1. Spirit Fanfics >
  2. Snow >
  3. 06 - Solução

História Snow - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


voltei, demorei? acho que simksks
enfim, aos poucos meu bloqueio criativo tá aliviando, essa história é bem grandinha e complexa por isso demoro a escrever então kk
boa leitura espero que gostem
❄❤

Capítulo 6 - 06 - Solução


Luhan chorava. Estava em frente ao espelho do banheiro que havia no quarto de Sehun, depois que se deu conta do que o seu ômega interior tentava fazer, se trancou dentro do banheiro. Sehun estava chorando também, o seu selo estava queimando e saber que aquilo causava dor em Luhan por sua culpa, fazia a dor aumentar. 


A voz de seu ômega ecoava na sua cabeça, falando que deveria ter obedecido suas ordens de alguns minutos atrás e entregado o corpo para seu alfa, mas aquilo não estava certo, Luhan não se sentia pronto para aquilo e Sehun também não, os dois ficaram naquela cama durante um bom tempo com Sehun tentando controlar Luhan enquanto o menor não conseguia fazer aquilo sozinho.


No momento em que viu Sehun fechar os olhos suspirou tentando recobrar a sua própria consciência, mas ao abrir os olhos novamente  deu de cara com o alfa e suas pupilas estavam cinzas. Luhan conseguiu se controlar por meros segundos apenas para sair da cama e correr até estar no banheiro, ele não tinha medo de Sehun, confiava em Sehun. Mas sabia que naquele momento não era Sehun, era seu alfa, assim como dentro de si, não era ele, e sim o seu ômega.


"Se você não fizer o que eu mandei, vai morrer."


Ele ouviu uma voz dentro de sua cabeça, ele queria gritar de dor, aquilo era quase insuportável. 


— Cala a boca! — Gritou contra o espelho. 


Com toda a sua raiva sendo exalada de seu corpo, sentiu-se de volta aos eixos, os molhados em seus olhos não foram contidos. Sehun, estava ao lado de fora, escorado a porta do banheiro, ele estava sentindo ainda mais dor por saber que tudo aquilo era culpa sua; se não tivesse ido embora, o selo ainda estaria intacto e não estariam sendo praticamente forçados a acasalarem por conta do selo enfraquecido em sua alma, já era tarde para tentar fortalecer de outra forma, precisava achar uma solução.


— Lu...— Chamou-o carinhosamente sentindo aquela dor aliviar um pouco.


Luhan secou as lágrimas que se acumulavam no seus olhos e levou as mãos para a torneira, deixou que a água corresse para sua mão e logo lavou os rosto, olhou para frente, seus olhos estavam normais, não completamente, pois aparentavam ter uma cor lavanda, mas sabia que logo voltaria ao normal.


Abri a porta do banheiro e Sehun estava em pé, a sua espera, andou poucos passos e o abraçou, enfiou o seu rosto no peito do mesmo para que o abraço fosse correspondido e sentiu toda a dor de Sehun aumentar, às vezes o alfa esquecia que o selo era ainda mais forte que uma marca feita por dentes, já que o selo se fazia com garras. 


— Pare de se culpar. — Disse em uma súplica enquanto esfregava sua cabeça no peito de seu alfa.


Sehun não soube reagir aquilo, mas só teve tempo de sentir o menor lhe puxar para voltar a cama. O ômega deitou-se novamente do lado da parede e assim, fazendo Sehun sentar-se a ponta da cama, mas embora quisesse parar de sentir aquilo, precisava que Sehun parasse de se martirizar por dentro e não foi surpresa para si mesmo quando começou a chorar outra vez.


— Lu, não chore. — O alfa pediu levando o dedão para limpar as lágrimas que escorriam.


— Sehun, isso não é culpa de nenhum de nós. — Luhan disse sentindo o carinho em seu rosto. — Você não tinha como saber.


