1. Spirit Fanfics >
  2. Sobre um caderno, uma viagem no tempo e um cupido >
  3. Um ótimo cupido

História Sobre um caderno, uma viagem no tempo e um cupido - Capítulo 1


Escrita por: e Lynzada


Notas do Autor


Bom dia boa tarde noite

Chego aqui com uma Seungsung, depois da minha primeira estoria sendo triste, bora numa comédia bem levinha e gostosinhakkk

Não vou enrolar muito aqui, mas Clarinha @yoonies obrigada pela betagem, um dia aprendo kk desculpa qualquer coisa<3
Thati @blackpxxk olha essa perfeição de capa, fico até sem palavras, obrigadaaa<3

E Deise, obrigada por ter me dado a base pra esse plot, se não fosse você acho que nem teria escrito nesse ciclo

Capítulo 1 - Um ótimo cupido


 

 

Mais um dia começava e, mais uma vez, Jisung acordava atrasado para a aula, justamente no dia em que uma prova importante no semestre aconteceria. Saindo quase levando sua cama junto de si, o Han corria como se sua vida dependesse daquilo, e, de certo modo, dependia sim.

Por sorte conseguiu chegar dois minutos antes do professor entrar na sala. Com a respiração pesada, sentou ao lado de Seungmin, este que o olhou com faíscas nos olhos. Sabia que o outro não gostava de ninguém dali, mas parecia que consigo era diferente, um ódio mais intenso, que você consegue sentir de longe sem precisar de muito esforço.

Jisung tentava controlar sua respiração, em partes para conseguir fazer a prova e também para que Seungmin parasse de olhar pra si como se quisesse matá-lo.

O Han estava confiante ao pegar sua prova, passou a noite estudando para aquele momento. Ao olhar as questões, sentiu sua confiança e felicidade sumirem, não era aquela matéria que havia estudado. Espiou em sua volta, vendo todos os seus colegas fazendo a avaliação como se fosse a coisa mais fácil do mundo. Para eles era, já que tinham estudado o conteúdo certo.

Durante as três horas de duração da prova, Jisung tentava olhar para os lados, em uma esperança de conseguir ver, pelo menos, as respostas das questões de múltipla escolha dos seus vizinhos de carteira. O dia tinha tudo para ser o melhor, só que com a sorte do Han, o final seria diferente do esperado, ainda mais que as notas sairiam no final daquela tarde.

Quando saiu da sala, Jisung foi direto até onde sabia que encontraria Christopher e, se desse sorte, Changbin estaria junto, precisava do apoio dos melhores amigos naquele momento. Se não falasse com alguém, provavelmente se jogaria no chão de seu quarto e nunca mais sairia de lá e iria dormir embaixo de sua cama (informações confidenciais que apenas os dois citados anteriormente sabem: Han Jisung já fez isso antes).

Chegando na fonte, que ficava no meio do campus, pode ver Chan com seu notebook e Changbin com um dogão na mão.

— Hyung… — chegou se jogando nos braços de Christopher. — Acho que tirei um zero na prova de hoje!

— Jisung, você não tinha passado quase a noite toda estudando para essa prova? — perguntou o mais velho.

— Parece que estudei a matéria errada, não tinha nada do que eu havia revisado ontem. — O Han olhou pidão para Changbin. — Bin, me dá um abraço também?

— Nem vem, eu sei que você quer o meu lanche, seu esfomeado!

O mais novo entre os três sentou na borda da fonte. Tinha como seu dia piorar mais do que aquilo? Bom, visando que Kim Seungmin vinha caminhando na direção de Jisung, muitas possibilidades tinham aparecido. O Kim, com sua aura de superior, deixava o Han com vontade de se afogar na água que estava atrás de si.

— A sua prova, Han. — entregou a folha para Jisung.

— Obrigado. — respondeu baixinho, vendo o acastanhado sair de perto.

Olhou para Chan, depois para Changbin e, por último, olhou para sua prova, tendo sua desconfiança confirmada. "Zero" escrito em letras garrafais no cabeçalho do papel. Realmente, o dia tinha como piorar. 

A manhã seguinte sempre pode melhorar, esse era o lema de Jisung; era, no passado. A primeira coisa que o Han fez ao terminar as aulas foi procurar o professor do dia anterior, queria pedir uma segunda chance para refazer aquela prova. Justamente no final de ano, zerou a avaliação mais importante.

