1. Spirit Fanfics >
  2. SoHo Dolls >
  3. 440 Dólares

História SoHo Dolls - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Dedico este capitulo a Emily-Pierce e à todas as mulheres do mundo.

Capítulo 6 - 440 Dólares


Fanfic / Fanfiction SoHo Dolls - Capítulo 6 - 440 Dólares

                                                                                                                                                                                 Triste, louca ou má
                                                                                                                                                                                              Será qualificada ela
                                                                                                                                                                                                       Quem recusar


                                                                                                                                                                                                       Seguir receita tal

                                                                                                                                                                                          A receita cultural
                                                                                                                                                                                                 Do marido, da família
                                                                                                                                                                                               Cuida, cuida da rotina

 

                                                                                                                                                                                        Só mesmo rejeita
                                                                                                                                                                                             Bem conhecida receita
                                                                                                                                                                                               Quem, não sem dores

                                                                                                                                                                     Aceita que tudo deve mudar

 

                                                                                                                                                                      Que um homem não te define
                                                                                                                                                                                              Sua casa não te define
                                                                                                                                                                                            Sua carne não te define
                                                                                                                                                                                               Você é seu próprio lar

 

                                                                                                                                                                              Um homem não te define
                                                                                                                                                                                              Sua casa não te define
                                                                                                                                                                                             Sua carne não te define
                                                                                                                                                                                              Você é seu próprio lar

 

                                                                                                                                           ── Triste, louca ou má, Francisco, el hombre.

 

 

 

 

 

── Caroline você precisa se acalmar, amiga! 

 

As minhas mãos acariciavam as costas curvadas de Caroline tentando passar algum conforto para a minha amiga que chorava em desespero e tentava desabafar entre os soluços de seu choro. Mas eu sabia que nem eu e nem nosso amigo sentado ao seu lado, segurando suas mãos, seria o suficiente para amenizar aquela confusão que se passava nela. 

 

— Me acalmar? Como vou conseguir me acalmar? – brevemente ela ergueu a cabeça rindo sem o mínimo de humor – Eu estou grávida, grávida!! Elena eu não posso estar grávida! Não é possível eu me acalmar sabendo que tem uma vida dentro de mim….

 

—Sim você está e se desesperar não irá mudar os fatos então você precisa manter a calma! –insisti com firmeza. 

 

— Esse desespero todo não vai fazer bem para o bebê, loirinha! – fora a vez de Marquinhos tentar acalmá—la, ajeitando seus cabelos para trás da orelha para que pudesse olhar melhor seu rosto. 

 

O caminho do hospital até a casa de Marcos fora feito em um silêncio desesperador que apenas era quebrado pelos soluços de Caroline contra o meu ombro, ignorando os olhares preocupados do taxista pelo retrovisor do carro e alheia a tudo que acontecia ao seu redor, soluços que apenas se intensificaram com os braços de Hulk de nosso amigo em sua volta ao nos receber em seu apartamento. E naquele momento o choro estridente vindo de um episódio de Keeping up with the Kardashians na televisão criava uma antítese imensa com o sofrimento de Caroline em meu lado, sendo assim os únicos sons que podíamos ouvir ecoando naquela sala. Não era como se pudéssemos dar a resolução para o que lhe afligia naquele momento ou que precisássemos fazer algo que não fosse ficar ao seu lado. Ou até mesmo respirar, uma vez que nem mesmo os ruídos de nossas respirações eram possíveis de se ouvir.

 

— Eu não me importo com isso! Eu não quero esse bebê, Marcos…. – ela respondeu, escondendo o rosto em suas mãos, reduzindo o tom de voz – Eu não posso querê—lo, não posso tê—lo. Eu não posso me permitir querer tê—lo!

 

— Você está pensando em tirá—lo, Care? – ele perguntou com mais cautela dessa vez, lançando em minha direção um olhar de socorro. Mas quem era eu para falar ou fazer algo que não fosse oferecer meu ombro para que ela chorasse quando há alguns meses as posições estavam invertidas? Quando nem para minha própria situação eu fora capaz de encontrar solução?

 

Não era de tristeza ou decepção que ela chorava, eu sabia que não era simplesmente o fato de ela não querer aquele filho como aparentava ser. Ela chorava pelo seu futuro incerto, pela confusão que sua vida havia virado em apenas alguns minutos, pelo sentimento de abandono uma vez que não podia dividir seus receios com o pai da criança, e, acima de tudo, medo. Medo das consequências que qualquer decisão que ela tomasse a trariam, medo daquele mesmo futuro incerto que lhe parecia mais como um buraco negro, da volta que sua vida havia dado, das dificuldades que ela enfrentaria ou que os dois enfrentariam. Era medo de fazer mal a alguém que definitivamente não merecia sofrer. 

