História Sobre amor, tartarugas e novas chances - Capítulo 23


Escrita por:

Postado
Categorias Girls' Generation
Personagens Taeyeon, Tiffany
Tags Snsd, Taeny, Taeyeon, Tiffany
Visualizações 147
Palavras 4.431
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Fluffy, LGBT, Orange, Policial, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eu teria postado mais cedo, mas me distraí escrevendo uma futura fic rsrsrs

Capítulo 23 - Vinte e dois


A viagem de volta para casa tinha sido relativamente tranquila, ainda mais considerando o fato de que Irene tinha dormido praticamente antes mesmo do carro deixar o estacionamento do hospital. Tiffany segurou a menina nos braços durante todo o percurso, e deslizava os dedos pela testa e cabelo da criança com carinho. Ela estava feliz, tranquila. Era quase inacreditável que em tão poucas horas elas estavam traçando o mesmo trajeto, passando pelas mesmas ruas, sentindo coisas tão diferentes de agora. Era, tecnicamente, o oposto. O oposto de tristeza, preocupação, agonia. Até mesmo o caminho era oposto. Elas estavam se afastando cada vez mais do hospital, e Tiffany pensou em como o mundo poderia ser engraçado as vezes. Eunseo tinha toda razão, ela não conseguia deixar de dar crédito para a mulher. Coisas boas e inesperadas acontecem, e porque não tirar proveito delas?

A menina respirou fundo em seu peito e apertou a mão na barra de sua blusa, como se conferindo de que Tiffany ainda estivesse ali. A morena acariciou suas costas e apoiou seu pescoço com a mão quando Taeyeon virou a última esquina antes de chegar em casa.

Bastou apenas o movimento da mulher menor saindo do carro para despertar a menina. Primeiro ela só abriu os olhos e os piscou lentamente para a noite escura. Quando Tiffany fechou a porta do carro com o pé - Taeyeon estava carregando todas as outras coisas - a menina ergueu a cabeça e apertou os braços em torno do pescoço dela. Não era como se Tiffany planejasse que ela dormisse por toda a noite, porque ela sabia que tão logo Nawoon e Yonghee vissem a menina, a conversa iria despertá-la de qualquer jeito.

O momento de preguiça durou apenas um minuto. Quando Taeyeon abriu a porta, os olhos da garotinha se arregalaram ao ver Ginger, e ela impulsivamente se inclinou para frente - quase caindo do colo de Tiffany - para receber as lambidas do cachorrinho na mão. E então ela se endireitou quando escutou a voz de Nawoon.

- Irene?! - Ela levou a mão na boca e nenhuma das mulheres conseguia ler sua expressão.

Talvez elas devessem ter ligado antes e informar de que ela estava bem, recuperada e... de volta.

- Olha só quem voltou! - Taeyeon abriu um sorriso, o tipo que poderia livrá-la de um problema, e apontou para a garotinha.

- Oh meu Deus! - A mulher mais velha finalmente se moveu para frente e esticou os braços, e quando Irene estava segura em seu abraço ela encheu a menina de beijos. - Eu senti sua falta!

A menina riu com as carícias e apoiou as mãos nos ombros de Nawoon. - Você sabe que eu tive uma aventura? - Ela disse empolgada.

- Não me diga! Quer me contar? - Nawoon riu.

- Eu não me lembro, na verdade. - Ela deu de ombros, parecendo menos animada agora. - Acho que a Taeyeon sabe melhor. - Ela apontou para a loira enquanto olhava Nawoon nos olhos.

A mulher mais velha afirmou com a cabeça e depois lançou um olhar significativo para Taeyeon - um que a detetive preferiu ignorar por enquanto.

Ainda atenta demais às novidades que poderia encontrar, Irene virou a cabeça quando sentiu uma outra presença se aproximar.

Todas as cabeças se viraram para Yonghee que estava agora próxima a elas, parada, olhando de Irene para Tiffany, de Tiffany para Taeyeon e de volta à Irene.

