História Soluço, chefe de Berk - Capítulo 16


Escrita por:

Postado
Categorias Como Treinar o seu Dragão
Personagens Astrid, Fúria da Noite, Soluço
Tags Astrid, Hicstrid, Soluço, Solustrid
Visualizações 107
Palavras 2.029
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Famí­lia, Fantasia, Magia, Romance e Novela
Avisos: Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Gente, eu chorei, fiquei triste de verdade escrevendo isso, mas terminou tudo bem, como tem certas pessoas me ameaçando (sim, eu estou falando de vocês Milahoferson e Flora360) eu resolvi postar mais cedo, mas agora eu vou parar de falar proque achoq ué vocês querem saber de que se tratava o suspense no último capítulo

Capítulo 16 - Capítulo 16, o sequestro


Fanfic / Fanfiction Soluço, chefe de Berk - Capítulo 16 - Capítulo 16, o sequestro

Eu estava vendo, eu estava vendo, eu via tudo, seus olhos, seus cabelos, seu sorriso, eu não estava mais cego, assim que nos separamos eu me levantei, então abri os braços e fechei os olhos, sentindo a brisa me envolver, aí vocês se perguntam, porque alguém que estava cego dez minutos atrás fecharia os olhos para sentir a brisa, é simples, porque eu sabia que quando os abrisse eu a veria, e aquele era o maior prazer que eu poderia sentir em todo o mundo, mas eu fui interrompido por uma doce voz

- O que você está fazendo? - era a Astrid

- Apenas sentindo a brisa, venha, eu te mostro - eu disse lhe estendendo a mão

Ela aceitou e levantou, eu a posicionei de frente para o horizonte e abri seus braços, ela riu (bem estilo titanit)

- Agora fecha os olhos e deixe que a brisa te leve - eu disse e ela assentiu

Então ela fechou os olhos, eu segurava sua cintura impedindo que ela de cambalear, quando sentimos o vento bater, ela sorriu, e eu ouvi uma risada baixa, nesse momento algumas flores passaram voando, acho que era de uma das árvores que aviam crescido no penhasco, eu peguei uma e coloquei em seu cabelo

- Você tem razão, é magico - ela disse sorrindo

Antes que ela dissesse mais algumas coisa eu a beijei como se não ouvesse amanhã, talvez isso já esteja ficando meloso, mas era tão mágico, era como se o mundo a nossa volta se extinguisse e só existissem nós dois, sem problemas, preoucupações, responsabilidades, apenas o nossos amor, mas o ar faltou e tivemos que nos separar

- Sabe, eu tenho muita sorte de ter você aqui - eu disse e ela se virou pra mim

- Não tanto quanto eu tenho sorte de ter você - ela disse e eu sorri

Esse momento não poderia ser mais perfeito, eu me sentei novamente no penhasco, e para minha surpresa ela se deitou e colocou a cabeça no meu colo, então eu comecei a acariciar os seus cabelos loiros e ela sorriu

- Eu queria que esse momento durasse pra sempre - eu disse calmo

- Não, aí você ia enjoar de mim - ela disse fingindo estar brava

- No dia que eu enjoar de você pode me jogar no mar - eu disse e ela riu

Mas o nosso momento foi interrompido por um grito vindo de alguém lugar mais baixo na aldeia

- Astrid Hofferson, se for você que está aí em cima é melhor vir aqui em baixo agora, se não eu subo aí - eu não identificava de quem era a voz

Ela se sentou em um pulo, parecia que conhecia aquela voz, ela olhava para trás com uma expressão preoucupada

- O que foi? - eu perguntei ficando preoucupado também

- É o meu "tio" Mike, ele chegou na cidade hoje a tarde, deve estar me procurando, faz tempo que não nos vemos - ela disse com um tom indecifrável entre tristeza e raiva

- Claro, é melhor você ir antes que ele suba então - eu disse com um pouco de ironia no final

Ela deu um sorrisinho, acho que meu tom de voz a fez sorrir, então ela se levantou e eu permaneci sentado

- Até amanhã - eu disse sorrindo

Ela me beijou rapidamente

- Até amanhã - ela disse e desceu a ladeira correndo

Eu fiquei observando ela de longe, até que sumiu da minha vista, naquele momento uma pergunta tomou conta dos meus pensamentos, quem era aquele homem na minha mente, parecia que eu o conhecia, parecia familiar, eu sentia que podia confiar minha vida a ele, eu me deitei na grama e suspirei, eu precisava achar uma resposta pra todas essas perguntas, amanhã eu vou na Gothi, enquanto isso a Astrid se encontrava com o tio, ela não esboçava nenhum sentimento, e estava com um sorriso forçado

