História Solangelo para sempre - Capítulo 27


Escrita por: ~

Postado
Categorias As Provações de Apolo (The Trials of Apollo), Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Personagens Originais
Tags Solangelo
Visualizações 213
Palavras 1.491
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Crossover, Fantasia, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Meus amores tô chegando. ❤️

Capítulo 27 - Dor


Fanfic / Fanfiction Solangelo para sempre - Capítulo 27 - Dor

Pov. Nico


O final de semana passou voando, fora do acampamento nós tínhamos muitas coisas para conhecer, passeamos pelas sombras e fomos a diversos pontos que da cidade, foi muito bom conhecer Manhattan com Will ao meu lado, ele transformava tudo com seu bom humor e o sorriso sapeca. Naomi disse que podíamos ir quantos finais de semanas quiséssemos, mas afirmou saber que nossas vidas eram complicadas e que entenderia. Ela também comentou sobre o aniversario de dezoito anos de Will que seria em breve, mas especificamente em três meses, disse o quanto estava orgulhosa dele e que enviaria um presente pelo Argos.

Voltamos ao acampamento no domingo a tarde, fomos de táxi e subimos a colina para finalmente chegar aos chalés.

– Vou dar uma conferida na enfermaria, meu anjo. – Will fala enquanto guarda suas roupas em seu quarto.

– Tudo bem, então eu vou deixar minhas coisas no treze e te encontro depois na enfermaria. Preciso enviar uma mensagem de Íris para Hazel, vou pedir a ela informações sobre o vestibular e – encarei o chão repentinamente envergonhado.

– E? – Will incentivou.

– Sobre algum apartamento para nós dois. Se você ainda quiser, claro. – Falei inseguro.

– Desde que você chegou eu me permiti sonhar com um futuro de verdade – Will sorriu –, saber que em Nova Roma há famílias constituídas por semideuses me deu ainda mais esperança de construir algo sólido e eterno com você. Nico – ele deu uma passo na minha direção e afastou os cabelos negros que cobriam parcialmente meu rosto – , morar com você é tudo que eu mais quero. Nunca antes pudemos sonhar com isso portanto eu não pretendo perder essa oportunidade, os deuses estão calmos, o olimpo está em paz, não haverá profecias por um longo tempo e em Nova Roma há a chance de eu ter uma família com o homem que eu amo. – ele me beijou brevemente.

– Solace você não pode me falar essas coisas. – Resmunguei emocionado e ele sorriu. – Termine isso e eu vejo você na enfermaria, ok?

– Ok, meu anjo. Tchau. Aí! – Will geme de dor com as mãos no abdômen,

– Tchau. – Eu digo e me virou quando escuto o grito de dor de Will. – O que foi amor? – seguro Will de lado e o ajudo a sentar.

– N-não sei, mas está passando. Foi apenas uma forte pontada bem aqui. – Ele põe a minha mão em cima do lugar da dor.

– O que, exatamente, fica neste local Will?

– O fígado.

– S-sinto... Deuses, não! – eu digo e Will me olha assustado.

– O que foi Nico? A dor já passou, eu estou bem.

– Sinto possibilidade de morte. – Will me encara com ainda assustado, mas balança a cabeça e tenta sorri.

– Está tudo bem, foi apenas uma dor. Talvez algo que eu comi no fim de semana.

– Não Will, eu senti sua áurea de vida enfraquecer. Promete pra mim que nós vamos a um médico mortal.

– Prometo, mas não fique pensando nisso. Somos semideuses e sempre há possibilidade de morte. Vá falar com Hazel, sim? Eu posso me cuidar sozinho, não se preocupe. Vejo você na enfermaria.

– Você prometeu, lembre-se! Tudo bem eu vou, mas vejo você daqui a pouco. – Eu falo e deixo Will organizando seu quarto.

Saio do chalé sete e vou até o meu, as cenas de Will sentindo dor e a sensação de morte em volta dele não saíam da minha cabeça, alguma coisa estava errada com ele o que muito injusto! Ele vai fazer dezoito anos, é perfeito, é filho do deus da cura, não pode morrer por alguma doença idiota! Nós sabíamos que como semideuses estamos vulneráveis a ataques dos dois mundos, mas geralmente somos curados pela ambrosia e o néctar. Porém se o que tivermos for algo genético nem néctar e nem ambrosia podem curar, eles curam ferimentos de guerra e não doenças naturais. Seja o que for Will precisaria de um cuidado mortal ou de apenas um cântico de seu pai. Era isso Apolo poderia curá-lo.

Tento me livrar da dor que senti ao ver Will daquele jeito e vou até o banheiro, abro a janela e deixo o sol entrar criando um perfeito arco-íris com a água do chuveiro.

– Oh deusa do do arco-íris aceite a minha oferenda. – eu repito os dizeres e lanço o dracma que imediatamente desaparece. – Me ligue com Hazel Levesque, no Acampamento Júpiter.

