História Sobrevivendo em Hogwarts - Segunda Temporada - Capítulo 22


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Alvo Potter, Arthur Weasley, Dominique Weasley, Draco Malfoy, Fílio Flitwick, Fleur Delacour, Fred Weasley Ii, Gina Weasley, Gui Weasley, Harry Potter, Hermione Granger, Horácio Slughorn, Hugo Weasley, Lílian L. Potter, Lorcan Scamander, Louis Weasley, Lucy Weasley, Lysander Scamander, Minerva Mcgonagall, Molly Weasley, Molly Weasley II, Neville Longbottom, Personagens Originais, Pirraça, Ronald Weasley, Rose Weasley, Roxanne Weasley, Rúbeo Hagrid, Scorpius Malfoy, Tiago S. Potter
Tags Albus Potter, Beauxbatons, Castelobruxo, Corvinal, Durmstrang, Gobstones, Grifinória, Harry Potter, Hermione Granger, Hogwarts, Ilvermorny, Koldovstoretz, Lufa-lufa, Mahoutokoro, Minerva Mcgonagall, Quadribol, Romance, Ronald Weasley, Scorpius Malfoy, Segunda Geração, Sonserina, Uagadou
Visualizações 41
Palavras 2.867
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Esporte, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, LGBT, Magia, Romance e Novela, Saga, Slash
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Lizzie foi chamada para a diretoria e agora vai ter que encarar Minerva McGonagall

Capítulo 22 - Lizzie x McGonagall


Fanfic / Fanfiction Sobrevivendo em Hogwarts - Segunda Temporada - Capítulo 22 - Lizzie x McGonagall

Pronto. Fodeu. A casa caiu. A batata assou. Eu vou me dar mal. Eu vou me dar infinitamente mal. Eu estou encrencada até as últimas potências. Vou ser suspensa. Não, pior, expulsa! Meus pais vão vir aqui, a diretora vai quebrar minha varinha, meus pais vão chorar, vou ficar em casa de castigo pelo resto da vida...

Mas espera, o que foi que eu fiz pra diretora me chamar? Pelo que eu me lembre, não fiz nada de tão errado assim... Eu não fiz aquelas coisas na festinha de Natal do Clube de Bexigas, parei de matar aulas, nem tenho me metido em tanta confusão nos últimos dias... Ah, não, lembrei... Eu usei um vira-tempo pra conseguir treinar quadribol, bexigas e estudar ao mesmo tempo. É isso. Só pode ser isso. A diretora descobriu que foi eu e eu vou ser expulsa! Agora sim, me fodi. Não, me fodi foi muito. Eu vou chegar lá e vão estar todos do time de quadribol e todos do clube de bexigas, vão estar todos olhando pra minha cara, a McGonagall vai se levantar e gritar “É ESTA! ESTA MENINA QUE ESTEVE ENGANANDO A TODOS ESSE TEMPO TODO!” todos irão gritar “OOOOOOOH”, o Albus vai chorar e gritar “POR QUE VOCÊ MENTIU PRA MIM, LIZZIEEEEEE????”, por algum motivo a Rose também estará lá e vai falar pra ele “tá vendo, Albus, eu disse pra você que não devia confiar em ninguém da Sonserina”, enquanto isso ele vai estar lá, ajoelhado no chão, escondendo o rosto com as mãos, nisso os dois Plumptons gritarão ao mesmo tempo “VOCÊ ESTÁ FORA DO NOSSO TIME, DANIELS”, aí o Junius estenderá a mão e gritará “DEVOLVE O MEU VIRA-TEMPO”, aí o Julius e a diretora perguntarão ao mesmo tempo “VOCÊ ESTEVE COM UM VIRA-TEMPO ESSE TEMPO TODO E NÃO COMUNICOU AS AUTORIDADES?”, aí, eu serei expulsa, o Junius será mandado para Azkaban, aí meus pais irão me buscar, dirão “estamos muitos decepcionados com você, Elizabeth” e eu ficarei o resto da vida trancada no quarto sem sair de casa e sem internet.