- Omma, essa é Irene. A criança que te contei. Se lembra? - Tiffany disse enquanto caminhava, parando ao lado de Nawoon.

- É claro. Olá, Irene. - Ela estendeu a mão para a menina.

- Irene, essa é minha omma.

A menina desviou os olhos de Tiffany e estendeu a mão para Yonghee. - Oi. - Ela apertou os olhos e de repente parou de falar. Tiffany imaginou que a presença de sua mãe tivesse causado algum tipo de timidez na menina, mas então...

- Você é artista, né? - Ela segurou a mão de Yonghee um pouco mais.

- Sim, eu sou.

- Fany me contou. Você sabe desenhar? - Ela espremeu os olhos de novo, avaliando a mulher.

- Bem, eu... Eu sei.

- Será que você desenha para eu pintar? Eu gosto de pokemóns.

- Eu, ahn... - Ela olhou perdida para Tiffany que agora tinha uma mão no rosto obviamente escondendo a risada.

- Igual esse! - Ela puxou o capuz que engoliu metade de sua cabeça e apontou para ela mesma. - Esse é o Squirtle. Conhece?

- Eu temo que não. - Yonghee disse honestamente, quase se desculpando diante da empolgação da menina.

- Mas você sabe desenhar pokemóns? - Ela tentou de novo.

- Me parece um tanto...

- Tudo bem se não souber. Eu também acho difícil. Eu gosto das coisas do mar, você sabe desenhar peixes e sereias e tartarugas?

- Eu... eu posso tentar, se te agradar. - Ela ofereceu um sorriso sincero e esfregou as mãos na roupa - do mesmo jeito que Tiffany fazia quando estava nervosa, se sentindo julgada e tentando desesperadamente agradar alguém.

- Legal! Daí a gente pode pintar juntas.

- Adorei sua ideia, vamos fazer isso amanhã, quem sabe?

- Perfeito. - Ela jogou os ombros para cima, descontraída e se virou mais uma vez para Tiffany. - Gostei da sua omma. - Ela disse baixo como se fosse um segredo, arrancando risada das pessoas ao redor e parecendo desentendida por isso. - Será que posso dar um oi pro Prince agora?

- É claro, Irene. Cuidado com os degraus. - Tiffany acenou com a cabeça para Nawoon e a mulher colocou a criança no chão que saiu correndo silenciosamente, procurando pelo cágado.

- Eu posso ver porquê você gosta dela. - Yonghee lançou um olhar admirado para Tiffany, e a morena sorriu timidamente. - Inteligente, elétrica e extrovertida. Me lembra um pouco de quando você era criança, exceto pela parte de que você era introvertida.

- Ela é uma ótima criança, Yonghee. Sabe como ganhar as pessoas. - Taeyeon disse enquanto colocava a mão nas costas de Tiffany. - E quanto à parte do elétrica... eu acho que ela não vai dormir essa noite. - A loira fez uma careta - de piedade - e olhou para a morena.

- Fique tranquila, Tae. Tão logo o nível de adrenalina abaixe, ela vai dormir rapidamente, do mesmo jeito que dormiu no carro. E dessa vez, provavelmente, pelo resto da noite.

- Ufa! - Taeyeon disse e Tiffany riu.

- E antes que isso aconteça... Vou dar um banho nela.

Taeyeon concordou e Tiffany pediu licença com um aceno de cabeça para as mulheres. A criança tinha passado o dia no hospital, e Deus sabe há quanto tempo ela já estava sem banho. Além disso, a água morna iria ajudar os músculos a relaxarem, fazendo consequentemente com que a menina relaxasse e dormisse logo. E elas precisavam desse descanso. Horas sentadas no hospital, mais todo a tensão do dia tinha deixado seus corpos doloridos, e uma noite de sono cairia muito bem.

Quando Tiffany sumiu de vista do corredor, Taeyeon sentiu um tapa da mãe arder no braço.

- Que diabos? - Ela disse enquanto recolhia o braço e esfregava a pele.