Mas como nem tudo são rosas, o professor apenas riu de Jisung e disse as palavras que machucaram o coração do Han: "Você teve duas semanas para estudar, esse foi o seu resultado e não tem mais volta!". Jisung tentou não ficar triste, mas foi impossível, ele precisava daquela nota. Quando saiu da sala dos professores, foi com passos lentos até a biblioteca, Chan e Changbin estavam o esperando lá dentro. 

— Como foi? Conseguiu? — Changbin foi o primeiro a perguntar quando o Han se sentou no puff ao seu lado.

— Não! Aquele homem parece o capiroto, ele olhou bem no fundo dos meus olhos e disse que não ia me deixar refazer a prova, mesmo dizendo que havia estudado a matéria errada. — respondeu Jisung, cabisbaixo.

Os dois mais velhos se entreolharam e respiraram fundo.

— Você pode tentar recuperar no próximo semestre. — Chan tentou animar o amigo.

— Não, Chris, não dá pra recuperar no próximo, essa era a matéria mais importante! — o Han estava quase chorando.

Os três ficaram mais alguns minutos ali, com os mais velhos tentando tirar alguns sorrisos do mais novo. Mas tiveram que se separar, Christopher tinha uma aula em poucos minutos e Changbin tinha que ir para o trabalho. Se despediram e cada um foi para um lado, deixando Jisung sozinho dentro daquela enorme biblioteca. O loiro se levantou de onde estava e começou a andar entre as estantes de livros, precisava de alguma distração.

Nenhum livro lhe chamava a atenção, já tinha lido grande parte das obras literárias dali. Os títulos, alguns repetidos, estavam desgastados pelo tempo e pelas pessoas que haviam pegado. Nada era interessante para si.

Nada até um livro cair de uma das prateleiras mais altas.

Com cuidado, Jisung se aproximou do livro, vendo que tinha uma capa amarelada e nova, diferente dos outros que estavam velhos. Pegou o mesmo e começou a folheá-lo, a fim de saber do que se tratava, já que não tinha nada escrito por fora. Tudo o que o Han encontrou foram páginas em branco e alguns desenhos.

— Isso é um livro de desenhar e pintar? — perguntou para si mesmo.

Mesmo com dúvidas, levou o livro consigo. Foi até o balcão da biblioteca, iria pegar a autorização da bibliotecária.

— Senhora Byun, vou levar esse livro… Você não é a senhora Byun! — Jisung estava com um ponto de interrogação enorme estampado em seu rosto, vendo um rapaz no lugar da bibliotecária.

— Não. — ele riu. — Eu sou um estagiário! A senhora Byun está no horário de almoço. Me chamo Jeongin, prazer.

— Entendi… — olhou desconfiado para o garoto. — Sou Jisung. Mas, falando do livro, quero levar esse! — colocou em cima do balcão.

Jeongin sorriu, o que deixou Jisung com medo do garoto. Quem sorri vendo alguém colocando um livro numa mesa?

— Esse livro não está registrado no sistema, se quiser levar para você, sinta-se a vontade!

— Sério? — o garoto confirmou com a cabeça. — Obrigado! — Jisung sorriu e saiu da biblioteca com o livro em mãos.

— Jisung? Nossa… acho que estou ficando velha, jurava ter escutado a voz do Jisung. — a bibliotecária, que estava arrumando alguns livros dentro de sua sala, disse ao voltar para o balcão.

Deitado em sua cama, depois de chorar as pitangas nas suas redes sociais, Jisung encarava o teto de seu quarto. O que poderia ser mais melancólico que aquilo? Seus posters na parede eram bem mais chamativos do que o teto branco.

Não tinha muito tempo que havia chegado em seu dormitório. Espalhou suas coisas pelo chão e foi tomar banho antes de se jogar na cama e estar na cena de agora. Olhou para a bagunça no tapete, vendo a capa amarela do livro que ganhou do estagiário na biblioteca.

Se levantou preguiçoso, pegou o livro e voltou para sua cama. Abriu a primeira página, pronto para escrever com suas canetinhas coloridas, mas notou algo diferente, uma frase em negrito, que não estava ali antes. 

