História Só precisa dizer. - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Ino Yamanaka, Karin, Sakura Haruno, Sasori, Sasuke Uchiha
Tags Naruto, Sasusaku
Visualizações 182
Palavras 4.039
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Shoujo (Romântico)

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Minha primeira One-Shot, espero que gostem 💙
Com certeza não será das melhores, mas com as próximas, por que tenho várias idéias já, eu vou melhorando.
Boa leitura 💙

Capítulo 1 - Só precisa dizer


Fanfic / Fanfiction Só precisa dizer. - Capítulo 1 - Só precisa dizer

- Você realmente vai ir ?

- Só precisa dizer...

O olhei dentro dos olhos, até que os mesmos se perderam em admirar o chão, e ali estava sua resposta, respirei fundo e nesse instante fizeram a última chamada para o voou.

Me virei, e a cada som solitário de meus passos, sem nenhum me acompanhando atrás.

Mas a vida é assim, os contos só existem em livros. 

*5 anos depois*

Acordo cedo como de costume, fiz minha higiene, tirei meu confortável pijama e me vesti para o toque de realidade.

Me chamo Sakura Haruno, tenho 28 anos e sou uma das principais cardiologistas de uma ótima equipe médica e respeitada. 

*Hospital de Konoha - Quinta-Feira*

Entro no elevador até o andar da minha sala, passo e comprimento todos os pacientes que estão fora. 

Entro em minha sala esperando começar mais um dia. 

Ouço pequenas batidas em minha porta.

- Entre.

- Doutora Haruno, aqui estão os pacientes de hoje. 

- Obrigada Shizune. - Dou um suspiro e um breve sorriso. Assim me entregando uma pilha de prontuários. 

Os dias andam bem corridos ultimamente, bem monótonos. 

O dia passa, e finalmente falta só mais um paciente, mal vejo a hora de estar em casa. 

Me arrumo na cadeira que já se torna incomoda ao final do dia e vamos ao último paciente. 

- Sasuke Uchiha.

Arrumo uns papéis em minha mesa, vendo seu histórico médico.

- Sente-se por favor. Então senhor Uchiha o que anda sentindo ? 

Assim que levanto minha cabeça para vê-lo me deparo com um homem, forte de cabelos longos e dono dos olhos mais escuros que já vi. Sinto minha mão gelar. 

- Você está bem Doutora ? - Ele deu um sorriso de canto. 

- E o senhor que está no Hospital senhor Uchiha, então... - o retribui o sorriso. 

Ele mais uma vez sorriu e prosseguiu minha pergunta. 

- Doutora, ando sentindo pontadas no peito a um tempo. 

- São fortes ? - escrevia tudo atenta no caderno evitando olhar para ele, mas às vezes era impossível não olhar aquele homem.

- Algumas vezes. - agora ele estava sério. 

- Vai precisar fazer alguns exames. Tudo bem ? 

- E pra isso que estou aqui. - curto e fez um estalo com a língua. 

Peguei meu estetoscópio me levantando e vou  até sua direção, o coloco e o fixo em seu peito. 

- Respire de vagar. 

E assim ele o fez, conseguia ouvir um pequeno sobro vindo de seu peito. O olho e vejo que ele está me encarando me olhando como se fosse um caçador, isso me faz sair de perto, e trêmula.

- Está um pouco descompassado senhor Uchiha.

- Desculpe, você me deixa nervoso.

Que sorriso e esse? Tão malicioso

- A quanto tempo sente isso ? 

- A alguns meses.

- E só agora procurou um profissional ?

- Estava sem tempo.

- Tem que se cuidar senhor Uchiha.

- Pode ter certeza que agora eu vou.

Ignorando sua resposta o corto.

- Vá até a recepção e marque esses dois exames para amanhã e saberemos o que você tem. Até amanhã.

Me levanto e lhe estendo a mão em comprimento, e ele logo a segura, forte e sem tirar os olhos do meu.

- Até, Doutora. 

E logo ele sai pela porta. Eu não consigo entender que se ele se foi, por que ainda estou como se ele estivesse aqui ? 

Já é o final do meu espediente, arrumo minha mesa, pego alguns prontuários para estudo e me dirijo do elevador até o estacionamento, entro no meu carro e vou até meu apartamento. 