Nossa, fiquei tão aflita que nem percebi que já tinha chegado. A porta estava fechada, como eu não sabia a senha, bati na porta e a diretora abriu.

Como ela é grande! E assustadora! A sala dela também é grande, é cheia de pôsteres e retratos de todos os tipos, tem retratos de gatos, de crianças, de famílias, de uma velha meio parecida com ela, de Harry Potter, com Ronald Weasley e Hermione Granger, de um monte de adultos estranhos parados que pertenciam a uma tal Ordem da Fênix, uns retratos de diretores que estavam tirando uma boa soneca e a diretora, que foi caminhando até a sua cadeira e disse:

- Sente-se.

- Ah, obrigada...

Eu estava com tanto medo que não conseguia nem respirar! McGonagall, por outro lado, achou que seria uma boa ideia ficar um tempinho me encarando e me analisando, talvez esperando que eu confessasse...

- Você... Joga bexigas desde quando?

Eu não sabia exatamente o que fazer. O que ela está querendo com essa pergunta? Como eu não podia ser mal-educada com a diretora, respondi.

- É... Desde o ano passado.

- Hum... E por quê?

Por quê? Não podia dizer “ain, diretora, foi por causa do Albus, a senhora sabe, ele é lindo, perfeito e eu era doida por ele...”.

- É... Porque... Eu era do primeiro ano, né, e alunos do primeiro ano não podem jogar quadribol, apesar do Harry Potter ter jogado mesmo quando era do primeiro ano, e... – PÉSSIMA IDEIA falar do Harry Potter agora, mas já que falou, disfarça... – E eu... Eu tô jogando bexigas agora, eu amo bexigas, eu amo de paixão. Também tô indo pras aulas, sabe, as aulas do segundo ano são super complicadas, talvez não mais que os outros anos, mas eu tenho me esforçado para ir a todas, mesmo a de Herbologia, que eu não curto muito e...

- Chega – a diretora se levantou e eu quase me borrei toda, achando que ela ia usar algum tipo de punição corporal, sei lá, vai que os bruxos são primitivos a ponto de ainda usar réguas e obrigar alunos a se ajoelhar no milho? Mas não, ela foi atender a porta. Era o professor Longbottom.

- Minerva, precisamos que você vá rápido até o Salão Principal, Pirraça não para de atirar armaduras pelo chão e nem o Barão está dando conta dele!

- Esse Pirraça... Fique aí, menina, eu já volto! Não pense em mexer em nada!

E eu fiquei lá. Sozinha, na sala da diretoria... Não me lembro de ter ido alguma vez para a diretoria quando estudava na Saint Edwiges, mas certamente essa daqui não deve ter nada a ver com a de lá. Olhando melhor, até que é uma sala bonitinha. Aconchegante, espaçosa, com uma boa vista do castelo... E um armário bem grande com algo meio brilhante dentro. Seria uma televisão? Os bruxos nem deve ter televisão, a não ser que os bruxos tenham seu próprio tipo de televisão, que funcionem por magia... Eu sei que a diretora me mandou não mexer em nada, mas eu nunca mais tinha visto TV e nunca tinha visto TV de bruxo, fiquei doidinha pra saber como é que era...

Parecia mais com uma bacia cheia de água do que com uma televisão normal. Vai ver nem é uma TV mesmo, mas havia imagens ali. Mais especificamente, de um rosto meio parecido com o de uma garota dos retratos. Eu fui encostando pra ver melhor, mas quando fui ver, já tinha enfiado a cabeça lá dentro.

E então, eu vi tudo.