- O que você tá pensando, Taeyeon? Depois de tudo o que aconteceu? Vocês ficaram... - Nawoon respirou fundo, irritada. - Vocês ficaram arrasadas quando essa menina foi embora. E Tiffany!

-  Omma, eu e Fany, nós...

- Você perdeu algum parafuso? Bateu a cabeça no chão hoje mais cedo, Taeyeon? - Nawoon continuou não dando sequer uma oportunidade de defesa para a filha.

- Omma, se você me deixar fal...

- E quando levarem ela de novo? Já não foi o suficiente? O que você pretende fazer?

- Nós vamos adotá-la! - Taeyeon disse irritada, como uma criança que bate o pé no chão para ser escutada.

- Oh. - Nawoon e Yonghee disseram juntas e se entreolharam.

- Nós não discutimos muito sobre isso ainda, mas nós vamos adotá-la. - A detetive disse de uma vez, agora que a mãe tinha se calado.

- Oh, Taeyeon! Eu finalmente vou ser uma halmoni! - Nawoon disse.

- Taeyeon, essa notícia é maravilhosa. Vocês devem estar muito felizes. - Yonghee sorriu e apertou o ombro dela.

- Bom... Era para Tiffany estar aqui contando isso junto comigo, mas eu não tive muita escolha. - Ela rolou os olhos quando Nawoon riu e bateu as mãos, empolgada demais.

- Irene já sabe? Vocês já contaram para ela? - Yonghee perguntou em expectativa.

Taeyeon lambeu os lábios e balançou a cabeça. - Não. Não vai ser fácil... A única razão pela qual consegui trazer ela hoje foi por causa do caso. Nós vamos entrar em contato com o advogado amanhã cedo, mas ela fica com a gente até... Bem, nós precisamos nos legalizar pela guarda provisória dela, para depois oficializar a adoção.

Nawoon abriu passou os braços em torno da loira. - Vocês vão ser ótimas ommas, Taeyeon. Essa menina é bem sortuda.

- Eu não sei... Se ela nos vê como ommas. Quer dizer, ela acabou de perder a omma dela e... - Ela deu de ombros. Irene tinha acabado de perder a própria mãe, não era algo fácil de ser elaborado ou mesmo colocado de lado. Ter Taeyeon e Tiffany não significa ter uma mãe nova - nesse caso, duas. Não era substituição, não era simples.

- Não seja boba, Taeyeon. Ela pode não entender isso agora, mas futuramente ela vai amar vocês como as ommas que serão. - Yonghee sorriu para a loira. Ela sabia melhor do que ninguém. Ela não pedira pelo bebê de anos atrás que entregaram em seus braços, uma pequena recém-nascida cheia de energia e exigente, mas à medida que o tempo foi se passando ela descobriu que amava a menina - que agora era uma mulher - mais do que poderia imaginar. E mesmo considerando todo o tempo que não tinha passado ao lado dela, Yonghee não conseguia imaginar como sua vida teria sido sem Tiffany. Ela amava a filha, e as falhas que cometera com ela não eram nada mais do que falhas, erros que qualquer mãe está sujeita a cometer. E Tiffany a amava de volta, Yonghee sabia pelo modo tímido que a morena confidenciava algumas coisas ou às vezes pedia por conselhos, como se se sentisse constrangida por depender, ainda que pouquíssimo, dela.

A loira sorriu para Yonghee e balançou levemente a cabeça concordando. - Pode ser. Agora... Tem algo para comer nessa casa? Eu tô morrendo de fome.

...

Ao contrário do que Tiffany esperava, Irene estava mais desperta do que nunca. A médica enterrou a mão na cabeça quando em sua terceira tentativa de vestir a menina, a criança pulou para longe de seus braços pulando com toda vontade na cama e caindo sentada, apenas para se levantar e começar a pular de novo.

- Irene, você precisa colocar uma roupa ou vai pegar um resfriado! - Ela alertou, mas nada adiantava. A garota continuava pulando e rindo, até que Tiffany curvou os ombros em derrota.