"Me diga o que mais deseja."

Jisung ficou encarando a página por alguns segundos, pensando em como não tinha visto aquilo antes. Deve ser por isso que sempre tiro notas ruins nas provas, dizia para si mesmo. Sem pensar muito, escreveu o que mais desejava naquele momento:

"Voltar alguns dias antes da prova e estudar a matéria certa!"

Folheou um pouco mais o livro, tentando achar outra frase que possa ter passado despercebido, mas só encontrou as páginas em branco. Han Jisung, sem ter muito o que fazer, arrumou suas coisas e se deitou, pronto para dormir. Ele só não esperava acordar não no dia seguinte, mas sim uma semana antes da prova, e em um quarto que não era seu.

Andando de um lado para o outro, Jisung tentava entender o que estava acontecendo. Falando consigo mesmo, o Han olhava cada canto daquele quarto, tentando entender o que era tudo aquilo. Ele se lembrava de ter deitado em sua cama na noite anterior. Será que estava em um universo alternativo no corpo de outro Han Jisung?

Batidas na porta despertaram os pensamentos do garoto, que em passos lentos foi até a mesma, a abrindo devagar, vendo Hwang Hyunjin, o melhor amigo de Kim Seungmin. Jisung deu um sorriso forçado, ainda não conseguindo entender esse universo alternativo em que estava.

— Seungmin, você está atrasado! Anda logo que temos que ir para a casa do Felix. — falou Hyunjin, entrando no quarto. — Por que tá me olhando assim? Vai logo pro banheiro, Minnie!

O Hwang arrastou o Han para o banheiro, ainda o chamando de Seungmin. Jisung fechou a porta, não entendendo nada. Respirou fundo e foi em frente à pia, pronto para se olhar no espelho e jogar água em seu rosto.

3… 2… 1…

— MAS QUE PORRA É ESSA?

Changbin batia na porta do quarto de Jisung, pronto para arrombá-la. Tudo bem que o Han era dorminhoco, mas ele sempre acordava quando o chamavam. 

Alguns minutos depois, a porta é aberta por um Han Jisung completamente descabelado e com um pouco de baba seca na bochecha. Ele olhou para Changbin com fogo nos olhos, não poupando xingamentos quando proferiu:

— O que caralhos você tá fazendo aqui? Pelo que eu saiba, nossos cursos são bem diferentes! Vai pra porra, Seo. — E tentou fechar a porta.

— Jisung? Caiu da cama? — Changbin segurou a porta com seu corpo.

— Jisung? — perguntou, confuso. — Por acaso eu estou com cara de palhaço?

— Todo dia! Agora para de graça, Ji, o Chris tá esperando a gente lá na lanchonete.

Changbin empurrava o corpo do melhor amigo até o banheiro, pronto para dar um banho nele se fosse preciso (o banho: jogá-lo debaixo do chuveiro, na água fria, até ter certeza que ele estava acordado).

"Que tipo de piada sem graça é essa? Se for coisa do Hyunjin, eu mato ele!" Kim Seungmin, que estava no corpo de Han Jisung, pensava, planejando várias formas de como matar o melhor amigo se aquilo fosse ideia dele.

Pelo sono, o garoto não percebeu as coisas diferentes presentes no quarto. Quando o Kim ligou a torneira e jogou um pouco de água em seu rosto, não esperava ver a face de outra pessoa no espelho. Segurou o grito em sua garganta e ficou paralisado encarando o reflexo.

Que pesadelo é esse?

...

Hyunjin estava confuso. Seungmin o expulsou do quarto sem mais nem menos depois de gritar no banheiro. O garoto ficou encostado do lado da porta, esperando o amigo parar de esquisitice e contar o motivo de estar agindo estranho. 

Ao fundo do corredor, uma gritaria se fez presente. Seo Changbin e Bang Chan corriam atrás de Han Jisung, como se ele fosse um fugitivo. O primeiro a chegar onde Hyunjin estava foi Jisung, este que começou a bater na porta e gritar mais alto.

— Jisung… — Chan tentou chamar o amigo, mas sua voz estava falha, por ter corrido da lanchonete do campus até os dormitórios e ainda ter que ir atrás do amigo. 

— Pelo amor de tudo que é sagrado, Jisung, que merda deu em você? Para de bater na porta do Seungmin. — Changbin segurou os braços do amigo.