Abro minha porta e como de costume, um silêncio se faz como sempre fez, ao andar pela casa acendo as luzes e as apago, encho a banheira e afogo meu corpo dentro.

Visto meu pijama e vou para a varanda, o vento secando meus cabelos, o céu estrelado, logo em baixo vejo um casal se despedindo, minha mente e domada por pensamentos e meu coração pelo vazio. 

Meu celular toca, assim me tirando do meu transe.

E Ino, atender ou não atender, és a questão. Ino é minha melhor amiga desde que cheguei em Konoha, eu a amo, mas 80% das furadas que tive aqui 110% ela fez parte.

- Ino? 

- Saky! Está em casa ?

-  Estou.

- Abre a porta Testudaaa!!! 

Me sinto indiferente, me dirijo até a porta, me faço a pergunta de novo, abrir ou não abrir ? Então a abro.

- Temos 30 minutos Testudaaa!!!

- Para o que Ino ? 

- Para sair, ae nós vamos sair, esqueci de te avisar.- ela abriu meu quarda roupa e jogava as roupas em cima da cama - Essa aqui!!

- Ino não posso, amanhã acordo cedo. - peguei as roupas e fui guardando

- Prometo que chegamos cedo. - ela fez uma carinha de choro.

- Ino, e sério, eu trabalho cedo.

- Vai me deixar ir sozinha ? 

*Só se você deixar* 

- Mas é pra realmente voltarmos cedo! Porca! 

- Aí sakyyy!!! Eu te amo! - Ela pulou se agarrando em meu pescoço.

- tá bom, Ino! Isso doi! hahaha

- Toma esse aqui! 

Ela me mostra meu vestido vermelho, realmente eu amo sair com aquele vestido. A sua cor é um vermelho quase puxado pro vinho, tem um leve decote e justo, acima do joelho.

Coloquei um salto preto, e fiz uma maquiagem leve, somente com o batom bem marcado. 

- Está linda testuda.

- Vamos logo Ino, quanto mais cedo vamos, logo voltamos. - falei lhe emburrado as costas para fora do apartamento.

Então chegamos até uma boate, e logo entramos, Ino tem um relacionamento aberto com um dos donos e assim sempre tem entrada VIP.

Com a música alta impossibilitando qualquer tipo de comunicação verbal, ela faz sinais para avisar que logo volta, como sempre eu só a acompanho até a chegada e logo ela some. 

Vou até o bar, aonde o som se abafa um pouco. E me sento. 

- O que vai querer hoje, Doutora ? 

- Um Whisky por favor. 

Logo me veio o espanto *Doutora* e quando olho, lá está ele Sasuke Uchiha, com aquele sorriso Sacana limpando o copo com um lenço, e logo pegando a garrafa de whisky e enchendo o copo.

E o bebo em quase um gole só, e me veio a sensação de queimação na garganta.

- Vá com calma, Doutora, ainda vai me atender amanhã. 

- Sakura. - O olho 

- Como ? - ele olha indeferente.

- Me chame só de Sakura, por favor. - dou um suspiro, por que logo aqui ?

- Tudo bem, Doutora. 

Eu faria qualquer coisa pra tirar aquele sorriso dele, ele consegue tirar minha paciência em instantes.

Bufo - Mais uma. - E o sorriso parace aumentar.

- E o que faz aqui sozinha ? - ele pergunta enquanto atende outros clientes. 

- Uma amiga me chamou. - falo um pouco perdida, olhando a procurando na imensidão.

- Aonde está essa Amiga ?

- Por aí, encontrando alguém.

- E você, não vai encontrar alguém por aí ?

- Não - deixei escapar uma sitiu risada - não mesmo.

- Fica linda sorrindo sabia ? Um instante. - ele fez um sinal com a mão para esperar. E lá eu fiquei, não por que eu queria esperar por ele, só por preguiça mesmo. Eu juro.

E logo o vejo, mas não como se estivesse esperando ver ele. Sem o uniforme do bar. 

 - Vem.- ele pega no meu pulso.

- Eu vou esperar minha amiga.

- Está na cara que ela não vem.

Olhei mais uma vez para a multidão, para os lados, dei um suspiro e dei o último gole da minha bebida e me levantei, o seguindo. 