- Taeyeon pode me vestir! - Ela anunciou, feliz. - Ela pode?

- Bem, você vai deixá-la te vestir? - Tiffany virou as palmas das mãos para cima, implorando por alguma coerência vinda da menina.

- Siiiiiiim! - E a demora no “i” fez Tiffany rir e se distrair, dando oportunidade para Irene se desviar novamente e pular fora da cama.

E sair correndo pela casa, pelada.

Tiffany tentou acompanhá-la, mas ela era rápida demais. Quando a loira alcançou os degraus da escada, Irene já estava descendo na metade deles. - Irene! Cuidado com... - Ela sentiu o coração gelar quando a menina saltou os três últimos degraus com um único pulo, caindo com os pés e as mãos no chão. Tão logo ela se levantou, correu para a cozinha como se não fosse nada. A médica suspirou e escutou o grito de alegria da menina quando Taeyeon que já estava sozinha na cozinha - Yonghee e Nawoon haviam se retirado para dormir - a ergueu nos braços, finalmente dominando o pequeno monstrinho em que ela havia se tornado.

- O que é isso? - Taeyeon perguntou espantada ao ver a menina sem roupa.

- Você me coloca na sua blusa. - Ela riu quando Taeyeon beijou sua barriga causando-lhe cócegas.

- Qual é? Fany tá tentando te colocar num vestido de festa? - Ela riu e ficou imediatamente séria quando encontrou o olhar de Tiffany aniquilando o dela. As mãos na cintura pareciam um gesto ameaçador e Taeyeon achou melhor não provocar mais.

- Argh, eu não posso com vocês duas. - A morena disse, finalmente entregando a blusa para Taeyeon vestir Irene.

Taeyeon colocou a menina em pé numa cadeira e a ajudou a se vestir. Menos de trinta segundos e ela estava pronta. Inquieta, Irene pulou para o chão e correu até onde Tiffany estava, abraçou suas pernas e ergueu a cabeça para ela. - Quer saber? Eu sentia tua falta. - Ela disse docemente arrancando um sorriso da morena. Como Tiffany podia permanecer irritada depois disso? A alegria e euforia da menina se dava por conta do regresso à casa e da companhia das duas mulheres, e dado essa razão Tiffany não podia ficar mais feliz. A mulher se abaixou e tomou Irene nos braços num abraçado apertado, levantando-a do chão.

- Eu também, Irene. - Tiffany pressionou seus lábios na bochecha macia da menina.

- Nós todos sentimos. - Taeyeon disse se aproximando. Ela passou um braço nas costas de Tiffany e um em Irene, abraçando as duas de uma vez.

- Eu vou ficar aqui para sempre? - A pergunta soava mais como uma certeza, mas ainda assim ela precisava da afirmação das mulheres.

Tiffany e Taeyeon trocaram um olhar e depois sorriram para ela. - O que você acha? Você gostaria? - Taeyeon perguntou.

Ela balançou a cabeça veementemente em sim. - Quero, quero sim.

- Nós estamos trabalhando nisso. - Tiffany ofereceu.

- Se ela me levar de novo - e por “ela” Irene queria dizer Hyoyeon, a assistente social - Será que posso levar vocês comigo?

Tiffany riu, mas os olhos encheram de lágrimas. - Irene... - Ela tentou falar, mas a voz falhou.

- Ninguém vai tirar você da gente, Irene. Me ouviu? - Taeyeon apertou o abraço em torno das duas, e era uma promessa que ela estava fazendo para Tiffany, para a criança e para ela mesma. Existia a possibilidade de elas não conseguirem a guarda dela, Taeyeon sabia. Era um risco que elas estavam correndo, mas valia a tentativa. E agora, mais do que nunca era definitivo: qualquer um que tentasse tirar a menina dali, ameaçando levar toda a felicidade que ela tinha trazido de volta em poucas horas, estaria em sérios apuros. Taeyeon lutaria com tudo o que tinha, e também Tiffany o faria. De uma maneira geral, nenhuma delas via motivo para que o juiz não concordasse com a adoção. E é claro, elas tinham cartas na manga. Elas eram Kim-Hwang, e qualquer um conhecia Taeyeon por seu heroísmo e Tiffany por sua influência e inteligência. E acrescentando mais uma Hwang na lista, Yonghee era uma mulher extremamente bem conectada e poderosa. Elas tinham mais pontos em seu favor do que contra.