Enquanto isso, Hyunjin olhava tudo aquilo sem entender, e, dentro do quarto, Jisung continuava andando de um lado para o outro. Escutar as vozes de seus amigos só fez ele pensar em algumas coisas: 1 – se ele estava no corpo do Seungmin, então quem estaria em seu corpo seria o Kim?; 2 – se eles trocaram de corpo, isso significa que pode ter acontecido com outras pessoas?; 3 – como isso aconteceu?

O que devo fazer? Abrir a porta? Me esconder embaixo da cama? Fugir pela janela do banheiro?

Jisung olhava em sua volta, procurando uma resposta que pudesse o ajudar de alguma forma, mas seus pensamentos foram interrompidos no momento que a porta do quarto foi aberta e fechada com força por um Han Jisung com um rosto nada bom. Os dois ficaram se olhando, o Han deu alguns passos para trás, o seu rosto não parecia nada bem, a raiva era bem transparente. 

— Três segundos para me responder: quem é você e como foi parar no meu corpo? — o que tinha acabado de entrar falou.

— Por favor, não me mata, juro que não sei o que aconteceu! — Jisung se ajoelhou, juntou suas mãos e ficou repetindo as mesmas coisas com a voz chorosa. — Seungmin, eu sei que você é forte, eu só acordei aqui. Não vai mudar nada na sua vida se você me matar, até porque eu tô no seu corpo, né?

Seungmin encarava o outro ajoelhado sem saber o que fazer, apenas tinha feito uma pergunta. Tudo bem que era estranho ver aquela cena, era o seu corpo ali, mas com outra pessoa o possuindo.

— Só me responde: quem é você? — voltou a perguntar.

Jisung levantou o olhar, se afastou mais e pegou um travesseiro que estava atrás de si, como se fosse um escudo, e respondeu rápido:

— Jisung. — E se jogou embaixo da cama.

Pulando um pouco o surto que estava acontecendo dentro do quarto, Chan e Changbin conversavam com Hyunjin, os três sentados no chão em frente à porta. Depois de Jisung entrar no quarto e se trancar lá dentro, eles não tinham muito o que fazer, a não ser conversar sobre como Seungmin mataria o Han.

A conversa fluía bem, até escutarem o barulho de algo caindo no chão e um choro alto começar. Chan foi o primeiro a se levantar, conhecendo o amigo que tinha, sabia que era Jisung, só que havia um porém: a voz que chorava não era do Han, mas sim de Seungmin. Changbin ficou ao lado do namorado, preocupado com o que acontecia dentro daquele quarto.

Um pouco afastado, escondido entre as paredes, Jeongin folheava seus cadernos de anotações, procurando o que havia acontecido de errado, parando nas folhas que foram escritas por Jisung e Seungmin.

"Voltar alguns dias antes da prova e estudar a matéria certa!", "Voltar alguns dias e conseguir conversar com ele sem ser grosso".

E lá estava o erro…

— As linhas temporais se misturaram, então na hora que as almas estavam voltando no tempo, acabaram se esbarrando e trocando de lugar… — indignado, bateu em sua testa, se xingando internamente por não ter visto aquilo antes. — Que cupido maravilhoso você é, Jeongin.

Encarando o burburinho no corredor, Jeongin tentava pensar em algo que pudesse ajudar. Não era a primeira vez que fazia humanos voltarem no tempo para conseguirem se declarar, mas era a primeira vez que as almas trocavam de corpos. Um pequeno erro do cupido acabou fazendo aquilo, era apenas para um escrever no caderno que queria voltar alguns dias no passado, não os dois. Se apenas um tivesse escrito, em poucas horas depois de acordar se lembraria de tudo. Então isso significa que os dois teriam suas memórias de volta?

Jisung segurava o travesseiro com força, enquanto Seungmin tentava tirá-lo de debaixo da cama. Não sabiam o momento em que tudo aquilo virou um caos, mas tinham certeza que duraria por bons minutos.

— Jisung, sai daí, vamos conversar! — Seungmin, que tentava não achar estranho estar discutindo com seu próprio rosto, puxava o travesseiro e torcia para que o Han parasse de chorar.

— NÃO! — um soluço saiu da garganta do Han. — Você vai me bater.

