui. Na sua casa.

Soltou-se lentamente das mãos do homem e ficou nas pontinhas dos pés, selando a testa do rapaz.

— Algum dia, nós nos encontramos por aí..

Jimin sorriu tristemente em meio a demasia lágrimas, saindo do local com o coração partido em minúsculos pedaços. No fundo, todo o amor ia o corroendo e matando a única esperança que lhe matinha vivo. Ele jamais encontraria alguém, que tivesse a mesma importância de Taehyung, que cuidará e amará ele tão intensamente. De uma forma surreal.

No apartamento, restou apenas um jovem corroído pelo ódio e angústia, morrendo por sua tristeza e matando a si mesmo de remorso. Taehyung, por outrora, jamais pensará em trair o seu pequeno, mas sem estar sóbrio não pensava deste jeito. Ele o amava mais de que tudo.

//,,›

Jimin corria até a estação de trem, pisando nas poças de água causadas pela chuva, que ainda caía. O loirinho não olhava para trás, apenas corria e corria até chegar na estação, onde sentou em um banco de madeira e ficou na espera do trem, que passaria uma hora depois.

Com as mãos juntas, tendo sendo seus dedos entrelaçados uns com os outros, o garotinho indefeso encarava a escuridão a sua frente, enquanto um filme passava em sua cabeça e seu pranto não cessava. Quando de repente, uma voz desconhecida ecoou pelo local..

— Boa noite.

Cumprimentou o policial que fazia guarda naquela noite, na estação de trem.

— O que faz a está hora, rapazinho? É muito perigoso, deveria estar em casa.

Jimin o olhou, não nos olhos, mas apenas admirou a beleza do homem sentado ao seu lado. Ele era alto, aparentava ter um corpo bem definido por baixo da farda. Seus fios eram longos, mas não passavam do nariz, era válido dizer que eram negros e seus olhos, eram pequenas jabuticabas maduras. Tinha os lábios finos e o nariz bem ‘moldado, bochechas agradavelmente cheinhas e exalava um cheiro adorável.

— Quem se importa?

Proferiu, fungando baixinho. Deu de ombros e enxugou o rosto úmido, tocando as bochechas quentes e vermelhas.

— Oh, eu me importo.

Jimin o olhou, mas voltou a encarar a escuridão densa a sua frente. Ele não estava ligando muito para aquilo, sabia que era algo da boca para fora.

— E quem é você?

Perguntou e teve uma risada rouca vindo do homem, que sorriu fechado.

— Jeon. Jeon Jungkook.


Notas Finais


desculpem os erros!
estou respostando essa história pela segunda vez, e espero que agora dê certo. Conta com o apoio de vocês, beijinhoos! 🌨️👩🏻‍🎨


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...