1. Spirit Fanfics >
  2. Sob as Estrelas >
  3. O Maior dos Clichês

História Sob as Estrelas - Capítulo 9


Escrita por:


Notas do Autor


Oi, gente! Já faz um bom tempo, né? Eu queria me desculpar por toda a demora que teve pra sair esse capítulo, sinceramente. Poucas pessoas viram meu aviso, mas acontece que o último capítulo saiu antes das provas da faculdade, então eu precisei me focar. Depois, eu fiquei desanimada e não conseguia escrever. Agora, me inscrevi (e passei) em dois cursos diferentes, e segunda as aulas da faculdade voltam, então eu vou ficar ainda mais atarefada. Sinto muito por toda a demora, mas eu prometo tentar trazer o próximo capítulo bem mais rápido que esse.

Obrigada a todo mundo que leu e chegou até aqui, pois é importante demais para mim. Enfim, boa leitura a todos!

Capítulo 9 - O Maior dos Clichês


Yeosang entrou em seu apartamento, sendo seguido por sua irmã mais velha, Wooyoung e, claro, San. Ele estava irritado pelo fato de seus amigos pensarem que ele realmente iria agredir a ex namorada de Seonghwa, pensava que eles não o conheciam de verdade. Wooyoung seguia dizendo que não era isso que estava acontecendo e San o acompanhava com as mesmas desculpas ruins. Na sala de estar do Kang, Soojin estava sentada no sofá, assistindo alguma coisa em seu celular; na cozinha, sua mãe preparava comida. Kang ficou confuso com o tanto de pessoas que estavam em sua casa naquele momento. 


— Ei, Kang! — Uma voz conhecida, mas que seu rosto não havia aparecido ainda, gritou da cozinha. Yeosang suspirou. Havia ainda mais alguém? 


Yuna apareceu na porta da cozinha, ainda vestindo o uniforme de enfermeira. Seu sorriso brilhante fazia qualquer um sorrir, até mesmo aqueles que estavam em seus piores dias. 


— Jeong Yuna? — Yeosang perguntou, mas não estava irritado com sua presença. — O que você está fazendo aqui também?


— Bom, Seonghwa me chamou para ajudá-lo com seus ferimentos enquanto você estava fora. Ele disse que sua irmã se recusou a ajudar. — Yeosang lançou um olhar para Soojin, que se encolheu no canto do sofá. Yuna continuou:— Sua mãe apareceu para cozinhar e eu aproveitei para ficar. A comida do hospital não é muito boa, você sabe... 


Yeo não questionou. Seonghwa e Yuna eram amigos, e ela era enfermeira, então não era estranho que ela o ajudasse, inclusive seria de melhor ajuda visto que estudou para isso. Quando Yebin e o casal WooSan se sentaram no sofá pequeno, Kang questionou sobre o Park. Yuna disse que ele estava bem, mas estava dormindo um pouco, já que a pomada anestésica conseguiu fazer com que suas dores nas costas diminuíssem. Yeosang apenas assentiu com um aceno e avisou que iria guardar seus materiais e tomar um banho, ainda que todos soubessem que era apenas uma desculpa para ver o Park em seu quarto. 


O garoto guardou sua mochila silenciosamente sobre o chão, em um canto do cômodo, e aproveitou para pegar sua toalha e uma roupa confortável para tomar um banho. Seonghwa dormia tranquilamente na cama e, ainda que Yeosang estivesse preocupado, ele sorriu em alívio por saber que ele estava bem. De banho tomado, Kang voltou para o quarto, guardou sua toalha molhada sobre a cadeira e então começou a se sentir inquieto. Ele não sabia o motivo, queria fazer alguma coisa, seja jogar em seu notebook ou sentar na cama e observar Seonghwa, mas tinha medo de que o último o fizesse parecer assustador. 


