1. Spirit Fanfics >
  2. Solar Crown >
  3. Os Sonhos Dele

História Solar Crown - Capítulo 1


Escrita por: G7N

Notas do Autor


Olá Como estão? Espero que bem Kk ⌚

Bom, venho aqui iniciar um novo projeto meu.

Esse história será em primeira pessoa eu acredito, mas os dois primeiros capítulos (Prólogo), serão em terceira.

O nome "Solar Crown", é uma referência a Test Drive Unlimited, uma série de jogos de corrida. Mas a mesma não tem nada a ver com o enredo.

Irei dar créditos no final deste capítulo, a autores de alguns itens que utilizei.
———

A história assim como as minhas outras, contém uma playlist. Diversas músicas serão tocadas durante os capítulos, então recomendo ler e ouvir nos momentos que eu deixar escrito.

A playlist será atualizada a cada capítulo, colocarei as músicas em ordem. Assim ficará mais fácil do leitor encontra-las.

Segue o link:
https://youtube.com/playlist?list=PLXkWc0ahWnWfSzW3-xLAZUhRozZAKdV14

Agradeço a atenção, e desejo uma ótima leitura a todos. 😄

Capítulo 1 - Os Sonhos Dele


Fanfic / Fanfiction Solar Crown - Capítulo 1 - Os Sonhos Dele

07 de Setembro de 1998

Angústia, medo e dor. Essas três palavras, resumiam a mente do pobre garoto que tinha acabado de chegar.

Dezesseis crianças, foram salvas de um cargueiro no litoral paulista. Estima-se que elas tinham sido sequestradas algumas semanas atrás; A polícia, dizia que boa parte de seus pais, haviam sido assassinatos; Os cortes, as perfurações de balas, e as marcas em seus pescoços eram semelhantes em todos os corpos mortos.

Lembranças mortais, sangrentas e assustadoras atormentavam a mente dessas pobres crianças. A recuperação séria deverás complicada, qualquer um que decidisse acolher alguma teria um grande desafio.

— Pobrezinho... Ele não comeu nada? desde que chegou?? — Uma moça perguntava.

— Sim, ele apenas fica deitado na cama. Não conversa, não abre a boca para falar um "A". Até agora não ouvimos sua voz.

— Meu Deus... — Ela colocava a mão esquerda na boca — O trauma deve ter sido enorme. Mas acredito que com o tempo, ele voltará ao normal. — Ela suspirou — Precisamos ter calma.

O grande orfanato em São Paulo, tinha a missão complicada de auxiliar na recuperação de todos. Aquele garoto, aparentava ser o maior desafio, que eles teriam nos próximos anos.

(...)

3 anos depois

10 de Agosto de 2001

O garoto apresentava uma evolução, mas ela era lenta, bem lenta. Três anos se passaram, mas ele ainda falava raramente.

Ele estava sentado num banquinho, no pátio do orfanato. Seis das dezesseis crianças salvas tinham sido adotadas.

Diversos pais ficaram interessados no menino; Mas desistiram pelo garoto ser estrangeiro, e por falar uma outra língua diferente do português. Era complicado criar um laço, e os supostos, candidatos a "pais", queriam adotar uma criança para cuidar de forma mais fácil.

Crianças que falavam espanhol ainda eram escolhidas. O espanhol era mais simples, então ensinar era menos complicado. Já o garoto era italiano. A língua europeia não era tão comum na região, então a adoção era bem complicada.

O orfanato tinha acabado de receber novos moradores. Três crianças bem animadas tinham chegado, eles avistaram o menino que parecia estar, bem desanimado.

Sem pensar muito, eles foram até o garoto. Eles não o conheciam, não sabiam nada sobre aquele lugar. Por puro impulso decidiram ir.

— Ei, como vai? Qual teu nome mano? — Dizia o mais baixinho dos três, ele tinha cabelos encaracolados negros, sua pele era negra e seus olhos eram castanhos. Usava roupas desleixadas, e sua cara estava toda suja e melada, parecia ser sorvete.

O jovem olhou, estranhou a presença de crianças desconhecidas, ele queria falar; Infelizmente pouco sabia da língua portuguesa, mas mesmo assim fez um esforço.

— M... me chiamo Jacob... Jacob Andretti. — Ele mesclava sua língua de origem, e o português brasileiro que ainda estava aprendendo. Tudo isso misturado com a sua leve timidez.