— Eu não vou te bater, só quero conversar. — implorava, quase chorando junto do outro.

— Promete?

— Prometo!

O verdadeiro dono do quarto se afastou, dando espaço para o Han sair de onde estava, com o rosto vermelho e molhado. Os dois se encararam, sendo a coisa mais estranha que já presenciaram. Seungmin puxou a cadeira, que ficava na escrivaninha, e sentou nela, apontando para que Jisung sentasse na cama.

Quem começaria aquela conversa? Parando para pensar, não tinham nenhuma ideia do que estava acontecendo, apenas acordaram com os corpos trocados.

Jisung tentava evitar olhar para Seungmin, e o Kim queria a atenção do Han. Se iriam resolver aquilo, precisavam encarar tudo com a cabeça erguida.

Mesmo que naquele momento não pudessem ver, Jeongin mordia suas unhas, esperando o momento em que os garotos se lembrassem do caderno e que haviam voltado no tempo, para fazer aquilo que escreveram. Quando isso acontecesse, o cupido precisaria aparecer e explicar tudo.

— Então… — começou Seungmin. — Tem alguma explicação para isso?

— Não… quando eu acordei, achei que estava em um universo alternativo, sendo um outro Han Jisung. Mas quando o Hyunjin apareceu e me chamou de Seungmin, fiquei olhando pra ele com cara de idiota. Então fui pro banheiro e me olhei no espelho, foi assustador… digo… não que você seja assustador… é que eu vi seu rosto e não o meu… você não é feio, tá? Não foi isso que eu quis dizer…

— Jisung! Eu entendi o que você quis dizer. Foi a mesma coisa comigo, olhar no espelho e não ver o seu rosto, mas o de outra pessoa, é assustador. — Encarou suas mãos. — O pior é não saber como falar para os nossos amigos sem eles acharem que é uma brincadeira…

Jisung pegou o travesseiro e o abraçou novamente. Não sabia o que falar, o que fazer e nem como reagir.

— Se lembra do que fez ontem, antes de dormir? — perguntou Seungmin.

— Bom… joguei no celular, assisti alguns episódios do anime que tô acompanhando e fui dormir. Por quê?

— Você sempre faz isso?

— Sim. 

Os dois se encararam, com Seungmin ainda pensando no que poderia ter acontecido. E, como se uma luz brilhasse no interior deles, alguns flashes passaram em suas cabeças. Datas, acontecimentos e um caderno amarelo.

Seungmin olhou em volta, procurando seu celular, o pegando na cama.

— Que dia foi ontem? — O Kim encarava a tela de seu celular.

— Dia vinte e cinco. — respondeu Jisung. — Por…

Jisung não teve tempo de perguntar, Seungmin mostrou a data do dia: dezenove.

Jeongin via como o momento certo para intervir e aparecer para os dois, mas seus planos foram interrompidos pela porta se abrindo e um Christopher passar por ela procurando seu amigo, completamente preocupado. O australiano encarou os dois garotos sentados, ficando confuso ao ver Seungmin todo catarrento e Jisung sem nenhum indício de choro.

— Ok… o que aconteceu aqui dentro? — perguntou  assim que Changbin e Hyunjin entraram. — Jisung? — Olhou para o corpo do amigo, querendo uma resposta.

— Chris, eu posso explicar. — Jisung levantou, vendo a cara de todos confusa. — Eu sou o Jisung e ele é o Seungmin! — Apontou.

— Desde quando vocês são amigos e querem pregar uma peça na gente? — Hyunjin estava indignado.

Jisung olhou para Seungmin, pedindo ajuda com o que responder para os seus amigos. Era uma situação pior do que a anterior.

— Vou explicar o que sabemos até agora: eu sou o Seungmin, mas acordei no corpo do Jisung, e o Jisung acordou no meu corpo, fim. — disse Seungmin, se levantando e ficando ao lado do Han.

— Nota dois pela fanfic, faltou mais emoção, mais acontecimentos. — Changbin ironizou. — Agora chega disso, a brincadeira foi legal, mas já deu. Jisung, vamos, temos que estudar.

Os dois mais novos dentro do quarto não sabiam o que fazer para que os amigos acreditassem neles, principalmente quando falassem que vieram do futuro. Talvez achariam que estavam ficando loucos ou que queriam fingir estar dentro de um filme clichê.