Irene balançou a cabeça e passou um braço no pescoço de Taeyeon. - Posso dormir com vocês hoje?

- Desde que você durma e não fique pulando na cama. - Tiffany respondeu antes de Taeyeon.

- Combinado. - A menina abriu um sorriso sapeca e se remexeu no colo de Tiffany até que a morena a soltasse no chão novamente. - Podemos assistir desenho?

Taeyeon suspirou. - Apenas enquanto a gente tiver tomando banho, depois vamos todas dormir, ok?

- Tá bom. - Ela correu para sala e pulou para cima do sofá.

- Nós temos muita coisa pra resolver amanhã. - Taeyeon se virou para Tiffany e segurou sua cintura.

- De fato. Ligo para nosso advogado o mais cedo possível.

- E eu saio para comprar algumas roupas, ela não tem nenhuma aqui.

Tiffany sorriu para ela. - Preparada para isso tudo?

Taeyeon riu. - Pra ser honesta? Não. Mas aceito o desafio, e esse era um pelo qual eu tava esperando de qualquer jeito. - A loira roubou um beijo de Tiffany. - Eu te convidaria para o banho, mas... - Ela inclinou a cabeça em direção de Irene. Ela sentiu o tapa de Tiffany em seu quadril e riu.

- Você pode ir primeiro. - A morena disse, contente por estar adiando o banho junto à Taeyeon por um motivo que a deixava também satisfeita. Irene seria a filha delas. A garotinha delas. Na verdade, ela já pertencia a elas, Tiffany e Taeyeon não precisava de um papel para tornar o sentimento real: Irene estava nos corações, na casa e no futuro delas.

...

- Gel colone sucata. - Taeyeon ouviu Irene dizer enquanto se aproximava das duas que estavam no sofá - Irene sentada na barriga da Tiffany, que estava deitada. A risada de Tiffany lhe encheu os ouvidos e a de Irene seguiu um pouco mais incerta, como se não tivesse certeza do que estava rindo.

- Geochelone sulcata. - Tiffany disse de novo, esperando que a garotinha repetisse certo dessa vez.

- Gel quelone sucata. - Tiffany riu ainda mais, e dessa vez Irene levou a mão na boca e mordeu os dedos, rindo da risada da morena.

Taeyeon não queria interromper a cena, desejando ser invisível apenas para presenciar a situação entre as duas, mas tão logo Irene percebeu sua presença, ela levantou os braços e disse em voz alta,

- Taeyeon! Gel quelone sucata! - E riu mais ainda, o tipo de risada que chacoalha o corpo e se perde o ar. Ela não tinha ideia do que estava dizendo, mas soava tão engraçado porque Tiffany ria, e ela ria, e se elas estavam rindo e se sentindo bem, Taeyeon também podia participar.

A loira riu e caminha até elas, se sentando na beirada do sofá. - Vejo que Tiffany já tá te ensinando grego. - Ela provocou.

- Não é grego. É o nome científico para cágado, Tae. - Ela disse se sentando e colocando Irene no colo da loira para que pudesse se levantar do sofá.

- Oh, é mesmo, como pude me esquecer? - Ela perguntou em sarcasmo.

- Gel quelone sucata. - Irene disse séria, como se estivesse ajudando-a se lembrar de algo óbvio. O que, claro, fez Taeyeon rir mais, e Tiffany se curvou para plantar um beijo demorado na bochecha da menina, ainda entre risadas, antes de deixar a sala para sua vez no banho.

- Ok, tartaruga. O que você tá assistindo? - Taeyeon se encostou no sofá e Irene sentou-se ao seu lado.