Enquanto procurava exatamente o que fazer, Yeo tropeçou em seus próprios pés e seu corpo se chocou contra sua mesa de estudos, fazendo um barulho imensamente alto e, com o choque, algumas de suas coisas mais leves, como canetas, caíram no chão, ocasionando mais barulho. Tentando organizar tudo sem fazer mais bagunça, o garoto ouviu um movimento estranho na cama e xingou-se mentalmente quando percebeu que havia acordado Seonghwa. 


— Yeo? — a voz calma e rouca de Seonghwa ecoou pelo quarto, fazendo Yeosang tremer. 


A verdade era que o Kang ainda precisava conversar sobre o ocorrido do dia anterior, quando Seonghwa se declarou em meio à lágrimas e dor, e, bom, Yeosang apenas criou coragem para fazer algo e o beijou do nada, sem nenhuma palavra. Depois disso, apenas disse que conversariam depois, porém tentou enrolar essa conversa a noite e o dia inteiros, pois, sendo sincero consigo mesmo, não sabia exatamente o que precisava falar. 


Honestamente falando, ele estava com medo. Não sabia com clareza o que o deixava assustado, mas tinha aquele sentimento. Hongjoong estava certo, ele gostava do Park, mas... E depois? O que faria depois? Sairiam para um jantar romântico? Iriam ao cinema ver um filme de romance ou ficariam em casa vendo um filme de terror? Ficariam juntinhos na cama, abraçados, trocando beijos? A verdade é que ele não sabia como lidar com um relacionamento e talvez fosse isso que o deixasse tão assustado. 


— É você mesmo. — Seonghwa continuou, agora sentado na cama, depois dos segundos em que Yeosang ficou em silêncio, em seus devaneios. 


— Eu te acordei? — O mais velho sorriu e negou suavemente com um aceno, fazendo o Kang suspirar aliviado. — Como você está? 


Yeosang terminou de arrumar sua bagunça e então sentou-se ao lado do Park. Seonghwa continuava sorrindo, ainda que sentisse dor. 


— Estou bem. Yuna me ajudou com os ferimentos, não são graves, você sabe, só doem um pouco. — Kang assentiu, sem saber muito o que dizer. 


O silêncio seguiu após aquilo. Ainda que os dois não estivessem desconfortáveis, eles queriam falar algo, mas não sabiam como, nenhum tinha iniciativa para isso. Após mais alguns minutos, Yeosang tomou coragem para colocar sua mão sobre a mão do mais velho, acariciando-a de forma carinhosa. Seonghwa se assustou um pouco, pois não sabia como reagir. Yeo estava de cabeça baixa, envergonhado demais para olhar o Park nos olhos. 


— Yeo...? 


— Seonghwa... Aquilo que você me disse ontem... Era tudo verdade? 


Era agora. 


Precisava saber se Seonghwa falava sério ou se estava apenas brincando, para que conseguisse formular algo em sua cabeça. Não sabia como, muito menos quando, mas gostava do Park, então se fosse tudo uma brincadeira de mau gosto, ele precisava saber antes de entrar de cabeça nesses sentimentos. Apesar de seu lado sensato dizer que Seonghwa não conseguiria mentir dado a situação em que ele se encontrava na hora, tampouco fingir todos aqueles machucados e cenas que passou com homem-bem-vestido, seu lado paranóico insistia em fazê-lo desconfiar de tudo. 


— Por que eu iria mentir para você? — Foi essa a resposta que o Park deu. Yeosang encarou os olhos escuros de Seonghwa por um momento, sem saber muito o que dizer, e então ele continuou: — Desde o começo, era tudo verdade. Eu não queria voltar com a Yujin, Yeo. Eu queria me aproximar de você. 


— Não seria mais fácil você chegar e falar "Ei, Yeosang, vamos fazer aquele trabalho juntos"? 


Os dois riram juntos com aquilo. 


— Eu não sei o que se passou na minha cabeça. Wooyoung me disse que não era uma boa ideia, mas eu só consegui ignorar ele. 


— Espera, Woo sabia disso? — A indignação em sua voz fez Seonghwa se encolher um pouco. — Choi San também? 