 

— Não é como se eu tivesse muitas escolhas, Marquinhos, eu não tenho condições de ter esse filho ou até mesmo de seguir com essa gravidez... Ninguém vai querer uma prostituta grávida ou contratar alguém grávida, Logan não vai me querer grávida... – um suspiro fundo fora interrompido por um soluço involuntário que vibrara em seu peito – Ele não vai me querer grávida. Eu não sei o que fazer...

— Hey, não tome nenhuma decisão de cabeça quente, tudo bem? Entendo que esteja desesperada mas espere alguns dias para decidir o que fazer. Essa não é uma decisão que pode se tomar assim... – tentei consolá—la mais uma vez. 

 

— Eu não posso pensar demais Lena, se eu pensar não vou conseguir fazer e eu preciso... Eu... Eu não posso... Não posso. 

 

— Claro que pode mas seu desespero e a surpresa da notícia não te deixa enxergar as possibilidades... Você sabe de quem é esse filho, Care? 

 

— É de Klaus e isso só faz piorar a minha situação! Ele vai simplesmente pirar aquela linda cabecinha quando souber que estou grávida.

 

— Então ele precisa saber que vai ter um filho! – disse com convicção. 

 

— Definitivamente não! – com aquela mesma convicção ela me respondera.

 

— Como não Caroline, ele necessita saber que esse filho existe, não é justo com você e muito menos com esse bebê ele não ter conhecimento disso. Mesmo se decidir não tê—lo! – Marquinhos adicionou. 

 

— Marcos tem razão, amiga. E nós sabemos o que aconteceu naquela casa a última vez que o pai não ficou sabendo que teria um filho…. – os olhares foram direcionados a mim repletos de pêsames, mas eu não me importava contato que conseguisse acalmar Caroline – Klaus precisa saber, você não pode simplesmente adivinhar que ele não vai querer te ajudar com esse filho, C. 

 

— E não é muito difícil de imaginar! Elena olhe para mim, olhe para nossa situação, você sabe como é…. Eu sou uma merda de prostituta e ele é um empresário milionário, rico e influente... Não é como se fossemos casar e nos declarar só por causa desse bebe. Você sabe disso. 

 

— Mas é preciso pelo menos tentar, assim como Marcos disse não é justo absolvê—lo dessa responsabilidade. Você não fez esse filho sozinha, se ele está aí é porque Klaus tem uma grande parcela no ato. 

 

— Eu…. Eu...

 

— Você não precisa decidir agora, mas acalme—se, só acalme—se... – sua atenção estava focada em suas mãos que descansavam sobre as pernas, de cabeça baixa daquela forma que eu sabia que era para evitar chorar mais, mas seu silêncio não me impediu de prosseguir – Olhe a oportunidade que a vida está lhe dando para mudar, o incentivo para sair de toda essa situação... Você sabe que não precisa fazer isso sozinha, se Klaus não quiser esse filho você tem a mim e Marcos. As coisas não precisam seguir o caminho mais difícil, Caroline. 

 

— E será que tem um mais fácil? Porque parece que ele não existe para pessoas como nós, Elena.

 

Dentre todos os pensamentos positivos, o otimismo, o seu próprio jogo do contente, não sobrava espaço para lamentações na vida de Caroline. Só era possível entender o quanto uma situação não estava sendo fácil para ela quando era o suficiente para acabar com a sua positividade, e era simplesmente devastador olhar para seus olhos esverdeados e não encontrar aquele brilho esperançoso habitual. 

 

— Todo esse cheiro, esse choro, esse gosto na minha boca…. Eu estou passando mal – subitamente minha amiga coloca—se de pé e sem nos dar chances de questionar, com uma mão sobre o ventre e outra cobrindo a boca ela segue para o banheiro, batendo a porta ao passar. O homem tenso ao meu lado manifestou—se aos sussurros assim que fomos deixados sozinhos.

 

— O que você acha que vai acontecer? 

 

— Eu realmente não faço ideia mas sei que se ela tomar qualquer decisão assim ela vai se arrepender. Você a conhece, Caroline só parece ser durona. Meu único receio é a reação de Klaus, ela ficará devastada se ele renegá—los. 

 

— E o que você acha que vai acontecer? – ele repetiu a pergunta, nervoso. 

 

— Eu só espero que a história não se repita, Marcos….  

 

— Ainda dói, não é mesmo? 

 

Não sabia exatamente o que me denunciara, se fora a nostalgia do momento, meu olhar repleto de compreensão ou simplesmente o fato de que minha voz diminuía e meus ombros murchavam quando eu falava do passado. Mas o fato era que os cinco testes de farmácia dispostos em minha cama, dizendo-me que o estava me causando tal indisposição não era um problema de saúde e sim o início de uma gravidez, não era um capítulo fácil de ser superado principalmente pelo decorrer da história. 

