1. Spirit Fanfics >
  2. Sombras da Ganância >
  3. Navio escocês

História Sombras da Ganância - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura

Capítulo 3 - Navio escocês


Fanfic / Fanfiction Sombras da Ganância - Capítulo 3 - Navio escocês

Alto mar do Oceano Atlântico

1720 d.c.

Rumo à Havana



- Bom-dia flor do dia! - um dos marujos sacudiu a espanhola.
- Hm....O-o que aconteceste? - perguntou enquanto esfregava os olhos de sono.
- Está na hora de trabalhar! Podes ser convidada do Capitão, mas não significa que estás aqui de graça! Ande, levante e vá logo trabalhar! - o marujo rabugento explicou-lhe indo para o convés.
Cana se levantou da rede que, aparentemente, era a cama de qualquer marujo que não fosse parente de sangue dos Teach. Vestiu-se com a roupa posta à seus pés enquanto dormia e calçou os coturnos. Assim que subiu, cobriu seus olhos pelo sol já posto no céu límpido do dia.
- Cana! - a pequena Teach que havia lhe feito companhia no dia anterior lhe chamara na parte superior onde o leme ficava. - Que bom que acordou! Achei que depois de ontem não acordarias!
- Nunca vi uma mulher como tu beber tanto... - a ruiva mais velha disse atrás de si, assustando-a.
- Onde está Natsu? - a morena perguntou esperançosa para ter um momento à sós com o homem mais belo que já tinha visto.
- És Capitão Dragneel para tu... - retrucou a ruiva enfurecida pela intimidade forçada. - E não és de tua conta.
- Ciumenta como sempre, não é minha irmã? - o Capitão apareceu subindo a escada enquanto abotuava os últimos botões de sua camisa branca com um sorriso sarcástico no rosto.
- Não. Apenas não suporto pessoas intrometidas. - olhou diretamente para Cana que não desviava seu olhar do rosado.
- E então como fostes tua noite, Capitão? - Cana perguntou inocentemente.
- Já tive melhores.... - sorriu minimamente para a morena.
- Posso ajudar-te a relaxar nesta noite.... - sussurrou no ouvido deste. - Se quiseres, é claro.
- Não se preocupe, minha cara. - o homem olhou profundamente em seus olhos arrepiando-a. - Não irei precisar de teus serviços, nem esta ou nas próximas noites.
Cana se decepcionou, estava ansiosa para tê-lo entre suas pernas, mas ainda não havia desistido por completo.
- Mas, - ouviu atentamente o homem - aposto que muitos dos meus marujos adorariam tê-la. - piscou de forma sexy para a morena e direcionou-se para o leme.
O mar estava calma naquele dia, o céu azul e sem nuvens, ótimo para navegar. Cana vendo as irmãs conversarem animadas com um homem de cabelos loiros e olhos verdes e o Capitão controlar o leme calmamente pensou em fazer algo além de vegetar no chão do navio. Levantou-se e de forma sensual, desceu as escadas que levavam a parte mais baixa do convés, tirou todo o pedaço de tecido que lhe cobria, inclusive seus sapatos, e apenas de roupas íntimas se deitou sob as roupas no chão quente de madeira; atraindo os olhares dos marujos e de quem mais queria, Natsu Teach Dragneel. Sorriu vitoriosa e apenas esperou que o sol lhe bronzeasse.
- Rougue. - o rosado chamou o marujo que levava mapas para a irmã. - Podes tomar conta do leme?
- Capitão, e-eu...
- Confio em ti. - soltou o leme, empurrando o rapaz para tal.
Desceu as escadas, olhando fixamente para o corpo esbelto da mulher em sua frente. Assim que o capitão entrou na vista de alguns marujos que admiravam a moça, voltaram apressados ao trabalho mesmo que curiosos; tinham confiança em Natsu, mas o medo era ainda maior.
- Posso saber o motivo para ter tal ousadia em meu barco, senhorita Alberona? - perguntou firmente à morena que sorria ao ouvi-lo tão perto de si.
- Estava entediada.... - repousou seus olhos nos do homem.
Recebeu apenas um sorriso de canto, mas foi o suficiente para perceber o quão bonito este e seu dono eram. Dragneel se abaixou e chegou a centímetros de sua boca, mesmo assim nenhum marujo ousou olhar a cena surpreendente.
- Não testes minha paciência, guapa.
- No estoy haciendo nada, mi capitán. - a morena lhe lançou um sorriso sedutor enquanto trocava olhares entre os lábios e os olhos do homem.
