História Sol e Lua - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens D.O, Kai
Tags Exo, Kaisoo
Visualizações 21
Palavras 1.292
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Droubble, Ficção Adolescente, Fluffy, LGBT, Literatura Feminina, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 1 - Capítulo Único


Fanfic / Fanfiction Sol e Lua - Capítulo 1 - Capítulo Único

 

JongIn e Kyungsoo caminhavam lado a lado na pequena calçada de pedrinhas brancas e cinzas brilhantes com pequenas conchas incrustadas. A fina canada de areia no ar coçava-lhes o rosto ao passar da brisa fresca do vento, pareciam dedos acariciando-os a pele.

O sol, que já se punha ao fundo, banhava tudo com suas mais graciosas cores, logo mesclando-se com a agua límpida do mar. Era como uma bela pintura natural. O ar era salgado e húmido ali, mas perfeito para a última noite juntos.

Logo à frente, no píer da praia, já se via algumas crianças empoleiradas em sua beirada, rindo de bobeiras e comendo doces. Os adultos, que hora ou outra desviavam a atenção de suas conversas para olhar as crianças, estavam quase ao lado dos carrinhos de comida sobre a ampla plataforma de madeira que se estendia por metros até a calçada. Os brinquedos do pequeno parque de diversão iluminavam tudo com suas luzes de cores extravagantes.

A roda-gigante, já rodava lentamente com suas cabines num leve balançar. Casais e crianças eram banhados por suas luzes coloridas enquanto esperavam na fila.

O casal parou em meio a toda a bagunça, procurando um lugar para se acomodarem e descansarem um pouco até decidirem o que fariam depois. JongIn viu, no lado mais afastado dos carrinhos, um banco vazio.

—Ali tem um vazio, vem. — Falou JongIn apontou para onde deveriam ir.

Poucos passos e ambos acomodaram-se no banco de pedra, ainda de mãos dadas sobre o colo de Kyungsoo. Este, em comparação com os rostos felizes e alegres ao seu redor, mesmo tentando não demonstrar, mostrava sua melancolia.

 O rosto pálido e belo, e melancólico. Perdido no seu próprio mundo.

— Porque você tem que ir? — Sussurrou Kyungsoo, não sabia se para si mesmo ou JongIn. Sua voz tão baixa e quebrada que JongIn quase não pode ouvi-lo.

JongIn apertou sua mão na do menor. Sentia a mesma dor que o namorado, sentia sempre que precisavam se separar. Metade sua ficava para atrás, assim como para Kyungsoo, que metade sua ia para longe.

JongIn respirou fundo, o cheiro de doces e pipoca estavam por todo o lugar, o cheiro do sal do mar coçava seu nariz, poderia rir de tudo isso se fosse em um momento propicio.

Poderia ser uma noite agradável, mas uma outra noite, talvez.

 O mais alto se ajeitou no banco, levou um de seu braços para trás dos ombros de Kyung e o trouxe para mais perto, a cabeça deste quase em seu peito, perto de seu colar de identificação.

Poderia KyungSoo ouvir seu coração bater dolorosamente? Pensou o Kim e quase sorriu com tal pensamento raso.

JongIn limpou a garganta, era doloroso proferir quaisquer palavras a KyungSoo sem sentir como se o estivesse machucando-o, ainda assim, o fez:

— Eu preciso...sabe que fiz um juramento, eu preciso ir.

— Porque você tem que...tem que ir para outro lado do mundo? Eles tem outros soldados, você acabou de voltar. Porque? — Perguntou o menor, seus olhos cansados olhavam fixos nos castanhos de JongIn, seus dedos apertavam a barra da blusa azul do outro, como se pudesse impedi-lo de ir para longe.

— Eu não sei, talvez por eu conhecer melhor a área da missão ou por qualquer outra coisa. Eu não sei, e não posso falar muita coisa também. — Suspirou, passou a mão pelos cabelos escuros do parceiro, sentindo o cheirinho de baunilha no ar vindo dos fios. Seu coração apertava a cada pequeno detalhe que teria que deixar para traz outra vez, por dias, talvez meses. — Só... vamos esquecer isso por agora, e aproveitar essa noite, da melhor forma, tudo bem?

Kyungsoo assentiu, de cabeça baixa. JongIn pegou as mãos do outro de sua blusa e as acolheu entre as suas, seus dedos esguios e longos, a palma quente contra as do menor num carinho gostoso. Levantaram-se do banco logo depois.

— O que você quer fazer? — Perguntou o Kim.