Seonghwa negou desesperadamente com a cabeça. 


— San soube depois, precisava da ajuda de alguém e Wooyoung não era a melhor escolha. — Yeo respondeu apenas com um "hm" sem expressão e Park começou a se sentir inquieto. O que ele estava pensando? — Então... Aquele beijo... 


Lembrar do beijo repentino que deu em Seonghwa no dia anterior deixava Yeosang extremamente envergonhado e ele só sentia vontade de sumir do mapa quando tudo vinha à tona, porque, apesar de não ter sido seu primeiro beijo, o garoto sequer sabia como lidar com tudo aquilo. Ele não sabia namorar, não sabia flertar, não sabia fazer absolutamente nada que jovens faziam. Como se namorava alguém, afinal? Seu namoro falso não serviu para ajudá-lo com aquilo. 


Seong riu quando Yeosang baixou a cabeça e percebeu suas bochechas rosadas. Imaginava que tocar naquele assunto não seria muito fácil, contudo ele precisava saber. Precisava saber se Yeo realmente sentia algo por ele, porque aquela dúvida estava o matando aos poucos. Ele precisava sentir o coração leve, sem preocupações. 


— Yeo... — O Park levou as mãos ao rosto do Kang, fazendo-o  encarar, e com os polegares fez carinho em suas bochechas. — Eu gosto de você. Eu gosto de você desde o primeiro momento em que eu te vi. Eu nunca gostei da Yujin e nem de nenhuma outra garota as quais eu saí por todos esses anos. É você, e sempre foi você. Mas... Eu preciso saber se você também gosta de mim. Me diga se eu posso investir em você ou se eu devo me afastar. 


Aquelas palavras deixaram Yeosang desconcertado por alguns instantes. Sua mente se esvaziou e era como se ele não estivesse mais ali. Não sabia o que pensar e muito menos o que dizer. Se declarar em voz alta não era sua especialidade. Apesar de tudo, depois de alguns segundos longe da realidade, Yeosang também colocou a mão direita sobre o rosto do mais velho e repetiu o carinho que recebia em suas bochechas. Estava criando coragem aos poucos. 


— Eu... Eu achava que não. Tentei negar isso de todas as formas possíveis, mas... Prestando atenção agora, eu entendi porquê fiquei tão confuso. Tudo o que eu sinto por você... Como você me faz sentir. Sempre achei que eu gostava de Wooyoung, mas isso... Eu nunca senti nada assim por ele. Talvez por isso eu tenha negado tanto, porque é um sentimento diferente. — Seonghwa sorriu com aquilo tudo. — Se tudo isso significa que eu gosto de você, então sim, eu gosto.


O sorriso do mais velho aumentou com o final de sua frase e, repentinamente, Yeosang foi surpreendido com um abraço. Yeo tentou retribuir ao abraço sem tocar nas costas machucadas do Park e então deixou seu rosto descansar no ombro dele. Conseguia ouvir a risada gostosa de Seonghwa próxima ao seu ouvido e sentia seu corpo eufórico.  


Seong se afastou e mostrou seu sorriso ao mais novo. Yeo não conseguiu deixar de sorrir vendo a felicidade do mais velho, até porque também se sentia feliz. Ele nunca pensou que fingir estar em um relacionamento com alguém realmente o faria ficar em um. 


***


Alguns dias se passaram desde aquele incidente. O ano anterior já havia passado e os machucados de Seonghwa estavam curados, apenas algumas marcas sobraram. Os dois garotos resolveram parar com aquilo de namoro falso e explicaram tudo para seus amigos que não sabiam o que estava acontecendo, contudo não estavam namorando de verdade agora. Seonghwa insistia que eles deveriam fazer como casais normais, sair em encontros, se conhecerem melhor, irem devagar. Yeo, por outro lado, achava que não havia necessidade, pois eles já fizeram tudo aquilo antes mesmo de se declararem um para o outro. 