 

Com o positivo claramente evidenciado nos cinco testes, as crises de choro e o desespero viera a árdua decisão de mudar e seguir com a minha gestação, e com isso a escolha de manter meu filho em segredo do pai. No início tudo pareceu ter se resolvido e meu futuro com meu pequeno bebê nos braços passava a ser cada dia mais certo, por ter sido a primeira garota do SoHo Dolls a engravidar Meredith não encontrou muitos empecilhos em deixar—me ficar com o bebê e meu trabalho na boate se estenderia até minha barriga começar a aparecer ou até eu encontrar outro trabalho que me pagasse o suficiente para duas pessoas. Porém, as coisas saíram dos trilhos quando Matt descobrira que eu esperava um filho seu.­

 

Matthew Donnavan era um de meus clientes fixos, aquele típico filhinho de papai, estupidamente rico que fingia trabalhar em uma das sedes da empresa de construção do pai. Um cara – ou melhor, garoto – que não queria nada com nada ou que não se importava com outra coisa que não fosse suas noitadas de festas e bebidas ou com o prazer que a grana preta que ele gastava para ter sexo comigo lhe proporcionavam. Grana vinda diretamente do bolso de seu pai, devo frisar. Apesar de todos os contras e de sua falta de maturidade eu e Matt nos dávamos muito bem na maioria do tempo, principalmente quando 85% dele passávamos nus em algum quarto, e devido a tal intimidade e confiança ele tomava a liberdade de esquecer “sem querer” o preservativo em algumas noites. Claro que a culpa não poderia ser integramente depositada em suas costas, uma vez que tivera meu consenso mas em minha mente nunca nada aconteceria. Não vai acontecer comigo. Mas a vida prega peças e aconteceu, acontece com todos e ironicamente com quem tem tal pensamento, ironicamente com alguém que já se considerava veterana das traquinagens da vida.

 

Tudo estava certo e todos aqueles passos de negação e desespero que Caroline passava haviam ido embora, restando—me apenas um amor incondicional por aquele pequeno pontinho que crescia em meu ventre junto com um gostinho de felicidade que eu não sentia desde quando meus pais se foram. Matt havia sumido misteriosamente sem deixar satisfações e eu gostava de não tê-lo por perto, só assim não seria necessário explicar minha gravidez, mas meu plano de mantê-la oculta não fora bem-sucedido e em uma tarde, após ter voltado para casa de um exame, ele me esperava para tirar satisfações sobre nosso filho. Na verdade, não tirar satisfações mas sim tentar me convencer de tirar o bebê porque, segundo ele, era inaceitável o fato de uma prostituta estar a espera de um filho seu, filho que ele não queria e que defendia que iria procurá-lo no futuro em busca de dinheiro.

 

Os berros de Matt eram altos pela sala e a cada segundo ele aumentava a oferta de dinheiro para que eu tirasse a criança, de início eu aceitei o dinheiro considerando fugir com todos os dólares que ele me oferecia para fazer o aborto mas quando ele exigiu ir comigo a uma clínica para certificar—se de que eu havia feito meu plano havia descido ralo abaixo. O filho era meu e eu não precisava dele para criá—lo, ele não precisaria de seu dinheiro ou de sua presença, eu seria forte por ele, por nós dois e Matt não conseguia medir forças com isso. Nem ele e muito menos Bonnie, a informante que lhe contara sobre minha gravidez.

 

Porém, nem eu e nem meu pequeno eramos fortes o bastante para o que viria em seguida. Até que em certa manhã, naquela mesma cama que abrigaram meus exames de farmácia, um sangue vermelho vívido me fizera correr até o hospital para descobrir que eu havia sofrido um aborto espontâneo com apenas treze semanas de gestação.

 

— Lena? 

 

— Mas vai passar, não é mesmo? – forcei um sorriso a ele, pigarreando para clarear a voz – Caroline precisa comer, ela está com apenas uma barra de cereal no estômago. Ou melhor, estava. 

 

— Eu posso ver o que tem aqui para fazer almoço, quem sabe você consiga convencer ela com sua comida. 

 

— Mesmo se não convencer você segura e eu enfio comida goela abaixo, ela tem se recusado a comer….

Enquanto Caroline tomava seu tempo no banheiro, nós dois seguimos para cozinha começando a adiantar o almoço e a procura de algo que fosse leve e ao mesmo tempo nutritivo. Assim que ela estava de volta, de cabelos presos e um rosto inchado mas sem resquícios de que voltaria a chorar nós tivemos a confirmação de que aquele assunto seria esquecido por algum tempo.