- Nada. Tava só batendo papo.

<p>Batendo papo, onde Irene tinha aprendido essas coisas? Taeyeon riu. - Ah, é claro. Vamos escolher algo então. - A loira pegou o controle remoto e começou a passar lentamente os canais. Cenas de filmes, seriados, jornais, apareciam e sumiam na tela conforme ela trocava de canal. Ela sentiu a cabeça de Irene encostar no seu braço e observou enquanto os olhos da menina brilhavam em reflexo as imagens da tv e ela brincava distraidamente com os dedos. As bochechas rosadas despertavam a urgência de abraçá-la, e a respiração pesada traía toda a aparente empolgação, entregando o estado de sono da menina. Taeyeon se sobressaltou quando de repente Irene levou as mãos nos olhos numa tentativa de bloquear a imagem da tv. A loira - que tinha parado de trocar de canal - voltou sua cabeça para a tela novamente, e viu cenas de um grande dragão atacando uma aldeia, num filme antigo.

- Não! Sem monstros! - A menina quase implorou.

Taeyeon imediatamente desligou a tv. - Tá tudo bem, Irene. É só um filme bobo.

- Sem dragão! Medo! - Ela disse de novo, enquanto se encolhia no sofá.

Taeyeon segurou sua cintura e puxou a menina para seu colo. - Ei querida, dragões não existem. E mesmo se existissem, eu não deixaria nenhum te pegar, ok?

- Eles machucam. - Ela resmungou enquanto apertava a cintura de Taeyeon.

- Só em filmes... que são de mentirinha. - A detetive acariciou suas costas e esperou até que ela se acalmasse. Irene estava cansada e os sinais do sono estavam aparecendo agora. Talvez se esperasse mais um pouco, ela começaria a chorar ou iria ficar mal-humorada e irritada por qualquer motivo insignificante. Resolvendo que agora era a melhor hora para levá-la para cama, garantindo a ela e Tiffany alguns minutos de calmaria até que Irene finalmente dormisse, Taeyeon colocou a menina no chão e se levantou.

- Ok, tartaruga. Hora de dormir.

- Xixi. - A menina disse, segurando sua mão.

- Tudo bem. Vamos.

Poucos minutos depois as duas estavam deitadas na cama, Taeyeon estava deitada de barriga para cima e a garotinha estava com a cabeça apoiada em seu ombro, mordendo a ponta dos dedos enquanto os olhos piscavam pesadamente, encarando a porta do banheiro onde Tiffany estava.

- Irene - Taeyeon sussurrou - Tudo bem dormir agora. - Ela começou a correr os dedos pela cabeça da menina.

- Pany. - Ela disse, a palavra saindo distorcida por causa dos dedos na boca.

- Ela logo vem. Amanhã vai ser um dia longo, querida, e você tá tão cansada.

Irene murmurou mais alguma coisa, ininteligível, e Taeyeon sorriu ao ouvir o som infantil. Talvez ela devesse continuar falando com ela, talvez fosse o modo mais rápido de fazê-la dormir.

- Nós podemos passear no parque com o Ginger, o que você acha? E tomar sorvete. Fany não pode saber, porque ela vai dizer que tá frio e que tem muito açúcar, mas quem se importa?

A menina tirou a mão da boca e a descansou em seu peito. Taeyeon segurou a pequena e fofa mão e deu um beijo na palma, devolvendo-a aonde tinha encontrado. A menina se remexeu em seus braços e inclinou levemente a cabeça para cima, como se interessada no que Taeyeon estava dizendo, só que de olhos fechados. Os dedos que estavam na cabeça passaram a acariciar a bochecha e ela continuou falando.

- E nós podemos assistir desenhos, e se você quiser a gente pode jogar basquete. E já te falei que nós vamos comprar roupas amanhã? Eu e você. Só nós, porque se Tiffany for junto ela vai querer levar você em todas as lojas da cidade, e acredite Irene, isso não é legal.