Natsu puxou-a pelo pescoço fazendo-a se sentar ajoelhada perante si. Olhou para o horizonte em sua frente e sussurrou no ouvido da mulher excitada pelo toque agressivo. - Será mejor que te alejes de mí, mujer. Si no quieres que te haga daño, claro. - riu anasaldo e soltou seu pescoço voltando para o leme.
"Sabia que te fisgaria Capitão...." pensou sorridente observando-o voltar à sua posição.
Convencida, voltou a se deitar e, ansiosa, começou a imaginar como seria sua noite no quarto do Teach.
- Rougue! - Natsu o chamou antes que retornasse ao trabalho. - Venha aqui, quero que faça algo por mim.... - sorriu malicioso olhando a espanhola.
- O que queres que eu faça, Capitão?
Natsu sussurrou em seu ouvido algo e voltou-se ao mar, enquanto Rogue ia se encontrar com Sting.
- Achas mesmo que Capitão faria isto? - Lyon perguntou baixinho para o marujo ao lado enquanto limpava o chão.
- O quê? Transar com ela... - Lyon e Elfman olharam para a morena ao sol.
- Voltem ao trabalho, se não quiserem que os joguem no mar para os tubarões.... - Gajeel os olhou enraivecido.
Os marujos do irmãos Teach eram pessoas simples, desde a piratas até prisioneiros e procurados. Todos formavam uma grande família, sempre respeitando, principalmente, o Capitão Dragneel. Este era o mais temido dos irmãos; claro que a ruiva lhes faziam tremer de medo, mas assim que a voz do rosado era ouvida, calafrios eram distribuídos. Gajeel era o mais próximo dos Teach, em parte por ser um pirata experiente e astuto, por outra fazia parte da família Teach desde a época de Barba Negra com Metalicana, seu pai. O moreno cuidava do barco e supervisionava o convés para que não houvesse motim ou qualquer desordem.
- Sting! - o moreno chegou próximo ao amigo que limpava a fileira de canhões na parte direita do navio.
- O quê?
- Temos um trabalho à fazer....- sorriu malicioso.
A espanhola continuava a se brozear quando tomada pela distração do som das ondas, não escutou dois marujos virem em sua direção com um balde em mãos. Sting e Rougue despejaram sem medo das consequências o balde com água de peixe que ainda possuia escamas ou partes do animal marinho, ouvindo um grito feminino.
- O QUE PENSAIS QUE ESTAIS FAZENDO?! - ela gritou enojada com a água fedida e um pouco gosmenta no corpo.
- No meu navio não há espaço para preguiçosos, muito menos ousados e rebeldes, querida Cana. Então te aconselho a começar o trabalho, limpando os peixes junto com Mirajane. - Natsu disse do leme apontando para a mulher de cabelos brancos e corpo esbelto.
A espanhola extremamente irritada se levantou e seguiu à garota. - Venha, vou te ajudar a se limpar. Meu nome é Mirajane, mas podes me chamar apenas de Mira. - sorriu gentilmente.
Cana se limpou e colocou uma nova roupa. - Como consegues aturá-lo? Ele pode ser o homem mais bonito que já vi, mas continua sendo um.....um.....um babaca!
Mira riu se sentando na bancada do pequeno bar escondido no porão do navio. - O Capitão Dragneel é rabugento sim, mas daria a vida por todos nós. Assim como nós daríamos por ele.
- Duvido muito....
- Sei que és nova aqui, mas te aconselho a obedecer o Capitão. Acredite, ele não depende de ninguém, muito menos de tu!
A morena bufou e olhou para os peixes a sua frente. - Acho que vou vomitar...
Mira riu da mulher e lhe ajudou a limpar os peixes para que o jantar começasse ser preparado. Enquanto isso Macau e Wakaba na ponta do barco recolhiam a rede de pesca posta ao nascer do sol. Natsu abandonou o leme deixando-o nas mãos da irmã e caminhou até ambos.
- Alguma novidade? - perguntou cruzando os braços.
- A rede está mais pesada que o normal, Capitão. - Macao disse puxando-a com força.
- Gajeel! - o rosado gritou fazendo o moreno se aproximar. - Ajude-os por favor. Quero ver o que nós temos.
- Sim, Capitão! - o moreno se aproximou puxando a rede como se não fosse nada.
Macao e Wakaba se sentiram inúteis por utilizar de tanta força, sendo que o jovem pirata conseguia sem nenhum esforço. Dela peixes e um tubarão grande foram retiradas, arrancando um sorriso da boca do rosado ao ver o animal imenso.