Mas antes de seus amigos saírem do quarto, Jisung falou algo que apenas ele, Chan e Changbin sabiam:

— A gente sempre diz que vai estudar no sábado, mas na verdade a gente vai visitar os pais do Chris no hospital. Eles estão prestes a receber alta depois do acidente de carro. É uma coisa nossa, ninguém mais sabe, já que ficariam em cima do Chan querendo saber de tudo. 

Christopher olhou para o corpo de Seungmin, sua respiração ficou pesada e se apoiou na parede que estava próxima. Os três amigos haviam prometido não contar a ninguém sobre o acidente e o hospital, muitas pessoas que nem se importavam com a sua vida iriam querer saber, já que o Bang era um dos alunos mais famosos do campus. E aquele na sua frente, realmente era Jisung, o Han nunca quebrava suas promessas, não importava a situação.

Hyunjin ainda não entendia, e se eles estivessem brincando com a cara deles de verdade? O Hwang teria ficado mais tempo com aquela pergunta na cabeça, isso se seu amigo, no corpo de outra pessoa, não tivesse cantado uma parte de sua música favorita, que apenas o Kim sabia qual era.

Todos dentro do quarto se encaravam, sem saber quem seria o primeiro a quebrar o silêncio.

— Bom… acho que temos que conversar, não é? — Bang Chan foi o primeiro.

Changbin encarava os dois garotos sentados na cama. Dos cinco ali presentes, ele era o único que ainda não tinha surtado. Parecia loucura, mas as coisas que havia escutado deles confirmava a veracidade sobre a troca de corpos. A única coisa que não entrava na sua cabeça era sobre a possível viagem no tempo.

— Eu ainda acho… — Hyunjin levantou a mão, chamando atenção de todos. — Que vocês estão querendo fazer uma brincadeira.

— Hyunjin, vai pra puta que pariu, vai. Depois não consegue pedir o Felix em namoro e não sabe o motivo, não acredita em nada nesse caralho. — Seungmin explodiu, cruzando os braços e preferindo encarar qualquer canto no quarto do que o melhor amigo.

— Depois dessa, eu sei que você é o Seungmin.

O Kim revirou os olhos e voltou sua atenção para Jisung.

— Depois precisamos conversar melhor sobre a prova de quinta, nem a pau que você vai zerar de novo aquela porra no meu corpo.

O Han confirmou com a cabeça, ainda morrendo de medo de apanhar de Seungmin.

...

Se falarmos que os dias se passaram sem nenhuma confusão, seria uma mentira. Na segunda-feira, todos olhavam espantados para Jisung andando ao lado de Seungmin. Na terça-feira, parecia até piada verem o Kim estudando com o Han, já que os dois pareciam completamente diferentes. E chegamos na quarta-feira.

Jisung cantava a abertura de seu anime favorito, enquanto Seungmin se segurava para não jogar o garoto na lata de lixo do corredor. Jeongin ficou todo tempo ao lado dos garotos, pronto para entrar no meio se algo desse errado, e também porque precisava terminar seu trabalho antes de seu tempo acabar.

No dia seguinte aconteceria a prova que foi a causa de toda aquela confusão. Jisung e Seungmin passaram todo tempo estudando juntos, e, de uma forma engraçada, acabaram se aproximando, mesmo com o Kim ameaçando o Han toda hora.

O Yang sabia que os garotos estavam atrás de si também, já que foi por um descuido seu que eles acabaram trocando de corpos. Mas não poderia fazer nada, só iria aparecer novamente quando fosse preciso.

— Han, presta atenção em mim. — Seungmin jogou uma bolinha de papel no outro. — Você zerou essa prova, e como agora está no meu corpo, precisa tirar uma nota boa, tá me ouvindo?

— Eu não sou burro, tá bom? Eu zerei a prova por ter estudado a matéria errada! — Mostrou a língua para o Kim.

— Foda-se. Vem aqui e vamos terminar isso. Talvez se você tirar uma nota boa a gente volte ao normal.

E pelas horas seguintes, os garotos se perderam entre estudar, brincar e cantar uma abertura de anime aqui e ali.