Estávamos no meio da boate e continuei o segundo, me lembrei por que detesto lugares cheios, ficar esbarrando nas pessoas e desagradável. 

Subimos as escadas, e o barulho vai se abafando cada vez mais, subimos mais uma escada, e no último degrau e estamos em cima do prédio.

Está uma linda noite, e a lua está nova, somente um fio dourado no céu. 

- Aqui.- ele faz um sinal com a mão para me sentar no banco não seu lado. - aqui em cima e aonde fazemos as reuniões. 

- E bonito aqui em cima. 

- E sim, primeira vez que veio aqui ? Na boate. - ele olhava pro céu assim como eu.

- não, mas não vim muitas, começou a trabalhar aqui a pouco tempo ?

Ouço o som de uma pequena risad. - Eu sou um dos donos, trabalho lá em baixo por que gosto. 

O olho surpreendida.

- Hm, bom. Por que estamos aqui ? Quer um exame ? - falei brincando

Ele dá um sorriso de lado - Eu sei que estava te incomodando o barulho Doutora, e dói um pouco. - ele pousou a mão sobre o peito. 

Fiz um sinal pedindo permissão para ouvir sua batida, assim ele tirou a mão me dando espaço, coloco minha orelha em seu peito e ouço suas batidas fortes e rápidas e fico uns segundos ali.

- Você vai amanhã certo ? - Sem perceber quando me sai, nossos rostos ficaram frente a frente. Senti meu rosto queimar.

- Claro. Não vou te deixar esperando.- ele sorriu, e talvez seja o primeiro sincero

- Não deixe mesmo. - dei um sorriso de canto envergonhada, e me afastei.

- Sempre morou aqui Doutora ? - ele admirava o seu.

- Não, tem uns 5 anos.

- Aonde você morava antes ? - ele me olha com curiosidade no olhar. 

- Hm, morava no Japão. E você ?

- Nasci e cresci aqui. - ele fala com um orgulho na voz.

- O que te fez vir embora ? 

- Só precisava me mudar. *Me mudar*

Só quem sabia da minha história era Ino, e me ajudou muito a superar. 

- Está tarde acho melhor procurar minha amiga.

- Se quiser eu te ajudo. 

- Não, tudo bem, obrigada.

Assim que me levanto, sinto sua mão puxar a minha. E em um único puxão me uno ao se corpo, e logo sinto o vento passando por nós e fazendo seu cabelo ir junto com ele. Seus olhos penetrão os meus, e me deixam trêmula. 

- Até amanhã, Sakura. 

Falando assim, me solta de seu abraço, e sem reação somente saiu pela porta e desço rapidamente as escadas no fim da última avisto Ino. 

- Vamos.

- Testudaa! Estava te procurando! 

- Vem. 

Passamos por aquelas pessoas todas e fomos caladas até o estacionamento. Olhei para cima do prédio do estacionamento e conseguia ver a figura de um homem e logo acenou para mim, e assim como eu Ino também viu.

- Quem e dona Sakura ? 

- Entra, entra, entra! 

E assim apressadas entramos no carro. 

- Sakura você bebeu ? Deixa que eu dirigo. E vai desembuchando aí. Nem precisei ver de perto pra saber que é bonito.

- Calada porca, me leva pra casa.

- Não vou mesmo saber, quem é que pôs esse raro sorriso na minha amiga ?

Sorriso ? Me olho no retrovisor e mesmo se quisesse desfazer o sorriso era em vão. Eu estava acessa, e pelo caminho, contei a Ino quem ele era. 

Chegando em casa, por algum motivo, eu senti animação no outro dia que estava por vir. 

*Hospital Konoha - Sexta-Feira*

Vou colocar um alarme pra lembrar de amaldiçoar Ino por me conversar a sair com ela, estava com uma dor de cabeça que remédio nenhum tirava, uma ressaca de outro mundo, mas eu sou um tanto fraca pra bebida, então essa parte e culpa minha.

Como de costume Shizune me trás mais prontuários, e meu dia começa.

Depois de examinar alguns pacientes, fecho o dia de atendimento normal, e vou para a sala de exames, e na porta já vejo Sasuke sentado me com seus dentes alinhados mostrados para mim. Passo por ele sem humor, dizendo um seco bom dia e o mandando entrar.

