1. Spirit Fanfics >
  2. Sob uma lente - Gerlili (One) >
  3. Uma noite no estúdio.

História Sob uma lente - Gerlili (One) - Capítulo 1


Escrita por: workmyheart

Notas do Autor


Espero que gostem desse capítulo único que preparei pra vocês. Não esqueçam de adicionar aos favoritos e comentar no final do capítulo. ❤

Capítulo 1 - Uma noite no estúdio.


Era sexta-feira, mais de 20h da noite e Lili ainda não havia deixado seu estúdio e ido para casa. Germano resolveu que iria buscar sua mulher e foi até o estúdio.

— Lili? — Eu disse já entrando no local que se encontrava aberto.

— Amor? Oii, está tudo bem? Aconteceu alguma coisa? — Eu estranhei a presença dele ali.

— Aconteceu sim, são 20h e minha esposa ainda não voltou para casa e ainda não se alimentou, acredito eu. — Eu me sento ao lado dela. Lili estava sentada no chão mexendo em algumas fotografias que estavam sobre uma mesinha baixa e eu amo ver ela trabalhando, ver ela dedicada e feliz com o que faz.

— Eu me perdi na hora, Germano. Mil perdões. — Eu o beijo e ao mesmo tempo sorrio, era impossível não sorrir ao beijar ele. 

— Precisa deixar o estúdio fechado, mais seguro, eu entrei e você nem viu, poderia ser qualquer um. — Me preocupo com ela, penso na possibilidade de alguém entrar lá e fazer mal a mulher que amo.

— Não sou mais uma criança há muito tempo, Germano. Sei me cuidar, só estou um pouco avoada hoje. — Me viro pra ele e respondo enquanto passo a mão em sua barba.

— Só estou cuidando de você. — Eu a olho nos olhos e a beijo lentamente. — Você disse que um dia me deixaria fotografar você. — Eu disse ao pegar em uma câmera que estava ali ao lado.

— Pensei que a fotógrafada relação fosse eu. — Eu brinco, mas no fundo eu quero ver o olhar dele atrás da câmera. — Pronto, é só você ir apertando aqui. — Preparei a câmera e mostrei onde ele deveria apertar. Entreguei a câmera em suas mãos e por trás fui lhe ensinando tudo, ele pouco prestava atenção na câmera, só me olhava e sorria e aquilo me deixava ainda mais apaixonada por ele. — Presta atenção, amor. — Não evito o sorriso e a risada, como é bom ter o Germano por perto.

— Tô vendo, tô vendo. Só preciso que a minha modelo se prepare. — Eu a olho com malícia, quero que ela tire a roupa, quero poder olha-la através dessa lente de forma nua, transparente e minha.

— Germano, eu já não tenho idade pra essas coisas... — Eu do risada e reviro os olhos.

— Ah, então vou procurar umas garotas que queiram ser fotografadas nuas pelo presidente da Bastille. — Digo irônico só para provocar.

— Olha, você nem ouse! — Eu jogo minha própria blusa nele de raiva após me despir e ficar só de peças íntimas.

— Vou apagar as luzes e ligar as iluminarias. — Me viro de costas para realizar as tarefas que citei e quando me viro novamente vejo a mulher mais linda do mundo nua na minha frente. — Parece que os anos não passam para você, a cada ano que passa você fica cada vez melhor, chega a ser inacreditável a beleza da mulher que eu tenho na minha casa. — eu digo totalmente bobo com aquele corpo escultural que estava parado na minha frente, com certeza aquela era a melhor visão que eu poderia ter. Me aproximei dela e coloquei a câmera frente aos meus olhos e dei o primeiro click.

—Tá bom assim? — Eu pergunto estando de costas para ele, segurando meu cabelo no alto com as duas mãos causando uma curva perfeita no meu corpo, curva essa que contornava meus seios e minha bunda e que por conta das sombras causadas pelas luminárias, ficavam extremamente marcadas.
— Acho que preciso chegar mais perto. — embora ter aquele projeto de mulher escultural na minha frente fosse e totalmente sexy, eu enxergo além disso, eu enxergo a mulher que acreditou em mim, que acreditou no nosso amor e que passou por cima dos meus erros para estar comigo. Eu enxergo a Liliane que deu a volta por cima e seguiu sua vontade, seu sonho, se tornou a fotógrafa que queria ser. Enquanto rodo ela com uma mão, olho sob uma lente detalhista cada marca da minha mulher. É lindo ver ela sorrir e me olhar sorrindo também.

— Tira a roupa também, amor. — Eu me aproximo dele e puxo sua gravata. — Eu já fechei a porta. — Sussurro em seu ouvido.

— Ah é? Tem certeza? Vai que alguém entra aqui e nos pega nos amando. — Eu brinco enquanto tiro toda a minha roupa com ajuda dela. Lilianne se aproximou com aquele perfume doce e suave e eu me senti rendido naquele momento.