Uma imagem surge na névoa e eu vejo minha irmã ajudando Frank com uma papelada enorme.

– Oi casal!

– Nico! – ela grita e me encara pela primeira vez.

– Nico, como vai? – Frank me saúda.

– Oi irmãzinha. Vou bem Zhang e vocês?

– Estamos bem, conseguimos controlar as crianças, mas eu ainda estou com raiva de você! – Ela fez cara de mal e eu ri.

– Não fique, pois vou precisa da sua ajuda. Sua e do senhor Pretor Zhang.

– Em que podemos ajudá-lo? – Frank falou assumindo uma expressão séria.

– Will quer tentar o vestibular de medicina, ele faz dezoito anos em três meses então poderemos ir para Nova Roma.

– Poderemos? – Haz destacou. – Isso quer dizer que você virá também! Oh meus deuses isso é ótimo, eu estava mesmo me sentindo sozinha.

– Hazel eu acho que você não entendeu. – Frank me olhou compreensivo.

– Como assim?

– Haz, eu e Will estamos namorando e – eu não queria ficar falando meus planos e de Will para ninguém, mas ali estavam dois dos meus melhores amigos – nós queremos um lugar para nós, depois da faculdade ou durante ainda não sei, eu pretendo casar com Will.

– Casar? Meu irmãozinho pensa em casar? Santo Plutão, como você mudou Nico. Isso é incrível!

– Bem, obrigado, eu acho. Apenas mantenham isso em segredo, não quero boatos sabre a minha vida. Eu gostaria de pedir a centuriã que me enviasse os documentos necessários para Will prestar vestibular e ao senhor Pretor queria pedir que sonda-se um apartamento para mim, não precisa ser muito grande apenas o suficiente para um casal, depois se precisarmos nós mudamos para outro.

– Pode ser com dois quartos? – Frank perguntou. – Estão construindo um condomínio novo que deverá ficar pronto dentro de três meses mesmo, ele fica próximo ao parques e não é longe da faculdade e do hospital. Acho que seria ótimo para vocês.

– Perfeito. Reserve um para nós e me envie os documentos do aluguel junto com os do vestibular. Obrigado pela ajuda.

– É um prazer ajudar. Sabe Nico estou muito feliz por vocês. – Frank falou sincero, eu pude sentir o afeto na voz dele.

– Você parece preocupado Nico. – Hazel comentou e eu me perguntava como ela me conhecia tão bem.

– Estou bem – sorri forçado. – Obrigado de novo e tchau!

– Tchau. – eles disseram juntos e eu passei a mão encerrando a chamada.

Tiro o casaco e fico apenas de camisa e depois visto um moletom preto por cima para me esquentar melhor e saio em direção a enfermaria. A cena de Will sentindo dor se repete na minha cabeça como um filme eu, mais uma vez, tento ignorar. Chego a entrada da enfermaria e caminho até o escritório de Will, vejo meu Raio de sol guardando alguns papeis e organizando a mesa.

– As vezes acho que você adora ele lugar. – Múrmuro e ele sorri tragando o ar a nossa volta.

– Seu cheiro é tão bom meu anjo... – ele desconversa. – Mas respondendo ao seu comentário, eu adoro mesmo. Esse lugar me deixa, de alguma forma, conectado ao meu pai e eu gosto da sensação de tê-lo por perto. – Ele terminou o que fazia e se encostou na mesa sentando-se de lado e me puxou para o meu das suas pernas. – Eu gosto do que faço, gosto de curar as pessoas, gosto de ver a magia da cura acontecer. Meu pai revelou na nossa primeira conversa que o poder da cura estava dentro de mim e disse que o amor é mais forte que qualquer magia.

– Adoro isso em você. Essa paixão pelo que faz. Falando nisso conversei com Hazel e Frank, eles vão enviar os papeis para o vestibular que você poderá fazer online mesmo e os papeis do nosso apartamento, ele ficará pronto em três meses e é próximo a faculdade e ao hospital. Dá pra ver o por do sol de lá, fica numa praça arborizada, você vai adorar meu amor.

– Desde que você esteja lá eu vou adorar mesmo. – Ele falou manhoso e beijou me cabeça enterrando seu rosto nos meus cabelos. – Posso dormir com você hoje, meu anjo?

– Claro que pode, basta tomar cuidado com as harpias. – Estranhei o pedido de Will, não que ele não gostasse de dormir comigo, mas porque ele me pareceu estar com medo de alguma coisa que claramente não me contou.

– Vamos treinar um pouco, acho que preciso recuperar a forma depois de um final de semana inteiro comendo besteira. – ele falou sorrindo e eu não pude deixar de sorrir também.

– Vamos lá meu Raio de sol, fiquei orgulhoso daquele soco cruzado no shopping. – Eu lembrei e ele gargalhou.

Will parecia bem, mesmo eu sabendo que não estava, pela primeira vez na minha vida desejei não ter meus poderes. 


Notas Finais


Bad.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...