— Tendemo, prazer me chamo Lucas! Pode me chamar de Lukinha. Os dois aqui se chamam Rafael e Gustavo. Somos amigos desde os dois anos!

Jacob não respondeu, ele apenas olhava. Ele não conseguia conversar mesmo que quisesse; eles falavam português, ele mal sabia contar até dez na língua local. E a mistura de gírias, e palavras ditas de forma errada não ajudava.

Um homem — que trabalhava no orfanato — chamou os três para um canto, após perceber a situação. Ele explicou sobre Jacob dando um breve resumo, não citou as partes assustadoras para não traumatizar os meninos, obviamente.

— Oh, a gente tendeu senho! Vamo ajudar ele! — O do meio dizia, era Rafael. Ele tinha cabelos loiros e olhos negros, vestia roupas meio surradas também. — Isso aí tio! — O mais alto afirmava, era Gustavo. Ele usava óculos e também tinha cabelos negros, ele era moreno e um pouco gordinho; Suas roupas, estavam mais limpas que as dos outros dois, mas ainda estava suja.

Os três estavam determinados a ajudar Jacob; bondosos, e com muita energia, tinham a certeza que poderiam mudar a atitude, daquele possível novo amigo.

(...)

4 anos depois

27 de Julho de 2005

— Ei, passa o controle! Tu já perdeu! — Jacob dizia. Agora ele felizmente já entendia o básico de português.

— Não! Eu morri muito rápido, isso não vale! — Rafael retrucava, ele estava jogando vídeo game com os outros meninos.

— Que saco! Você cria regras do nada. — Jacob resmungava. — Você ainda não se acostumou Jacob? O Rafa é assim memo. — Lucas afirmava, enquanto bebia uma latinha de refrigerante.

Jacob já possuía uma noção básica da língua portuguesa; Os meninos o encorajaram sempre, e queriam brincar com ele toda hora.

Jacob enfim cedeu, e resolveu aprender de vez a língua; Aos onze anos, ele conseguia ter uma conversa com alguém sem muitos problemas.

(...)

5 anos depois

14 de fevereiro de 2010

Jacob já era um adolescente, tinha se acostumado com o Brasil e feito algumas amizades. Ele saia quase todos os dias com os meninos.

Era domingo, ele estava sozinho. Tinha pego um carro emprestado de um amigo. Para que? Para correr!

[ Tocando: Ja Rule - Life Ain't A Game ]

Domingo de madrugada, o posto de gasolina abandonando — na zona leste — estava repleto de automóveis. Era dia de encontro, e consequentemente de alguns rachas.

Diversos veículos modificados estavam estacionados nas calçadas, pessoas conversavam e bebiam aos montes, curtiam a noite ao extremo.

Jacob dirigia um Chevrolet Astra Sport 2002 modificado de um amigo. Ele tinha pedido para o jovem ir correr hoje, pois tinha que estudar para um concurso que estava chegando.

O problema era que Jacob não tinha carteira, Ele vinha de carona em todas as ocasiões. Ele sabia dirigir, afinal seu amigo não deixaria ele com o carro se não soubesse.

Ele era o próximo na fila, estava aflito porém ansioso.

Alinhou o carro ao lado de outros três automóveis. A corrida era de ida e volta, os carros deveriam atravessar um barril no fim da rua e voltar. Quem chegasse primeiro ganharia.

(...)

Jacob já tinha uma noção dessas corridas; assistia filmes, pesquisava e jogava jogos sempre que podia. Carros eram uma de suas grandes paixões.

Uma moça seguiu para o centro, um pouco a frente dos carros para dar a largada. Jacob estava atento, aquela corrida valia dinheiro, e ele só foi descobrir essa informação alinhando o veículo na rua.

A moça levantou as mãos, gritou enquanto a música rolava nas caixas de som, e após alguns breves segundos abaixou os braços. A largada tinha sido dada.

Jacob acelerava, um outro oponente que estava num Volkswagen Golf 2004, tentava sujar o piloto a sua direita. O jovem aproveitou a situação para passar ambos.

Com uma diferença razoável do terceiro colocado, só havia um carro a sua frente. Era um Hyundai Veloster 2008, ele estava relativamente mais rápido, afinal era um veículo mais novo.

Mas Jacob conseguia tirar essa diferença pegando vácuo atrás do adversário; Chegando no barril, o Veloster freou alguns metros antes para virar, Jacob avançou mais rápido, e por ventura ultrapassando o mesmo. De forma "suicida" logo depois, ele fez um movimento para tentar um Drift.