- Tio Mark? - ela perguntou quase em um sussurro

Nesse momento alguém tapou sua boca e segurou suas mãos para trás do corpo

- Não, meu nome é Viddar, Viddar Grinborn - e essa foi a última coisa que ela ouvio antes de desmaiar

•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••                            Quebra de tempo•

•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••

Ela acordou depois de algumas horas, ainda sentia dor de cabeça e estava tonta, depois de alguns momentos percebeu que estava presa em uma sela, ela tentou levantar, mas estava com as mãos acorrentadas a parede, foi quando a mesma figura de antes apareceu

- Então você é a famosa Katarina Crofferson, eu sinceramente esperava mais de você, não uma simples garota loira que se acha durona- ele disse e isso a irritou ainda mais

- Sinto muito se te decepcionei, espera, eu não sinto não - ela disse com tom de zombaria

- Você é muito abusada para o meu gosto, devia aprender a tratar seus superiores com mais respeito - ele disse se irritando

- Me desculpe, mas eu não vejo nenhum ser superior a mim nesse navio - ela disse sorrindo maliciosamente

- Você vai aprender a nunca irritar um Grinborn, o papai vai gostar de te ver, pelo visto você vale muito para um certo imperador Creiano - ele disse se virando de costas para ela

Agora a astrdi avia ficado brava, ninguém falava assim com ela, ninguém a tratava com desdém, naquele momento ela terminou de bolar um plano extremamente arquitetado para fugir daquele lugar

- Então pelo visto você é a penas uma peça descartável nesse jogo, está apenas sendo usado pelo seu amado papaizinho, só você não percebe - ela disse em tom de zombaria novamente

- Cala essa boca, não ouse falar assim do meu pai - ele disse se virando e segurando nas grades com força

- Então vem calar - ela provocou novamente

Nesse momento ele abriu a cela e se aproximou dela, ela então lhe deu uma rasteira e o derrubou, o deixando inconsciente, então ela observou que as chaves aviam caído do bolso dele, ela pegou uma com o pé e levou até a mão, abrindo as correntes

- Já enfrentei piores - ela disse pisando nas costas do homem

Então a Astrid andou para fora da sela e a trancou, deixando o Viddar preso lá dentro, ela limpou a poeira das mãos e localteou os dois guardas que estavam guardando a sela, nesse momento os outros a olharam tentando ameaça-la, mas ela lhes deu um olhar intimidador

- Quem é o próximo? - ela perguntou apontando para os guardas localteados

Os outros então largaram as armas e se jogaram no chão para parecer que foram localteados também

- Assim está melhor - ela disse com as mãos na cintura

Ela então subiu até o convés onde encontrou alguns dragões presos

- Eu não posso deixa-los aqui - ela ussurou e começou a libertar os dragões

Não aviam guardas no convés, aí você já percebe que ou esse tal de Viddar não era um cara muito inteligente, ou os guardas ficaram com medo dos dragões e fugiram

•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••

Em Berk:

Eu me levantei e fui ver se a Astrid chegou segura em casa, eu sei que pareço super protetor e tal, mas é que eu a amo, eu fui até a casa dela, mas a Natália me disse que ela não avia chegado, então eu fui pra casa, se ela chegasse poderia ve-la pela janela, o que eu não esperava era que avia um bilhete na minha porta, eu o tirei e o li

- "Querido chefe dos Holigans, eu passei apenas para avisar que sequestrei aquela que vocês chamam de Astrad, ou algo assim, e que agora eu estou a levando para Creia para entregá-la ao imperador em troca deu uma boa quantia de dinheiro, então a menos que tenham uma proposta melhor para me fazer podem ir dizendo tchau a Katarina, Ass: Viddar, PS: Eu sei que você está cego, mas não tem problema, é só pedir pra alguém ler"

Eu estava pasmo com o que acabara de ler, quando me virei percebia que os pilotos estavam atrás de mim, eles estavam boquiabertos, sem reação

- Vocês acreditam, ele foi capaz de fazer isso com a Astrid, aquele cara vai ser esmagado, mastigado, engolido e digerido por ela - eu disse e eles continuaram sem reação