Sehun não conseguia parar de se culpar, era seu dever protegê-lo, e estavam ali sentindo dor por seus selos, e ele poderia ter evitado tudo isso, mas não fez. Luhan não conseguia acreditar que o alfa estava se culpando tanto por algo que não era culpa de ninguém. Delicadamente, levou os dedos para virar o rosto do maior para si e Sehun estava com uma expressão tão triste que Luhan só queria abraçá-lo pelo resto da noite.


— Me desculpa por não te proteger. — Disse próximo a boca do menor, o que fez Luhan revirar os olhos.


Não respondeu o alfa, apenas colou seus lábios aos dele. Sehun e Luhan nunca haviam se beijado por tanto tempo como fizeram naquela noite, era um beijo suave que demonstrava afeto. Luhan conseguia sentir todo o receio de Sehun, enquanto o alfa conseguia se sentir tranquilo com a segurança vinda de seu ômega.


Fora uma noite conturbada, Luhan havia despertado com uma sensação ruim várias vezes e Sehun acordava também, pois sentia tudo que o mesmo estava sofrendo. Seus lobos não apareceram mais e então estavam mais tranquilos, mas ainda havia algo errado e Sehun podia desconfiar sobre o que era.


                             ❄


Luhan acabou tendo que falar o que aconteceu durante a noite. Todo o percurso para o seu apartamento - para que pudesse trocar de roupa -, se resumiu em Baekhyun insistindo em perguntar o que estava acontecendo com o amigo, mas só recebia um sorriso forçado e a voz do ômega alertando que estava tudo bem.


Dentro da sala de aula, já próximo a última aula, Luhan sentiu aquela sensação outra vez e logo seus olhos estavam roxos, seu cheiro começou a ficar forte e só conseguiu voltar a órbita quando Baekhyun o cutucou, avisando o que estava acontecendo.


Então, após a aula, os garotos resolveram se reunir na casa de Kyungsoo, esse que havia ido para a cozinha e já voltava para dentro do quarto com uma bandeja e alguns cupcakes dentro da mesma. Baekhyun estava revirando os olhos a longos minutos ouvindo Luhan contar o que havia acontecido e se sentindo aborrecido por seu amigo não ter lhe contado quando perguntou.


— Espera, então você entrou no cio, e agora não está mais? — Minseok perguntou curioso.


Todos estavam olhando para Luhan, seus olhos agora, estavam normais e seu corpo tinha tomado uma temperatura instável, diferente de quando estava no quarto de Sehun, que sentia queimar-se por dentro, e seu selo que antes doía, agora estava lhe dando um sentimento de satisfação, não sentia mais aquela angústia horrível.


— Eu não entrei no cio. — Falei e fez uma expressão pensativa para explicar. — Foi como um pré-cio, nossos lobos querem que o selo seja fortalecido outra vez e então, estão praticamente nos obrigando a acasalar.


— Luhan, você tem medo disso? — Zitao perguntou vendo os olhos inexpressivos.


— Só não me sinto pronto, eu confio no Sehun, mas não quero ter que fazer isso obrigado pelo meu próprio lobo. 


— Talvez você não precise. — Kyungsoo disse e pôs a bandeja em cima da cama, sentando-se na ponta da mesma e ao lado de Baekhyun. 


— Cara de quem vai fazer merda. — Junmyeon cantarolou.


— Eu não sou o Baekhyun. — Kyungsoo rebateu e logo pôde sentir um tapa fraco de Baekhyun em seu braço. — O que? Você faz merda mesmo.


— Mas eu não fiz nada, caralho. — Baekhyun reclamou arrancando risadas dos amigos e ficou emburrado até se dar por vencido e rir acompanhando os outros.


— Como eu ia dizendo, talvez vocês não precisem. A biblioteca da escola possui diversos oráculos e vocês podem pesquisar uma solução lá.


— É proibido que um aluno pegue um oráculo na biblioteca. — Junmyeon exclamou e todos ouviram Kyungsoo estalar a língua no céu da boca.


— A biblioteca é o único lugar da escola que não tem câmeras, e durante a manhã não há quem fique responsável por lá. — Zitao comentou se jogando na cama com a cabeça no colo de Kyungsoo.