- Pode ir ali atrás, tirar a camisa e colocar essa bata, por favor. 

Assim fiquei arrumando a maca e os aparelhos, quando percebo ele no mesmo lugar tirando sua camisa, me senti arder em febre, meu físico, sua barriga sarada, seus ombros largos, e preços fortes, não teve como evitar não olhar de cima a baixo, e logo ele só colocou a bata em seus braços.

- E agora, Sakura ?

- Doutora. O corrigi desviando meus olhos.

- Você tem que se decidir. - ele fez um olhar de blef. 

- Aqui doutora, lá fora Sakura. Okay? Okay. Se deite aqui. 

Ele logo se deitou e deu um sorriso.

- O que foi ? - o olhei confusa.

- Geralmente eu que fico por cima. - Seu sorriso só se fez maior ao ver minha face vermelha. 

Peguei o gel para fazer a ecografia, é tímida, abri sua bata deixando seu peitoral exposto, passei o gel em seu peito, e percebia que seus olhos não se desviavam de mim, e me senti de novo uma caça, peguei o aparelho e passei em seu peito, e como imaginava se tratava de uma arritmia.

Tirei o aparelho e limpei, e ele deitado segurou meu pulso e me puxou para baixo, nossos rostos ficaram bem próximos e não falamos nenhuma palavra, ele soltou e eu me afastei, isso estava ficando comum já. 

- Pode vestir de novo sua camiseta, estou te esperando na minha sala. - e sai da sala antes de vê-lo de expor de novo. 

Chegando a minha sala, dei um enorme suspiro, fui ao banheiro passei uma água em meu rosto, e quando voltei ele já estava sentado. 

E me sentei também, segurando seus exames.

- Tenho uma má é uma boa notícia. Qual quer ouvir primeiro ? 

O silêncio se fez, e ele olhava fixamente pra mim, então prossegui.

- A boa notícia é que seu problema não tem risco de morte.

- A ruim e que você tem Arritmia, que é um mal funcionamento do sistema elétrico do coração. - o expliquei como acontece é ele aprestava atenção em tudo que dizia. - e que vai ter que tomar remédio 2 vezes ao dia para controlar os batimentos, tem 3 estágios e você é o 1, porém é bastante incômodo então não é menor preocupante que os outros. 

- Aqui a receita dos remédios, não precisa renovar pra comprá-los, e precisa fazer acompanhamento de 6 em 6 meses, para vermos se não avança,  por que aí o tratamento muda. 

- Tá louca que vou esperar 6 meses pra te ver de novo. 

- Então não espere - falei brincando, o que eu não percebi é que ele tinha levado a sério.

Quando cheguei no estacionamento lá estava ele ao lado do meu carro. 

- como você sabia que esse é o meu carro ? 

Ele me aponta para a placa *reservado para Sakura Haruno* passo a mão pelo rosto. 

- Posso te levar pra jantar ? 

- O que ? 

Ele deu um sorriso - Sim ou não ? 

Talvez ele tivesse seu lado romântico por baixo do canalha. 

- Tudo bem. - Por que eu aceitei ? 

- Aonde você mora ?

- Condomínio Ville Blash, setor j, apartamento 6. - O QUE, QUE EU TO FAZENDO ?

- tudo bem haha. As 7 horas... Sakura.

E me toquei que é o primeiro 1% que faço merda sem a Ino, e falando nela preciso de ajuda!

- Ino, tenho um encontro vai pra minha casa Socorro!!!! 

Quando chego em casa Ino já está na porta me esperando.

- Abre, abre, abre!!!!

- Tô abrindo!!!

Conto tudo pra Ino, e como uma ótima amiga ela faz que eu esteja digna da minha piranha interior. Ou e assim que ela gosta de chame as almas da pessoas.

Um vestido verde escuro, quase preto, na metade das coxas, justo e de alça fina. E um escapam preto, Ino alisa meu cabelo e deixo a maquiagem por conta dele também.

Me olho no espelho e pergunto a mim mesma se eu consigo. 

- Fica tranquila, vai dar tudo certo. 

E ouço a campainha.

- E ele, e ele. - falo quase dando pulinhos

- hahaha amiga parece uma colegial.

Não teve como não rir.

Desço e logo o encontro.

