História Sobre Nossos Patins — Ruggarol - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Karol Sevilla, Ruggero Pasquarelli, Sou Luna
Personagens Karol Sevilla, Luna Valente, Matteo, Ruggero Pasquarelli
Tags Karol Sevilla, Lutteo, Ruggarol, Ruggero Pasquarelli, Sou Luna
Visualizações 156
Palavras 1.197
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Crossover, Esporte, Famí­lia, Romance e Novela

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


essa fanfic é uma reescrita da misfortunes in love!

Capítulo 2 - Os reis da pista


(Valentina)

 

Ao ouvir cada palavra daquela simples "menininha" na pista, eu saí dali bufando. Quem ela pensa que é? Fui até a cafeteria da pista e sentei em uns banquinhos do balcão.

— Gastón, um suco de morango, por favor.

— Oi, bom dia pra você também, Valentina.

— Com gelo também!

— Seu “bom humor” hoje é uma novidade. — revirou os olhos

Quando olhei para o lado, Michael, o rei da pista, estava chegando.

— Mike! — Gastón o chamou

— Gas! Tudo bem?

— Ei, Gastón! Não para de fazer meu suco!

Tô bem sim. Atarefado. — apontou com os olhos para mim

— Bom dia, Valen. Como vai esse seu “bom dia”?

— Michael, não me enche o saco.

— Gastón, um suco de maracujá pra mim! — ele pediu — Por que você está assim?

— Te interessa agora?

— Sim, me interessa. Eu me preocupo com você as vezes, sabia?

— Michael, você é só um… colega de pista.

— Valentina, somos os reis da pista. De verdade, você não está bem hoje.

— Podemos ser os reis da pista, mas não temos nenhum relacionamento. Quase nem amizade.

— Que tipo de reis da pista não têm “quase nem amizade”? Me conta, o que aconteceu?

— Tem… é uma menina. Ela reclamou comigo porque eu estava patinando. É uma que sempre está aqui, mas dessa vez estava com o Ruggero.

— Valentina, ela não reclamou com você por livre e espontânea vontade, não é?

— Um suco de morango, com gelo, e um de Maracujá saindo!

— Obrigado! — Michael agradeceu

— Talvez eu tenha sido grossa com eles. — dei um leve sorriso

— Fica calma, pra que ficar brava por um motivo desses?

— Me desculpa, Mike. Eu já não estava num começo de dia bom quando fui patinar. Nem sou tão má assim, vai?

— De vez em quando vale? — riu

— Ok, vale. Bom, eu vou voltar pra pista, já que você deu uma lição de moral agora. — ri — Obrigado pelo suco, Gastón. — sai

(Michael)

— Como você consegue gostar dela, Mike? — Gastón, limpando o balcão, me perguntou

— Não sei. A Valen é alguém única. Ei, já te mostrei minha nova música?

— Não, não. Lá vem mais uma música inspirada na paixão! — rimos

— Falando nisso, cadê o Lio?

— Não vêm aqui faz dias. Não sei o que ele tem.

— Deve ter programado uma viagem com a Aninha. — rimos

Y yo no sé qué hacer, si tú supieras qué me estoy muriendo, yo solo te abrazo y te consuelo. Me pides mil consejos para protegerte de tu próximo encuentro sabes que te cuido. Lo que no sabes es que yo quisiera ser ese por quién tu te desvelas y te desespera, yo quisiera ser tu llanto, ese que viene de tus sentimientos, yo quisiera ser ese por quien tú despertaras ilusionada, yo quisiera que vivieras de mi siempre enamorada... — peguei o violão no palco e comecei a tocar e cantar

— Uou! — Gastón bateu palmas — Que linda, Mike!

— Obrigado. Já vou voltar pra pista! Obrigado pelo suco!

— De nada, vai lá. — sorriu

(Ruggero)

Eu e a Karol já estamos bem melhores do que nos imaginamos ontem. Nós dois temos facilidade para fazer amizades, mas o assunto então… Bom, depois do ‘esporro’ que a Karol deu na Valentina, continuamos patinando.