— Então esse alguém terá a melhor visão da vida, porque nós dois somos mais que amor, somos arte! — Diogo enquanto o beijo loucamente e sinto suas mãos apalparem minha bunda com força, do jeito que eu gosto. Quando as coisas estavam prestes a queimar de vez, sinto Germano se afastando e me olhando. — O que foi? Por que parou?

— Porque antes disso preciso te dizer uma coisa. — Esse era o motivo de eu estar aqui. Eu precisava ter essa conversa com ela antes de fazer qualquer outra coisa.

— Ué, o que, amor? — Eu estranho, ele nunca havia parado nosso amor para dizer nada, apenas no dia em que nos reconcilamos, ele me parou, abriu a gaveta da cômoda e colocou a aliança no meu dedo.

— Na segunda eu vi você falando com a Eliza sobre ter saudades de ter um bebê em casa, mas que tinha receio de me falar sobre isso pois eu sempre disse que 2 já era o bastante e hoje tenho 3 e que não sabia se uma gestação agora seria uma opção por conta da idade.

— Germano eu.. — Tento encontrar palavras para me explicar, mas simplemente não consigo.

— Xiu! — Coloco o dedo na boca dela na intenção de que ela fique em silêncio e assim eu possa falar. Quero te falar que eu quero tudo com você, não há mais planos, nem para padrões, o que há é um amor intenso que venceu todas as provações possíveis. Lili, nós estamos aqui, somos nós dois de novo, agora com filhos adultos e carreiras incríveis, estamos com tudo certo e organizado, tá faltando alguém para fazer bagunça. — Eu sorrio de canto e levo minha mão até a barriga dela. — Vamos ter um filho, vamos dar uma repaginada na nossa vida e celebrar o nosso amor.

— Você está falando sério mesmo? Quer ter um bebê em casa chorando e fazendo birra quando você chegar cansado da Bastille? — Meus olhos já estavam marejados, eu não podia acreditar no que estava ouvindo.

— Eu quero! Também quero te ver empolgada organizando festinhas e quero ir comprar os brinquedos das datas comemorativas. Quero ver você radiante com um barrigão lindo a espera de um fruto do nosso amor. — Eu seguro em uma de suas mãos e coloco seu cabelo atrás da orelha.

— Vamos ter um bebê então? — Meu sorriso estava estampado na minha cara de forma radiante e transparente.

— Vamos! E vamos fazer esse bebê agora! — Eu digo encostando Lili na parede e a beijando.

Lili o puxou pela gravata de seu terno caro sem deixá-lo pensar muito. Ela necessitava dele. Em pouco tempo ela estava sentada no colo dele e ele estava sentado na bancada do estúdio. Germano  deixava beijos por toda extensão do pescoço e costas de Lili, que arafava com o contato, enquanto suas mãos percorriam as costas dele deixando leves arranhões. Germano a deitou, ficando por cima e continuou a trilha de beijos, que pararam no vão entre os seios dela que já não estavam mais cobertos e também desejavam o corpo dele mais próximo. Com uma das mãos, ele apertava o seio dela e mordia levemente o outro. A barba de Germano descendo pelo corpo de Lili causava altos arrepios, ela sentia seu corpo ferver e pedir por mais, ela queria mais e queria logo.

— Germano, não tortura a futura mãe de mais um filho seu, vamos logo com isso. ME FODE!!

Ele retornou os lábios para a boca dela e passou a estocar com força, o que causou gemidos intensos na loira. As mãos continuaram percorrendo o corpo, correndo pelas coxas, deixando fortes apertões por ali, fazendo Lili arfar. A fotógrafa estava perdendo a paciência, ela queria mais, desejava mais, queria mais força e mais intensidade, então e o puxou pelo pescoço e se encaixando ainda melhor ela disse em seu ouvido:

Me fode logo, Germano. Me fode muito!

Germano não era nem doido de desobedecer uma ordem de Liliane, ele logo entendeu o recado e passou a estimular o ponto certo. Lili se segurava nas pontas da mesa com força, tentava ao máximo manter os gemidos em silêncio, mas não era possível. Após muitas estocadas Lili teve seu primeiro orgasmo.

Liliane inverteu as posições e ficou por cima, agora as coisas irão pegar fogo, a patroa está no comando. O membro duro dele finalmente foi encaixado nela. Lili rebolou e quicou como nunca, atingiu um ritmo frenético e muito intenso.  Ela aproximou a boca da dele, gemendo e pediu por mais. Germano estimulou o  clitóris dela e logo os dois chegaram ao ápice, caindo deitados no chão do estúdio onde passaram a noite.  


Notas Finais


O que acharam? Gostariam de mais um?😊❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...