Ele me seca de cima a baixo.

- Você está linda. - pela primeira vez juro que o vi ficar vermelho.

- Obrigada. - falo tímida.

Ele então me guia até o carro e abre a porta pra mim e a fecha, e logo senta no banco do motorista, vamos o caminho todo calados, mas sinto ele me olhar, e meu sorriso certeza que é esta bem visível. 

- E aqui. - ele diz, e entramos no estruturante Ichiraku.

- Como você conseguiu ? A reserva aqui tem que ser feita meses antes.

- Sou amigo do dono. - ele dá um breve sorriso. - Ali nossa mesa.

- querem pedir agora ? - Sasuke observa o cardápio e eu também, mas admito o nervosismo tirou minha fome. 

- O seu melhor Vinho por favor, e me recomende um prato por favor. 

- Claro senhor, e a senhorita ?

- O mesmo por gentileza.

E assim ele sai. 

- Uau, esse lugar é lindo. - estava Maravilhada com aquele lugar.

- Aposto que ninguém te trouxe a um lugar assim- na verdade fazia 5 anos que não saia com ninguém *sim isso é possível*. 

- E. - disse sem graça. - E você já trouxe muita gente aqui ? 

- Você e a primeira. - Ele me olhou esperando minha reação.

- Difícil acreditar haha. - Tentei disfarçar o nervosismo. 

- Difícil de acreditar que no 2 dia um homem te leva para jantar em um restaurante ? 

- Difícil acreditar que sou a primeira que trás aqui. - falei enquanto mechia a taça com água.

- Você já tem alguém que goste ? - Ele disse olhando para o copo que mechia.

- Não. E você ?

- Não sei, talvez. 

- Por que ?

- Não tenho sorte nesse quesito.

- Acho que somos dois. 

Então nós nos olhamos breve, calados e apagados.

- aqui está o jantar, bom apetite. 

- Obrigada. - Sasuke só acena com a cabeça.

Comemos em silêncio. 

- O vinho está ótimo. 

- Sim está - ele então dá a mão pedindo a conta ao garçom. 

Entao saímos e vamos até o carro. 

- Quer ir para casa ? 

- Eu não sei. 

Então ele abre a porta e a fecha para mim, e entra logo em seguida, depois de uns minutos estamos na boate, mas está tudo escuro e silencioso, está fechada, não tem ninguém, e subimos para o terraço. 

Ele para no peitoril e dica olhando distante dali.

- Eu estava em um relacionamento, mas ela me traiu, eu descobri e ela disse que mudaria. - ele dá uma pausa e dá uma risada debochada. - Eu acreditei, não demorou muito para acontecer de novo, foram 3 anos jogados fora, Karin o nome dela.

- Sinto muito... 

O silêncio se fez, e senti que deveria dizer algo.

- Eu fiquei 6 anos com um cara, desde a época da escola, eu cresci e ele continuou no colegial sabe. Eu queria uma vida, família, e disse que se ele não quisesse um futuro eu iria embora, ele disse que me amava mas que não queria isso, então eu me arrumei, e marquei passagem para cá, a cidade aonde meus pais nasceram. Ele me acompanhou até o aeroporto e lá dei a última chance, e ele não me pediu pra ficar, Sasori o nome dele.

Sem perceber uma lágrima escapou da lembrança, aqueles passos solitários. Senti sua mão em meu rosto a tirando, mas mesmo depois ela continuou segurando minha face, então ele se aproximou, colocou uma das mãos na minha sintura. 

- Sasuke.- e ele não se afastou, mas ele deitou a cabeça em meu ombro e passei a mão nas suas costas. 

Passamos uma boa parte da noite conversando e voltei para casa.

Ino, encheou meu celular de mensagens, e a disse que se ela quisesse souber de algo teria que vir aqui, não demorou muito, Ino estava na minha porta de pijama. 

E logo a contei tudo. 

Sasuke e eu saímos mais vezes mas nunca saímos das conversas, mas ele conhecia de mim e eu dele, riamos muito juntos, tudo começou a ter um sentido e um brilho.

*3 meses depois* 

00:37 - Sasuke [Sakura, meu apartamento corre, chave embaixo no vaso de planta, meu coração.]

Sasuke, aguente firme! 