— Como você sabe disso? — Luhan perguntou vendo a forma que o chinês falava sobre a biblioteca.


— Luhan, os alunos vão na biblioteca para transar. — Baekhyun disse rindo e levou uma mão para roubar um cupcake da bandeja.


— Eu não sabia disso. — Luhan respondeu e Zitao riu do rosto surpreso.


— Mas você vai lá pegar o oráculo, né? Não precisa transar 'pra fazer isso. — Minseok disse provocando o menor e levou um beliscão de Junmyeon, que sussurrou para que parasse de ser inconveniente. 


— Relaxa gente, o Luhan tem juízo, não é igual a vocês. — Kyungsoo disse rindo também. — Agora é hora de vocês irem, eu preciso me arrumar, papai quer ajuda na confeitaria e eu não posso me atrasar.


— Espero que isso dê certo. — Luhan murmurou sozinho.


Eles saíram do quarto do ômega de olhos arregalados e logo estavam caminhando pela calçada, Luhan pensativo demais, pensava se no oráculo não havia uma técnica o explicando como deveria controlar o seu lobo para que o episódio que havia acontecido de noite não voltasse a se repetir.


— Vocês não estão com medo de ir para casa? — Minseok perguntou quando os três deram tchau com a mão para Junmyeon e Zitao que foram por outro caminho. 


A casa de Minseok era em um prédio próximo a casa de Kyungsoo, então os outros dois estranharam quando o mesmo começou a segui-los, Luhan pensava que ele pudesse estar indo para a casa de Zitao ou Junmyeon, mas não era isso. 


— Não vou mentir que estou. — Baekhyun falou baixinho mas ainda rindo. — Mas talvez eles não estejam lá, esses faunos devem fazer alguma coisa da vida.


— Eles são vários, Baekhyun. — Luhan murmurou.


— Ninguém sabe. — Byun falou por fim e dobraram a esquina, logo chegando ao apartamento. 


— Sua casa é bem longe daqui. — Disse Luhan quando já estavam dentro do elevador. 


Minseok estava estranho, mas ele sorria. Não respondeu o questionamento de Luhan e logo viu a porta abrir, depois de sobrarem o corredor e verem duas alfas paradas ali em frente, o ômega suspirou vendo que eram apenas duas.


Luhan e Baekhyun por outro lado, estavam com medo daquilo, eles pensavam que era seguro, mas quando viram as duas alfas paradas em frente a porta do apartamento de Luhan, se arrependeram amargamente.


— Min...V-vem… — Baekhyun chamou soando o mais baixo possível, pois Luhan estava puxando o seu braço para trás, não entendeu quando o mais velho entre eles continuar parado.


Fora tudo muito rápido para que os dois pudessem raciocinar, em um momento as duas alfas de olhos laranjas estavam vindo para cima, e no outro momento, Minseok havia as congelado com seu poder. O ômega suspirou em alívio, enquanto Luhan e Baekhyun não estavam entendendo tudo aquilo.


Minseok não parecia surpreso nem amedrontado, parecia aliviado e tinha um sorriso no canto do lábios, como se soubesse que aquilo iria acontecer.

    

                             ❄


— O QUE? — Baekhyun gritou dentro do apartamento de Luhan, fazendo os dois outros ômegas cobrirem seus ouvidos com as mãos. — Por que você não me falou isso antes? Eu poderia ter te ajudado. 


Minseok tinha um biquinho fofo no rosto, tal de culpa, como de mágoa.


— Eu tive medo. — Falou baixinho.


— Baekhyun, não grite com ele, ele não teve culpa e veja, ele nos salvou. — Luhan falou e fez um carinho nos fios de Minseok. — Seu pai está na cidade? 


— Ele nunca está. Já faz um ano desde que eu o vi, mas eu não tenho dúvidas que ele tenha feito isso, eu sempre fui um bastardo na vida dele. 