Havia uma jovem de cabelos negros e olhos verdes usando um uniforme super antigo do time de quadribol da Grifinória (se é que podia ser mais antigo que o que é usado hoje) e montada em uma vassoura bem parecida com as do armário da escola. Ela voava com muita rapidez, assim como os outros jogadores atrás dela, dois sonserinos e um grifinório. Aí eu me liguei que estava vendo uma partida antiga da Grifinória contra a Sonserina.

- McGonagall com a goles... – dizia o narrador, que tinha uma voz bem mais grossa, imponente e etérea que o de hoje. Epa, não me diga que é a diretora? – Como ela é fantástica com a vassoura! Ela está prestes a marcar outro ponto para a Grifinória, e... Ah, não! Black usa seu bastão para bater no corpo da artilheira grifinória e ela cai! – um jovem de cabelos muito negros e olhar maligno sorria enquanto a jovem McGonagall caía em queda livre. Enquanto todo o time da Grifinória correu para ver como ela estava, os sonserinos continuaram jogando como se nada tivesse acontecendo, marcaram pelo menos uns cem pontos até outro jogador sonserino pegar o pomo e dar fim à partida.

Eu fiquei muito... Muito... Impressionada com o que vi! Não sabia que os sonserinos podiam ser tão maus. Aquele Black mesmo, é um psicopata, onde já se viu fazer isso com uma pessoa? No mundo trouxa ele iria preso por agressão à mulher! Eu tentei ver como ela estava, mas tinha muita gente cercando o corpo. Ela não tava morta, claro que não, era diretora de Hogwarts hoje em dia... Mas pelo que o pessoal falava, McGonagall ficou bem mal.

- ... ela está se debatendo, ajudem!

- Calma, Hunter, ela pode ter fraturado algum osso, não podemos mexer ainda, temos é que abrir espaço! VAMOS! Abram espaço!

Que tenso! Os outros bruxos foram abrindo espaço e eu caminhei para trás, pra que ninguém trombasse comigo, vai que percebessem que eu estava ali?

Um bruxo adulto com cabelo acaju, barba gigante e vestes estranhas caminhou até o campo de varinha em punho e a jovem McGonagall saiu levitando.

- O que foi que eu disse sobre não mexer em nada?

Mau sinal. Era a voz da velha. Ela estava ali. Ela me viu. Agora eu tô super encrencada. Ergui a cabeça e ela tava ali, me encarando, com uma cara horrível.

Bom, talvez nem tudo esteja perdido. Tá certo que eu estou em situação mega desfavorável, provavelmente fui pega fazendo coisa errada uma vez e não satisfeita, fiz de novo. Mas talvez McGonagall entenda que eu não fiz por mal, que apesar de ser da Sonserina, eu sou do bem e...

- Você deve se achar muito inteligente, não é, Daniels? Deve estar muito satisfeita consigo mesma, pensando que enganou o colégio inteiro...

Me fodi. A mulher descobriu tudo.

- Diretora, eu não queria...

- Chega! Agora é a minha vez de falar. Eu estava com pena de você, estava pensando em te dar algum tipo de proteção, ainda mais depois do que descobri hoje. Sabe quantas pessoas tiveram que se sacrificar para que você jogasse? – eu abaixei a cabeça nessa hora, pensei no Cameron, que bolou uma máscara genial só pra me dar uma força, na Kendra que bebeu uma poção errada e ganhou galhos na cabeça, pensei na Mariana, que pagou o maior mico se passando por mim, no Junius, que teve que superar ressentimentos com seu irmão pra me ter no time e no vira-tempo que ele me emprestou só pra eu treinar pras duas competições, pensei no Louis e em tudo o que ele fez... – Quer saber como eu descobri, Daniels?

- Não...

- Nem um palpite?

- É... – pensei no final da partida com Mahoutokoro – naquela hora que o Sr. Hopwood falou meu nome, no fim do jogo...