*Arritmia não tem risco de morte a Maria das vezes, pode causar desmaios e enormes dores no peito.*

Sai de casa do jeito que estava, de pijama e tudo, fui até a casa de Sasuke e procuro a chave tem 4 vasos de planta e super pesados, enfim encontro, giro a chave e a porta de abre, eu entro e o procuro, não está na sala, nem na cozinha, nem no seu quarto, o encontro chão do banheiro, com a respiração fraca, a emoção tão forte que nem deu para reparar ou ligar dele está completamente nu ou não. 

Com uma força que não sei daonde veio consigo o levantar o suficiente para andar com minha ajuda.

- S..Sakura. - falava baixo 

- Não falei, eu estou aqui.

Consegui o levar até seu quarto aos poucos e o coloquei na cama.

Peguei um short e coloquei nele, meu instinto médico me fez não ficar tão nervosa como uma pessoa ficaria nessa situação. 

- Já volto! Fica quieto.

Fui até a cozinha e fiz uma água com açúcar, e o ajudei a beber, e diz massagem em seu peito.

Até que ele melhorou, a dor foi indo embora gradativamente. 

Fui até a cozinha fazer algo pra ela comer, fiz uma sopa, e logo a levei para ele. Com seu remédio.

- toma. 

Ele pegou a pílula e o remédio é o tomou.

- Você já comeu hoje ? Tome tudo.

- Não tive tempo fiquei ocupado no serviço.

- O remédio e forte, você tem que tomar ele é comer algo. - sentei ao lado da sua cama, e fiquei lá até que terminasse a janta. 

Pode se levantar ? Para ir escovar os dentes ? - ele acenou que sim, então eu fui até a cozinha e lavei a louça e deixei a comida quarda. Voltei até seu quarto, e me sentei de novo em sua cama.

- Você está bem mesmo ? - falei passando a mão no seu rosto, não sei por que mas estava realmente preocupada com ele e foi automático. 

- Está mesmo preocupada comigo ?

Me senti faltar e acenei que sim com a cabeça. 

- E. Eu vou indo.

Quando me levantei ele segurou minha mão *tá ficando custumeiro já*. 

- Fica. - ele me olha com suas orbens negras. 

- Só um pouco. Então me deixo em sua cama, e ele se deita em meu peito. 

Sem me mexer muito o tiro de cima de mim, e vou até a porta, chegando lá, ouço sua voz rouca me chamar.

- Sakura.

Eu me viro e ele se aproxima de mim, naquele jeito que eu já não suporto mais. 

- Obrigado. 

- Não precisa pedir. Bem estou indo agora que melhorou.

- Fica, por favor... - Nunca vi Sasuke assim, dessa forma tão penetrante. 

Ele chega mais perto, eu recuo um pouco pra trás e me dou com a porta nas costas, ele chega bem mais perto e passa a mão pela minha sintura e rosa a chave trancando a porta, seus olhos não saem dos meus, ele se aproxima e sinto sua respiração, então ele me segura com as duas mãos, e como novo me ergue para cima me colocando em uma sintura, e como uma boneca eu não reajo. 

Entao eu sinto seus lábios em meu pescoço, e fecho os olhos e deixo escapar um gemido baixinho, ele me poem contra a parece, continua beijando meu pescoço e com a outra mão agarra um dos meus seios.

- Sasuke... 

- Quer que eu pare ? 

Eu não tinha resposta para aquela pergunta. Então ele me colocou no chão, então achei que pagaria, mas assim que me estava firme senti, seus lábios nos meus, e a vontade de devorar eles encheu meu corpo, e logo eu o beijei.

O dia amanhece e eu estou ao seu lado, em cima de seu rosto nú.

- Bom dia. - dei um sorriso.

- Bom dia. - e assim depositou um beijo em minha testa. 

- Você vai ficar ? 

- Ninguém nunca me pediu pra ficar.

- Eu peço. 

- Só precisa dizer. 

- Fica comigo. - seus olhos pareciam gravar cada parte do meu rosto. 

- Claro! - Eu o beijei, e o beijei. 

- Sakura. - e logo ele colocou dois dedos na minha testa, e senti meu corpo inteiro se arrepiar.

- Eu também te amo. 




















Notas Finais


Espero que gostem. 💙


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...