Como a palavra de Yeosang não valia nada e era impossível de negar algo quando Seonghwa o encarava com aqueles olhinhos de gatinho pedindo algo, lá estava o Kang, na porta do cinema, esperando o mais velho comprar um balde imenso de pipoca e refrigerante, para assistirem a um filme de terror juntos. 


Tão clichê...


Yeo não gostava de filmes de terror. Na verdade, não gostava de filmes em geral. Ele sempre acabava dormindo no meio dos filmes, em qualquer lugar que fosse, e temia acabar dormindo ao lado de Seonghwa novamente, mais ainda no meio do cinema, em pleno seu primeiro encontro. Não poderia negar que estava nervoso. Quando avistou Seonghwa com o balde de pipoca, ele sorriu. Seu nervosismo foi embora por alguns segundos vendo a forma que o Park se aproximava, graciosamente, bem como um verdadeiro príncipe. 


— Você está bem? — O mais velho perguntou. — Está com medo do filme? Podemos ir ver outro se quiser. 


— Ah, bom, o problema não é o filme em si... — Como dizer que dorme em qualquer filme que assista sem ser motivo de piada? 


— Não me diga que você também dorme no meio dos filmes... 


Yeosang o encarou confuso. Como assim "também"? 


— "Também"? 


— Sim. É impossível assistir filmes com o Hongjoong, ele nunca fica acordado e sempre me enche de perguntas sobre o que aconteceu depois da primeira cena. 


Yeo respondeu apenas com um "ah" baixinho e então se sentiu estranho. Perguntas do tipo "por que ele está falando de alguém que já ficou em nosso encontro?" começaram a rondar sua mente e ele, então, surtou. Aparentemente, Seonghwa já sabia o que estava acontecendo, mas não disse nada, no entanto acabou rindo bastante do surto do mais novo. 


Sim, Kang Yeosang, isso que você está sentindo é ciúmes.  


— Pare de falar sobre isso. — Foi o que o mais novo implorou quando estavam sentados nas poltronas do cinema, esperando os trailers acabarem. 


— Eu não acredito que você ficou com ciúmes do Hong. — Seonghwa continuava rindo. 


— Depois de descobrir que vocês tiveram uma "amizade colorida", eu não posso me sentir enciumado? Aliás, isso não era ciúmes! 


— Bom, você acabou de expor que estava realmente com ciúmes. — A voz de Seonghwa saiu baixa, como um sussurro, tão próximo que Yeosang se sentiu tenso. Já estavam na sala de cinema e os trailers de filmes já estavam passando, por isso não era apropriado que falasse tão alto. — Isso é fofo da sua parte. 


Yeo tentou não se focar em como aquelas palavras saíram dos lábios de Seonghwa, e apenas focou em não dormir durante o filme. Apesar de se sentir um pouco nervoso, afinal nunca havia tido um encontro propriamente dito antes, ele conseguiu aproveitar aquela tarde. Às vezes aproveitava as cenas de jumpscare em que muitos gritavam pela sala para se aproximar do Park e receber um cafuné carinhoso do mais velho em seu cabelo. Não negaria, jamais, que adorava a forma como Seonghwa o tocava carinhosamente em qualquer que fosse o momento. 


Já era noite quando saíram da sala de cinema, animados, enquanto conversavam sobre o filme. Yeosang tinha sua mão envolvida pela mão quente de Seonghwa, ainda que sentissem medo e até mesmo ficassem envergonhados de demosntrar qualquer afeto em público, ambos decidiram, sem nem mesmo trocar palavras, que aquele era o momento certo para aquilo. Contudo, aquela felicidade e calmaria não durou tanto tempo quanto eles esperavam, pois, assim mesmo que colocaram os pés para fora do local onde estavam, o celular do Kang tocou, indicando uma ligacão de Wooyoung. Confuso, o garoto atendeu, e as palavras que ouviu do outro lado da linha não foram nem um pouco animadoras:


"Ei, Kang Yeosang! Sou eu! Aconteceu uma coisa.... E eu acho que Seonghwa não vai gostar nem um pouco disso." 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...