— O que você quiser fazer. — Respondeu, cabisbaixo, o outro.

— Vamos naquela barraquinha de jogar argolas na garrafa?

— Pode ser, Nini.

JongIn sentiu seus pelos arrepiarem ao que aquele apelido tão carrinho fora proferido pelo menor. Seu coração acelerado, um pequeno sorriso brincava em seus lábios fartos. Queria poder dar vários outros sorrisos ao lado deste, em circunstâncias melhores.

Os dois caminharam por entre algumas poucas pessoas até chegarem na barraca do jogo escolhido. Entraram na fila, apenas um outro casal a frente, pagaram assim que lhes chegou a vez. Cada um agora com três tentativas de acertarem os arcos no gargalo da garrafa.

— Pode ir primeiro, Kyung.

Kyungsoo deu dois passos para a frente, pegou uma das argolas e jogou sem muito rodeio. Errou. Na segunda tentativa acontecera a mesma coisa, não tinha jogado o objeto de plástico com força suficiente. Na terceira e última, após praguejar pelas falhas anteriores, teve êxito no lançamento.

O corpo pequeno pulou no lugar, virou para o parceiro e exclamou:

— Eu consegui! 

JongIn assentiu, com o pequeno sorriso nos lábios tomou o lugar ao lado do menor. Pegou duas das suas argolas e as jogou. Das duas, uma acertou o gargalo da garrafa.

— Sua última chance — Falou, o rapaz que tomava conta da barraca. —Se acertar, vocês terão 60 pontos e podem escolher os prêmios que quiserem desse lado. — Enquanto falava, mostrava com a mão o lado esquerdo na barraca, onde haviam alguns bichinhos de pelúcia.

— ok. — Respondeu JongIn.

 

~X~

 

— Pode escolher o qual você quer, KyungSoo. — Disse JongIn. Tinha conseguido acertar a última argola na garrafa, assim, feito os 60 pontos ditos pelo rapaz, deixou com que Kyung escolhesse.

KyungSoo olhou os variados bichinhos de pelúcia, tinham leões, raposas, sapinhos e corações com algumas palavras escritas. Mas nenhum lhe chamava atenção. Olhou mais um pouco e seus olhos focaram em dois pequenos e simples chaveiros, um sol e uma lua,

— Eu quero aqueles dois chaveiros. — Disse e apontou. O rapaz pegou ambos os chaveiros e os colocou sobre a bancada da barraca.

— Você pode escolher mais alguma coisa, ainda sobraram 30 pontos.

— Não, eu só quero esses. — Disse o menor, em um tom mais baixo.

— Tudo bem, pode pegar seus prêmios — Falou — Tenham uma boa noite. — E saiu para atender as outras pessoas na fila.

— Obrigado.

O casal de afastou da barraca, Kyung focado em olhar seus chaveiros, e JongIn em olhar o namorado com seus olhos brilhando para os objetos de metal em mãos. Estava intrigado com a escolha do menor, então perguntou:

— Porque escolheu eles?

Kyungsoo não respondeu à pergunta, ergueu sua cabeça de seus prêmios e olhou JongIn, sorrindo pequeno. Levou sua mão até o colar, a pequena plaquinha de identificação prateada, no pescoço de JongIn e pegou o chaveiro de lua com a outra mão e o prendeu no cordão de metal.

Ainda em silencio, pegou o seu sol e entregou a JongIn, levantando o pulso e mostrando que ele deveria coloca-la em sua pulseira. Assim JongIn fez. Encaixou o chaveiro em sua pulseira, da mesma forma que o outro fizera em seu colar, só ai tornou a falar:

— Porque?

— Porque... Eu quero lembrar de você, quero ter algo que lembre esse dia, que lembre nós dois. Você sabe o quão eu tenho medo de te perder, JongIn. — Disse KyungSoo, baixinho. — Quando sentir medo, quando sentir saudade, lembre-se de mim, lembre-se do meu cheiro, dos meus lábios, lembre dessa lua e eu vou estar com você. Assim como você vai estar comigo. — Apontou para sua pulseira de sol. 

— Eu vou lembrar. Eu prometo. Vou lembrar e vou voltar pra você.


Notas Finais


Eu estou muito apaixonada por essa historia, pelo cenário que criei pra ela <3
Me desculpem esse final ridículo, eu só desanimei quando fui terminar de escrever (meu celular apagou mais de 40 notas do bloco de notas e eu não tinha salvo em lugar nenhum. E pra ficar desanimada ou não?)
Bom, é isso...espero que gostem <3
Fui


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...