- Aquilo foi só a confirmação. Eu descobri naquele dia que Slughorn me falou que Daley era o jogador secreto. Olhei nas fichas dos alunos e não tinha nenhum Daley do último ano, nem nos outros anos. Depois peguei a lista dos alunos que se inscreveram para o teste do time da Sonserina e adivinha o que eu encontrei? – dei um tapa na minha testa. Que mancada! – Seu nome, Daniels. O último da lista. Pleiteando a vaga de artilheira.

Moral da história: nunca subestime os idosos, por mais idosos e caducos que eles possam parecer. A velha diretora parecia ter uns cem anos, se não tinha isso, tava perto, e descobriu algo que eu tava tendo um trabalhão pra esconder num estalar de dedos. McGonagall continuou com o seu sermão.

- Eu até relevei no passado algumas atitudes, digamos, transgressoras de uns alunos de mais ou menos a sua idade, porque eles agiam por propósitos elevados e em alguns casos até salvavam vidas, mas acho que isso é pedir demais de sonserinos. Sonserinos nunca agem senão em benefício próprio, muitos até não se importam se estão ferindo alguém, alguns até foram longe demais e...

Mal ouvi o resto do sermão antissonserino que McGonagall falou, porque uma ideia tomou conta da minha mente. A Sonserina vai jogar contra a Grifinória. A Sonserina está na frente no campeonato de quadribol da escola. McGonagall é pró-grifinória. E odeia a Sonserina. Provavelmente por causa do que aquele sonserino do mal fez naquele jogo. Então, morrendo de medo de ser verdade, eu pensei: talvez McGonagall esteja se aproveitando disso para me tirar do time da Sonserina e assim a Grifinória ter mais chances de ganhar. Uma diretora não poderia fazer isso! Se bem que a McGonagall é super parcial. OK, ela tem os seus motivos, mas eu não tenho nada a ver com aquele Black.

- Diretora...

- Eu ainda estou falando, Daniels, não me interrompa.

- Desculpe, diretora. Mas eu queria perguntar se a senhora sabe o que eu vi naquele troço.

McGonagall deu uma risada nervosa. Talvez ela soubesse, mas não estivesse muito a fim de admitir.

- Que... Que tolice, Daniels, como é que eu poderia saber?

- Então eu vou dizer. Eu vi tudo o que aconteceu com a senhora lá naquele jogo. O que aquele cara da Sonserina quase matou a senhora.

Por essa ela não esperava! McGonagall me olhou com surpresa. Eu aproveitei que ela ainda tava calada e continuei.

- Eu sei que teve gente da Sonserina que fez coisa ruim... Que tem muita gente da Sonserina que até hoje faz muita coisa ruim... Mas eu não sou essa pessoa. Eu não sou aquele Black. Eu nunca faria o que ele fez, não passaria por cima de ninguém pra ganhar um jogo. E também, aquilo ocorreu há uns mil anos! Já tá bom da senhora superar isso!

Tava indo bem até dizer aquela bobagem. Depois disso, a velha fechou a cara, fez um movimento com a varinha pra porta abrir e falou, rispidamente:

- Saia!

- Mas... Mas...

- SAIA! Preciso pensar no que farei com você.

Saí correndo antes que ela me enfiasse numa detenção maluca. A cada passo que eu dava, sentia meu estômago afundar. Estraguei tudo. Caguei com todo o esforço que meus amigos fizeram pra eu poder jogar quadribol e bexigas. Não quis encarar meus amigos agora, preferi caminhar sozinha pelo castelo. Dei uma volta pelos corredores, vi alguns retratos, pensei em ir à biblioteca, mas já passava das oito, certamente estava fechada. Acabei dando de cara com a Helena.

- E aí, Lizzie, fazendo o que por aqui?

- Ah, eu tô vindo da diretoria.

E aí eu desabafei tudo. Falei do meu disfarce e do meu esquema pra jogar quadribol e bexigas ao mesmo tempo, falei que era porque gostava do Albus, que depois eu deixei de gostar do Albus e que a diretora descobriu tudo e eu coloquei tudo a perder.