Tudo aquilo deixava Jeongin um pouco mais confiante de que, no final, tudo daria certo. O que os dois tinham escrito estava acontecendo: Jisung estudando a matéria certa e Seungmin conversando com o Han normalmente. O próximo dia seria crucial, e o cupido torcia para que nada desse errado.

Na manhã, Jisung acordou cedo. Diferente da primeira vez, dessa vez tinha um Seungmin esperando por si para irem juntos. Novamente eram o motivo de olhares pelo campus, mas tentavam não ligar, conversavam apenas com Chan, Changbin e Hyunjin, todos juntos.

Entraram na sala e foram para seus lugares. Jisung estava nervoso, se antes ele precisava de uma nota boa, agora ele tinha a obrigação. Estava no corpo de Seungmin, tinha que ser acima da média. O Kim, percebendo o nervosismo do Han, pegou em sua mão e disse:

— Ji, fica calmo, vai dar tudo certo. Você conseguiu estudar a matéria certa dessa vez, se preocupe apenas em tirar algo acima de cinco. — Sorriu, mesmo ainda sendo estranho estar olhando para seu rosto, sentia seu coração bater um pouco mais rápido, por causa dele.

O professor não demorou a entrar na sala e entregar a prova para todos. Jisung respirou fundo e olhou as questões, diferente da outra vez, ele sabia as respostas.

Ao final da avaliação, Seungmin e Jisung esperavam suas notas com seus amigos na fonte, os dois ansiosos para saber os resultados. Chan tentava fazer o clima ficar melhor contando piadas, Changbin e Hyunjin estavam do lado do Kim e do Han, nas palavras do Hwang, dando um apoio moral.

Como se a cena estivesse invertida, Lee Minho, colega de classe de Jisung e Seungmin, vinha na direção deles, as provas em suas mãos. Os corações dos dois pareciam que parariam a qualquer momento.

— Oi, a prova de vocês! — disse Minho, entregando as avaliações.

Os dois se olharam antes de ver as notas. Dessa vez não era zero escrito, mas sim dez. Jisung arregalou seus sonhos, sorriu e abraçou Seungmin, que tinha a mesma nota no papel, parecia até mesmo um sonho.

Mesmo assim, eles não sabiam o que fazer para voltarem ao normal. A busca pelo tal estagiário e o caderno amarelo não foi nada bem, mas aquilo não era motivo para tristeza.

— Vamos para o meu quarto, que agora é o do Seungmin. Tenho alguns doces lá, vamos comemorar! — Jisung falou, puxando todos para os dormitórios.

O restante da tarde foi cheia de chocolates, balas, salgadinhos e refrigerante. E durante a noite, Chan e Changbin foram os primeiros a irem embora, tinham um jantar na casa do mais novo. Hyunjin foi logo em seguida, encontraria Felix.

Jisung se sentia bem, mesmo ainda estando no corpo de outra pessoa. Seungmin não estava diferente.

— Jisung, posso te dizer uma coisa? Mesmo que seja, tipo, muito estranha? — Seungmin chamou a atenção do Han, que estava deitado no tapete do quarto.

— Claro! — Encarou o outro.

— Você me disse que escreveu no caderno para voltar no tempo e refazer a prova, certo? — Viu Jisung confirmar com a cabeça. — Só que não falei o que eu tinha escrito… — Respirou fundo e fechou os olhos para terminar de falar. — Eu escrevi que queria voltar no tempo para conversar com uma pessoa, para não ser grosso, e tentar ser amigo dela.

— E você falou com essa pessoa? — perguntou Jisung, curioso.

— Sim… — Escondeu o rosto embaixo do travesseiro.

— Quem era?

Demorando um pouco para responder, Seungmin se virou para a parede antes de falar:

— Você!

Jisung ficou um pouco assustado, mas sorriu. Isso significa que Seungmin gostava dele, e não o contrário, como sempre achou.

— Isso significa que você gosta de mim? Não me odeia?

— Sim, eu nunca te odiei, só não sabia como conversar. — O Kim continuava olhando para a parede ao invés do Han.

— Agora tudo faz sentido, o Hyunjin falando aqueles negócios sobre você estar fazendo o que sempre quis. — Jisung levantou e sentou na cama, tentando virar Seungmin na sua direção.