Jacob usou o freio de mão como auxílio. Virou o volante para a direita, assim fazendo o carro derrapar para o lado. Ele tinha feito um "cavalo de pau" falho no caso.

Mas mesmo assim virou mais rápido que o segundo colocado, Seguiu acelerando até por fim chegar na linha de chegada.

Ele tinha ganhado, não só a corrida, mas uma quantia que iria ser dividida com seu amigo. E isso era ótimo, Jacob tinha um plano que queria realizar com seus amigos. Então precisava de dinheiro, muito dinheiro.

Ele tinha tido uma ótima noite. Quem diria, o jovem estava finalmente superando seu passado.

[ Desligando: Ja Rule - Life Ain't A Game ]

2 meses depois

03 de Abril de 2010

Mais uma noite de corridas, Jacob estava animado. "Confiança" era a palavra que constantemente, vinha em sua mente.

(...)

Após três corridas vitoriosas, o jovem já estava famoso. Todos queriam tirar fotos ou conversar com a nova "celebridade".

Ele seguia para o veículo emprestado, estava tarde e ele estava cansado.

Estranhamente a voz de alguém o chamava, o jovem se aproximou da parede e avistou um homem.

Ele cumprimentou Jacob, parecia conhecê-lo. — Ei, Garoto você tem talento! — O homem estranho dizia.

— Obrigado! ...Eu te conheço? — a dúvida pairava a cabeça do menino.

— E quem não o conhece! Suas técnicas de condução são incríveis! — O homem chegou mais perto para falar no ouvido direito de Jacob — Mas vem cá, vamos para o que interessa. Você não deseja ganhar um dinheiro extra? Uma quantia grande! — O homem piscava.

A oferta era tentadora, Jacob precisava do dinheiro. Ele necessitava o mais rápido possível, seus amigos estavam tendo resultados melhores que ele.

— Eu... eu não sei... — Ele estava com dúvida, e sono. O sono estava impedindo o raciocínio na hora.

— Vamos lá, a grana é boa! E você fará o que gosta!

— ... Está bem. — Ele suspirou.

— Ótimo! Me passe seu número, irei te ligar para dar todas as informações. — O sorriso no rosto do homem esquisito era perceptível. Aquilo não parecia cheirar bem.

(...)

Dia Seguinte

04 de Abril de 2010

[ Tocando: Roosevelt - Sea ]

— Jacob, Jacob!! — Lucas corria ansioso pelos corredores do orfanato.

Jacob estava escovando os dentes, foi pego de surpresa logo pela manhã. Lucas parecia animado, mais que o normal, tinha acontecido algo bom, e Jacob sabia disso.

— Hmm Fala Caraí, tô escovando os dentes...

– Foi mal, mas tenho uma ótima notícia! Eu e o Rafa ganhamos quatro apostas seguidas!!! Ganhamos uma quantia alta brother!!

— Ow, isso é ótimo! Quanto vocês ganharam? — Ele perguntava enquanto começava a enxaguar a boca.

— Quinze mil reais!! — Lucas pulava de alegria.

Jacob ficou tão surpreso que acabou cuspindo a água toda no vidro, ele teve um leve engasgo.

*Cof Cof*

— QUINZE MIL REAIS??? Vocês não faziam apenas apostas simples??? E se vocês falhassem??? — Jacob estava feliz, mas não perderia a oportunidade para dar uma bronca. A atitude dos dois foi bem arriscada.

— Tá tá... ganhamos não? É isso que importa bro! Estamos tão perto de realizar nossos sonhos! — Lucas colocou seu braço esquerdo entre o pescoço de Jacob, e começou a sorrir.

Os quatro tinham um sonho conjunto, esse sonho foi criado quando eles ainda eram bem novos.

Eles queriam ser bem sucedidos, ter dinheiro e viver facilmente pelo resto de suas vidas. Quando mais jovens, eles não sabiam como fazer isso, eles pensavam que apenas juntar dinheiro estava bom.

O tempo passou, eles descobriram o mercado de ações e o surgimento das moedas digitais. Jacob e Gustavo começaram a pesquisar a fundo sobre.

Após alguns testes com mesadas, eles descobriram que aquilo tinha potencial. O plano agora era recolher o máximo de dinheiro para investir.