 

— Eu realmente não estou com vontade de voltar para casa hoje. Não sei se estou pronta ainda para contar a Meredith sobre a gravidez…. – ela sentou—se nas cadeiras elevadas do balcão da cozinha ao lado de Marcos.

 

— E quem disse que você vai voltar? Ou melhor, que vocês vão voltar? Passem a noite aqui e amanhã cedo vocês voltam! – ele sugeriu.

 

— Eu não posso, Marcos, você sabe que eu não posso…. – me manifestei.

 

— E por que não? Elena, quanto tempo faz que você não tem um dia de descanso inteiro sem se preocupar com essa merda de horário? Não é como se fossemos te tirar do trabalho para ir para balada, nós vamos ficar aqui assistindo a algum filme enquanto fazemos companhia a nossa amiga carente. 

 

A ideia de faltar uma noite de trabalho era extremamente tentadora especialmente quando a última vez que eu tivera direito a descanso fora os vinte dias de repouso após ter perdido meu bebê há quase um ano. Porém, o dinheiro e as consequências que me trariam faltar uma noite de trabalho me faziam quase esquecer a tentação de ficar.

 

— Marcos tem razão, não é como se estivéssemos presas aquele bordel, Elena. 

 

— Eu pago para você ficar se esse é o problema. Eu pago trezentos e cinquenta dólares se isso lhe fizer ficar, Nina! – ele zombou.

 

— Para passar a noite é mais caro, delícia! – com um sorriso malicioso eu desviei minha atenção dos temperos que começava a separar para olhar meu amigo em minha frente.

 

— Aí que puta cara! – ele reclamou.

 

— Seu estupido, eu fico, ok? Mas preciso estar de volta cedo, amanhã é meu dia de faxina e você precisa pensar em uma desculpa boa o suficiente que não faça Meredith querer arrancar minha cabeça fora!

 

— Fique tranquila amor, Medi me adora!

 

— Estava quase me esquecendo, dona Elena, ainda não tivemos tempo de conversar sobre seu Doutor Orgasmo de mais cedo…. – como de praxe as lamentações não costumavam a ser o foco de Caroline por muito tempo e ainda que confusos, seus olhos me olhavam em um pedido mudo por distração assim que pudemos voltar a conversar. 

 

— Doutor Orgasmo? De onde veio isso? – eu forcei um sorriso, fingindo desentendimento que causara alvoroço em Marcos.

 

— Eu é que pergunto, como assim vocês me escondem a parte boa do dia? – ele indagou, indignado.

 

— Elena encontrou com o cliente que a deixou subindo pelas paredes na sexta—feira, ele é médico no hospital onde fomos então nada mais apropriado que apelidá—lo dessa forma... 

 

“Nada mais apropriado” claro que eu sempre me esquecia de que a definição de apropriado para aqueles dois conseguia ser o oposto do que a realidade trazia, mas precisava admitir que Damon fazia jus ao apelido.

 

— Não acredito, Eleninha! Que ótimo não vou precisar pagar para você ficar então! – Marcos provocou, daquela forma que implorava por mais detalhes.

 

— Engraçadinho, nós não transamos, fomos apenas tomar um café e foi isso! 

 

A minha falta de detalhes fizera aqueles dois pares de olhos fuzilar—me dê uma indignada insatisfação.

 

— E como foi, não fuja do assunto Elena Gilbert! – Caroline ralhou.

 

Foi... Foi... Definitivamente não haviam palavras para descrever aquele breve encontro com Damon. Quente. Provocante. Frustrante.

 

— Foi tenso demais, se é que vocês me entendem... – a minha ansiedade me fizera desocupar minhas mãos para esconder o rosto entre elas, a tensão sexual e o desejo presente entre nós ainda vívidos em minha pele – Bem, eu descobri que ele é viúvo, que tem uma filha de doze anos, é médico e tem um poder descomunal de mexer com meus hormônios. Enquanto ele descobriu que eu sou órfã, sou prostituta desde os meus dezoito anos, e bem, descobriu que meu nome não é Nina. Algo a falar sobre isso, Caroline ?

— Ei desculpe—me por aquilo, eu estava tão tensa que nem lembrei—me de nosso combinado. Desculpe—me mesmo. Ele notou, não é?

 

— Óbvio que notou e agora “Elena” é o único nome que ele me chama. 

 

— Desculpa, desculpa, desculpa!

 

— Está tudo bem Care, ele entendeu apesar de não ter gostado muito de ter ficado para trás. 