Baekhyun deixou um biquinho crescer em seu rosto e foi até o mais velho sentando em seu colo, e Minseok imediatamente pôs sua cabeça encostada ao peito do amigo. 


— Não vou mais deixar isso acontecer com você. — Baekhyun disse e Luhan sorriu ao ver que o Kim estava mais calmo depois do abraço. 


Minseok havia jogado as duas alfas dentro do elevador enquanto Luhan e Baekhyun tentaram acalmar a si mesmos. E agora, os três estavam na sala de Luhan depois de tudo aquilo, Minseok realmente sabia o que aconteceria naquela tarde, mas os garotos não entendiam bem o porquê, até que ele contou tudo.


— Posso dormir aqui essa noite? — Perguntou baixinho.


— Claro que sim. — Luhan respondeu ao mais velho e sorriu com ternura para ele.

 

Os três continuaram na sala assistindo, depois de um tempo, Baekhyun achou melhor fazer algo para que os três comerem, estavam os dois tentando fazer Minseok esquecer o ocorrido e também tentaram esquecer, quando já estava consideravelmente tarde, os três foram para a cama, a cama de Luhan era de casal e bem espaçosa, os três conseguiram se arrumar em cima da mesma e dormiram tranquilamente com as portas fechadas e sentindo uma segurança dentro de si.


                             ❄


No outro dia, Minseok e Baekhyun acordaram ao mesmo tempo, ambos de costas um para o outro e quando se viraram para se olharem, perceberam que o ômega chinês não estava na cama junto com eles. Baekhyun se preocupou e correu para o banheiro, sem rastros de Luhan e ao pensar no pior, correu para a cozinha, encontrando o amigo sentado no sofá e com o celular próximo ao ouvido, enquanto prendia um lábio e sorria abobado, vendo aquela cena, o Byun decidiu voltar para o quarto.


— Pode me emprestar uma calça sua? As do Luhan me apertam um pouco. — Minseok disse e Baekhyun o viu sair do banheiro usando uma blusa que era de Luhan. 


— Pode pegar. — Respondeu e passou para o banheiro, estava meio zonzo e julgou ser pelo sono.


Luhan estava com o celular preso à orelha, depois de acordar antes dos dois ômegas e pegar o seu celular, percebeu várias mensagens e ligações de Sehun que não foram atendidas e para não acordar os outros dois com a conversa, foi para a sala e estava sentado no sofá enquanto falava com o alfa sobre o que Kyungsoo havia lhe sugerido, o alfa havia concordado com a idéia de entrar na biblioteca escondido para roubar um oráculo, afinal, isso era o necessário, depois de não ter protegido seu ômega como deveria estava se martirizando para tentar consertar aquilo.


— Vou desligar. — Luhan disse e desligou o aparelho antes mesmo do alfa o responder, viu a porta abrir e olhou na direção de sua mãe que entrava devagar e com um olhar cansado.


— Bom dia, filho. — Ela disse largando uma bolsa no chão.


Por conta do trabalho de sua mãe, Luhan não a via muito, ela era uma médica cirurgiã e sempre estava ocupada no trabalho, além de ser uma quase faz tudo e ajudar em todo o serviço pesado do lugar, trabalhar em hospital público era corrido para a ômega. Mei sorriu e passou as mãos na próprio roupa, limpando alguma poeira inexistente ou algo que Luhan não pôde identificar. 


— Bom dia. — Disse se levantando e viu a mais velha o repreender, pois estava toda suja de hospital. 


Xiao Mei morava perto do hospital em um apartamento que dividia com as colegas de trabalho. Ela estava cabisbaixa e parecia sem rumo algum.


— Quero conversar com você. — Ela sorriu triste e deixou uma lágrima escorrer de seu rosto angelical. — Mas preciso que me conte sobre o que você está passando, eu sei que algo está acontecendo, quero poder te ajudar com isso. 


O ômega assentiu sorrindo e teve uma longa conversa com a mais velha, omitindo algumas partes por estar com medo de deixar a mais velha em alerta, não contou nada sobre os faunos e a perseguição, preferiu se resolver sozinho, a mulher não precisava desse tipo de preocupação.