Eles criaram um grupo chamado "Guys of the Seventh Night", ou simplesmente "G7N".

Um grupo criado em conjunto para realizarem seus sonhos. A logo foi feita por Rafael, o nome foi dado por Gustavo, as cores foram escolhidas por Lucas, e a ideia inicial foi dada por Jacob, da mesma forma que a execução.

— Chega mais, tenho que falar com vocês três em particular. Já chamei o Gustavo e o Rafa, eles estão esperando no BK. — Dizia Jacob vestindo sua camisa.

— O que você quer falar? Para chamar a gente assim, não parece ser algo bom. — Lucas levantou sua sobrancelha direita, ele sabia quando Jacob falava num tom sério.

— Não é algo ruim, apenas... Irei falar quando todos estiverem juntos.

— Okay... — Lucas suspirou — Está bem.. então vamos?

— Partiu Lukinha! — Jacob saia dando leves tapas nas costas de Lucas.

(...)

Chegando lá, ambos pediram lanches simples, não queriam gastar demais, eles até foram andando para economizar a passagem.

Subiram as escadas, encontraram os dois sentados em duas, das quatro poltronas do segundo andar.

— Porra! finalmente mano, estão dez minutos atrasados, meu lanche já deve estar frio. — Rafael resmungava comendo uma batatinha.

— Não reclama, tu esperou pra comer porque quis. — Lucas respondia sentando-se numa das duas poltronas vagas.

Jacob pedia para os dois pararem, enquanto sentava para comer.

 — Mas aí, o que tu queria falar com a gente Jacob? — Gustavo que já estava comendo, perguntou de boca cheia.

— Bom, primeiramente parabéns a vocês três. Conseguiram uma grana boa, tanto o Gustavo na loteria do mês, e vocês dois com as apostas.

— Você também, ganhou dois mil ontem! Logo vamos concluir nossa meta, acho que só falta um ano! — Rafael estava animado.

— Bom, recebi um convite ontem. E pode nós dar uma grana muito boa, é uma chance de deixar nossos projetos bem mais próximos.

— Isso é ótimo! Mas o que tu tem que fazer? — Gustavo perguntou.

— Eu não sei ainda, O maluco disse que me ligaria, só não sei quando. — Ele coçava a cabeça.

— Mano, toma cuidado, pode ser problema. Vai que dá algum B.O.

— E quando a gente não se envolveu em um? Problemas fazem parte do nosso dia a dia.

— Sei lá cara, a gente só não quer problema.

— Se rolar algum, ele vai vir pra mim não é? Relaxa...

Eles mudaram de assunto e ficaram ali, planejando sobre o futuro ainda incerto.

[ Desligando: Roosevelt - Sea ]

(...)

5 meses depois

19 de Agosto de 2010

Tudo tinha acontecido muito rápido. O planejamento, o encontro, a preparação.

Aquele "trabalhinho" para ganhar dinheiro, não era algo legal. Jacob já suspeitava, mas era tarde demais.

Ele estava com uma máscara dentro de um carro aprova de balas, os vidros do carro tinham insufilm, então ver o que tinha dentro era impossível.

Era madrugada, Jacob estava apreensivo, esperava ansiosamente a volta dos comparsas. Ele queria sair o mais rápido possível daquele pesadelo.

Eles já tinham entrado — dentro do banco — a bastante tempo. O garoto estava inquieto, batia constantemente suas mãos no volante. Ele tinha transtornos de ansiedade. Descobriu a alguns anos, numa consulta rotineira no hospital.

*!!!*

[ Tocando: Son Lux - Lost in to Trying ]

Barulhos de alarmes começaram a soar de dentro do banco, o que estava feito estava feito. Ele só precisava ajudar aqueles caras a fugir, e estava tudo certo.

Três pessoas encapuzadas saíram segurando duas, a três sacolas em cada mão. Não era para menos, aquele banco não era qualquer um. E sim um dos maiores do país.

Jacob abriu as portas e o porta malas, eles rapidamente colocaram as bolsas atrás, e entraram.

— VAI MOLEQUE, RÁPIDO PORRA!! — Um deles gritava, estava ofegante.

Jacob acelerou, notou algumas sirenes pelo retrovisor, era a polícia.

Ele só precisava despistar, o que não seria difícil, os automóveis da polícia não estavam preparados para terrenos mistos, muito menos curvas fechadas.

— PORRA, por que tu tinha que ter apagado aquele segurança seu animal!! O plano dizia sem mortes!