 

“Você mentiu seu nome para mim, anjo?” a sua voz rouca em minha mente ainda era capaz de me causar arrepios. Assim como aquele sorriso sorrateiro, suas coxas roçando—se as minhas, e claro, a lembrança de seu corpo nu contra o meu.

 

— Elena desculpe dizer mas esse é seu nome, amor, gostaria que ele te chamasse do que? Ele falou algo sobre voltar?

 

— Ele falou algo sobre “a próxima vez que nos vermos” mas foi no calor do momento!

 

— No calor do momento? Que calor do momento que você não me contou? – fora a vez de Caroline me provocar com as piadinhas de segunda conotação.

 

— Vocês entenderam! – bufei alto em resposta – Agora será que tem como algum dos dois me ajudar aqui?

 

— Eu só ajudo em troca da história inteira, me ouviu bem, Elena?

 

O homem forte recostado ao mármore escuro do balcão levantou—se, vindo em minha direção enquanto prendia seus frios sedosos naquele coque samurai habitual e erguia as mangas, para que só então eu pudesse contar os detalhes de minha conversa com Damon – omitindo as provocações –, para em seguida bolarmos um discurso para Meredith e finalmente conseguirmos sentar a mesa.

****

 

De fato fugir dos problemas sempre seria o melhor dos confortos, a maneira mais maquiada de negação, porém, ainda que não fosse a mais madura das decisões não era como se Caroline pudesse ignorar a realidade. Toda aquela tensão do dia anterior fora transformada em uma aparente calmaria para minha amiga, que sequer contestou nossa insistência para comer algo pela manhã e que esforçou—se ao máximo em manter o foco distante da novidade que ela carregava no ventre. Quando menos se esperasse as três batidas em sua porta a faria ter de encarar a situação, mas naquele momento, não somente ela, mas nós três, decidimos esquecer o que nos reunira no dia anterior. Ou melhor, aparentemente esquecer. 

 

Várias foram às vezes em que de relance pude ver as mãos de Caroline descansando protetoramente em seu ventre e durante a madrugada, enquanto supostamente dormíamos, minha amiga chorava pedindo perdão e ajuda baixinho. Ela conversava com o bebê, pedindo perdão por qualquer que fosse sua decisão e tentava explicar a ele um pouco do que ela sentia por ele e por Klaus, ela implorava por ajuda, qualquer que fosse, para sua mãe como se ela fosse seu anjo da guarda e lamentava—se pelas escolhas que havia feito na vida. Bem, a realidade não apenas batia em sua porta como também tinha as chaves e autoridade para entrar, lhe dando o susto que ela não esperava receber, levando consigo a confusão uma ligação de Klaus no meio da noite falando que queria vê—la na quarta—feira quando chegasse de Boston. Era seu momento, apenas seu e independente da vontade que eu tivesse de ajudar e amparar ela precisava de um momento de privacidade. Um daqueles momentos de espaço em que nós entendíamos e que muitas e muitas vezes Caroline havia me concedido.

 

As nove em ponto fora nossa vez de bater à porta da realidade, naquela maldita porta velha de onde eu e Caroline felizmente chamávamos de casa. Porta, maçaneta e fechaduras enferrujadas que claramente reconheciam meu toque e insistiam em emperrar comigo. Sempre, toda a maldita vez.

 

— Caralho de porta! – xinguei, forçando com meus quadris a porta que rangia. 

 

— Elena, erga ela como se estivesse a tirando dos trilhos. É apenas um jeitinho... – Caroline instruiu, assumindo a posição – Assim, olha só!

 

Com um pouco menos de dificuldade a porta desgastado se abriu, revelando uma casa estranhamente movimentada para uma terça—feira antes das dez. Revelando a estatura monstruosamente grande do homem causador de tamanha movimentação, nos esperando de braços cruzados e com uma feição de poucos amigos recostados ao balcão da sala que dava de frente ao hall de entrada. 

 

Logan. Oh merda, dia de pagamento. A nossa mais árdua realidade.

 

— Aham chegaram as madames! – aquela voz firme soara com ainda mais ferocidade do que o costume, causando um arrepio de pavor em meu corpo pela semelhança com os meus pesadelos. 

— Logan... – nós duas sussurramos, forçando a voz que parecia ter desaparecido ao vê—lo a nossa espera. Ele vinha ao nosso encontro em passos mais largos àqueles que dávamos, na esperança de que aquele reencontro não chegasse a acontecer. 

 

— Vocês pensam que estão aonde, hein? De férias? Na Disney? Acham que isso aqui é a casa da vovozinha que vocês entram e saem a hora que bem entendem? 

 

A fúria de seus olhos não condizia com as circunstâncias ou com nossa culpa, seus dedos se fecharam ao redor de meu braço, o apertando extremamente forte e me sacudindo a espera de uma resposta. Como sempre, eu. 