Na conversa, Mei lhe contou que havia sido transferida para outro hospital onde precisavam de mais atendimento, era uma notícia ótima e ela não poderia recusar, mas o hospital se encontrava na china e por ela ser chinesa a mandaram para lá. Luhan não soube reagir àquilo, mas ficou feliz pela mãe. 


— Isso vai ser ótimo para você, mamãe. — Falou baixinho e segurando a mão da mais velha. 


— Prometa para mim que vai se cuidar, você já não é um bebê, não tenho medo de te deixar aqui. — Ela sorriu e Luhan a prometeu. 


Depois de um tempo Baekhyun e Minseok desceram para a cozinha, já arrumados e com a mochila nas costas, após tomarem café, se despediram da mais velha e seguiram os três para a escola, seria um longo dia.

  

                             ❄


Após a segunda aula, teriam uma aula prática e Luhan estava pensando em como faria para se livrar daquilo, no fim das contas, decidiu fingir que estava passando mal e no caminho para a enfermaria encontrou Sehun do lado de fora da mesma assim como os dois haviam combinado.


— Vamos. — Falou puxando o menor pela mão


Eles seguiram pelo corredor até chegarem na biblioteca, como pensaram, não havia ninguém. O lugar era grande e logo os dois conseguiram chegar as mesas que ficavam ao fundo do lugar, Luhan sentou-se enquanto Sehun começava a procurar um oráculo, e entre uma prateleira e outra, no topo de uma, onde haviam vários livros velhos e empoeirados, achou um.


O oráculo era velho, embora sua aparência fosse conservada, podiam ver as manchas indicado o tempo que não era utilizado.


— Já achou algo? — Luhan perguntou enquanto o alfa passava folha por folha lendo sobre selos.


— Não. — Sehun respondeu concentrado no que procurava e depois de longos minutos, Luhan o ouviu gritar: — Achei!


— Não faça barulho. — O ômega deu um tapinha fraco no braço do maior e levantou-se para ficar em pé ao lado do mesmo.


— Tem uma forma de fortalecer o selo sem que seja transa-


— Sehun!


— Aí, desculpa. — O alfa riu debochando do rubor nas bochechas do menor. — Podemos fazer isso apenas no fim de semana, leva um bom tempo e precisamos ir para um lugar calmo.


— Sei exatamente onde devemos ir. — Luhan disse e olhou para o maior que sorriu entendendo o que ele deveria falar.


Ainda estava longe do intervalo, então aproveitaram um bom tempo juntos naquele espaço, com Sehun prensando Luhan na mesa, onde o ômega estava sentado e o beijando, da mesma forma que se beijavam pela manhã anterior. Julgaram que aquilo era outro ataque de seus lobos, mas souberam manter o controle enquanto o beijo não se findava.


Quando o sino tocou, Sehun e Luhan seguiram para o refeitório, Luhan seguiu diretamente para uma porta que havia na lateral no mesmo e foi andando para a árvore ao lado de fora em que seus amigos estavam todos sentados e encaravam Minseok e Baekhyun como se a vida dependesse daquilo. 


— O que está acontecendo? — Perguntou e viu que os dois tinham expressões tristes.


— Minseok vai falar sobre ontem. — Baekhyun respondeu por todos.


Todos pareciam estar preocupados. Luhan suspirou ao lembrar-se do que o ômega havia lhe dito noite passada e logo sentou-se querendo ouvir outra vez.


— Vocês sabem que meu pai não gosta muito de mim, ele sempre me tratou como uma obrigação de precisar cuidar de mim e blá blá blá, mas nunca foi meu pai de verdade.


— Sim. — Todos os ômegas responderam juntos.


— Bom, ele é amigo do velho Byun. — Disse rindo com mágoa e Luhan pôde ver os olhos de Baekhyun molhados. — E ele me vendeu.


Notas Finais


iiih
espero que tenham gostado
❤❄


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...