- Você acabou de ler essa carta - foi tudo que ouvi a Header dizer

- Sim, qual o problema? - eu perguntei me esquecendo completamente que a três horas atrás estava cego

- Você acabou de ler essa carta - agora foi a vez do perna-de-peixe

- Gente, nós deviamos estar mais preoucupados com a Astrid agora - eu disse ficando bravo

- Você acabou de ler essa carta - essa foi o Melequento, agora já tá enchendo o saco

- Sim, mas agora vamos pegar os dragões, temos que salvar a Astrid antes que ela chegue a Creia - eu disse já elevando um pouco a voz

- Você acabou de ler essa carta - os gêmeos disseram em uníssono

- Por Odin, alguém me explica como esse fato é relevante agora - eu disse já elevando a voz mais um pouco

- É que a algumas horas você nem sabia pra que lado ir - o perna-de-peixe respondeu

- E porque isso...há tá, entendi, é uma longa história, eu beijei a Astrid, aí eu vi algumas lembranças, um cara me disse algo bem clichê tipo "você está pronto", e aí quando eu abri os olhos não estava mais cego, nossa, agora parece bem simples - eu disse mudando varias vezes a expressão e a voz

Eles estavam boquiabertos, pra falar a verdade eu também estaria, mas tive que acorda-los do choque

- Gente, nós vamos salvar a Astrid, a Katarina, seja lá como é que ela quer ser chamada ou não? - eu disse ficando bravo

- Calro, vamos - a Header disse e os outros assentiram

•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••                              Quebra de tempo

•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••

Nós estávamos voando a muito tempo, parecia que o mundo iria acabar e nós não iríamos encontrá-la, estávamos indo na rota em direção a Creia, mas não avia sinal de nenhuma embarcação por ali, foi quando ouvimos grunidos, pareciam de vários dragões misturados, eles vinham de um tempestade que estava a Norte

- Vamos, na tempestade - eles me olharam feio - até parece que nunca fizemos isso antes

Eu ouvi alguns concordarem e outros (tá bom, foi só o Melequento) gemerem reclamando, nós adentramos a tempestade e continuamos ouvindo os grunidos, eles estavam mais fortes, pareciam estar se aproximando

- Parem, tem algo a frente - eu disse e eles pararam

- O que pode ser? - o perna-de-peixe perguntou

- Não sei, mas vamos descobrir - eu disse determinado

- A gente precisa mesmo descobrir? Isso sempre acaba em problema - o Melequento disse e eu revirei os olhos

- Banguela, pode mandar a ver - eu disse

- "Tava demorando" - ele disse e eu sorri

Ele então lançou uma espécie de onda de som, e recebemos grunidos de volta, aviam dragões do outro lado, até que ouvimos um grito

- Soluço, Cof, Cof, eu estou aqui, Cof, Cof, Cof - parecia a Astrid

- Astrid? - eu gritei de volta

- Eu, Cof, Cof, estou aqui, Cof, Cof... - nesse momento tudo silenciou e eu ouvi alguém caindo

- Vamos Banguela, para a água - eu mandei

Ele me olhou em súplica para não entrar

- "Precisa mesmo?" - ele perguntou

- Sim, dragão teimoso - eu disse a última parte em um sussurro

Nós entramos na água e eu vi a Astrid afundando, eu me soltei do Banguela e nadei para pegá-la, agarrando sua cintura e nadando para cima, mas o ar começou a falar, e com um último respiro eu chamei o meu dragão

- Banguela

Nesse momento ele entrou na água e agarrou meu braço, e nós levou até a superfície, eu coloquei a astrdi em cima do Banguela, subindo logo depois, eu tossi um pouco e vi que ela não acordava

- Astrid, Astrid - eu gritava balançando ela

Ela não se mechia, eu comecei a entrar em panico, então fiz respiração boca a boca e ela começou a puxar ar, eu respirei aliviado

- Se você for o Melequento eu juro que vai morrer quando voltarmos para Berk - ela disse ainda ofegante

- Astrid, graças a Thor - eu disse e a abraçei

Só então percebemos que os outros observavam tudo

- É melhor voltarmos antes que essa tempestade fique mais forte - a Header gritou

Eu assenti e coloquei a astrid no meu colo, depois voamos para Berk, a Natália precisava saber disso, a guerra realmente avia começado

Continua?....


Notas Finais


Gene, eu comecei a escrever e não conseguia parar mais, então desculpem se esse capítulo ficou muito grande, espero que tenham gostado

Beijos, abraços, e até mais


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...