 

— Nós... – eu tentei responder mas minha resposta fora interrompida com uma bofetada forte dos cinco dedos de Logan em minha face. Daqueles tapas secos e ardidos, que acertavam em cheio a parte mais dolorida do rosto. 

 

— Logan não! – Caroline exclamou extremamente nervosa, tentando intervir como sempre fazia. Porém, apenas a direcionei um olhar que pedia que ela não intervisse, não querendo que minha amiga fosse machucada estando grávida. Como uma vez ocorrera comigo. 

 

— Calada loirinha, nós dois já vamos conversar mas agora meu assunto é com essa aqui. Agora você, cadê o meu dinheiro? – ele se virou novamente para mim, fechando os dedos em meu braço mais uma vez e não me dando tempo de me recompor de seu tapa. 

 

— Eu preciso pegar, ok? – rebati de cabeça erguida, tentando me livrar dele mas seus dedos se apertaram com mais força em meu braço causando aquela dor que me fazia esquivar instantaneamente. 

 

— Oh sim eu me esqueci de que você é nova por aqui e não sabe qual é o dia de pagamento – ele zombou aproximando seu rosto do meu – Tá aqui sua ficha, Nina! 

 

Era dia primeiro e nem eu e nem Caroline nos lembrávamos o que aquele dia significava, por motivos óbvios. Era dia de pagamento onde Logan recebia seu percentual de cada programa de cada garota dali e o dia em que ele colocava o terror naquele bordel, usando uma de nós para impor seu poder e superioridade. Normalmente eu era essa garota por algum motivo que eu nunca saberia dizer –muito provável por ser a única com coragem o suficiente de enfrentá—lo — , Caroline também costumava a ser seu alvo e Vicky, que frequentemente tinha problemas com drogas. Em uma folha presa a uma prancheta a minha ficha era a última a ser contabilizada, marcando meus programas do mês que eram computados pelo meu cartão chave das portas dos quartos. E juntos com meus programas, as multas do mês, três ao total sendo duas por atraso e uma por algum dever que eu não havia feito. 

 

— Anda Nina, eu não tenho o dia todo! 

 

— De onde vieram tantas multas assim? Eu não cometo tantas dessa forma! – questionei, boquiaberta com o valor que deveria pagar a ele naquele mês.

 

Era cobrado 60% de cada programa que fazíamos nos sobrando os quarenta restantes e as gorjetas que recebíamos por danças ou agrados, porém, apesar da boa quantia que nos sobrava aquela prostituição de luxo nos exigia muitos cuidados. Roupas caras, lingeries caras, perfumes caros, maquiagens caras, constates idas ao salão, cuidados com o corpo. Era regra da casa; vocês precisam parecer caras, vocês precisam ser caras. Exigências que esvaziavam nossas carteiras em uma velocidade maior que levávamos para fazer um cliente gozar. 

 

— Eu não quero saber, não é a mim que você tem que contestar, eu só quero meu dinheiro! 

 

— Eu me recuso a pagar por algo que não fiz! Eu sequer saio direito para ter duas multas por atraso e que merda de dever que eu não fiz?

 

Eu estava tão furiosa que sequer enxergava o risco que corria falar daquela forma com Logan após ter faltado uma noite de trabalho.

 

— Olha aqui querida – o cheiro forte de charuto incrustado em sua pele e roupa ardia em minhas narinas pela proximidade com que ele falava de meu rosto, o aperto de seus dedos quase amortecendo meu braço de dor – Se você ainda não percebeu sou eu que faço as regras por aqui, você só obedece, agora eu quero a porra do meu dinheiro porque já fiquei tempo demais esperando!

 

Sem que eu pudesse contestar, com a mão livre ele fechou em punho ao redor de meus cabelos puxando minha cabeça para trás e enquanto segurava meu braço, me imobilizando contra si, ele me empurrou em direção ao corredor para onde eu imaginava ser meu quarto. Na sala todos assistiam aquilo quietos, em especial por Meredith que estava séria apoiada ao balcão, cúmplice da situação e de tudo o que o irmão fazia, e Caroline que me olhava repleta de pêsames e angústia. Todos a não ser por Bonnie, a causadora da maioria das brigas naquela casa, a discórdia de SoHo Dolls, que olhava tudo aquilo com um sorriso vitorioso. Era sempre assim. 

 

— Me solte Logan, eu sei onde fica meu quarto! – eu me debati mais uma vez contra o aperto de suas mãos como um peixe fora da água – Você está me machucando! 