— Era ele ou eu CARALHO! Só esquece essa merda!!

Jacob se assustou, ele tinha ficado mais calmo na hora do planejamento, pois era dito que não era para ter mortes.

Bom, o "era" não deu muito certo, Mas Jacob sabia que se falhasse ali, ele seria o próximo.

Terceira marcha, ele acelerava. Adentrava em becos para despistar, o carro que ele dirigia era mais rápido, então a polícia sofria para chegar perto.

2 horas depois

Foi um sufoco, mas o garoto concluiu sua missão. Estacionou o carro dentro de um galpão e saiu; no plano, dizia que após o roubo ser concluído, todos deveriam sair separadamente para não criar suspeitas.

Jacob voltou para o orfanato usando o capuz de seu moletom, as ruas por sorte estavam vazias. Ele conseguiu chegar sem muitos problemas.

[ Desligando: Son Lux - Lost in to Trying ]

(...)

2 anos depois

12 de outubro de 2012

[ Tocando: Panama - Always (Classixx Remix ]

— Conseguimos caralho!!! — Dizia Lucas, enquanto bebia uma latinha de cerveja.

Os quatro estavam numa constante evolução, o dinheiro que juntaram era investido, e recuperado com um lucro duas vezes maior.

Eles agora estavam curtindo a vitória, bebendo cada vez mais em seus quartos. Era a última semana deles ali no orfanato.

Não foram escolhidos até então, chegaram numa certa idade avançada, que infelizmente dificultou a adoção. Os adultos preferiam adotar crianças.

— Finalmente podemos viver nossas vidas! — Dizia Rafael.

— Estamos livres, podemos fazer o que quisermos! Agora temos dinheiro para isso. — Gustavo vibrava.

— Galera.. — Jacob parecia sério, ele tinha uma dúvida. — Como será daqui para frente? A G7N vai seguir?

— Seguir? Acho que não, concluímos nosso plano. Não temos motivos para isso.

— Concordo, a criamos apenas para isso não?

— Agora que temos dinheiro, cada um vai para um lado não é, então não faz sentido continuar.

Jacob estava chateado, mas o plano original era esse, dissolver a G7N após concluir o projeto. Ele não queria, mas não tinha escolha.

— Bom, vocês iram parar, mas continuarei com ela sozinho. — Jacob dizia, parecia estar certo de sua decisão.

— Para quê? — Lucas perguntava, ele estava intrigado com tal afirmação. — Não sei ainda, mas já que vocês vão sair, continuarei solo. Criarei alguns planos, meu sonho ainda não terminou.

— Faça como quiser. Iremos nos separar, mas de vez em quando, planejaremos um encontro entre nós! — Rafael afirmava.

— Isso aí, a G7N acaba aqui. Mas nossa amizade irá se estender até o fim! — Gustavo levantava do sofá.

— Okay haha, proponho um brinde. Um brinde a nossa ascensão! — Jacob levantava o copo.

Os quatro curtiram a tarde, e seus últimos dias juntos. Uma era acabava ali, mas outra se iniciava.

Os três tinham concluído seus planos, eles eram básicos. Sempre foram. Mas Jacob não se sentia satisfeito, ele queria mais. O roubo de dois anos atrás despertou algo nele, algo que o mesmo amaria, e sentiria falta. A adrenalina.

Ele queria aquilo, sua vida não acabaria ali, ele não iria se instalar num lugar, e curtir o resto dos seus dias. Jacob queria mais, muito mais.

[ Desligando: Panama - Always (Classixx Remix) ]

(...)

5 meses depois

06 de Março de 2013

Os meninos já tinham seus planos, alguns já tinham até sido concluídos.

Lucas tinha se mudado para o Canadá, iria estudar e viver naquele país. Gustavo abriu uma empresa no Brasil, ele não queria sair de seus país, ele poderia moldar sua vida ali mesmo. Rafael se mudou para Singapura, ele olhava aquele lugar em revistas, sempre achou lindo, era um de seus maiores sonhos morar lá.

Jacob ainda não tinha planejado o que fazer, caminhava pensando, mas nunca chegava numa resposta concreta.

Ele decidiu sair de seu apartamento, iria para uma cafeteira. Queria esclarecer e limpar a mente.

(...)