— Karol, tem certeza que não quer parar por agora?

— Não, Ruggero! Patinar está super legal aqui.

— Eu estou cansado, de verdade. — ri — Você é alguém muito insistente!

— Aé, carisma em pessoa? Então vem aqui, vamos patinar mais! — riu e me puxou pelo braço

— Espera. A Valentina voltou.

— Quem?

— A loira na qual você deu um ‘esporro’.

— As formalidades vão embora tão rápido. — riu

— Ela é a rainha da pista, juntamente com o Michael, acho que você não conhece ele. Ele tem uma queda por ela, todo mundo sabe, menos a própria rainha da sorte. — fui até a Valentina

— Ruggero, interessante você estar aqui cedo. — ela me disse

— Estou patinando com esse ser humano aqui. Acredita que eu a conheci ontem?

— Sério? E já está patinando assim com ela? Mais uma pra sua lista, Ruggerinho. — ela sorriu falsa

— Mais uma? — Karol me perguntou — Do que ela  falando?

— Eu estou brincando, men…

— Karol.

— Eu estou brincando, Karol. Ah, e me desculpem pela minha grosseria agora a pouco. Não estava em um dia bom.

— Imaginei. — ri

— Vejam, o Mike está vindo.

— Michael! — o chamei — Como vai, parceiro?

— Rugge! Estou indo, não é. — riu — E você?

— Também estou indo. — ri — Essa aqui é a Karol, minha nova amizade. — rimos

— Prazer, Mike.

— O prazer é meu. — ela disse e sorriu — Ei, já que estamos aqui nos conhecendo, porque não patinamos?

— Karol! Eu estou cansado! — falei

— Não importa, vamos logo. — puxou todos nós

— Parece que alguém odeia patinar, não é, Karol? — Valentina disse

(Michael)

Fui até a pista e encontrei o Ruggero. Conversamos um pouco e conheci a Karol, a qual nos ofereceu uma boa rodada de patinação. Ela estava repassando alguns passos que ela tinha feito com o Ruggero para mim e para a Valen.

— Ei, esperem. Mike, vem aqui. — Valentina disse — Deixa eu mostrar pra vocês um passo que aprendi a pouco tempo. Me dá a mão, Mike. — a obedeci — A gente, pula, gira, e…

Quando percebemos já estávamos perto demais naquele passo.

— E vira. — ela se afastou

— Gostei, vamos tentar Ruggerinho! — a Karol disse

— Claro! — ele falou desanimado

— Pula, gira e vira! Pra cá, Rugge! Pula, gira e… — Karol escorregou na pista, mas antes que ela caísse, Ruggero a ajudou

— Ei, calma aí, fadinha! Segura! — Ruggero falou e a levantou

— Eu estou bem, obrigado por me segurar.

Eu e a Valen nos olhamos com aquele olhar que só a gente entende.

— Isso vai dar uma linda história de amor. — Valentina sussurrou para mim

— Não se esqueça do que acabou de acontecer no passo da gente. — sussurrei sorrindo

— Michael! — me deu um tapinha — Foi só um passo que eu me confundi!

— Claro.

(Karol)

Eu e o Ruggero estávamos fazendo um passo até que eu escorreguei e ele me segurou. Vimos que a Valentina e o Michael estavam sussurrando.

— O que será que eles estão falando? — perguntei

— Seja lá o que for, não vamos nos meter.

— Por um segundo, naquele passo deles, jurei que eles iriam se beijar.

— E a gente? Poderia...

— Não, Ruggerinho! Só digo isso deles porque você me falou que o Michael gosta dela.

— Talvez. — riu

Passamos a eternidade nessa pista até que eu me cansei e todos nos despedimos. Foi um dia longo e o próximo talvez será.

 

 

 

[…]


Notas Finais


o que acharam? ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...