- Ótima pesca, senhores! - Natsu disse após acariciar o abdômen do tubarão morto.
Antes que algo pudesse ser dito, Erza gritou que havia inimigos no mar, fazendo-o voltar ao leme.
- LEVANTAR VELAS! PREPARAR CANHÕES E ARMAS! - ordenou para os homens que começavam a se ajustar.
Assim que o barco ganhou velocidade e aproximou-se do barco da marinha real da Escócia o rosado ordenou que os canhões fossem postos em posição e disparados. Então os dois convéis se alinharam e dezenas de piratas pularem entre cordas e tábuas de madeiras colocadas como pontes, atravessando para a frota ao lado. As lutas corporais e de espadas começaram por todo o lado, o sangue já era visto no chão e nas roupas de todos os marinheiros.
Natsu desembaiou sua espada. - Tome conta do barco, irei divertir-me um pouco...
Erza tomou conta de sua posição enquanto o irmão enrolava uma de suas mãos em uma corda e pulava para o outro navio. Assim que suas botas pretas bateram no chão do navio real, diversos marinheiros levantaram a mão em rendição.
- Aqueles que desejarem a morte, lutem! Aqueles que desejarem a liberdade, juntem-se à mim! E aqueles que desejarem apenas uma fuga, - o Capitão apontou para o mar - pulem...
Diversos marinheiros pularam do barco, outros se ajoelharam pedindo uma vaga na tripulação e outros arriscaram a tentativa de lutar mais uma vez. Enquanto isso, o rosado adentrava a cabine do comandante da tripulação real.
- Natsu Dragneel! - o homem disse de costas bebericando de uma taça de vinho. - Estava a sua espera...
O Capitão encarou-o. - Quem és tu?
- Mest Gryder, Capitão do segundo regimento da marinha real escocesa. - virou-se encarando-o com um sorriso de canto.
- Desculpe-me, só gravo em minha memória o nome de pessoas importantes e fortes...
O marinheiro enfureceu seu olhar jogando a taça no chão e pegando sua espada. - Achas que tenho medo de ti?
Natsu riu, a mesma risada que tremia o corpo de qualquer que fosse o homem, que arrepiava o pelo e doía os ouvidos de medo. - E achas que me importo com o que sentes?
O rosado andou até este e lhe desferiu um golpe no abdômen. - Tens algo que me interessa, entregue e eu te pouparei a vida!
- Nunca!
O Dragneel então lutou por segundos com o escocês, matando-o com um golpe no pescoço, pisou sobre seu corpo e caminhou até um móvel retangular coberto por um tecido enorme. Puxou-o e apreciou a imagem da sereia presa na jaula de vidro cheia de água. Ela rosnou para o homem.
- Quem diria que uma criatura mortal fosse tão bela... - Gajeel disse olhando da porta.
A sereia era branca como a neve, sua pele tinha pequenas escamas creme, as guelras no pescoço abriam e fechavam constantemente, seus cabelos que flutuavam pela água eram longos e de uma cor azul anil, o nariz apesar de inútil era pequeno e delicado lembrando a parte humana que tinha, a orelha era pontuda, os olhos violetas brilhavam intensamente, os dentes pontiagudos pareciam tão afiados como o do animal pescado minutos antes, as mãos que batiam contra o vidro tinham membranas entre os dedos, os seios eram cobertos por uma parte do cabelo, sem nenhuma cobertura além desta. Da cintura para cima, a aparência era humana apesar de um pouco assustadora, mas para baixo, uma longa cauda movia-se para frente e trás. Era coberta por grandes escamas, coloridas e brilhantes, começavam de um roxo intenso e desbotavam para um azul claro. A imagem do corpo era tão fantástica e bela, que as histórias do mar sobre o quão mortal a beleza destas criaturas eram, agora latejavam pela mente dos dois homens na cabine.
- Será que ela nos entende? - o moreno perguntou se aproximando hipnotizado pela criatura marinha.
- Provavelmente; sereias são seres muito inteligentes. Sabem de tudo e todos, não ficaria surpreso se ouvisse uma voz na minha cabeça...
Ambos os homens observaram os detalhes de cada parte do corpo da sereia encantados. - Chame Lyon, Elfman, Rougue e Sting. Levaremos-a até o porão.
- Sim Capitão.


Notas Finais


Próximo capítulo: 08 de abril
Sayonara


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...