- Puxa, Lizzie... Eu tô besta! Era você que tava jogando naquele dia com aquela máscara maluca?

- Era...

- Mas eu pensei ter te visto uma hora que a Kendra Abbey tava correndo pra ala hospitalar com uns galhos na cabeça...

- Era outra pessoa disfarçada. Aquilo foi pra enganar o Malfoy, ele tava quase descobrindo tudo...

- Caramba... E agora, como vai ser? Você vai se revelar pra todo mundo?

- Eu não sei. Realmente não sei.

- E você vai continuar nos dois times?

- Outra coisa que também não sei te responder.

- Olha, Lizzie... – Helena pousou a mão em meu ombro e ali eu reparei que ela tava com os olhos inchados – Eu também tô passando por um momento meio tenso, eu tava na dúvida se fazia uma coisa ou não e sabe como eu me decidi? Resolvi seguir o meu coração. Pode parecer o conselho mais piegas do mundo – o que é piegas? – e é, mas nessas horas sempre dá certo.

- Valeu, Helena, mas se não for muita intromissão da minha parte... Você poderia me dizer que decisão foi essa que você teve que tomar?

- Claro, Lizzie... Eu terminei com Gale. Agora pouco. Descobri que não gostava dele de verdade.

- Puxa vida, Helena! E eu te enchendo com meus problemas...

- Relaxa, Lizzie. Você sempre pode contar comigo, você sabe disso, né?

- Claro, claro que sim... Você também, Helena, você pode contar comigo, o que eu puder fazer pra te ajudar...

- Valeu, Lizzie. Eu vou indo, terei aula de Astronomia daqui a pouco...

- OK, Helena, eu já vou também, até mais.

- Até.

Voltei pro dormitório me sentindo um lixo. Adiei a conversa com Kendra e Cameron o máximo que eu pude, fui logo tomar um banho e depois comer um pouco, só aí que eu tive um papo sério com eles.

Eles reagiram mal, como eu previ.

- Caramba, Lizzie, você não devia ter falado daquele jeito com a McGonagall!

- Eu sei, Cameron, mas ela tava esculachando a Sonserina, eu acabei colocando tudo pra fora...

- Mas será que ela vai fazer mesmo alguma coisa? Tipo, te obrigar a confessar tudo na frente de todos...

- Eu não sei. Gosto nem de pensar nisso.

- Mas ela descobriu do vira-tempo?

Ih, nessa bagaceira toda eu até tinha me esquecido dele! Reparando bem, não, McGonagall sequer tocou no assunto. Pelo menos dessa vez eu me safei, imagina a reação dela se ela descobre isso também?

No dia seguinte, nenhum sinal de resposta. Até a tarde, quando Slughorn me procurou com uma cara péssima.

- Minerva me contou tudo. Disse que descobriu o nosso segredo, também me falou do seu comportamento na sala dela e ela quer te colocar em detenção.

Ai não! A velha me ferrou de jeito, bem capaz dela me colocar pra fazer algo na hora dos treinos de quadribol ou pior, na hora do jogo!

- Mas a boa notícia é que ela me deixou responsável pelo seu castigo, por isso serei benevolente. Você terá que me ajudar a organizar meu armário de Poções por duas semanas. Não se preocupe, não terá que fazer nada nos horários dos treinos e você também poderá disputar a última partida da temporada. Mas sem disfarces!

Detenção... Talvez não seja tão difícil assim arrumar um armário de Poções, mas o pior é ter que jogar sem disfarces! Eu já estava pensando em uma maneira de contar tudo ao Albus e ao resto do time de bexigas, mas agora eu vou ter que pensar nisso com mais clareza. O dia de contar a verdade está cada vez mais perto e eu não posso fazer cagada, pra não piorar de vez o que já tá ruim.


Notas Finais


Eita, e agora?
Será que Lizzie vai conseguir contar tudo sem magoar ninguém?
E o Albus, como será que ele vai reagir?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...