 

— Ah está machucando? – ele sussurrou, sua voz quente em minha orelha e seu hálito de tabagista me contorcendo o estômago – Eu estou pouco me fodendo para sua dor, na hora de me deixar na mão você não se lembra dela, não é mesmo? 

 

Meus olhos enchiam—se de lágrimas pela forma com que ele puxava meus cabelos, mal tratando meu couro cabeludo, e pelo jeito que sua mão apertava meu braço fazendo—me ter certeza de que no dia seguinte eu teria um hematoma perfeito do contorno de seus dedos. Ao chegar em meu quarto ele me atira contra meu armário, onde ele sabia que eu guardava meu dinheiro e manteve—se perto o suficiente para deixar—me nervosa e trêmula com a pressão. O meu bolo de verdinhos reduzido mais da metade pela quantia que tinha que lhe dar. 

 

— Eu acho que nós precisamos ter uma conversinha séria, belezinha! – ele falou enquanto contava o dinheiro, ajeitando as cédulas – Me parece que você se esqueceu de que está aqui para trabalhar ou será que desaprendeu a abrir as pernas? Isso aqui é uma mixaria.

 

— Se está achando ruim pode devolver! – rebati, cruzando os braços sob meus peitos. 

 

— Abusada! – ele me repreendeu, rosnando entre dentes. “Abusada” até nisso ele se parecia com a irmã – Você está aqui para trabalhar Elena, isso não é a quantidade de programa que se faça por mês, para tudo aqui funcionar é preciso do dinheiro que vocês recebem se ainda não percebeu! Eu preciso de mais, mais programa, mais sexo porra!

 

— Mais programa? Você quer mais programa? Então vá atrás de mais meninas porque ninguém aqui é uma máquina de fazer sexo, Logan, muito menos eu!

 

— Ah você não é?! Se não está aqui para dar qual sua outra utilidade então? Porque com certeza você é muito melhor em chupar do que servir as mesas! – quando menos percebi fora minha vez de bofeteá—lo, deixado a marca perfeita de meus cinco dedos em seu rosto mas não fora preciso mais de cinco segundos para que eu me arrependesse de tal atitude impensada – Você acabou de mexer com fogo, queridinha! 

 

— Você é grotesco, Logan, eu não sou sua escrava sexual, não estou presa a esse puteiro que se diz de luxo! Eu tenho uma vida fora disso aqui. 

 

Talvez esse fosse o principal motivo de eu ser o alvo principal do cafetão do bordel, o meu orgulho era muito maior do que o medo que sentia dele e até mesmo de meu instinto de sobrevivência.

 

— Ah você tem? – ele riu com sarcasmo, agarrando—me novamente pelo braço. Puta que pariu qual era o problema dele com meu braço? – Oh sim é claro que tem, você tem uma família te esperando, seus pais, seu tão adorado filhinho, de fato eu me esqueço. Oh não espere, você não tem absolutamente nada, Nina, a não ser aquela bicha aloprada! Você não passa de uma vagabundadinha de quinta que não tem nem onde cair morta!

 

Com força ele me jogou no chão do quarto, fazendo—me cair depois de bater com as costas e a nuca em minha própria mesa de cabeceira, deixando—me um tanto atordoada pela pancada.

 

— Você é minha garota, se convença disso. 

 

— Eu não sou sua! – rebati pausadamente – Eu nunca vou ser sua, se convença disso, seu nojento infeliz! 

 

Logan aproximava—se lentamente de mim com aquele sorriso sádico que eu tanto temia. Aquele que me dizia que o que viria em seguida não seria uma mão de apoio para me levantar daquele chão. O segundo e o terceiro tapa – se é que pudesse chamar de tapas o que aquelas mãos enormes e cheia de anéis davam – foram dados antes que ele se agachasse em minha frente, aproximado o rosto de mim. E em seguida viera o quarto, que me empurrara para o chão me tirando da defensiva e então ele estava ainda mais perto. Próximo demais para o meu próprio bem. 

 

— Você é tão minha que me deu até vontade de relembrá—la o quanto você pertence a mim. 

 

As suas mãos foram para a fivela de seu cinto, desafivelando—o com rapidez enquanto aproximava—se de mim. Eu sabia o que ele faria, não seria a primeira vez. Eu tentei me esquivar mas o couro do cinto acertou a lateral de minha coxa com força antes que o botão de seu jeans fosse aberto. 
 

— Não Logan, não, não, não, por favor, não! – eu tentava me afastar ignorando a dor em minhas costas assim que percebi suas intenções. Eu não me importava em implorar, apanhar de Logan não era absolutamente nada perto do que ser obrigada a dar para ele como costumava a acontecer – Não faça isso! 

 

— Para que tanto medinho? Desaprendeu a fazer, delicia? Venha aqui para eu mostrar como é! 