O Kim não sabia com que cara olhava para Jisung. Já era vergonhoso admitir aquilo para Hyunjin, que é seu melhor amigo, agora fazer isso para o próprio Han era pedir para ser enterrado vivo.

— Não precisa ficar assim, eu também já quis conversar com você, mas eu ficava com medo, parecia que você queria me matar. — Jisung riu, fazendo o Kim rir junto. — Esses poucos dias juntos foram legais, conhecer o outro lado de Kim Seungmin, mesmo ele estando com o meu rosto. — Tirou o travesseiro da face do mais novo. — Vamos, não é tão ruim assim. Agora somos mais que amigos, somos colegas de corpos.

Seungmin riu, dando um tapa no ombro do Han. Se levantou, ficando de frente para ele. Aquilo parecia uma piada. Eles pensavam que se ainda tivessem o caderno poderiam trocar de corpo novamente, mas provavelmente nunca mais veriam aquele caderno. Os pensamentos de nunca mais voltarem ao normal foram interrompidos pelo barulho de alguém batendo na porta.

Jisung se levantou e abriu a porta, não encontrando ninguém ali, apenas o caderno, amarelo e pequeno, igual da última vez que havia o visto. Pegou ele e entrou novamente no quarto, o mostrando para Seungmin, que pulou de onde estava e ficou na frente do Han.

— Só pode ser brincadeira… — falou o Kim.

— Vamos ver se tem algo escrito!

O Han passou as páginas. A primeira estava sua letra com o seu primeiro desejo, a segunda estava o de Seungmin e a terceira página tinha apenas duas coisas escritas:

"Troquem

Nomes:"

Os dois se olharam. Se aquilo realmente iria funcionar, eles não sabiam, mas era aquilo ou nada. Jisung foi o primeiro a escrever seu nome, logo dando a caneta para Seungmin. Eles não sabiam o que deveriam fazer, onde deixar o livro.

— Vou deixar aqui. Vou para o seu dormitório, já está tarde. Acho que amanhã vamos ter a nossa resposta. — Jisung deixou o caderno em sua estante, se despediu do Kim com um abraço e foi embora.

Seungmin respirou fundo, trancou a porta e foi tomar banho, precisava dormir um pouco.

Jeongin estava no corredor, com seu arco em mãos e um sorriso enorme em seu rosto. Depois de toda aquela confusão, conseguiu terminar seu trabalho e os garotos voltariam para seus verdadeiros corpos. O cupido deu as costas e sumiu no escuro da noite, pronto para ir ao encontro de seus próximos alvos: Hwang Hyunjin e Lee Felix.

Na manhã seguinte, Jisung se sentia melhor do que no dia anterior, mesmo com o despertador gritando em seu ouvido. Abriu os olhos, se espreguiçou, levantou e foi para o banheiro, se lembrando no meio do caminho sobre o dia anterior. Olhou em volta, vendo suas coisas; correu para o espelho, encontrando seu rosto. Sorriu largo, querendo se arrumar o mais rápido possível e ir atrás de Seungmin.

O Kim acabou dormindo mais do que devia, acordando com as batidas na porta de seu quarto. Abriu a mesma pronto para xingar a primeira coisa que viesse na sua cabeça, mas o que viu o fez sorrir e acordar. Han Jisung, ali na sua frente, o rosto fofo meio vermelho e o enorme sorriso na sua direção. Seungmin foi correndo até seu banheiro, se olhando no espelho e voltando até onde o Han estava e o abraçando forte.

— Voltamos! — Falou o Kim, ainda abraçado em Jisung.

— Sim, voltamos! — Riu. — Agora vai se arrumar, ainda temos que ir para a aula.

Naquele dia, todos encaravam ainda mais os dois, estavam mais alegres e mais grudados. Chegaram na frente de seus amigos, sorrindo e contando que tinham voltado ao normal.

A aproximação entre o Kim e o Han não passou despercebida pelos amigos, os dois estavam mais próximos do que antes.

— É agora que o casal mais lindo dessa faculdade vai nascer! — Hyunjin disse para os dois mais velhos que estavam do seu lado, recebendo a confirmação deles enquanto olhavam os garotos rindo em seu próprio mundinho.

 


Notas Finais


E foi isso :)
Espero que tenham gostado, até a próxima ♡

só mais um recadinho: BORA ENCHER A TAG SEUNGSUNG


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...