[ Tocando: Tom Jobim - The Girl from Ipanema ]

Já no seu lugar favorito, pediu um cappuccino. O café estava cheio, o local era bem famoso na região, de fundo era notável a música clássica do estilo "Bossa Nova".

Enquanto Jacob pesquisava diversas coisas em seu celular, seu passado acabou vindo em sua mente.

Ele era italiano, ele gostava da Europa, ele tinha leves lembranças de sua infância antes do orfanato. Era um lugar que o agradava.

Ele curtia assistir corridas, Mônaco era um lugar que ele amava. Ele queria viver intensamente, mas não sabia como.

— Ei garoto, Vejo que olha Mônaco? É um ótimo lugar. — Um senhor estranho o abordou, ele estava sentado ao seu lado, e espiava o celular do jovem. Jacob nem reparou a chegada daquele homem.

— E.. sim, eu também acho. — Jacob voltou a olhar para seu celular.

— Eu gosto da música brasileira, é tão calma e relaxante... e você Jacob? — O senhor tomava um gole de café.

— Sim? Eu gosto... Me desculpe, mas quem é o senhor? — Jacob estava confuso, bem confuso por sinal. Não era a primeira vez que um desconhecido o abordava, principalmente sabendo seu nome.

— Bom, digamos que temos interesses em comum. Você chamou bastante a minha atenção garoto, um homem que conseguiu virar o mercado de ações de ponta cabeça. Fascinante haha.

Certamente, Jacob continuava investindo. Ele pesquisava muito sobre as mais diversas empresas e mercados de trabalho. Seus investimentos estavam dando um lucro imenso, grande o bastante para ser notado.

— Obrigado.. — Ele estava sem graça, mas ainda sim apreensivo. Como aquele homem sabia quem era Jacob? Como ele o achou?

— Bom, também conheço seus atos criminais para chegar aonde está. — O homem piscou.

— ??? — Jacob estava surpreso, aquele homem sabia muito mais do que ele imaginava.

— Ah perdão, Não me apresentei. Me chamo Benjamim, Benjamim Bruce. Tenho meus negócios nos Estados Unidos, pensei que gostaria de escutar o que tenho a dizer.

— Bom, o senhor já me conhece. Mas me chamo Jacob, Jacob Andretti. É um prazer, eu acho... — Ele apertava a mão de Benjamim — Estou ouvindo.

— Enfim, sua inteligência, suas habilidades, e sua liderança são de se orgulhar meu caro. Você pode ser muito mais do que pensa, por que não deixa eu lhe mostrar? — Benjamin apontava para o veículo estacionado na frente da cafeteria. Era um belo Cadillac Escalade 2021.

Jacob pensava, pensava até demais. Era seu sonho, era aquilo que ele desejava. Ele não queria viver sentado bebendo uma cerveja, ele queria se aventurar.

Queria conhecer locais, ter suas próprias coisas e viver cada segundo como se fosse o último.

Esse era seu sonho, esse era seu maior desejo.

[ Desligando: Tom Jobim - The Girl from Ipanema ]

Continua

 


Notas Finais


E essa foi a apresentação de um dos nossos protagonistas!! Queria escrever sobre Jacob a anos! Fico feliz de finalmente poder colocar, um dos meus projetos mais antigos em prática. ⌚

Logo postarei o segundo, apresentando a nossa segunda protagonista! e pela primeira vez nesse site, estarei escrevendo uma história em que a mulher é uma personagem principal. (bom, nas outras não cheguei nessa parte ainda) 🤭

Enfim além da ficção, pretendo retratar algumas coisas de minha pessoa nesses dois, nesse primeiro capítulo já descobrimos que Jacob ama carros, assim como eu rs. No próximo darei uma explicação mais completa sobre isso tudo. Assim evito spoilers.

Assim como eu disse no início, os dois primeiros capítulos (Prólogo), serão em terceira pessoa.

Do terceiro em diante, os capítulos serão em primeira pessoa. Irei falar qual visão está sendo passada em cada um, para evitar confusões.
--

Créditos ao uso de uma imagem para a criação da Capa:
https://instagram.com/pietrodonzelli?utm_medium=copy_link

Créditos para a edição das rodas da capa (clarear 🤣):
- @DorySuuk

Agradecimentos:
- @DorySuuk
- @JhadeCR
- @I_D_S

Bom acredito que seja só isso kk, Qualquer atualização eu edito e aviso. Agradeço demais se você chegou até aqui, e agradeço muito por ter lido. 👋🏼


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...