A menina suspirou e mexeu a boca de um jeito sugestivo, como se estivesse tentando rir, mas sendo carregada pelo sono. Taeyeon pressionou os lábios em sua testa.

- Provavelmente minha omma vai querer passar um tempo com você, mas já te aviso: não dê muita trela. - Taeyeon franziu o cenho. Trela? Você voltou no tempo, Kim? Ela revirou os olhos e continuou. - Você sabe, ela pode ser muito intrometida e ela nunca sabe guardar um segredo. Eu já vou te alertando.

A menina suspirou mais uma vez e não se moveu. Ela era absolutamente fofa. O tipo de criança que era apontada pela beleza e desejada pela personalidade. Ela e Tiffany eram sortudas.

- Mas acho que ela tem toda razão de querer ficar perto de você. Quem não gostaria? - Ela beijou a testa da criança de novo, dessa vez mais demorado. - Sorte minha Fany ser tão teimosa. Se não fosse por ela você jamais teria vindo parar aqui, e eu jamais descobriria o quanto posso gostar de uma tartaruga. - Ela riu baixo quando Irene levantou as sobrancelhas, já perdida em seus sonhos. - E eu tô falando de você, e não de Prince, só para ficar claro.

Tiffany finalmente abriu a porta do banheiro e Taeyeon levou o dedo indicador aos lábios para pedir por silêncio e depois indicou o dedo para a menina.

- Oh. - Tiffany murmurou, surpresa ao notar o quão rápido a menina tinha adormecido nos braços de sua mulher.

- Eu te ensino o truque. - Taeyeon sorriu orgulhosa de si mesma e esticou a mão para Tiffany. - Só falta você.

A morena tomou sua mão e subiu na cama. - Espero que seu truque não se desgaste e comece a falhar depois de um tempo. - Ela se inclinou para beijar a cabeça de Irene e depois os lábios de Taeyeon.

A loira fez um bico em pensamento. - Melhor tirar proveito enquanto podemos? - Ela perguntou incerta. Elas não tinham passado muitas noites com a criança, e agora que Tiffany tinha mencionado ela se perguntou se elas perderiam noites de sono por causa da menina. Taeyeon apostava que não, mas quem é que poderia dizer com certeza? De um jeito ou de outro, ela ainda escolheria passar noites em claro do que não ter a menina ali com elas. Ela esperou até que Tiffany se acomodasse na cama e passasse um braço em sua cintura - como sempre fazia - só que agora acolhendo Irene também, para que ela passasse seu braço pelo da morena.

Agora sim, tudo estava certo. As três juntas, entrelaçadas umas nas outras, conectadas por amor, contentamento, paz e até mesmo sono. O mundo parecia estar girando corretamente agora, e a noite não parecia tão escura e assustadora como as anteriores. Taeyeon abriu os olhos para Tiffany, que tinha os seus fechados e uma expressão serena no rosto. Ela sorriu e acariciou a bochecha da mulher com o polegar. Taeyeon a amava, e vê-la finalmente em paz acalmava sua própria alma. Tiffany sorriu para ela e abriu os olhos que brilharam à meia luz - a luz da lua que banhava o quarto. Ela se inclinou para frente e beijou a loira, seus lábios se demorando nos dela, e depois se aninhou o mais perto que pôde sem sufocar a criança. Nenhum “boa noite” foi preciso, era desnecessário palavras para afirmar o que estava no olhar.

Taeyeon fechou os olhos e num último pensamento apenas agradeceu. Por Tiffany, por Irene, por Dra. Son, Seungyeon e até mesmo Hyoyeon. Pelo dia que começara tão angustiante e terminara tão promissor. E pela noite que agora estava tão silenciosa, como se estivesse tomando partido e se aliando ao conforto que elas mereciam.

As tempestades haviam se passado, ela sabia. Agora ela receberia a calmaria seguinte de bom grado.


Notas Finais


Acho que isso tudo ta doce demais.... Uma desgraça tem que acontecer né?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...