 

— Eu imploro Logan, não! Eu não quero!

 

— O que está acontecendo aqui – a voz indignada de minha amiga fora o suspiro de alívio que eu tanto precisava – Vamos Logan, você já pegou seu dinheiro agora vaza daqui e deixe ela em paz!

 

— Isso não vai ficar assim, estou de olho em você vadia! – a sua atenção estava focada em mim, em meu corpo, em minhas lágrimas que só então percebi que as derramava. Cheio de malícia e fúria. 

 

Sem desgrudar o olhar ele caminhou de costas até a porta, onde seguiu caminho de volta para a sala deixando—me desolada com uma Caroline que me olhava com pena.

 

— Lena, o que ele fez com você? – lentamente ela se aproximou de mim, ajoelhando—se ao meu lado. 

 

— O que ele sempre faz! – respondi com um riso sem humor, cambaleando para trás. 

 

— Você está sangrando, venha aqui... – fora preciso ela falar para que eu percebesse o líquido quente que escorria de meu nariz e pingava em minha blusa branca básica. Caroline me ofereceu apoio e de bom grado eu aceitei, gemendo e vacilando da pontada de dor vinda de minha costela. – Hey o que houve? Onde dói?

 

— Eu bati minhas costelas no criado-mudo quando ele me jogou no chão... – respondi com um muxoxo de reclamação, sentando na cama com seu apoio. 

 

— Tire essa blusa cheia de sangue e deixe—me ver onde machucou... – ela me ajudou a retirar a blusa aproveitando para observar a lateral de meu corpo que fisgava onde eu indicava – Lena, nós devemos ir ao médico e se ele quebrou alguma costela? Está doendo muito?

 

— Não, não tem necessidade, está tudo certinho – respondi de imediato – Eu só preciso de um analgésico mesmo. 

 

— Elena... — ela repreendeu. 

 

— Eu estou bem, Care, vai ficar tudo bem. Sempre fica... – eu respondi com uma falsa confiança, pegando das gavetas ao lado da cama uma caixa de lenço para não olhar minha amiga que me olhava preocupada. 

 

— Ei, olhe para mim. Elena, seu nariz está sangrando demais e se quebrou? 

 

— Bem, quem sabe assim ele fique um pouco melhorzinho! – respondi simplesmente, encolhendo os ombros na tentativa de aliviar o clima com um riso sem muito humor – Acredite em mim, eu já quebrei o nariz quando pequena e garanto que está tudo no lugar. 

 

— Depois eu que sou a teimosa! – minha amiga bufou alto levantando—se da cama – Vou pegar gelo para o seu rosto, aguarde um segundo. 

 

E então foi quando eu cai em si, que talvez eu estivesse mais machucada do que julgava estar. De longe, no espelho de nossa penteadeira, eu conseguia ver meu olho esquerdo inchado com um corte no topo da maçã de meu rosto, a lateral de minha face extremamente vermelha por ele não ter poupado aquele lado de meu rosto enquanto meu nariz ainda sangrava enquanto eu tentava estancar, pressionando com os lenços. Bem, de todas as surras definitivamente essa fora a menos pior e de todos os males era o mais rápido a ser curado.

 

Eu o odiava com todas as minhas forças, odiava tanto que chegava a deixar um gosto amargo em minha boca em um sentimento que não me fazia bem, mas principalmente, odiava o fato de eu não conseguir acatá—lo. No início era mais fácil, afinal o meu medo e a inexperiência me faziam ceder mas com o passar do tempo toda aquela agressão e brutalidade com as garotas não me deixavam ficar calada.

 

— Hey... – quando menos percebi aquele olhar esverdeado havia voltado para o posto sentada em minha frente, tirando—me do devaneio que minha imagem refletida havia me feito entrar – Tome, um analgésico e gelo.

 

— Obrigada Care! Ele já se foi?

 

— Já mas Meredith quer falar com todas nós, quer dividir novamente os deveres da casa... – ela anunciou com um olhar de desgosto.

 

— Certo, eu só preciso de alguns minutos para conseguir me recompor para encontrar com a gêmea do mal.


 

 


Notas Finais


Good morning. Good afternoon. Good Night.

Que capitulo em! Só a Emily mesmo para tratar de assuntos tão importantes como esses...

Obrigada a todas as pessoas que comentaram no capitulo passado e favoritaram.

Amanhã posto mais um!

Estamos com uma página no insta e twitter de divulgação de fanfics. Dá uma passada lá e descubra mais fanfics como essa!

insta: KSalvatore64
Twitter: ksalvatore64 ( letra minuscula)

PS: Desculpa a todas que pensaram que era atualização de Obsessão haha Estou na luta haha


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...